Quem vai Ganhar a Câmara Municipal de Matosinhos??? Vamos Aguardar e ver…

Narciso Miranda

Narciso Miranda

Hoje trago uma entrevista sobre um candidato à Câmara Municipal de Matosinhos, por se tratar de um independente, e de ter dado uma entrevista a um Jornal diário, passo a transcrever a mesma, e faço uma pequena análise, caso saia alguma de outro candidato, terei o gosto de fazer a mesma transcrição e análise, passo a transcrever:

« Antigo dirigente do PS, diz que tem um novo partido que “é o partido de Matosinhos”, porque “há dirigentes socialistas que se acham donos da verdade e do país”. E acredita que vai ganhar

Narciso Miranda regressa à política na sua terra de sempre. Critica o governo e alguns dirigentes socialistas por tratarem “as pessoas e os membros do PS como um guardanapo que se deita fora”, ainda que deseje que o seu partido de sempre ganhe as legislativas. “Já para Matosinhos” – acrescenta – vota “Matosinhos Sempre”.

Porque se candidata depois dos desenlaces políticos do passado?
Aprendi muito durante estes quatro anos, cresci muito. Aprendi a dar importância a coisas a que não dava quando exercia o poder. Analisei melhor o funcionamento dos partidos. Aprendi a seleccionar melhor os meus amigos e a destrinçar os amigos do poder dos amigos pessoais. Constato que as pessoas têm saudades. Querem novamente um líder carismático, capaz de bater o pé a Lisboa. Há quatro anos entendi que chegara o momento de sair da política. Disse a Sócrates que não queria nada. Só divulgo esta parte da conversa. A outra parte interessante que depois continuou no gabinete do primeiro-ministro não divulgo. Abdiquei do poder que me foi oferecido de bandeja. Disse não aos tachos na administração pública.

Ofereceram-lhe alguma coisa?
Não divulgo. Estou disponível para continuar a fazer cidadania. O melhor que me podia ter acontecido foi ter recebido convites aliciantes do ponto de vista financeiro. Recebi um convite da EFACEC e um convite para desempenhar uma função principescamente paga, da AEP e da Exponor. Não aceitei nenhum.

Como se sente após estes quatro anos de afastamento?
Muito melhor. Cresci muito politicamente. Aprendi a lidar com as pessoas e a gostar mais delas. Aprendi também que não é possível estar na vida política sem paixão e vacinei-me contra uma prática que é muito normal entre os políticos portugueses, que é actuarem com calculismo e frieza, com um desfasamento brutal entre o que se diz e o que se faz.

Ainda se sente socialista?
Mantenho as mesmas causas que persigo há décadas, valores e princípios. Estou no mesmo sítio de sempre. Há pessoas no PS que desviaram a rota. Todos os secretários-gerais do PS, incluindo Sócrates, disseram que eu era um autarca modelo, no qual o PS se revia.

Identifica-se com o PS de Sócrates?
Acho que o governo governou bem, só que está a pagar uma factura cara pela sua arrogância e insensibilidade. Não foi o governo que falhou, foi a sua liderança. Há dirigentes do meu partido que se acham donos da verdade e do país. Trataram as pessoas e os membros do PS como guardanapos que se deitam fora. Se fossem mais respeitadores por quem dentro do partido tem opinião diferente, o PS estava muito bem. Hostilizaram muitos. Mas desejo que o PS ganhe as eleições legislativas. Já para Matosinhos, voto Matosinhos Sempre.

Quem espera que vote no Narciso?
Espero que votem na candidatura Narciso Miranda Matosinhos Sempre, cidadãos de todas as classes. Os que votam no PS – muitíssimos -, PSD, CDS e BE. O nosso partido é o partido de Matosinhos. Largas centenas de pessoas do PS de Matosinhos entregaram-me um documento assinado a dizer que são socialistas e me apoiam. À frente do PS está Matosinhos. Só as pessoas politicamente cegas, que só pensam no aparelho, é que ficam perturbadas com o gesto.

Gosta mais de ser independente ou socialista?
Gosto muito de Matosinhos, tenho um grande amor por esta terra. Não gosto mais de ser independente, interpretei o sentimento da esmagadora maioria que está cansada dos partidos. O problema não está nos partidos, está em algumas pessoas. O problema não é o PS. O problema é de algumas pessoas que alimentam o aparelho do meu partido. Calculistas. Quando os dirigentes do PS tratam mal um membro da família, que durante anos se dedicou ao PS, que farão aos outros?

O que acha de os partidos estarem isentos de IVA e os independentes não?
Acho que no nosso país há a tendência para proteger a vida partidária. As leis penalizam de forma grave e injusta os independentes. Só em Matosinhos são precisas 12 500 assinaturas. É um trabalho gigantesco. Os partidos recuperam o IVA, nós não. Somos penalizados em 20 por cento do custo da campanha. Não podemos, no boletim de voto, usar um símbolo; tem de ser um número romano de 1 a 20 escolhido por sorteio. A Comissão Nacional de Eleições já me deu razão e diz que o legislador se esqueceu quando fez a Lei do Financiamento dos Partidos.

Quais são os principais problemas que afectam Matosinhos?
Pararam o investimento. Não há dinheiro para fazer obras. Houve muito despesismo. Em Matosinhos esbanja-se dinheiro. Destruiu-se a estrutura financeira. A câmara está numa ruptura financeira total. Há mais de 100 milhões de euros em facturas por pagar e há empresas em risco. É preciso poupar, cortando nos carros, no combustível, nos telemóveis, em almoços, jantares, viagens e festas excessivas. E nas páginas de jornais que se compram para imprimir a fotografia do presidente num populismo confrangedor. Nunca tivemos em Matosinhos um número tão elevado de desempregados. Quase 30 por cento dos jovens não têm trabalho. Em vez de apoiar os grandes empresários e de dar terrenos à JP Sá Couto, devem ser apoiados pequenos e médios empresários.

Se for eleito que medidas tomará?
Em primeiro lugar, rigor financeiro. As chefias atropelam-se umas às outras, mas vou manter os postos de trabalho e cortar nos gastos supérfluos. Reduzir o número de chefes e de directores. Há 200 trabalhadores que não estão a fazer nada. Vou anular todos os contratos de assessorias e consultorias e projectos de especulação imobiliária e reduzir 30 por cento o índice de construção. Chega de betão armado em Matosinhos. Investir nas escolas e fomentar a criação de emprego. Espero ir a tempo de revogar um contrato de cedência do matadouro a um grande grupo. Era bom para criar uma incubadora de empresas. Vou retirar os cartazes e construir no local a obra que está lá anunciada, fazer para quem precisa creches, lares, equipamento desportivo e cultural. Este executivo não fez tudo mal. Acabou as obras que deixei, como a recuperação do Teatro Constantino Nery e a marginal de Leça da Palmeira.

Guilherme Pinto diz que nunca se fez tanto pelo ambiente e pela cultura como agora, concorda?
É injusto o que o actual presidente da câmara diz do meu vereador do Ambiente, Guilherme Pinto. Só pode ser de quem luta pelo lugar político, para não dizer pelo tacho.

Como avalia os restantes candidatos a Matosinhos?
Gente prestável. Tenho pena que o PSD não tenha conseguido um candidato de Matosinhos.

Já não sente traído e magoado como no passado?
Quem na vida política está à espera de gratidão falha. Na vida política os valores não existem. Fui três anos vereador pelo PS, 26 anos como presidente de câmara, fui secretário de Estado?

Acredita que vai ganhar?
Acredito na inteligência dos cidadãos de Matosinhos. As obras falam por mim. Por Matosinhos vou ao fim do mundo. Não há governo nenhum que, comigo a presidente, não tenha respeitinho por Matosinhos. É preciso dizer aos senhores de Lisboa que quem manda em Matosinhos são os matosinhenses.

Prefere uma maioria absoluta?
Prefiro uma maioria sólida e estável?

Se não vencer, fica como vereador?
Sou candidato a presidente da câmara.»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/17864-narciso-miranda-disse-socrates-que-nao-queria-nada, em Jornal I, a 12 de Agosto de 2009

A minha análise:

Mais um candidato a Câmara de Matosinhos, desta vez como independente, vai ser uma luta engraçada, agora com candidatos dos partidos mais tradicionais, como Guilherme Pinto, José Guilherme Aguiar, entre outros.

Este ano em Matosinhos vamos assistir a uma luta curiosa, onde penso que a câmara será discutida pelo Independente Narciso Miranda, e o actual presidente do PS, Guilherme Pinto.

A obra de Guilherme Pinto é mais notória nesta recta final de mandato, penso que mesmo os programas de verão, demonstram um emprenho superior, o que vai pesar com certeza, na decisão dos eleitores, o presidente faz questão de inaugurar de criar soluções para a população, com medidas mais acertadas que outras, mas ai será o povo a julgar.

Do outro lado, temos o independente Narciso Miranda, que segue na ideologia que fez por Matosinhos nos seus mandatos transactos, e que aparece espelhado na entrevista que deu ao Jornal I. Confessa-se como um apaixonado pelo concelho, e que pretende servir os Matosinhenses, renegando, cargos de vereação, onde supostamente, com oposição, a seu cunho será pouco notória neste cargo.

Objectivamente, que ganhe o que o povo eleja, não pretendo deixar aqui a opinião em quem voto, se num, se noutro, ou noutro partido, pois não considero relevante, esta entrevista e opinião, visa somente a informação de forma isenta e imparcial.

Deixo a Seguinte Questão: Que opinião tem de Narciso Miranda?

Tenho Dito

RT

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s