Comprar Casa…Qual a Melhor Altura para o Fazer….

Mercado Habitacional

Mercado Habitacional

Hoje trago uma notícia que penso que conseguiu constatar um facto, no entanto, penso que ainda não conseguiram encontrar a solução para esta crise, que é muito pesada, e penaliza sempre os mesmos. Passo a transcrever a notícia e de seguida dou o meu comentário:

« Agora é uma boa altura para comprar casa

Se tem condições financeiras para comprar a sua primeira casa, esta é uma boa altura para avançar. O poder negocial e as taxas de juro estão do seu lado

Ainda há poucos anos, o mercado imobiliário era simples: quem encontrasse a casa dos seus sonhos, poderia comprá-la; mesmo que tivesse dúvidas, comprava-a de qualquer maneira, porque saberia que a poderia vender quando quisesse com uma mais-valia. O imobiliário só conhecia um sentido: o ascendente.

O negócio mudou, muito por culpa da crise financeira internacional. Desde o início de 2004 que os avaliadores estão a reduzir, em alguns casos drasticamente, o preço que atribuem aos imóveis. “Na verdade, vivemos uma tendência de descida, em termos reais, desde 2000. A crise internacional só veio acentuar a descida”, explica Joaquim Montezuma, director-geral da ImoEconometrics, uma consultora especializada na modelação financeira do mercado imobiliário. Na área metropolitana de Lisboa, a avaliação do metro quadrado das habitações adquiridas com recurso a crédito bancário baixou de 1513 euros no segundo semestre de 2004 para 1395 euros no segundo semestre de 2009, uma queda de 7,80%, segundo o Instituto Nacional de Estatística. Se os valores de avaliação reflectirem correctamente os preços dos negócios efectuados, então os apartamentos de 120 metros quadrados na área da capital ficarão, em média, 14 160 euros mais baratos em cinco anos. Isto quer dizer que, quem esperou cinco anos para comprar casa na zona de Lisboa, pode agora comprar uma habitação semelhante e ainda lhe sobra dinheiro para comprar um pequeno automóvel.

Na área metropolitana do Porto, a queda foi pouco inferior à de Lisboa, de 7,3% para 1139 euros por metro quadrado, mas a recuperação deverá ser mais difícil, devido à sua estrutura económica e, também, porque o problema do desemprego é mais acentuado. Julian Callow, economista-chefe do Barclays Capital, estima que os preços do imobiliário português cairão mais 4,1% em 2009 e 3,9% em 2010, abaixo da média de 5% da Zona Euro.

Alguns grandes investidores imobiliários estão a sofrer pesadamente a queda dos preços dos imóveis. Desde que procedeu à reavaliação de toda a sua carteira de activos, em Junho, o BPN Imonegócios, um fundo de investimento imobiliário comercializado pelo Banco Português de Negócios, apresentou uma desvalorização de 21%. Um conjunto de três fracções na Rua de S. João de Brito, no Porto, que o fundo adquiriu em Fevereiro de 2006 por cerca de 105 mil euros, vale agora pouco mais de 41 mil euros, uma perda de 60%.

Apesar das descidas das avaliações – que em Portugal Continental deslizaram 2,5% nos últimos cinco anos -, ainda é muito difícil casar a oferta à procura. O volume de investimento institucional em activos imobiliários em Portugal no primeiro semestre desceu cerca de 50% no último ano, segundo os dados da Cushman & Wakefield, a maior empresa privada de serviços imobiliários do mundo.

Deixe de ter medo da queda Apesar da crise, há duas condições que colocam os potenciais compradores em condições ideais: taxas de juro baixas e vendedores pressionados. “Face às baixas taxas de juro, se a família tiver condições para pagar o crédito, deve comprar casa, porque é actualmente uma opção mais vantajosa do que o arrendamento”, aconselha Nelson Rêgo, director da Prime Yield, uma consultora e avaliadora do sector imobiliário. Contudo, é importante que a família tenha capacidade negocial com o banco, isto é, que consiga um spread baixo, avisa o especialista.

“Estamos agora numa fase de transição. Os preços estão a estabilizar”, estima Joaquim Montezuma, da ImoEconometrics. Montezuma acredita que a maioria das famílias tem melhores condições hoje para recorrer a crédito do que há um ano. A descida do rendimento disponível foi mais do que compensado pela queda do preço dos imóveis e das taxas de juro. A taxa de esforço, um indicador que os bancos exigem que seja baixo para concederem financiamento, diminuiu 9% no último ano, diz o especialista da ImoEconometrics, que também faz parte da equipa de coordenação do Mestrado em Gestão e Avaliação Bancária do Instituto Superior de Economia e Gestão. “Começa a ser uma boa altura para as famílias comprarem casa. Podem deixar de adiar essa decisão”, conclui Joaquim Montezuma.

Desde o final de 2006 que Ricardo Almeida quer comprar casa nas zonas dos Anjos e Graça, em Lisboa, por razões profissionais. “Em 2006, pediam-me por um apartamento de 80 metros quadrados 160 000 euros, o que, para mim, era impossível para suportar uma prestação ao banco”, conta o professor do ensino básico. Com as taxas de juro acima dos 3,5%, a prestação de Ricardo Almeida ultrapassaria facilmente os 820 euros. “Agora já estou pronto para comprar: nestes dois anos e meio juntei uma boa entrada para o crédito, as taxas de juros desceram muito e os preços que me pedem também. Pelos mesmos 80 metros quadrados nas mesmas zonas, os preços pedidos andam nos 150 mil euros e espero conseguir negociar até 145 mil euros.” Actualmente, um crédito de 145 mil euros com um spread de 0,7% representa uma prestação mensal de 530 euros, ou seja, Ricardo Almeida pode contar com uma poupança mensal de, pelo menos, 35% face à compra de casa no final de 2006.

Cuidados a ter na aquisição Os potenciais interessados em comprar casa devem fazer um vasto estudo de mercado, avisa Nelson Rêgo, já que “o poder negocial está claramente do seu lado”. O director da Prime Yield estima que o mercado residencial de primeira habitação deverá normalizar dentro de dois ou três anos, quando o número de transacções começar a subir e deixar de haver ajustes de preços de 10 ou 15%, como acontece hoje.

A internet é uma ferramenta indispensável na busca. Só o Casa Sapo (casa.sapo.pt), o maior portal imobiliário do país, conta com mais de 420 mil anúncios.

A par deste, visite ainda o BPI Expresso Imobiliário (bpiexpressoimobiliario.pt), o LardoceLar (lardocelar.com) e o ComprarCasa (comprarcasa.pt), entre outros, incluindo os sítios das agências imobiliárias. Aproveitando a queda dos preços, as famílias devem aproximar-se dos centros das cidades, porque o mercado imobiliário nas periferias deverá continuar a sofrer. “O potencial de valorização dos imóveis na periferia é menor do que nas cidades, porque há excesso de oferta”, avisa Joaquim Montezuma. Nelson Rêgo acrescenta que as zonas das classes mais altas são mais resistentes às crises. “Não se verificam oscilações de preços na Lapa, Restelo e Chiado, em Lisboa, ou na Boavista e na Foz, no Porto. O valor investido é sempre preservado”, afirma. O centro da cidade tem outra vantagem: além de poupar com a descida do preço dos imóveis e das taxas de juro, reduz a despesa crescente com os transportes, que acompanha a escalada do preço do petróleo.»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/19582-agora-e-uma-boa-altura-comprar-casa, a 24 de Agosto de 2009, em Jornal I

O meu comentário:

Após a leitura deste mesmo artigo, chego a conclusão que a compra de habitação está facilitada pela descida das taxas de juro, no entanto, devemos terem conta que para se aceder a um crédito, devemos cumprir uma série de requisitos, tais como ter rendimentos constantes oriundos de uma actividade profissional estável, o que por vezes, as pessoas não o têm, nomeadamente as camadas mais jovens da nossa sociedade, que têm bastantes problemas com a empregabilidade, ou mesmo com manter a mesma, por os patrões usarem as pessoas e as descartarem.

A negociação perante uma entidade bancária, resume-se a ter bons rendimentos, oriundos de bons e estáveis empregos, e se possível ter algum dinheiro aplicado, isto em princípio será uma alavanca para ter um bom spread, em qualquer entidade bancária.

Por análise, e em anos transactos quem conseguiu comprar uma primeira habitação, foram essencialmente pessoas com trabalhos de baixa qualificação, pessoas que eram operários fabris, pessoas que eram empregados de armazém, pessoas que trabalham na área da hotelaria, etc, basicamente pessoas que não foram muito aquém da qualificação mínima obrigatória. Estas pessoas compraram casas e conseguiram segurar a economia até esta entrar em crise. No entanto, o mercado, sabe que existem pessoas que, querem adquirir habitações, no entanto, não o conseguem, pois apesar de terem desafiado muito a regra de ir mais além da escolaridade mínima obrigatória, não conseguem atingir a empregabilidade, ou pelo menos, a empregabilidade que possa dar o estatuto de ter boa profissão (o qual estudaram e investiram os seus recursos), ter segurança e rendimentos condicentes com uma pessoa licenciada, e em virtude do investimento anterior efectuado, ou dos empregos de cariz bastante precário, não conseguem do rendimentos disponível, canalizar alguma verba para poupança.

Pois bem, do artigo, estou completamente de acordo, que o cariz negocial está do lado do comprador, que do vendedor, no entanto, devemos ter em conta que poucos são os compradores que tenham boa capacidade negocial nas entidades bancárias, pois os com as qualificações mínimas, saltem de emprego em emprego, os de qualificação superior, acontece o mesmo, saltam, ou então não conseguem sequer atingir o grau de empregabilidade.

Mais uma vez, a crise, as políticas sociais seguidas pelo governo, estão a interferir na vida social das pessoas mais novas, essencialmente nos jovens que vão dos 18 anos aos 35 anos, barrando a estes a possibilidade de andarem para a frente, de poderem fazer o país andar para a frente, de terem filhos (que vão assegurar, a segurança social no futuro), entre outras, pequenas coisas.

É lamentável, mas convém o indicar, se calhar as condições para venda de casa estão tão deploráveis, devido à falta de capacidade dos compradores. O problema aqui, não é a falta de necessidade, não é a falta de compradores, não é a falta de imóveis, não é a falta de vendedores, não é a falta de algum dinheiro, é sim a especulação das entidades bancárias, aliadas a politicas sociais muito atrasadas, e um patronato, bastante deficitário a nível de políticas de recursos humanos. Como sempre o problema é sempre dos mesmos e os sacrificados em primeira instância são os mesmos, os jovens.

Deixo a Questão: Pensa que é possível adquirir já a primeira habitação?

Tenho Dito

RT

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s