Crie um Fundo de Emergência, e Tenha Uma Vida Descansada e Sem Sobressaltos…

Fundo de Emergência

Fundo de Emergência

Hoje trago mais um conselho financeiro, algo sempre útil, para as nossas vidas, e nestes momentos em que a crise nos faz reflectir um pouco mais sobre como gerimos nos nossos recursos, passo a transcrever a notícia e de seguida faço o meu comentário:

« Crie o seu fundo de emergência e durma descansado

É o extintor das suas finanças pessoais: uma reserva de dinheiro para fazer frente ao inesperado

Os azares acontecem, mas, ao contrário do que muitos acreditam, é possível planeá-los, em particular se forem imprevistos financeiros. Os especialistas em finanças pessoais concordam que a criação do fundo de emergência é tão importante como a redução da dívida. Um fundo de emergência é uma reserva de dinheiro que está pronta a entrar em acção caso surja um acontecimento inesperado que exija capital. A perda do emprego, uma despesa médica substancial, uma reparação grave na casa ou no carro e uma factura surpresa do fisco são exemplos de ocorrências que justificam a mobilização do fundo de emergência. A compra de um carro novo, a remodelação da casa ou as próximas férias já não devem usar esse fundo, porque poderiam ser planeadas antecipadamente.

Quanto reservar na espera pelo inesperado? Normalmente, os especialistas apontam que o fundo de emergência deve garantir entre três e seis meses de despesas correntes. A razão é simples: a emergência financeira mais usual surge quando se perde o emprego e três ou seis meses é quanto se demora a arranjar outro trabalho ou a começar a receber o subsídio de desemprego. Basta imaginar as necessidades financeiras que precisaria de satisfazer se perdesse o emprego para perceber a importância da reserva financeira.

Embora os três a seis meses sejam uma referência, deve estudar o seu caso particular. Se tem filhos ou dívidas, pondere incrementar a sua margem de segurança por mais alguns meses. Se é solteiro, não tem dívidas ou se está bem protegido com seguros (saúde, responsabilidade civil, vida ou outros) pode aligeirar o fundo de emergência.

Não pense que, caso aconteça um imprevisto, não precisará obrigatoriamente de uma reserva. Na altura da emergência, os bancos podem estar num aperto (como agora), o que os levaria a restringir o crédito. Além disso, as instituições de crédito não gostam de emprestar dinheiro a quem está com dificuldades financeiras. Em alternativa, talvez possa recorrer à sua família ou aos seus amigos para lhe emprestarem o capital necessário para sair da aflição. É arriscado contar com isso: quando precisar do dinheiro, os familiares e amigos também podem estar numa situação de emergência – e, naturalmente, satisfarão as suas necessidades primeiro, antes de lhe darem crédito.

Perto mas pouco acessível A regra fundamental para o seu fundo de emergência é que tem de ser rapidamente mobilizável, porque os imprevistos não esperam. O ideal é que, após a sua ordem de movimentação, o dinheiro fique disponível na sua conta à ordem entre um e dois dias depois. O destino do seu dinheiro também deve exigir aplicações reduzidas, porque é pouco provável que consiga constituir a sua reserva rapidamente. Aliás, não tenha pressa: o truque é começar devagar. Deverá demorar algum tempo até acumular o suficiente para um mês de despesas, quanto mais três ou seis meses.

As contas de poupança são os instrumentos ideais porque, além de simples e não terem comissões, os bancos não exigem muito para a constituição (250 euros, em média) e os reforços podem ser baixos (a começar nos 25 euros). As taxas de juro são muito reduzidas – actualmente cerca de 0,5% entre os maiores bancos -, mas essa é uma característica secundária na constituição de um fundo de emergência.

Se não se importar de ter algum trabalho, pode optar por uma estratégia mensal usando depósitos a prazo, cujas taxas de juro são ligeiramente superiores às das contas de poupança. Contudo, não aplique o dinheiro todo num único depósito a prazo: divida o dinheiro pelo número de meses que quer que a sua poupança garanta. Por exemplo, se tem 3000 euros como fundo de reserva de seis meses, constitua depósitos a prazo de 500 euros que se vençam em Setembro, Outubro, Novembro, Dezembro, Janeiro e Fevereiro. À medida que os depósitos se vencem, deve pôr o dinheiro num novo depósito a seis meses. Deste modo, terá sempre um depósito a vencer-se no prazo máximo de um mês. A desvantagem deste modelo é que o seu fundo de emergência passa pela sua conta à ordem, ao contrário da conta de poupança, o que pode ser uma provocação ao seu desejo consumista.

Se ter dinheiro no banco é uma grande tentação para si, opte por certificados de aforro. Após a primeira subscrição, pode reforçar a poupança (no mínimo de 100 euros) através do sítio aforronet.igcp.pt e do Multibanco ou do serviço electrónico do seu banco. Contudo, quando precisar do dinheiro, terá de ir a uma estação dos Correios, o que reduz qualquer estímulo de resgate que não seja destinado a satisfazer uma emergência. A limitação dos certificados está na impossibilidade de conseguir o reembolso antes dos primeiros três meses.

A sua reserva de emergência também pode residir num fundo de tesouraria, como o Espírito Santo Monetário, um dos fundos portugueses preferidos da Morningstar, uma firma independente de avaliação de fundos. Basta um dia útil para reaver o dinheiro amealhado, 250 euros para a primeira subscrição e 100 euros para os reforços.

Qualquer que seja a solução para aplicar a sua reserva, é importante que não haja risco de perda. O objectivo do fundo de emergência é reduzir o risco e o stresse da sua vida financeira – e não o oposto.»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/17426-crie-o-seu-fundo-emergencia-e-durma-descansado, a 10 de Agosto de 2009, no Jornal I

O meu comentário:

Penso que por se poupar não vem nenhum mal ao mundo, penso que a velha máxima é, mais vale deste lado, que do lado de lá.

Penso que ter uma reserva monetária de lado, para poder fazer face a alguma emergência, é algo que todos devemos tentar ter, pois, nunca se sabe o dia de amanhã, não falo somente de desempregos, mas também algum problema na nossa habitação, como por exemplo, o rebentar de um cano, um problema grave com o nosso automóvel, etc… São coisas que acontecem e se tivermos recursos nossos, é na maior parte das vezes preferível mobilizar as nossas poupanças e as canalizarmos para solucionar o imprevisto, que pedir dinheiro às entidades credoras, onde, mediante o fim têm taxas de juro muito grandes.

Por exemplo, se temos uma poupança com 2500€ a render a taxa de 1,5%, e até é uma conta poupança (o que podemos retirar só o que necessitamos, e deixamos o restante a render); supondo que necessitamos de 1000€ para fazer face a um imprevisto, penso que mais vale perder um pouco de juro e retirar à poupança, do que pedir emprestado, a uma credora ou mesmo entidade bancária, que têm juros sempre acima de 18%, na maior parte dos casos.

Feitas as contas, poupa-se imensos recursos só nos juros (preço do dinheiro), e então, e ao usarmos a nossa poupança, só perdemos uma pequena parte do juro que iríamos receber.

Outra dica, é de colocar se possíveis pequenas porções de dinheiro a render em diferentes períodos do ano, por exemplo, a vencer de 3 em 3 meses, para pelo menos, de 3 em 3 meses estar precavido para fazer face a algum imprevisto, caso não necessite, deve-se reaplicar o mesmo por período igual.

O recorrer a contas poupança ou mesmo aos tradicionais depósitos a prazo, mesmo que a taxa a que rende, actualmente não ser muito convidativa, pois geralmente, anda à volta da referência da Euribor, o está muito baixa, em alguns casos, abaixo mesmo da unidade, como é o caso da Euribor a 3 meses, no entanto, por mínimo que seja o juro, é sempre aconselhável colocar de lado, de modo, a fugir a tentações, e mesmo, ganhar pontos no relacionamento com o banco, sendo que para muitas entidades bancárias, após um determinado valor de poupança, pode isentar algumas comissões bancárias, por exemplo, a manutenção da conta bancária.

Para finalizar, deixo ficar o meu conselho de sempre possível colocar algumas economias de lado, de modo, a poder ganhar pontos com o seu banco, e poder até fazer face a algum imprevisto de uma forma mais barata, pois o dinheiro emprestado, tem sempre um custo maior na maior parte dos casos, que se recorrer a uma conta poupança, onde todos os meses se coloca uns trocos.

Deixo a Questão: Tem por hábito poupar algum dinheiro?

Tenho Dito

RT

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s