Clima Económico e Confiança dos Portugueses a Crescer…

Porque hoje é Domingo, e com vista a não estragar o Domingo antes das eleições legislativas deste ano, trago-vos uma boa notícia, pelo menos penso eu, passo a transcrever a mesma, seguida de um comentário:

« Confiança dos consumidores aumentou em Agosto

Indicadores de clima económico e de confiança dos consumidores aumentaram em Agosto, pelo quarto mês consecutivo.

Segundo a síntese económica de conjuntura, divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o indicador de confiança dos consumidores melhorou cinco pontos de Julho para Agosto, situando-se agora nos -34,3 e o indicador de clima económico melhorou 0,4 pontos, registando em Agosto -1,2 pontos. Os indicadores atingiram em Abril o valor mais baixo da série.

Por sua vez, o consumo privado “tem vindo a apresentar uma redução menos intensas desde Abril”, beneficiando em Julho de um contributo menos negativo do consumo duradouro, indicador que atingiu o mínimo histórico da série em Março.

As expectativas sobre o desemprego registaram uma melhoria pelo quinto mês consecutivo, diminuindo 6,4 pontos para os os 57,7 em Agosto.

O INE refere ainda que continuaram a registar-se em Julho “fortes reduções homólogas nominais das importações e das exportações” de bens, respectivamente de -24,9 por cento e de -22,4 por cento (-26,9 por cento e -24,9 por cento em Junho).

O indicador de investimento também registou melhorias, com uma “diminuição menos expressiva” em Julho, refere o INE, quando de Maio para Junho havia piorado.

O indicador do investimento, que também atingiu o mínimo da série em Março, beneficiou em Julho “do comportamento menos negativo da componente de material de transporte”.»

In: http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Economia/Interior.aspx?content_id=1364792, a 17 de Setembro de 2009, em Jornal de Notícias

O meu comentário:

O Clima económico está a  subir, juntamente com a confiança dos portugueses, esta situação deve-se na minha opinião a uma conjugação de factores, tais como, a descida da Euribor, a empregabilidade sanzonal que aconteceu no Verão, e um provável rendimento disponível para a compra de bens duradouros.

Vejamos, a descida da Euribor, teve como, consequência mais imediata a descida das mensalidades das casas, o que fez com que por exemplo um rendimento familiar de cerca de 1500€, e que a prestação da habitação tenha descido 200€, em 4 meses, pode amealhar 800€, de rendimento que não esperava ter, juntamente com subsídios de férias de cada um dos intervenientes, deixou rendimento mais que disponível para a canalização em bens duradouros, tais como electrodomésticos, automóveis, obras em casa…etc.

Outro factor que veio, incrementar a confiança dos portugueses, foi a empregabilidade sanzonal que acontece nesta época do ano, em que as pessoas já por si, andam mais de espírito aberto e com um emprego, nem que seja em part-time e em meses, essencialmente parados para a economia, é sempre um bom presságio para que se tenha conseguido um emprego, pelo menos para os próximos tempos.

Convenhamos que também uma descida, embora pouco acentuada de bens de essenciais, tais como os combustíveis, aliado a um final de legislatura, inferem numa confiança e que faz incrementar o respectivo índice.

Penso que os resultados, são mesmo resultado da conjugação de factores, pois eu já não via as pessoas a terem um desafogo económico à muito tempo, conheço casos de pessoas, que estavam mesmo no imite, que este ano aproveitaram para realizar obras na habitação permanente, coisa que não faziam à muitos anos, outras aproveitaram para aderir a pequenos mimos que não tinham, ou deixaram de ter, face à necessidade de poupança e de contenção que foi exigida pela economia, falo por exemplo, de telefone fixo, televisão por cabo, etc.

Pois bem, mas nem tudo são rosas, pois temos que verificar os índices agora no final do 3º trimestre, para ver como reagem, embora este desfecho de trimestre seja atípico, pois tem umas eleições legislativas, no último fim-de-semana do trimestre, que são bastante relevantes e podem inferir no resultado.

Mediante o desfecho das eleições, aliado a uma conjectura que Portugal não controla, que é a economia Europeia e Mundial, será possível inferir o final da crise, e isso depois como consequência é reflectido nos índices de clima económico e de confiança dos Portugueses.

Mas é minha esperança que realmente, a confiança continue a crescer, e que finalmente a crise seja ultrapassada, e que Portugal cresça com um governo capaz, com ideias e que tenha vontade de trabalhar e de fazer o país crescer.

Deixo a questão: Que pensa do incremento da confiança dos Portugueses?

Tenho Dito

RT

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s