Banca Portuguesa Estuda Como Taxar Utilização do Multibanco…

Como Cobrar O Serviço Multibanco?

Como Cobrar O Serviço Multibanco?

Hoje trago uma notícia que pode vir a gerar muita polémica, trata-se da aplicação de uma taxa de utilização do MB, passo a transcrever a mesma notícia e passo a fazer o meu comentário:

« Só portugueses ainda não pagam operações de multibanco

Depois de uma primeira tentativa falhada, alguns bancos continuam a defender que as operações de multibanco deveriam ser pagas. No resto da Europa já é cobrada uma taxa. Mas a Deco diz que bancos não avançarão enquanto a medida “não for politicamente aceite”.

Os portugueses já são os úni- cos consumidores europeus que não pagam qualquer taxa por levantar dinheiro com cartão multibanco em caixas automáticas, as conhecidas ATM, revela a Unicre, empresa que gere a principal rede de aceitação de cartões de débito e crédito em Portugal.

A Áustria foi o último país a introduzir este custo no seu sistema bancário. Apesar de não haver dados concretos sobre o valor da receita com estas comissões, os bancos austríacos cobram aos clientes que levantam dinheiro nas caixas de outros bancos, mantendo a taxa zero para quem utilizar a rede do banco emissor do cartão.

Em Portugal, “o assunto não está a ser equacionado”, garante Faria de Oliveira, o actual presidente da CGD. Em 2001, o BCP tentou implementar a “taxa multibanco” nos levantamentos efectuados com os seus cartões nas caixas dos outros bancos. Perante a polémica suscitada, acabou por recuar. O presidente do BES, Ricardo Salgado, também já defendeu publicamente a adopção da comissão sobre levantamentos em ATM. Mas ninguém avançou, devido à oposição da CGD, então presidida por António de Sousa.

“A introdução de uma taxa nas operações de multibanco terá de ser uma decisão conjunta de toda a banca”, defende Faria de Oliveira, em declarações ao DN.

“Enquanto não for politicamente aceite, julgo que os bancos não avançarão”, assegurou, por seu lado, ao DN João Fernandes, economista da Associação de Defesa dos Consumidores (Deco). Para este especialista em assuntos financeiros, “não é tolerável” que os bancos passem a cobrar por um serviço “que só lhes traz ganhos”.

Esta decisão terá mesmo dificuldade em obter o consenso dos bancos mais pequenos. Com redes próprias de caixas automáticas, os clientes destas instituições terão menos hipóteses de efectuar levantamentos gratuitos, se estes passarem a ser só possíveis nos ATM da marca.

Segundo os dados da Unicre, Portugal tem não só a melhor rede de ATM a Europa (pelas funcionalidades que disponibiliza) como a mais barata. O custo médio cobrado por este serviço na União Europeia é de 1,14 euros. E enquanto em Portugal existem 1589 caixas automáticas por cada mil habitantes, na UE a média é de 855 por mil.

Segundo informação recolhida pelo DN, a maior parte dos países dá isenção de comissão por levantamento quando este é feito na sua rede de ATM, cobrando comissão quando a operação é feita na rede de outra instituição. Outros ainda limitam a um determinado número por mês as operações gratuitas, passando a taxar as que excedem esse número.

De acordo com os últimos dados disponíveis, relativos a 2005, no Luxemburgo, por exemplo, a comissão das operações de multibanco variava entre os 0,75 e os três euros, enquanto na Grécia era de 1% sobre cada levantamento, com um mínimo de 0,84 e um máximo de 2,94 euros. Na Alemanha oscilava entre taxa zero e 4,25 euros. »

In: http://dn.sapo.pt/bolsa/interior.aspx?content_id=1394763, a 19 de Outubro de 2009, no Diário de Notícias

O meu comentário:

Penso relativamente a esta situação, que Portugal para poder implementar uma medida deste calibre, tem que ser socialmente aceito, e actualmente a banca em Portugal, está muito mal vista, por comissões obscuras e não indicadas aos clientes, por mau atendimento em algumas instituições bancárias, por terem a fama de terem lucros enormes à custa de comissões que vão surripiando aos clientes.

Pois bem, tenho um conhecimento muito bom da banca, posso afirmar que esta taxa, é possível ser colocada, e penso que os portugueses, não se importariam de pagar, caso, os seus ordenados fossem justos, para as despesas que possuem no dia-a-dia; caso os bancos com o valor das comissões contratassem mais pessoal para os quadros, de forma a ter um atendimento mais eficaz aos seus clientes, e mesmo antecipar as necessidades, desejos e motivações dos clientes, sendo seus conselheiros, e não considerados inimigos dos clientes; os Bancos disponibilizarem em cada freguesia portuguesa uma caixa MB da sua rede; os bancos deveriam deixar de cobrar a anuidade do cartão MB; entre outras medidas mais relevantes.

A Banca, nos últimos anos têm vindo a regredir na contratação de pessoal para os seus quadros, e tem tentado encaminhar as pessoas para a utilização dos meios automáticos, de forma a poder reduzir custos, especialmente em custos humanos.

Mas um exemplo, que a taxa é um pouco absurda, é que por exemplo, quando um cliente de banco X, se dirige ao seu banco, para depositar um cheque que recebeu do banco Y, e vai ao balcão, utiliza os funcionários da agência, ou seja, faz com que seja, mais dispendioso que depositar o mesmo no MB, e não lhe é cobrado nenhuma taxa, o mesmo se passa, tendencialmente os pedidos feitos pelos clientes em caixas MB ou mesmo com recurso à Internet, são mais baratos que os pedidos na agência, o que de certa forma, até concordo, pois não gasta espaço físico, não utiliza pessoal, agora ter que se pagar por usar o MB ou a internet, vai levar as pessoas a irem para as agências de novo, como acontecia antes de 1985, época em que o serviço MB, surgiu em Portugal.

A questão, penso que se a taxa fosse para algo útil, como por exemplo, criar mais emprego nos bancos, criação de melhores serviços, apoio de clientes, criação de mais caixas ATM em todas as freguesias nacionais, ou mesmo, encaminhar o valor das taxas, para algo útil, como ajudar os que mais necessitam, ai penso, que a medida publicamente, deveria ser bem aceite, o problema é que actualmente a banca possui má fama entre os portugueses, no geral, e penso que para inverter a mesma, têm que efectuar um compasso de espera, e tentar mudar a imagens que os portugueses têm da banca

Trata-se de uma medida, que penso que vai ser difícil de vingar em Portugal, mesmo em consenso da própria banca, pois os bancos pequenos, geralmente não têm uma rede de MB eficaz, e pretendem ganhar cota de mercado, o que só mesmo com algumas «ofertas», é possível contornar. Em caso, de a taxa seja aplicada, penso que é melhor os bancos contratarem mais pessoa, para os seus quadros, pois os portugueses vão voltar às agências, e penso que o horário praticados pelos bancos actualmente, não é exequível, e que as pessoas vão entrar antes das 15H, e vão lá ficar até à ultima pessoa, e os bancários não vão ter tempo para outras tarefas, caso não tenham mais agências e mais recursos humanos disponíveis.

Deixo a Questão: Que Pensa da Implementação de Uma Taxa por Utilização do MB?

Tenho Dito

RT

Anúncios

3 pensamentos sobre “Banca Portuguesa Estuda Como Taxar Utilização do Multibanco…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s