Desemprego Já Crifrado em 2 Dígitos…Soluções Para Este Flagelo Que Afecta Cada Vez Mais Jovens…

Desemprego a 2 dígitos...Soluções...

Trago hoje uma assunto que é bastante irreverente, e não sendo a primeira vez que o trago, penso que infelizmente não será a última, passo a transcrever a notícia e de seguida faço o meu comentário á mesma:

«Desemprego explode e abre nova batalha política

O desemprego já atinge 10,2% da população e volta a subir entre os jovens. Oposição quer aprovar novas medidas para combater o flagelo

A taxa de desemprego de Portugal já supera de forma visível a europeia, tendo atingido um máximo histórico mensal em Outubro, os despedimentos colectivos (planeados e concretizados) até esse mês ultrapassam largamente o total de 2008 e a incidência do desemprego na população mais jovem começou a subir de novo após alguns meses de tréguas. O tema promete aquecer as próximas semanas de debates no Parlamento, onde o PS agora é minoritário: o PCP vai insistir no alargamento do subsídio de desemprego; o PSD e o CDS vão querer aprovar mais medidas de apoio às empresas na criação de postos de trabalho.

Os dados, ontem divulgados pelo Eurostat, mostram que o desemprego já atinge 10,2% da população activa portuguesa (cerca de 560 mil pessoas), valor que compara com uma média de 9,8% na zona euro. Preocupante para o governo é também o facto de estar a descolar face à média europeia. O afastamento é agora o maior desde Abril de 2008. Oficialmente (dados do INE) o desemprego ficou em 9,8% no terceiro trimestre.

Em termos absolutos, o desemprego total está a acelerar. De acordo com as estatísticas europeias, o contingente de pessoas sem trabalho cresceu 29%, em Outubro, em relação ao mesmo período do ano passado. Trata-se do maior salto desde meados de 2003, ano em que a economia também entrou em recessão.

Na população mais jovem, a crise voltou a mostrar a sua agressividade. Depois de uma trégua de seis meses, a incidência do desemprego voltou a aumentar entre as pessoas com menos de 25 anos. A taxa do Eurostat – que faz o ajustamento da sazonalidade e usa os dados do Instituto do Emprego e da Formação Profissional para obter uma estimativa mensal – indica que 18,9% dos jovens estavam sem trabalho em Outubro. Nestas condições estarão cerca de 87 mil pessoas, mais 6% do que em 2008.

Dados do Ministério do Trabalho relativos aos despedimentos revelam que depois da recessão segue-se a retracção no mercado de trabalho. Os especialistas avisam que esta durará mais alguns meses e que, depois de terminar, o mercado ficará congelado e não deve recuperar os empregos perdidos.

Entre Janeiro e Outubro, os processos de despedimento concluídos atingiram 290 empresas: foram quase 3900 trabalhadores efectivamente despedidos, número que ultrapassa por larga margem o total de 2008 (3538 despedidos). Além destes, há planos concretos para despedir mais 4100 pessoas, número que também supera o de 2008. E existem ainda os chamados processos iniciados: até Outubro afectavam mais de 600 empresas, podendo lançar no desemprego quase mais 10 000 pessoas (um aumento de 32% face a 2008).

Esta semana, as empresas Lear (fabricante de acessórios para carros com 200 empregados) e a Rohde (fábrica de calçado com quase mil pessoas ao serviço) anunciaram que não têm condições para continuar a laborar. Para tentar minimizar o impacto destes acontecimentos, o governo anunciou a contratação de 5000 jovens licenciados para fazerem estágios na administração central e lançou mais uma fase do programa Inov Contacto. Ontem, o “DN” noticiou que as autarquias também se estão a preparar para abrir “milhares” de estágios para jovens licenciados em 2010.»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/35698-desemprego-explode-e-abre-nova-batalha-politica, a 02 de Dezembro de 2009, no Jornal I

O meu comentário:

Mais uma vez trago ao blog, um assunto que é o desemprego, na esperança que água mole em pedra dura, tanto dá até que fura.

Pois bem, parece que chegamos aos 2 dígitos, ou seja, já todos sabíamos que tínhamos chegado aos 2 dígitos, no entanto, estavam todos à espera, de dados que pudessem comprovar essa mesma situação.

Penso que é um flagelo, e pelas estatísticas, não me enganei, pelo menos nos últimos comentários aqui publicados, sobre este assunto, a juventude são os mais afectados, e como tal, não parecem existir situações que possam estancar este flagelo, pelo menos na faixa etária mais importante, que no meu entender é a juventude, especialmente a qualificada.

Reparemos, penso que parte do desemprego, ter atingido os 2 dígitos, deve-se essencialmente, a ser mais barato ter um novo, no desemprego, que uma pessoa mais velha, pois os pagamentos ao mais novo são mais leves, do que ao mais velho, em virtude, do que contribuíram anteriormente. Desta forma, só assim se pode explicar o alto índice de desempregados jovens, o que manifestamente, é desagradável, pois está nesta nova geração, a possibilidade de recuperação da economia interna, através de consumo privado, da compra de bens duradouros por parte destes (como é o caso de habitações), e na tão necessária natalidade, que tem como função, fazer com que segurança social tenha sustentabilidade, nos próximos anos e no futuro.

Pois bem, perante isto, parece que o governo, faz orelhas moucas, pois pensa essencialmente nos 4 anos que tem para governar, e não é em 4 anos que vai ser originado o colapso da segurança social, pensa portanto, como a maioria dos empresários portugueses, de todos os escalões, ou seja, no curto prazo.

A ideia é mesmo, que se pense no médio-longo prazo, de poder incentivar a economia, de poder-mos nos precaver para situações futuras, onde não sejamos tão atingidos pela crise, como fomos nesta, ou seja, aprender com os erros, aprender com o passado, e desta forma, não pensar que a governação, é um estatuto, ou mesmo, um poleiro, pensar dessa forma, é ser muito pequeno, ser mesquinho, e não ter a noção, que se alguém, os colocou ali, foi para servir bem o País e os interesses do mesmo.

Volto a relembrar, a solução para a maior parte desta crise, centra-se na empregabilidade de jovens, essencialmente os licenciados, são pessoas que tem uma abertura maior, e como estão inseridos na crise, mas têm mais necessidades pessoais para sair da mesma, em virtude de quererem a maior parte deles, criar a sua própria família, são pessoas, bastante ambiciosas e como tal, lutam incansavelmente para conseguir atingir os objectivos.

Penso que os governantes, mais cedo ou mais tarde, vão ter a noção desta mesma situação, e verão que mais vale sustentar um velho no desemprego, ou uma pré reforma, sem o prejudicar, que estar a cortar as pernas a um novo, que tem mais ideias, tem mais coisas novas a dar ao País, e o conduzir no médio-longo prazo.

Acordem mais uma vez, a Juventude é a solução do enigma.

Deixo a Questão: Que Pensa da Taxa de Desemprego ter atingido os 2 dígitos?

Tenho Dito

RT

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s