Musica Para Oferecer Este Natal…Existe Para Todos os Gostos…Espreitem…

A menos de 48 Horas da Grande Noite de Natal, trago, a sugestão em termos de música, para este Natal, passo a transcrever o artigo, e como é obvio não vou tecer nenhum comentário. Boas Escutas e Boas Compras

« Cheque disco, cheque-mate: Dez presentes para o Natal

Compre à vontade e não peça talão. Estes ninguém troca. O i escolheu dez dos melhores exemplares da colheita discográfica de 2009. Porque não há nada mais impessoal que oferecer um cheque-disco, aqui fica uma lista de escolhas seguras – como os certificados de aforro, antigamente

01. Animal Collective – Merriweather Post Pavilion Já era um dos discos do ano e a primeira audição de “My Girls” ainda não tinha terminado. O primeiro single de “Merriweather Post Pavilion” era suficiente para garantir aos Animal Collective um lugar em qualquer lista. Mais um exemplo de música incatalogável e universal.

Oferecer a: A música dos Animal Collective é como os Lego: toda a gente quer e gosta de brincar com ela.

02. The xx – xx Estes garotos londrinos fizeram um dos discos mais maduros do ano. Canções que encaixam na prateleira “adult – alternative” e que surgem comparados aos The Cure, Portishead ou Interpol. Conquistaram as ondas de rádio mais alternativas e o coração de gerações distintas.

Oferecer a: Aquele tio que diz “nos anos 80 o Bairro Alto é que era” e a todos os que estão a vencer a puberdade.

03. Grizzly Bear – Veckatimest A banda americana abusou nas consoantes ao escolher o nome de uma ilha minúscula em Cape Cod, EUA, para baptizar o seu mais recente trabalho. Mas enquanto o título complica, a música descomplicou-se. “Veckatimest” tem canções mais acessíveis mas a profundidade de sempre.

Oferecer a: Quem conheça a discografia dos Radiohead e todos os que os imitam há mais de 10 anos.

04. B Fachada – s/t “Tempo para Cantar” é provavelmente a melhor canção portuguesa da década que menos gente vai ouvir. Um belíssimo cartão-de-visita ao trabalho do cantautor lisboeta, homem de verbo fácil e barba hirsuta que toda a vida quebrou corações junto a caloiras de ciências sociais. O disco consegue junta humor e inteligência em versos bem construídos e música à medida.

Oferecer a: O disco de B Fachada é a escolha certa para dizer umas verdades à colega de carteira através de versos alheios.

05. Dirty Projectors – Bitte Orca Nada nos preparou para “Bitte Orca”: um disco de canções aos pedaços, melodias feitas num oito e a familiaridade que encontramos em tudo o que é canção popular dos últimos 50 anos. A Dave Longstreth, líder da banda, já chamaram de “novo Beethoven” e “Stillness is The Move”, um dos singles, parece uma variação sobre um tema de Mariah Carey. Confusos? Ainda bem.

Oferecer a: Quem goste de usar a palavra “avant” antes de um nome ou substantivo comum.

06. The Beatles Todos os anos deveríamos receber uma prenda assim. Recheada com o essencial para perceber parte substancial da evolução da música popular. A discografia completa dos Beatles, revista no conteúdo (som em stereo e remasterizado) e na forma, tudo para fazer inveja a melómanos.

Oferecer a: A qualquer pessoa. Se há coisa fundamental nas lojas de discos é esta.

07. Dan Auerbach – Keep it Hid Fez-se homem longe das plantações de algodão e do delta do Mississippi. Ainda assim, é um dos mais perfeitos herdeiros da tradição musical americana. Estreou-se este ano fora dos Black Keys como multi-instrumentista sobredotado. Tudo é gospel e soul negra movida a seis cordas, irrepetível.

Oferecer a: amantes da linhagem Muddy Waters-Led Zeppelin com guitarras em casa.

08. Micachu & The Shapes – Jewellery Mica Levi quis ser adulta antes que fosse tarde mas sem deixar de ser adolescente. A combinação mágica deixou-a fazer da música um brinquedo. Qualquer coisa pode ser pop, desde que captada nas ruas de sotaque britânico: do grime ao garage, todas as etiquetas servem os propósitos desta gente. Uma espécie de hip hop disfuncional tocada a cavaquinho, mas com açúcar por toda a parte.

Oferecer a: aos futuros campeões de um trivia sobre pop contemporânea.

09. Jay Z – Blueprint 3 Está aí “Empire State of Mind”, novo single de Jay Z retirado de “Blueprint 3”, mesmo a tempo do Natal. Jay Z é o artista em nome individual que mais discos levou até ao número um nos EUA: por dez vezes passou por lá. Mais, só os Beatles. “Blueprint 3” é o terceiro disco de Jay Z desde que anunciou que não ia gravar mais discos. O rapper mentiu, e ainda bem.

Oferecer a: A quem queira saber o que é isso do hip-hop e àqueles que insistem em não querer gostar deste estilo.

10. José Mário Branco, Sérgio Godinho e Fausto Bordalo Dias – Três Cantos Foi o acontecimento do ano em palcos portugueses: os três grandes da canção popular juntos em quatro noites. Para aplausos, palavras de ordem e um olhar pela a obra feita sem querer ficar preso à nostalgia. As trovas de uns e outros numa desgarrada urbana.

Oferecer a: Para recordar a quem foi e para revelações junto dos outros. »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/38715-cheque-disco-cheque-mate-dez-presentes-o-natal, a 22 de Dezembro de 2009, no Jornal I

Boas Prendas

RT

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s