A Sugestão Deste Domingo É… Restaurante Palmeira em Lisboa…

Restaurante Palmeira em Lisboa... Fonte: http://www.ionline.pt

Hoje e por ser Domingo, trago uma sugestão de um restaurante, como acontece geralmente aos Domingos no meu blog, vou transcrever a sugestão de hoje, publicada a algum tempo num diário da nossa praça, mas não comentar a mesma, em virtude de ser uma publi-reportagem.

« Palmeira

Há quem passe para o outro lado da estrada quando chega à Rua do Crucifixo. Gente que se encosta à Papelaria Fernandes e tapa o nariz com a manga do casaco. Cheira a fritos, é um facto. Tem dias em que custa a respirar, verdade. Mas tenhamos consideração. Quem emana tal fedor a óleos retardados é a mítica cervejaria Palmeira, e aquele mau cheiro merece tanto respeito como o chulé de uma pessoa de quem se gosta. É um mal necessário.

À entrada o balcão sorri-nos – sorriso rasgado ao longo de uns 20 metros de mármore antigo. Há quatro ou cinco bancos, mas vão estar ocupados por senhores com opiniões fortes acerca do Benfica e dentição fraca.

É essencial começar por pedir uma imperial. Chega depressa, bem fria, em toda a sua glória amarelo-torrado encimada pelos dois dedos de espuma que os empregados sacam com a precisão de um samurai. Depois chegam as batatas fritas e os tremoços. São a oferta da casa e podem ser confundidos com um gesto de simpatia: dourados, salgados – potencialmente letais.

Quem optar por uma das mesas do interior terá de se preparar para conviver com o Sr. Rodrigues. Tão conhecido e temido como a casa em si, Rodrigues é um senador da vida e, aparentemente, o autor de todos os lugares comuns ditos há décadas pelos empregados de mesa de todo o mundo.

– Queria quatro imperiais, por favor.
– Queria? Já não quer?
– E um copo de água.
– Aqui só há copos com água.

Rodrigues é um empregado de mesa free jazz. Está para os pratos e travessas como o Miles Davis – num dia mau – estava para o trompete. Ele não serve à mesa, ele faz com que o serviço à mesa aconteça. É preciso muito tacto e experiência para conseguir obter dele um sorriso. Mas gestos de simpatia vindos daquele lado existem, simplesmente nunca foram documentados – coisas semelhantes têm sido ditas sobre o monstro do lago Ness, por exemplo.

Os salgados são bons, sejamos sinceros. O leitão pode ser pedido sem medo e a sopa em malga de metal traz de volta as boas memórias da cantina da escola. Sai-se do Palmeira consolado e feliz. E levamos sempre um bocadinho daquela cervejaria connosco: o chão fica-nos colado às solas dos sapatos e uma nuvem de cheiro a fritos persegue-nos ao longo do dia – como uma personagem de BD a passar por um dia mau.

Morada: Rua do Crucifixo,n.º  69, 351-21
Telefone: 213 428 372 »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/5204-palmeira, a 20 de Maio de 2010, no Jornal I

Bom Apetite!

RT

Anúncios

Qual Tal Uma Saída à Noite…Conheça Aqui O Roteiro de Bares de Porto e Lisboa, Organizados Por Faixas Etárias…

Bares no Porto e Lisboa... Fonte: http://www.ionline.pt

Hoje trago um artigo interessante que li num diário da nossa praça no decorrer do dia de ontem, trata-se de um roteiro de bares, onde se pode ir a noite, quer para beber um copo, quer para dançar, ou mesmo ouvir uma musica agradável, passo a transcrever o mesmo, mas não vou comentar o mesmo, pois trata-se de uma publi-reportagem.

«Bares para todas as idades

Saiba onde estão os copos certos para as diferentes faixas etárias. Em Lisboa e no Porto, para todos os gostos e requintes.

Quem costuma sair à noite certamente já reparou que há sítios onde predominam certas faixas etárias. Não estamos aqui a dizer que aquele bar não é para os velhos, nem que no outro os estudantes não entram, porque nós somos muito democráticos. Mas se quiser encontrar pessoas com uma idade específica, estes são bons sítios por onde começar.

Menos de 18 anos

Botica

Depois de mais uma semana de aulas, muitos adolescentes começam a noite de sexta-feira na Botica, em Santos. A especialidade da casa? Cerveja barata (tão barata que há quem se abasteça lá mesmo depois de jantar) e pratos que não pesam na carteira.

Avenida D. Carlos I, 92, Lisboa. 213 964 465. www.abotica.pt

Marretas Bar

Quem passa por Santos numa sexta-feira – a mais adolescente das noites – sabe que pode contar com ruas repletas de adolescentes ébrios e bares ainda mais cheios. Passados perto de dez anos, o Marretas continua a ser dos mais concorridos. A chave do sucesso? Copos mesmo muito baratos e promoções do género “pague um, leve dois”.

Rua das Janelas Verdes, 16, Lisboa. 213 976 754

Loft

Já foi a Indústria, durante algum tempo respondeu pelo nome People, hoje é apenas The Loft. É também o destino final dos sub-18 durante o fim-de-semana, e quem tiver filhos nessas idades conhece certamente o nome. Lá dentro passa um house pouco inspirado, do género muda-o-disco-mas-toca-o-mesmo, só que a miudagem não se importa.

Rua do Instituto Industrial, 6, Lisboa. 213 964 841. www.theloft.pt


Piolho d’Ouro

Os 100 anos do Café Âncora d’Ouro, aliás O Piolho, agora rebaptizado Piolho d’Ouro, não se reflectem na idade do seu público. Para os mais novos, é hoje sítio obrigatório para começar a noite na Baixa do Porto. Ou até para não sair de lá, agora que fecha às 4h00. A cerveja rola em copos de plástico e há uma multidão permanente, a conversar, quer dentro quer na rua. Um clássico.

Praça Parada Leitão, 45, Porto. 222 003 749. www.cafepiolho.com

18-25 anos


Lábios de Vinho

Os anos passam e o elenco muda, mas o Lábios de Vinho continua a ser “o” bar do Bairro para a geração “Morangos com Açúcar”. Tem bebidas baratas e amendoins para acompanhar. E nos fins-de-semana em que não chove é um dos principais responsáveis pelos engarrafamentos na Rua do Norte.

Rua do Norte, 52, Lisboa. 213 420 597

Caricaturas Bar

Quer conhecer Erasmus e não sabe onde se escondem? Não tema, caro leitor. Basta ir até ao final (ou ao início, depende de onde vem) do Bairro Alto e parar no Caricaturas. Há copos de cerveja e shots a preços convidativos. E estudantes de todas as nacionalidades, incluindo muitos portugueses.

Rua Teixeira, 1, Lisboa. 213 420 597

Gossip

A bem da verdade, e em teoria, o público do Gossip muda de noite para noite. Mas se é certo que as quintas estão reservadas aos universitários, nas outras noites também é normal ver por lá muita malta com 20 e poucos anos. Considerando a decoração fresca, o ar clean e o som mais comercial, ninguém diria que veio substituir o antigo Queens.

Rua da Cintura do Porto de Lisboa, Armazém H – Naves A-B, Lisboa. 213 955 870

Café au Lait

Em 2007, Pedro Araújo criou este simpático café-bar muito anos 50 no epicentro da movida dos Clérigos. Hoje é ponto de encontro obrigatório, todos os dias, dia e noite. Aliás, é o único bar que funciona bem mesmo nos primeiros dias da semana. Abre muito antes do Sol se pôr, serve refeições ligeiras e tem internet wireless. E à noite abriga DJ.

Rua Galeria de Paris, 46, Porto. 222 025 016. www.cafeaulait-porto.blogspot.com

25-45 anos

Bicaense Café

É na Bica que muitos jovens profissionais de Lisboa se reúnem todas as noites. Hoje ninguém discute esta evidência, mas sem a Bicaense, com os seus quase 11 anos, a situação seria bem diferente. A qualidade da música é uma constante naquele que continua a ser um poiso de actores e gentes ligadas às artes.

Rua da Bica de Duarte Belo 42 A, Lisboa. 210 156 040. www.myspace.com/bicaense

Maria Caxuxa

O início da Rua da Barroca é provavelmente o trecho mais congestionado do Bairro Alto. E o Maria Caxuxa é o principal culpado. À medida que a noite avança, arranjar mesa torna-se mais difícil, e a dada altura chega a ser impossível encontrar sequer um lugar de pé dentro de um bar que, apesar de ter perto de cinco anos, já é uma referência.

Rua da Barroca 6/12, Lisboa. 965 039 094

LuxFrágil

Não se pode falar de noite em Portugal sem referir o Lux, porque não há outro espaço assim no país. Porque é lá que a maior parte das noites alfacinhas acaba. Porque passados 11 anos continua a ser o espaço nocturno mais vanguardista da capital. Porque se ainda não teve uma noite memorável no Lux, ou é muito novo, ou não costuma sair em Lisboa.

Av. Infante D. Henrique, Armazém A, Lisboa. 218 820 890 www.luxfragil.com

3C

Pode nem ser daí que vem o nome, mas a verdade é que este 3C é três coisas. É um restaurante que também é bar e que descamba para a dança. A música é centrada no período compreendido entre as décadas de 70 e 90, e é o novo sítio preferido dos fozeiros na Baixa. Mais até que o Twins Baixa, mesmo ali ao lado.

Rua Cândido dos Reis, 18, Porto. 222 018 247 www.clube3c.pt

Mais de 50 anos

Old Vic

Daqueles bares onde ainda se pode conversar, com campainha à porta e empregados impecavelmente vestidos. Os seus sofás de veludo são uma opção perfeita para os mais velhos, à vontade com um ambiente mais formal. Ou (confessamos) para os mais novos que também acham piada ao aspecto da sala.

Travessa Henrique Cardoso 41-43, Lisboa 217 978 395

Procópio

Outro bar bem frequentado, onde ainda é preciso tocar à campainha. Fica na zona das Amoreiras e se é verdade que atrai um público cada vez mais jovem, ninguém pode negar que continua a haver um público mais crescido (e que talvez ainda nem saísse antes do 25 de Abril, quando a sala abriu) que não dispensa o Procópio.

Rua João Penha 21 A, Lisboa 213 852 851

Skones

Teria sido mais fácil incluir a discoteca do Cais da Viscondessa nesta lista há uns anos, quando ainda se chamava Stones e era poiso de cinquentões com comboios de apelidos. Hoje, no Skones, a clientela é mais diversificada, mas a porta é selecta e o público mais maduro continua a sentir-se à vontade.

Rua da Cintura – Cais da Viscondessa, Lisboa 213 932 930. www.grupo-k.pt/skones.swf

Club 21

Criado nos anos 70, este pub à inglesa continua a ser local de eleição para gente do futebol, da política e dos jornais. Discreto e familiar, no quarteirão Grahams/Foco, é ideal para conversas recatadas. Também é restaurante: o rosbife à inglesa ou os miminhos de boi à moda do chefe são já dois clássicos.

Rua Cândido dos Reis, 18, Porto. 222 018 247

Com Rodrigo Affreixo»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/48559-bares-todas-as-idades, a 26 de Fevereiro de 2010, em Jornal I

Bons Copos!

RT

Como Se Ultrapassa o Pessimismo dos Portugueses Face à Economia…Venha Saber Como…

Como Contornar o Pessimismo dos Portugueses... Fonte: http://www.cybereconomia.files.wordpress.com

Hoje trago um artigo onde é analisado o pessimismo dos Portugueses, face à sua vida, à economia, e ao país onde estamos inseridos, passo a transcrever a referida peça e de seguida vou efectuar um comentário ao assunto.

«Portugueses sofrem de pessimismo: há luz ao fundo do túnel?

Consumidores olham com desânimo para a tendência da economia, da situação financeira da sua família, para a tendência do desemprego e até para a sua capacidade de poupar

Os consumidores portugueses começaram a ficar mais confiantes em Abril de 2009. Mas, ao chegarem perto do final do ano, as coisas descambaram. Há quatro meses que o pessimismo está de volta. De mês para mês, os consumidores perdem confiança e em Fevereiro os portugueses não encontraram um único motivo de alento.

Os Inquéritos de Conjuntura às Empresas e aos Consumidores, feitos pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), analisam o sentimento dos portugueses em relação a vários aspectos, para concluir se estão mais ou menos optimistas. Em Fevereiro, nenhum dos aspectos analisados animou os portugueses: a queda da confiança resultou do contributo negativo de todas as componentes.

O saldo de respostas extremas (SER) relativo às perspectivas sobre a evolução da situação económica do país tem vindo a diminuir significativamente desde Dezembro, apresentando o contributo negativo mais intenso. Mas também o SRE das expectativas sobre a evolução da situação financeira do agregado familiar diminuiu nos últimos três meses, mais significativamente em Fevereiro, contrariando a trajectória ascendente iniciada em Setembro.

Do mesmo modo, o SRE das expectativas relativas ao desemprego aumentou nos últimos quatro meses, embora de forma menos expressiva em Fevereiro, invertendo a forte diminuição observada desde Abril.

Sem surpresa, as perspectivas de evolução da poupança têm vindo a agravar-se desde
Novembro, contrariando a recuperação iniciada em Maio, mas apresentando um movimento ténue no mês de Fevereiro.

Clima económico também piora

O indicador de clima económico tem vindo a diminuir ligeiramente desde Dezembro, contrariando o forte aumento iniciado em Maio, após ter atingido nos dois meses anteriores o mínimo histórico da série.

Ainda assim, em Fevereiro observou-se um aumento dos indicadores de confiança sectoriais correspondentes à Indústria Transformadora, ao Comércio e aos Serviços, mais significativo no último caso. Em sentido oposto, agravou-se a trajectória descendente do indicador relativo à Construção e Obras Públicas.»

In: http://www.agenciafinanceira.iol.pt/economia/portugal-europa-confianca-pessimismo-agencia-financeira-clima-economico/1142287-1730.html, a 25 de Fevereiro de 2010, em Agência Financeira

O meu comentário:

Relativamente ao tema em análise, penso que é uma triste realidade, mas os portugueses sofrem de pessimismo, mas não por serem pessimistas, mas por saberem analisar os problemas que os rodeiam, por detectarem que as condições de vida vão paulatinamente regredindo, em vez de sofrerem incremento.

Parece que só os governantes, é que não conseguem ver, que as condições de vida dos portugueses tem vindo a decrescer, apesar de o referido governo, ter enumerado que a crise já terminou, no entanto, a taxa de desemprego tem disparado, e neste momento sobe pelos 2 dígitos acima, o que convenhamos, é um caso preocupante, se denotar-mos que este ano, foi ano em que as pessoas mais solicitarem reforma, apesar das penalizações por se reformarem antes dos 65 anos, logo concluímos que o caos, está nos casais de meia idade, e especialmente gravíssimo num nicho muito importante da sociedade, os licenciados jovens, estes são os que fazem com que o país evolua, são os responsáveis por crescimento dos países, e no caso português, são os que são mais desprezados pelos governantes.

Outro problema, é que os portugueses, começam a tomar consciência que, com a baixa natalidade, e com o decréscimo ainda mais acentuado que se vai notar na natalidade, as reformas dos que se reformam nos dia de hoje, não devem ficar asseguradas até ao final da vida das pessoas, isto tendo em conta, que a taxa de esperança média sofreu um incremento nos últimos 15 anos, elevando a vida das pessoas, para níveis nunca vistos antes.

Então…Qual a solução? Esta é a questão colocada por muitos portugueses, e que continua sem resposta, e que tende a morrer solteira, pois a solução, pelo menos na minha óptica passa por um plano, que deve ser idealizado e colocado em prática no médio a longo prazo, o que convenhamos, em 4 anos de mandado de cada governo, não dá para se colocar o mesmo em prática, pois 4 anos, é muito curto, outro factor adverso é que muda a cor política, muda o teor das leis governativas, ou seja, em vez de se continuar com o iniciado pelo executivo transacto, quebra-se e faz-se tudo de novo, e então, nunca se consegue o pleno.

Penso mesmo, que os governantes ainda não sabem para quem trabalham, e para quem trabalham, são os portugueses, e como tal, devem responder às necessidades, desejos e motivações dos portugueses.

O país tem como mais urgente o desemprego das pessoas licenciadas e a estabilidade dos empregos das mesmas, para que se consiga incrementar a natalidade, de forma a não só assegurar as reformas dos mais idosos, mas também de dar continuidade a profissões que podem vir a desaparecer, e consequentemente, vir a originar mais desemprego, tais como educadoras de infância, professores, pediatras…etc.

O que os portugueses pedem aos governantes, são soluções tangíveis e capazes de levar os país a bom porto, necessitam de respostas e não comunicações de mais sacrifícios, necessitam de planos a médio e longo prazo, e não soluções que abarcam e remedeiam somente no imediato.

Venho desta forma, indicar mesmo, que a solução do problema de Portugal, passa invariavelmente por uma aposta concreta na juventude licenciada, esta juventude, serão os governantes de amanha, e se agora se sentem «presos» e não conseguem viver por si, ou seja, terem liberdade, como pensam, que vão orientar o país no futuro? Como pensam que vão educar os filhos, com que princípios?

Deixo um apelo, mais uma vez e para terminar.

APOIEM OS JOVENS LICENCIADOS…

Deixo a questão: Que Opinião tem Sobre as Causas do Pessimismo dos Portugueses?

Tenho Dito

RT

O Que Fazer Quando o Computador Insiste Em Não Funcionar…. Vale a Pena Espreitar.

Hoje e por não ter tido algum tempo disponível, hoje trago uns conselhos informáticos, para aqueles que são menos experientes na informática, e que podem ser úteis em caso de colapso do computador, aqui ficam…

«Um PC pode ter falhas de vários tipos e que parecem só ter solução através de um técnico, mas nem sempre é assim. Saiba o que pode fazer antes de chamar alguém e sem que isso lhe custe dinheiro

Um PC pode ter falhas de vários tipos e que parecem só ter solução através de um técnico, mas nem sempre é assim. Saiba o que pode fazer antes de chamar alguém e sem que isso lhe custe dinheiro

O seu computador está com algum problema e não sabe como solucioná-lo? A primeira opção vai ser recorrer a assistência técnica. Mas vai dar trabalho e, ainda por cima, vai gastar dinheiro. Um PC pode ter falhas de vários tipos, seja de energia – frequentes nesta altura do ano por causa da chuva -, ou não liga mais, desliga-se de repente por problemas de software, drivers ou aplicações.

Resolver a sua questão vai depender da identificação do que estiver a acontecer. Desta forma, quantos mais detalhes tiver sobre o que está a acontecer, melhor. Tente lembrar-se como e quando o problema começou e se existe alguma tarefa ou acção que desencadeia a falha, recomenda a «PC World».

Caso tenha acesso à Internet, faça uma pesquisa nos motores de busca para verificar se outros internautas já passaram por uma situação semelhante e que tipo de solução foi adoptada. É impressionante a informação que consta da Internet sobre problemas informáticos e, muitas vezes, podem resolver o seu caso.

Verifique que está tudo ligado correctamente

Se com a pesquisa na web não conseguiu resolver o seu problema, tente realizar alguns testes básicos, mesmo que não tenha grandes conhecimentos de informática. Comece por reiniciar o computador em modo de segurança (pressione F8 quando seu PC começar a carregar) e veja se o problema persiste. Uma alternativa é iniciar o sistema a partir de um disco de recuperação, e rode a ferramenta de diagnósticos do Windows para verificar o estado do seu disco rígido, memória RAM e instalação do sistema.

Depois, verifique também se todos os dispositivos estão ligados correctamente nas suas entradas.

Para equipamentos que já não estejam no período de garantia, veja se há algum problema dentro dele. Lembre-se que abrir um equipamento na garantia fará com que ela seja perdida. Desconecte-o da tomada e abra o gabinete utilizando as ferramentas adequadas para verificar se existe algum componente mal encaixado, que possa ter se deslocado em função de movimentos bruscos.

Assegure-se de que as placas de memória estão bem encaixadas; faça o mesmo com placa gráfica (caso exista uma) e com a placa de vídeo. Excesso de pó também pode causar falhas intermitentes, alerta a «PC World».

Fale com quem percebe do assunto

Caso a falha em questão tenha começado após a instalação de algum componente de hardware novo (HD, memória ou placa gráfica), remova o componente, certifique-se de que ele é mesmo compatível com os requisitos do seu sistema e recoloque-os. Tal verificação é imprescindível porque se tiver adicionado componentes não originais no seu PC, é provável que a assistência técnica (principalmente para equipamentos em garantia) se recuse a atendê-lo ou não se responsabilize pelo problema.

Se nada disto funcionar, pode ainda tomar uma medida mais extrema: reinstalar o sistema operacional.

Reúna todas as informações que conseguir sobre o seu produto: modelo do computador, número de série (deverá estar impresso numa etiqueta na parte de trás do desktop ou na parte inferior de um notebook), versão do sistema operacional instalada, documento de garantia, recibo no qual seja possível verificar a data de aquisição do equipamento e qualquer outra informação que tiver.

Se possível, ainda antes de falar com o suporte técnico, faça um inventário do equipamento para identificar o que tem instalado, sejam componentes (hardware) ou aplicações. Caso consiga, digite msinfo32 na barra de buscas do menu Iniciar para visualizar essas especificações; e digite relatório problemas, para verificar todos os erros encontrados no computador. Quanto mais detalhes e informação tiver em mãos, mais fácil será para o técnico ajudar na resolução da falha. Mas se o PC nem liga, então é muito provável que o suporte telefónico não tenha grande utilidade e a única solução será levar o equipamento a uma assistência técnica ou marcar a visita de um profissional. »

In: http://www.agenciafinanceira.iol.pt/media-e-tecnologia/computadores-computador-internet-pc-informatica-hardware/1141191-2974.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+iol%2Fagenciafinanceira+%28agenciafinanceira%29&utm_content=Google+Reader, a 22 de Fevereiro de 2010, em Agência Financeira

Bons Arranjos

RT

Conselhos Para Uma Declaração de IRS Bem Preenchida…Venha Conhecer as Dicas…

IRS Fonte: http://www.dn.pt

No seguimento do Post no dia de ontem, hoje trago mais uns conselhos no que concerne ao IRS, portanto no seguimento do Post aqui ficam mais alguns conselhos, passo a transcrever mas a lucidez do artigo, penso não carece de comentário da minha parte.

« IRS 2009. Os conselhos de quem preenche dez declarações por ano

Siga o guia do i, veja os prazos de entrega da sua declaração e os anexos de que precisa

O período de entrega da declaração do IRS em papel, para trabalhadores dependentes e pensionistas, já começou – mas quem opta pela internet tem mais uns dias para se preparar. A rotina é quase sempre a mesma, mas quanto mais cedo for entregue a declaração, mais cedo os reembolsos chegam.

“O contribuinte deve ir guardando ao longo do ano todas as despesas, o que nem sempre acontece. Na maioria dos casos, não pedem facturas porque não têm noção do que pode ser apresentado como despesa”, refere ao i o fiscalista da Deco, António Ernesto Pinto.

Também é importante não esquecer que há sempre uns “truques” que pode seguir para conseguir o maior reembolso possível. Se por um lado os contribuintes podem deduzir despesas em áreas como educação, seguros, habitação, empréstimos, por outro podem apostar em produtos que tenham benefícios fiscais.

Neste último campo, os Planos Poupança Reforma (PPR) são os mais conhecidos e os que conquistam mais os consumidores portugueses. A par da poupança, este instrumento permite ainda obter um maior reembolso do IRS, que varia consoante a idade. Para usufruir da dedução máxima – 400 euros – um aforrador com menos de 35 anos tem de investir, no mínimo, 2 mil euros. Para idades entre os 35 e os 50 anos só é possível deduzir 350 euros e para quem tem mais de 50 anos o patamar é de 300 euros. No entanto, se resgatar o dinheiro aplicado em PPR fora das condições previstas, terá de devolver os benefícios fiscais usufruídos, além de uma penalização de 10% por cada ano decorrido.

“Aconselho os contribuintes a reforçarem os PPR até ao montante máximo; mais do que isso não é necessário, pois deixam de obter o benefício”, revela o fiscalista. Medida “seguida à risca” pelo presidente do Instituto de Meteorologia, Adérito Serrão. “Chego a reforçar o PPR, durante o ano, para ter o benefício fiscal máximo.”

Gastos com informática também podem ser apresentados na declaração anual, mas só são dedutíveis no IRS em 50%, até 250 euros. Outro factor a ter em conta é que só pode ser apresentado um computador pessoal por ano. Quanto às despesas de saúde, não existe limite de dedução. No entanto, tenha em atenção o IVA: os produtos taxados a 20% só podem ser apresentados mediante receita médica.

Menos conhecidas são as despesas com as energias renováveis que também podem ser apresentadas na sua declaração anual. Por exemplo, uma despesa de 1500 euros nesta área representa uma poupança de 450 euros em IRS.

Recibos verdes Há outras regras a ter em conta para os chamados recibos verdes. Para quem se inscreveu no regime simplificado, 70% do rendimento declarado é considerado para efeitos de tributação. Já os restantes 30% são vistos como encargos próprios da actividade e, como tal, estão livres de impostos.

Já quem optou pela contabilidade organizada pode apresentar na sua declaração anual determinado tipo de despesas, como deslocações, despesas com alimentação, etc. Um factor que pode ser considerado vantajoso, caso as despesas ultrapassem os tais 30% de rendimento.

Maiores facilidades A tarefa de preencher a declaração anual de IRS está cada vez mais facilitada, principalmente para quem opta por entregar os documentos através da internet – uma vez que os próprios serviços das Finanças pré-preenchem grande parte dos dados. Quem tem maiores dúvidas pode pedir ajuda aos postos de atendimento e linha de ajuda das Finanças, ou mesmo recorrer às juntas de freguesia, que anualmente têm vindo a aderir ao protocolo com o Ministério e disponibilizam um balcão para auxiliar os contribuintes.

O fiscalista da Deco reconhece, no entanto, “que nem sempre a informação é muito acessível e as instruções de preenchimento também são muito complicadas”. Segundo o responsável, muitas das dúvidas dos contribuintes estão relacionadas com questões burocráticas. “Basta que a situação se altere – por exemplo, casa-se ou divorcia-se – para que surjam algumas incertezas no preenchimento da declaração.” »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/47763-irs-2009-os-conselhos-quem-preenche-dez-declaracoes-ano, a 22 de Fevereiro de 2010, em Jornal I

Bom Preenchimento!

RT

Que Tal Poupar Pelo Menos 3 Mil Euros Com o IRS…Espreite Aqui Como…

Como Poupar 3 Mil Euros no IRS... Fonte: http://www.ionline.pt

Aproxima-se a data de entrega do IRS, pelo menos no que concerne pela Internet, li no dia ontem num diário da nossa praça, um artigo sobre as deduções possíveis no IRS, passo a transcrever o referido artigo, mas não o vou comentar pois penso que o artigo está bastante esclarecedor.

«Guia para poupar mais de 3 mil euros no IRS

Da saúde aos fundos de investimento, conheça 15 categorias que podem ajudá-lo a aliviar a carga fiscal

São várias as deduções que pode apresentar na sua declaração anual. Entre as mais fáceis de contabilizar estão os gastos relacionados com a saúde, educação e habitação, mas a verdade é que há muito mais, incluindo produtos com benefícios fiscais. Feitas as contas, a poupança pode superar os 3 mil euros.

1. Saúde A dedução à colecta é de 30%, sem limite de despesas. Tenha em conta que só são aceites como despesas os bens isentos de IVA ou taxados a 5%. As facturas taxadas a 20% só podem ser deduzidas se tiverem sido prescritas por um médico – e apenas até um limite máximo de 64 euros. Por exemplo, se tiver mil euros de despesas de saúde, pagará menos 300 euros de IRS.

2. Educação A dedução à colecta é de 30% e pode apresentar um máximo de 720 euros de despesa. Pode incluir gastos com propinas, mensalidades, inscrições, livros escolares, despesas de transporte, alojamento, etc. Agregados com três ou mais dependentes podem deduzir mais 135 euros por cada um, desde que sejam estudantes e tenham despesas de educação. Por exemplo, se tiver 500 euros de gastos de educação ou formação profissional pagará menos 150 euros.

3. Energias Renováveis A dedução à colecta é de 30%, limitada a um máximo de 796 euros de despesas. Pode apresentar despesas em equipamentos novos para utilização de energia eléctrica com potência até 100 kw, que consumam gás natural, e veículos eléctricos ou movidos a energias renováveis não combustíveis. Por exemplo, uma despesa de 1500 euros permite-lhe poupar 450 euros.

4. Habitação A dedução varia consoante o escalão a que pertence. Se tem um crédito à habitação, pode deduzir 30% das despesas pagas em juros e amortizações. Caso pertença aos dois primeiros escalões de IRS, esta dedução pode ser de 50%. Se estiver no terceiro escalão, pode deduzir 25% e 10% se pertencer ao quarto escalão. Se morar numa casa arrendada também pode apresentar o valor das rendas.

5. Informática Dedução de 50%, num máximo de 250 euros. São aceites despesas na aquisição de computadores para uso pessoal até um limite de 250 euros por cada contribuinte ou membro do agregado com despesas de educação. Por exemplo, se também tiver comprado um Magalhães, é preferível apresentar a despesa de um computador de montante superior, porque o primeiro só permite uma dedução de 25 euros.


6. Plano Poupança Reforma (PPR) Dedução de 20%, num máximo de 400 euros. O valor máximo dedutível varia consoante a idade: 400 euros para idade inferior a 35 anos; 350 euros para idades entre os 35 e os 50 anos; 300 euros para maiores de 50 anos. Por exemplo, um investimento de mil euros pagará menos 200 euros de IRS.

7. Seguros de vida e acidentes pessoais Dedução de 25%. Só podem contemplar riscos de morte, invalidez e reforma por velhice, com limite de 64 euros.

8. Seguros de saúde Dedução de 30%. Os sujeitos passivos ou dependentes têm o limite de 168 euros, já os solteiros têm o limite de 84 euros. Por cada dependente, os limites aumentam 84 euros.

9. Lares Dedução de 25%, num máximo de 382,5 euros. Só pode apresentar esta despesa se o idoso for familiar até ao terceiro grau, e apenas se os rendimentos deste forem inferiores a 450 euros.

10. Donativos Dedução de 25%, num máximo de 35 euros. O montante doado é considerado em 140%, calculando -se sobre esta percentagem os 25% de dedução à colecta. No entanto, quando as instituições são privadas ou religiosas, a dedução não pode ser superior a 15% da colecta de IRS.

11. Acções Os títulos detidos há 12 meses, ou pelo menos com um saldo positivo entre as mais-valias e as menos-valias resultantes da venda, são tributados em 10% em IRS. Estão isentas de impostos as acções que estiverem nas mãos dos contribuintes há mais de um ano. Mas para isso precisa de preencher o anexo G1.

12. Depósitos bancários Os juros dos depósitos à ordem e dos depósitos a prazo são tributados à taxa de 20% pelo banco na data do vencimento dos juros.

13. Títulos da dívida pública O contribuinte não terá de apresentar os juros recebidos na declaração anual de IRS, como acontece com os depósitos. A explicação é simples: os títulos da dívida pública (onde estão incluídas as obrigações e os certificados de aforro) já foram sujeitos a uma retenção na fonte de 20%.

14. Fundos de investimento Não terá de incluir os rendimentos obtidos pelos fundos de investimento, uma vez que estes já foram alvo de tributação. No entanto, se realizar mais-valias, o contribuinte é tributado a uma taxa especial de 10%.

15. Seguros de capitalização A tributação varia consoante o prazo. Se este for inferior a cinco anos, os rendimentos a receber no momento do resgate serão sujeitos a uma retenção de 20%. Se o prazo for de cinco a oito anos, a taxa de retenção é de 20% sobre 4/5 do rendimento. Para as aplicações com um período superior a oito anos, a taxa de retenção é de 20% sobre 2/5 do rendimento.»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/47762-guia-poupar-mais-3-mil-euros-no-irs, a 22 de Fevereiro de 2010, em Jornal I

Boas Deduções

RT

Conheça Os Locais em Portugal Onde Se Pode Provas As Melhores Tostas Mistas…Venha Conhecer Esses Cantinhos Tão Especiais…

Boas Tostas Mistas...Venha Saber Onde... Fonte: http://4.bp.blogspot.com

Por ser Segunda-feira, para começar bem a semana de trabalho e para dedicar uma pequena pausa a meio da manhã, ou mesmo, a meio da tarde, sugiro uma boa tosta mista, alias penso que na semana transacta um diário da nossa praça teve a mesma ideia, e como tal realizou uma peça, que vou transcrever na íntegra, onde, podemos conhecer 10 locais onde podemos provar esta pequena iguaria.

« Dez tostas Místicas. Templos para o culto ao fiambre e queijo

Para curar ressacas, para a consoada, para uma tarde na praia ou no Chiado… As melhores tostas

1. RADICAL CAFFÉ

Há quem passe a noite de Natal a jantar uma tosta Radical (€3,80), com fiambre, queijo e maionese de alho caseira. “Pessoas como eu, que detestam o Natal”, explica a dona, Ana Fidalgo, que abriu o café com o ex-marido há 14 anos. As tostas (de galinha, de atum ou mista com banana) são dignas de uma noite de consoada ou de um fim de tarde depois da praia na Costa da Caparica.
Avenida General Humberto Delgado, 13 B, Costa da Caparica. Todos os dias das 12h00 às 02h00

2. JÜRGEN’S

António Baeta, dono do bar Jürgen’s, faz em média 250 tostas por semana. “As que mais vendo são as de galinha [€4,70]”, conta. As tostas “com um pão parecido com broa” são tão grandes que dão para duas pessoas. “Mas depende. Há até quem coma duas depois de fumar uns charros ou com uma grande ressaca”, diz António. Uma coisa é certa: são ideais para acabar em grande uma noite no Bairro Alto.
Rua Diário de Notícias, 68 A (Bairro Alto), Lisboa. Todos os dias das 16h00 às 02h00

3. BG BAR

Poucos sabem que o Bar do Guincho tem outro espaço em cima do mar no Estoril. E poucos sabem que aqui se fazem as melhores tostas da zona. “É um senhor velhote que se entretém a fazer o pão”, diz o responsável, Pedro Baptista. Há 12 variedades de tostas e a mais popular é a de fruta tropical com queijo creme e canela.
Alameda Columbano, 6, Monte Estoril. Todos os dias, excepto às terças, das 12h00 às 2h00

4. ROYALE CAFÉ

Em pleno Chiado, o Royale Café é ideal para os almoços preguiçosos de fim-de-semana. As tostas (que aqui se chamam tostadas) em pão pita com cogumelos e courgettes ou peru e caril (€6,50) são uma boa companhia para uma tarde no pequeno jardim do café.
Largo Rafael Bordalo Pinheiro, 29 (Chiado), Lisboa. De segunda a sábado das 10h00 às 00h00; domingos das 10h00 às 20h00

5. VERTIGO CAFÉ

O Vertigo Café mudou de dono, mas o chefe Félix manteve a decoração e a especialidade da casa: as tostas.
Travessa do Carmo, 4 (Chiado), Lisboa. Todos os dias das 10h00 às 00h00

6. FÁBULAS

As tostas têm nome de histórias de encantar. Há a Rapunzel, com fiambre e queijo, a Romeu, com frango, e a Robin Hood, com cogumelos e queijo. O espaço também encanta e, além de internet grátis, funciona como galeria de arte.
Calçada Nova de São Francisco, 14, Lisboa. Segunda a quarta das 9h00 à 1h00, de quinta a sábado das 9h00 às 02h00

7. CULTURA DO CHÁ

Além da lista de 26 chás e infusões, a Cultura do Chá tem umas tostas “grandes e deliciosas”. “É o que os nossos clientes dizem”, explica Luís, o dono da casa de chá que abriu em 2001. As tostas já foram de pão alentejano, mas agora são de “uma massa parecida com a de brioche”. Há tostas de atum e frango com cenoura ou banana e outras sanduíches gratinadas.
Rua das Salgadeiras, 38 (Bairro Alto), Lisboa. Todos os dias das 12h00 às 21h30

8. PRAIA DOS INGLESES

Fica na Foz, uma das zonas mais nobres do Porto, e é uma das mais agradáveis esplanadas da cidade. A ementa é variada e vai desde o polvo até ao bacalhau. Mas o que aqui interessa são as óptimas tostas ali confeccionadas, sempre frescas e com ingredientes que deixam a simples mista a um canto. O preço médio das tostas é de cinco euros.

Rua Coronel Raul Peres, 4150 – Porto

9. PETER CAFÉ SPORT

Está há cinco anos na Ribeira e, além do gin tónico, uma das atracções do espaço é a Açoreaninha, um cruzamento entre a tosta mista e a francesinha. O segredo está na pasta de linguiça dos Açores. Custa sete euros.
Cais da Ribeira, 24, Porto. Todos os dias das 11h00 à 01h00 (às sextas e sábados até às 02h00)

10. ESPLANADA GRÃO N’AREIA

Mesmo em frente ao Atlântico, na marginal de Gaia, as especialidades são o peixe grelhado e o marisco. Mas também serve umas deliciosas tostas (atum, frango, etc) com um pão tipo saloio que é de chorar por mais.
Avenida Beira-Mar, 4400-382 – Vila Nova de Gaia. Todos os dias das 09h00 à 01h00 (sexta e sábado até às 02h00)

Outras
Snack Bar Bistro Junto ao Parque de Campismo na ilha de Faro; preço médio: €6;
recomenda-se: tosta de frango e de frango com alho


Mac Tostas Rua do Alportel,  Faro; preço: a partir de €3,5; recomenda-se: tosta italiana

Livraria Arquivo Av. Combatentes da Grande Guerra, 53, Leiria; preço: €2; recomenda-se: tosta mista


Esquininha Rua Adolfo Loureiro, Bairro Norton de Matos, Coimbra; recomenda–se: tosta de galinha


O Borges Rua Marnoco e Sousa, Coimbra; preço: €2; recomenda-se: tosta de galinha»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/46027-dez-tostas-misticas-templos-o-culto-ao-fiambre-e-queijo, a 10 de Fevereiro de 2010, em Jornal I

Boas Tostas Mistas!

RT

Conheça O Restaurante Vegetariano e Não Só da Cidade do Porto…Vale a Pena…

Essência Um Espaço Vegetariano na Cidade do Porto... Fonte: http://www.ionline.pt

Agora o Porto já tem uma solução vegetariana, conheça o restaurante vegetariano que existe na cidade do porto, passo a transcrever a peça jornalística que cobre este restaurante, mais uma vez por se tratar de uma publi reportagem, não vou comentar o mesmo.

« Porto: um vegetariano para gente sofisticada e não fundamentalista

Chama-se Essência e fica numa bela moradia dos anos 40 restaurada no Porto. É vegetariano, mas também contempla os clientes que não dispensam peixe ou carne

“Sou vegetariana há dez anos e sempre tive dificuldade em ir com amigos jantar a restaurantes deste tipo no Porto. Esta ideia surgiu quando um dia estava em Lisboa, na esplanada de um restaurante muito agradável. Porque não criar um restaurante vegetariano confortável e com boa qualidade de serviço, sem self-service, tabuleiros, luz branca e lojinha de produtos?”, diz Alexandra Rola, a mentora deste projecto.

A ideia surgiu na hora H. Com a irmã, Cristina, e uma amiga, Isabel Machado, criou a sociedade. Alexandra e Cristina eram enfermeiras e tinham uma clínica, que deixaram. O cunhado, António Ramos, médico e casado com Cristina, acabara de herdar este belo edifício dos anos 40, que em tempos funcionara como fábrica têxtil, na cave, e como habitação, no primeiro andar. Não a queria para residência, mas também não a queria vender. A solução do restaurante foi perfeita.

A casa foi adaptada, com um projecto do arquitecto Rui Leite, a equipa de cozinheiros foi encontrada (Vítor Neto e Margarida Cardoso) e o restaurante foi inaugurado em Maio do ano passado. Do recheio original pouco ficou, excepto o imponente aparador da sala de cima. “Com uma ementa variada e uma carta de vinhos interessante”, esclarece Alexandra Rola. “Uma antecâmara confortável convida a saborear um aperitivo enquanto lhe preparam a mesa. Na sala de jantar, a atmosfera leve, a luminosidade perfeita e os aromas confundindos conciliam os sentidos”, acrescenta o texto de apresentação. O restaurante divide-se entre a tal antecâmara, a sala principal e uma esplanada, no rés-do-chão. No andar de cima existe uma segunda sala, para grupos.

Da ementa destacam-se, como entradas, a salada de nozes caramelizadas, as trouxas de massa filo com queijo brie, molho aromático de tomate e mel e os soufflés de cogumelos com aveludado de soja. Depois a carta vai-se dividindo em secções. De “O tofu, o seitan e a soja”, a co-proprietária realça o tofu com alecrim e feijão-verde, batata no forno e molho cremoso de alho, os bifes de seitan e espinafres com molho de queijo e vinho do Porto e ainda o timbale de courgettes, ervilhas e soja com ervas e especiarias. No capítulo “A massa, os ovos e o risotto”, destaca os ravioli de espinafres e tofu em marinada de açafrão com molho de tomate e o risotto de dois cogumelos. Para os casmurros que não dispensam a chicha, há uma selecção de quatro pratos (bacalhau, gambas, pato e bife do lombo), da qual Alexandra selecciona o risotto de gambas e açafrão com cebolinho. Há ainda uma “proposta juvenil”, com três pratos mais económicos e de paladar fácil. A lista das sobremesas contempla oito hipóteses, com relevo para a essência do chocolate (um bolo de chocolate com gelado de citrinos e verduras e zesto de citrinos), a tarte de cardamomo com praline de noz de macadâmia e a mousse de lima. Mas não ficamos por aqui. A encerrar, “A opção fresca” propõe, além de uma selecção de frutas frescas, cinco propostas geladas. Um jantar completo, com vinho incluído, pode oscilar entre os 20 e os 25 euros por pessoa.

Ao almoço, o essência tem um regime mais económico. De segunda a sexta-feira, propõe um menu vegetariano e um menu não vegetariano com pratos do dia. E duas opções: o menu completo (entrada, prato principal e sobremesa) e o menu reduzido (entrada ou sobremesa e prato principal). No menu vegetariano, o completo custa €8 e o reduzido €6; no não vegetariano, o completo passa para €9,50 e o reduzido para €7,50.

Essência
Rua Pedro Hispano, 1190, Porto. 228 301 813 /960 492 992. Horário: Almoço: 12h30-15h00/Jantar: segunda a quinta-feira, 19h30-22h00; sexta-feira e sábado, 19h30-24h00. Encerra ao domingo e feriados.»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/47400-porto-um-vegetariano-gente-sofisticada-e-nao-fundamentalista, a 19 de Fevereiro de 2010, em Jornal I

Boas Refeições Saudáveis!

RT

Onde Se Pode Provar Bons Bifes em Portugal…Venha Conhecer Onde…

Bons Bifes...Venha saber onde ... Fonte: http://www.ionline.pt

A sugestão que hoje trago, e que saiu num diário da nossa praça na semana que hoje termina, é uma sugestão gastronómica, neste caso, bifes, passo a transcrever a referida notícia, no entanto, como é comum, não comento, pois não conheço as casas todas enumeradas na peja, jornalística, mas é boa sugestão para um jantar de sábado.

«São bifes, senhor… Dez bifes. E dos bons

Diz o ditado que em terra de bifes quem tem ovo é rei. Ou podia dizer, mas não: é falso. Esqueçam os títulos monárquicos e vamos a dez bifes que tem de experimentar em Lisboa

Bife à Café de São Bento
Muitos dizem que é o melhor da cidade. Pela carne (do lombo, sempre), pelo molho, e pelas discussões importantes que se conseguem escutar durante a refeição. Vicissitudes de um restaurante que tem tanto de pequeno como de concorrido. O facto de não aceitar reservas por vezes complica arranjar uma mesa para provar o bife. Ou complicava, até há cerca de um ano, altura em que o conceito se estendeu ao Casino do Estoril. Aí já com reservas possíveis e cozinha aberta até às duas da manhã.

Rua de S. Bento 212, Lisboa. 213 952 911/Pç. José Teodoro dos Santos Estoril. 214 669 835. Preço: €19

Bife XL
Talvez por estarem separados por apenas 300 metros, diz-se que o bife do restaurante XL vive na sombra do do vizinho Café de São Bento. Discutir se tal consideração é justa ou injusta far-nos–ia desviar do essencial. E o essencial é que o Bife XL é bom. Dos melhores da cidade. Carne tenra, um molho de natas e alho forte q. b. e batatas pequenas e caseiras a acompanhar. Nem sempre é fácil arranjar mesa, e o ambiente semi-exclusivo pode assustar os estreantes. Mas não há que temer.

Calçada da Estrela 57, Lisboa. 213 956 118. Preço: €18,70

Bife do lombo à Toni (dos Bifes)
Quando se põe bifes e Lisboa na mesma frase é quase um ultraje terminá-la sem falar do Toni. Dos bifes, isto é. Se o Café de São Bento é um clássico, o Toni dos Bifes é um Clássico com maiúscula. São muitos anos não a virar frangos, mas a servir bifes, do lombo e não só, no Saldanha, em frente ao Monumental. Quando este último ainda era teatro, os ditos saíam frequentemente da cozinha para os camarins dos grandes actores da época. Hoje em dia o Toni pode já não ter o glamour de outros tempos, mas continua a ser uma das paragens obrigatórias no mundo das carnes vermelhas.

Avenida Praia da Vitória 50 F, Lisboa. 213 536 080. Preço: €15

Bife do lombo à Café do Paço
Não figura habitualmente nos roteiros para o melhor bife da cidade, mas tal é só uma questão de tempo. O Café do Paço é uma casa recente que segue, contudo, o velho trâmite da porta fechada, que só se abre depois de tocada a campainha. Lá dentro está uma sala de aspecto clássico, poltronas vermelhas e mobiliário conservador. O ar austero do espaço contrasta com a simpatia dos empregados, gente com experiência nestas andanças que não hesitará em recomendar o óbvio: o excelente bife do lombo à casa, com um molho que o vai fazer gastar todo o pão que estiver na mesa. E tudo isto disponível até perto das duas da manhã.

Rua Paço da Rainha 62 A, Lisboa. 218 880 185. Preço: €16

Naco na Pedra do Edmundo
Se nunca acertam no ponto em que pretendem o bife não há nada como seguir a norma do it yourself. E não estamos a falar de viagens ao talho e estadias na cozinha. Não. A solução chama-se naco na pedra. Do lombo ou do novilho (se for fim do mês), este é sempre um dos pratos mais pedidos na cervejaria Edmundo, em Benfica. A carne vem crua em cima de uma pedra previamente aquecida e cabe ao comensal cozinhá-la a gosto. É acompanhada de molhos e batatas fritas caseiras. Se o Edmundo estiver cheio saiba que a iguaria também é recomendável no Pregoeiro ou no Coreto, em Carnide (que parece ser, estranhamente, a capital nacional da especialidade).

Av. Gomes Pereira 1, Lisboa. 217 154 502. Preço: €11,50 (novilho) €16,80 (lombo)

Bife Kobe do Olivier Café
Chamam-lhe o Rolls Royce dos bifes. O champanhe dos bovinos. E quem prova diz que nunca comeu nada assim. Chama-se bife Kobe porque vem, originalmente, da homónima região japonesa, o berço das vaquinhas Wagyu. Dizemos vaquinhas porque as ditas são mimadas diariamente com sessões de massagem, música clássica e várias doses de cerveja japonesa. Delas resultam os melhores nacos de carne vermelha do planeta. Paga-se caro, é certo, mas que todo o amante dos bifes não pode passar sem experimentar. Em Lisboa, Olivier da Costa é um dos (poucos) adeptos da especialidade, e no seu Olivier Café, serve-a acompanhada de manteiga wasabi e lima.

Rua do Alecrim 23, Lisboa. 213 422 916; Preço: €35

Bife à Cortador do Tachadas
O bife não é especialmente tenro nem prima por um sabor distinto. E o restaurante não tem um requinte especial. Ou, de todo, qualquer requinte. Mas o Tachadas e o respectivo bife à Cortador estão nesta (distinta) lista por uma razão. Pelo bruá. O bruá é uma palavra inventada por jornalistas desportivos que chegou a altura de aplicar a outras secções da imprensa. Designa surpresa. E surpresa é o que acontece cada vez que um bife à Cortador chega a uma das mesas do restaurante. Não é em vão que também lhe chamam bife A4. É a medida que todos conhecem, admiram e partilham no Tachadas. Com gosto.

Rua da Esperança 174-176, Lisboa. 213 976 689. Preço: €9,80

Rosbife Spazio
E agora diz o leitor indignado: “mas o rosbife não é bife, ensinou-me a minha avó em 1963”. Pois não é. Mas discriminar a peça só porque é cortada e vai ao forno também não é bonito. E o facto de haver quem domine esta especialidade em Lisboa, como Justa Nobre, faz com que seja imperativo abrir uma excepção. É ao Spazio, o mais recente poiso do casal Nobre, que o rosbife continua a atrair uma clientela fiel desde os tempos da Ajuda. E o rosbife continua igual a si mesmo, saboroso, com as batatas assadas que servem de acompanhamento ideal.

Avenida Sacadura Cabral 53B, Lisboa. 217 970 760. Preço: €16, 80

Bife do lombo com pimenta do Vaskus
O conceito de steakhouse é das poucas coisas que nos faltam importar dos Estados Unidos. Ou, pelo menos, importar em massa, já que até existem, pecam apenas por ser poucas e passar despercebidas. O Vaskus é uma dessas excepções. Por lá encontram-se bifes em diferentes contextos, da picanha ao bife do lombo, que é a escolha certa, principalmente quando acompanhado do molho especial de pimenta. E , já que estamos numa de recomendações, as caipirinhas e a picanha também são de experimentar.

Rua Passos Manuel 30, Lisboa. 213 522 293. Preço: €18,50

Bife de chorizo do La Paparrucha
Pode pensar-se na Argentina como uma espécie de paraíso para muitos homens. Tem mulheres bonitas, futebol espectáculo (ou com perfume selvagem, como diria Gabriel Alves) e carne de qualidade. No La Paparrucha não se podem confirmar as duas primeiras, infelizmente, mas os famosos bifes de chorizo – o equivalente ao que nós, portugueses, chamamos vazia – são parte integrante do menu. A carne, geralmente com dois dedos de altura e idealmente servida mal passada, é uma excelente representante diplomática do país. E a vista panorâmica sobre Lisboa ajuda à digestão.

Rua D. Pedro V 18, Lisboa. 210 462 673. Preço: €19

Outros bifes

Cervejaria João Gordo
O segredo do Bife à Marrazes está nos enchidos de porco preto e no acabamento com Sagres Boémia.

Rua D. Carlos I, n.º 29, 2415 – 406 Leiria; www.joaogordo.com
Aberto de segunda a sábado, até às duas da manhã. Preço: €9,5

Toca do Coelho
Bife especial na frigideira: vem numa caçoila de barro, depois de preparado na frigideira. É envolvido num molho à base de natas e whisky.

Rua 5 Outubro, n.º 72, São Martinho do Bispo, 3040, Coimbra. Preço: €9,6

O Gargalo
O Fileto Pimenta Verde é um delicioso bife de vaca grelhado com molho de pimenta verde. Vem com batatas gratinadas  e salada de couve roxa.

Largo do Pé da Cruz, 30, 8000-154 Faro. Preço: €13,5

Adega Nova
Naco de novilho, que pode ser da vazia ou do lombo e é trazido cru para a mesa, sendo o cliente que cozinha, à sua vontade o bife numa chapa quente. Vem acompanhado de batatas fritas e salada.

R Francisco Barreto 24, 8000-344, Faro. Preço: €12,5

Munich II
Em Coimbra, quem quer bom bife vai ao Restaurante Munich II. A iguaria, servida numa caçarola de barro, é composta por bife da alcatra com ovo a cavalo, regada com um molho especial (segredo do chef…) e acompanhada por batatas fritas aos palitos.

Rua do Brasil, n.º 344, 3030-175 Coimbra. Preço: Entre €9,50 e €15

Penedo
“Mais simples não podia ser”, resume Pedro Silva ao descrever o famoso “bife na pedra” que serve diariamente no restaurante. Vai para a mesa cru, apenas com tempero de alho e sal. É sobre pedra quente que o “bom naco de lombo de vitela” adquire o ponto certo.

Avenida 25 de Abril, 3270-162 Pedrogão Grande – Leiria, Preço: €12,5

Adega da Marina
Na Adega da Marina, em Lagos, pode provar um belo naco de novilho na brasa. O bife do lombo é grelhado no carvão. Vem acompanhado com batatas fritas.

Avenida dos Descobrimentos, nº 35, 8600 Lagos. Preço: €8,15»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/47410-sao-bifes-senhor-dez-bifes-e-dos-bons, a 19 de Fevereiro de 2010, em Jornal I

Bons Bifes!

RT

Fim de 10 Mitos Muito Comuns…Venha Conhecer os Que Caem por Terra…

Mitos que Caem Por Terra.... Fonte: http://www.ionline.pt

Hoje trago 10 mitos da ciência, por motivos que me são alheios, não tenho tido muita possibilidade de comentar, no entanto, brevemente espero comentar alguns assuntos muito badalados ultimamente na nossa sociedade, passo entretanto a transcrever a peça jornalística publicada num diário da nossa praça.

«10 mitos da ciência: afinal os telemóveis não fazem explodir bombas de gasolina

De certeza que já ouviu dizer que falar ao telemóvel pode fazer explodir uma bomba de gasolina, que as garrafas de água de plástico não se podem voltar a encher por provocar cancro ou que o corpo humano perde a maior parte do calor pela cabeça. O site 20 minutos elenca 10 mitos científicos e apresenta opiniões de especialistas que os contrariam.
Para cada um destes tópicos podem existir opiniões diferentes, pelo que, caso se trate de tomar decisões sobre a sua saúde ou segurança deve ser confiar no médico ou especialista que contacte.

Ficam aqui os 10 mitos científicos:


Antenas telefónicas podem provocar cancro

Em Portugal já se registaram algumas queixas. Apesar de se esperarem testes mais complexos, a Organização Mundial de Saúde explica que “não existe nenhuma prova científica convincente que as frequências de rádio provenientes das estações e das redes sem fios tenham efeitos nocivos para a saúde”.


Telemóveis podem fazer explodir bombas de gasolina

Enrique Velázquez, professor de electrónica do Departamento de Física Aplicada da Universidade de Salamanca, diz ao 20 minutos que um telemóvel teria de ter mais potência para provocar uma explosão. “Um telemóvel tem uma energia muito baixa, além de produzir uma radiação electromagnética muito baixa, menos de um Watt, pelo que é praticamente impossível produzir uma explosão”. Já a bateria de um carro poderia dar origem a uma faísca suficiente para provocar uma explosão.

Voltar a encher garrafas de água pode provocar cancro
A teoria é que, com o uso e o desgaste, o plástico pode transferir componentes cancerígenos para a água. No entanto, Antonio Rey, professor de físico-química da faculdade de Química da Universidade de Madrid assegura que isso não faz sentido. “O plástico nunca se transfere”. Ou seja não passa as suas moléculas para os líquidos. “Quase todos os plásticos que se vendem têm aditivos, colocados para lhes dar resistência, para não ter de os aquecer tanto, para que não se deformem, etc. E é verdade que esses aditivos acabam por se desprender e, no caso do PVC, podem ser cancerígenos [?] Agora no caso dos plásticos PET, que nem sequer é puro, até hoje não foi provado que possa ser prejudicial. Eu reencho garrafas.”
Contudo, não deve usar a mesma garrafa muito tempo, porque de facto ela vai-se deteriorando. No microondas deve também só colocar plástico etiquetados para uso alimentar.

Chatices fazem com tenha mais cabelos brancos
É provável que alguém já lhe tenha dito: “só me fazes cabelos brancos”. Porém, María José García, Chefe do departamento de Dermatologia do Hospital de Madrid afirma que isso “é um mito”. “Uma contrariedade não se transforma, de repente, num cabelo branco”. Além disso, os cabelos brancos precisam de algum tempo para crescer. Mesmo que se chateie agora, só daqui por algum tempo vai ter mais cabelos brancos.

Unhas e pêlos continuam a crescer depois de mortos
Este é mais difícil. Não totalmente falso, mas também não é verdade. Por um lado, a desidratação do corpo pode fazer com que as unhas pareçam maiores uns dias depois, por outro, os pêlos podem continuar a crescer alimentando-se de estímulos que existiam em vida. Segundo Joaquim Berrocal, especialista em preservação e desinfecção de cadáveres, o cabelo nutre-se da gordura corporal. Enquanto houver gordura, o cabelo continua a crescer.
Corpo perde mais calor pela cabeça
Falso. É verdade que, em caso de frio, deve proteger as extremidades, mas este mito surge do facto de a concentração de glândulas sudoríferas ser maior na cabeça e nos pés. Apenas isso.

Quando se faz depilação com lâmina os pêlos ficam mais fortes
María José García diz que esse efeito não existe. “A raiz do cabelo não é afectada. O que acontece é que, ao cortar ou depilar estamos a cortar a parte mais fina do pêlo”.

Beber muita água hidrata a pele
“Se beber muito, vai urinar muito”, não hidrata a pele, explica García. Para isso deve usar outras soluções.

Os cabelos grisalhos não caem
Um cabelo normal e um cabelo grisalho são iguais, excepto no facto de o segundo não ter pigmentação. A confusão pode vir do facto de os carecas nunca chegarem a ter cabelos grisalhos porque começam a perdê-los mais cedo, o que leva as pessoas a pensarem que os cabelos brancos não caem.

O chocolate faz crescer borbulhas
Apesar de muitas pessoas deixarem de comer chocolates para ter menos borbulhas, não existem provas científicas deste efeito directo.»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/47333-10-mitos-da-ciencia-afinal-os-telemoveis-nao-fazem-explodir-bombas-gasolina, a 18 de Fevereiro de 2010, em Jornal I

Bons Mitos!

RT