Conheça o Livro Que Sai Hoje Sobre a Homossexualidade em Portugal…

Hoje trago uma sugestão de um livro que vai ser editado, e de uma peça que cobre o referido lançamento. Trata-se de um livro que aborda a homossexualidade, e que contem 4 caos de pessoas famosas, passo a transcrever a reportagem, e como vem sendo habitual não comento as publi-reportagens.

«Esta jornalista tem a chave do armário de 12 homossexuais portugueses

Vítor de Sousa e Nicha Cabral confessaram. Esses e outros dez testemunhos estão no livro “3º Sexo”

Helena Martins, única mulher a fazer stand-up comedy lésbico em Portugal, desmancha-se a chorar de cada vez que se lembra da namorada ruiva, de olhos azuis, que lhe deixava a camisa manchada de sangue e o corpo repleto de nódoas negras. O actor Vítor de Sousa não suportou um desgosto de amor: rasgou cartas e fotografias, engoliu uma dose de comprimidos e só voltou a acordar no Curry Cabral. À noite, nos dias de folga, João abre a bagageira do carro, retira um vibrador e gel lubrificante, põe uma peruca loira, um body rendado e umas botas de cano alto – durante o dia estende a roupa que a mulher lavou e ajuda a filha a fazer os trabalhos de casa. Fernando Dacosta, escritor e jornalista, foi assediado por um inspector da PIDE e envolveu-se com um cónego numa sauna – no final, o religioso acabou a autoflagelar-se com uma toalha.

Estas são algumas das confissões que Raquel Lito, jornalista da “Sábado”, arrancou a 12 homossexuais portugueses. No livro “3º Sexo”, editado pela HFBooks, a ser lançado amanhã, anónimos e quatro figuras públicas estão a nu. Pela primeira vez, figuras como o actor Vítor de Sousa, o ex-piloto de Fórmula 1, Nicha Cabral, o jornalista e escritor Fernando Dacosta e o chefe de cozinha Fausto Airoldi, relatam como é ser gay em Portugal.

Depois de um ano e dois meses de investigação, Raquel Lito quase chegou a um 13º depoimento: conversou com um padre, através do email do dirigente da Opus Gay, António Serzedelo. O sacerdote impôs anonimato, recusou encontros e até conversas telefónicas. Seria o mais corajoso e polémico dos depoimentos. O padre queria falar mas, no último instante, a consciência não deixou.

O tema já estava em cima da mesa quando Raquel Lito recebeu o convite da HFBooks. Pesquisou o que tinha saído na imprensa sobre homossexualidade no espaço de um ano e descobriu a lacuna: não havia, em Portugal, relatos confessionais de gays. A jornalista não queria um discurso militante nem frases politicamente correctas. “Queria relatos de pessoas com vidas cheias”, conta.

Começou por lançar um pedido no fórum da associação LGBT Rede Ex-Aequo e publicar um anúncio nos classificados do site “Portugal Gay”. Só ao fórum da Associação LGBT chegaram respostas de 70 homossexuais. Raquel Lito lançou uma espécie de concurso, com seis perguntas, para poder seleccionar os melhores relatos – no final, restaram quatro.

Naquele dia de Setembro, quando a autora viajou até uma vila perdida do Norte para a primeira entrevista, estava às escuras. “Não sabia que pessoa iria encontrar, nem sequer se valeria a pena contar a sua vida neste livro”, lembra agora, enquanto se socorre de fotocópias do livro para contar a história de Daniel Ferreira com todos os pormenores. Na marcha de Carnaval de 2008, na tal vila, triste e melancólica, Daniel não se mascarou de palhaço nem de “pierrot”: desfilou com um saco de papel a cobrir a cara, correntes a tapar a boca e uma T-shirt estampada com a palavra “gay” e o slogan “direito à diferença”. No dia-a-dia era um inadaptado: fechado no quarto, automutilava-se e esboçava uma teoria bizarra sobre reencarnação para desculpar a vizinhança cruel.

Perante a insistência de um homossexual casado, que queria desabafar pela primeira vez a sua vida dupla, Raquel Lito mudou o ângulo do livro, que inicialmente se centrava em gays assumidos. “Não é fácil ser homem, casado, e gostar de homens”, escrevia João, num email antes da entrevista. Ninguém da família suspeitava que João era homossexual e tinha fetiches com lingerie feminina. João não conseguia contar.

Depois dos anónimos, Raquel passou à segunda fase: as figuras públicas. Tinha uma lista de nomes, mas não sabia como fazer a abordagem. “Estou a escrever um livro assim assim e tive indicação de que me poderia dar um testemunho interessante”, dizia, meio a medo, pelo telefone. Nunca ouviu um “está enganada, eu não sou gay”, mas muitos recusaram. Só quatro figuras públicas nada temeram – de Vítor de Sousa a Nicha Cabral, ex-piloto de fórmula 1, que confessou adorar ter flirts com heterossexuais, passando por Fernando Dacosta ou o chefe de cozinha Fausto Airoldi, que namorou ao mesmo tempo com um rapaz e uma rapariga, antes de se assumir, aos 18 anos.

Raquel Lito descobriu um mundo em que “há sempre sofrimento, sobretudo nos meios pequenos ou quando as famílias não aceitam”. Uns passaram por desgostos e tentaram o suicídio, outros frequentavam às escondidas os bares “bas-fond”, João tinha uma vida dupla, Daniel auto-mutilava-se, Ana não era capaz de contar a verdade no meio militar em que trabalhava, Dacosta foi censurado e assediado pela polícia de Salazar. Foram 40 horas de entrevistas gravadas e outras tantas de conversas telefónicas e trocas de emails de que Raquel Lito perdeu a conta. Ainda hoje há quem lhe ligue a chorar desgostos de amor. Ou a “esbanjar felicidade, porque conseguiu, finalmente, satisfazer as suas fantasias.”»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/47064-esta-jornalista-tem-chave-do-armario-12-homossexuais-portugueses, a 17 de Fevereiro de 2010, no Jornal I

Boas Leituras

RT

Anúncios

2 pensamentos sobre “Conheça o Livro Que Sai Hoje Sobre a Homossexualidade em Portugal…

  1. Está na hora das pessoas aceitarem a diferença e que a nossa sociedade se baseie na verdade, por mais que possa doer, é uma dor temporária. Acho repugnante e ao mesmo tempo sinto revolta; por homens e mulheres serem levados pela sociedade e fazerem uma vida dupla. Acho que é o pesadelo dos pesadelos de qualquer mulher, julgar-se amada e afinal nao tem um homem feliz ao seu lado; e sobretudo; uma relação baseada na mentira. É algo que me transtorna. Todos têm direito a ser felizes, sem implicar a infelicidade de outros. Tenho dito.

    • Olá Mafalda

      Desde já agradeço o teu comentário.

      Penso que ninguém deve ter que ser obrigado a ter uma vida dupla, ou mesmo a esconder o que quer que se seja, com receio de retaliações ou ser excluída da sociedade.
      Sou a favor da liberdade em todo o seu esplendor, e poder mostrar ao mundo que se ama, independentemente do sexo, é um direito consagrado, e que deve ser levado em conta.
      Penso que, ter que esconder…e horrível, é como os miúdos que têm que ter uma vida paralela, quando começam a fumar, escondem-se… neste caso, para os pais não descobrirem e os condenarem..

      Penso que ninguém tem o direito de condenar ninguém, pelo menos em casos vulgares da vida quotidiana, em crimes é outra história.

      Obrigado mais uma vez, Mafalda, pela sua opinião construtiva e pela sua contribuição no debate neste blog.

      Sem mais agradeço

      RT

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s