Entrevista a Um Dos Gatos Fedorentos… Ricardo Aráujo Pereira…

Entrevista a Ricardo Araújo Pereira... Fonte: http://www.ionline.pt/

Hoje trago uma entrevista feita a um dos gatos fedorentos, desta feita Ricardo Araújo Pereira, passo a transcrever na íntegra a respectiva entrevista.

«“Acredito no Benfica campeão mesmo quando é matematicamente impossível”

Deve ter sido uma das prendas mais repetidas junto dos benfiquistas que sabem ler. E até dos que não sabem. “A Chama Imensa”, livro que reúne as crónicas de Ricardo Araújo Pereira sobre o Benfica no jornal “A Bola”, é um retrato do amor (às vezes ódio) de um homem pelo seu clube. O Gato Fedorento, sócio número 17.411, fala-nos das origens do seu benfiquismo e de uma fé no seu clube de tal maneira inabalável que resiste à lógica, bom senso e matemática

Esta não é daquelas entrevistas que começam com uma descrição do local onde decorreu a conversa. Não está ilustrada por um tique recorrente do entrevistado nem consta aqui qualquer referência à posição do sol aquando do encontro – até a frase “era de noite e, no entanto, chovia”, faz ainda menos sentido. Ricardo Araújo Pereira, sócio número 17.411 do Sport Lisboa e Benfica, está em casa, ao computador, na véspera da véspera de Natal, a responder a perguntas enviadas dias antes por e-mail. Enquanto escreve – “não faço ideia de quanto tempo vou demorar porque tenho as miúdas, malditas férias escolares” – a compilação de crónicas “A Chama Imensa” torna-se num dos livros mais vendidos deste Natal.

É possível que a águia Vitória não volte a voar no Estádio da Luz. Vai fazer muita falta?

Sim, fará falta. E é pena. O Benfica era o único clube que conseguia organizar um espectáculo daqueles com o seu símbolo. Os leões não voam tão bem e os dragões padecem do mesmo mal que a maior parte dos penalties que se vão assinalando a favor do Porto: não existem. Ainda assim, S. Jorge matou um. Veja como deve tratar-se de um bicho irritante, para conseguir fazer com que um homem que era santo perdesse a paciência.

Qual é a sua memória mais antiga do estádio da Luz?

Talvez um Benfica-Porto de 1981. Cheguei ao terceiro anel antigo logo a seguir ao almoço, porque os jogos eram à tarde e não havia esta mariquice dos lugares marcados, como na ópera. A certa altura, Pietra deu uma soberba sarrafada ao Frasco, que ficou a contorcer-se no chão. Um consócio que estava ao meu lado gritou, com muita humanidade: “Se ele está a sofrer, o melhor é abatê-lo!” Ganhámos 1-0, golo de João Alves. Resultado magro mas, tendo em conta que o árbitro era António Garrido, foi goleada. Nesse ano, fomos campeões e ganhámos a taça, também ao Porto, 3-1 na final. Três golos de Nené. Veloso marcou um na própria baliza logo a abrir, para lhes dar um de avanço, a ver se o jogo ficava mais equilibrado. Não resultou.

Por que razão escolheu o Benfica?

Quando eu era pequeno, o meu primo António convenceu-me de que o Benfica era o melhor clube do mundo. Sem querer tirar mérito ao meu primo António, não é difícil convencer uma pessoa disso, uma vez que é verdade. Quanto ao meu primo António, é do Benfica por causa de um barbeiro que lhe cortava o cabelo no Areeiro. Portanto, em última análise, sou do Benfica por causa do barbeiro do meu primo António. Até agora, foi o máximo que consegui apurar acerca da minha genealogia benfiquista.

No seu livro fala do Shéu e do Rui Costa, de querer ser como eles. Há algum jogador da actual equipa que lhe mereça essa empatia e admiração?

Em princípio, invejo o destino de todos os rapazes que vestem aquela camisola. Hoje, gosto especialmente do Maxi [Pereira] e do Fábio [Coentrão], uma vez que só não mordem nos adversários porque as regras não permitem; do Ruben Amorim, porque é do Benfica desde os três meses – e isso nota-se no seu futebol; do Luisão e do David Luiz, porque são a melhor dupla de centrais desde Mozer e Ricardo Gomes; do Aimar, porque descobre jogadores isolados para surpresa de toda a gente – incluindo dos próprios, que se apanham sozinhos sem saber como à frente da baliza; do Carlos Martins, porque é um digno sucessor de Carlos Manuel, a locomotiva do Barreiro; e do Roberto, porque é do tamanho de um guarda-fatos que a minha avó tinha e cada vez defende melhor. E, enfim, dos outros todos.

Costuma ver os juvenis na Benfica TV e o futsal de veteranos?

Claro. Estou de olho num puto que parece o Valderrama (acho que lhe chamam mesmo Valderrama) e gosta de fintar várias vezes o mesmo adversário antes de avançar para a baliza. No futsal de veteranos, acompanho com especial interesse a carreira de um avançado que talvez tenha dois ou três quilos a mais. Isto para falar apenas nas modalidades que citou. Mas se um velhote vestir a camisola do Benfica e começar a jogar chinquilho, sou menino para ir apoiar.

A enumeração dos maiores flops do clube é uma ocupação frequente entre benfiquistas que se querem rir deles próprios. Qual é para si a mais fracassada de todas as contratações do glorioso?

Se calhar, é mais fácil fornecer-lhe o meu onze ideal de cepos: na baliza, Bossio. Moretto, Zach Thornton e Butt esperam oportunidade no banco. Lateral direito: Dudic, embora Ricardo Rojas e Gary Charles tenham valor para ocupar o lugar. Centrais: Jorge Soares e Paulão, o coice de mula. Jorge Bermúdez, Machairidis, Simanic e outros 10 ou 20 que não me ocorrem agora também eram exasperantes. No lado esquerdo da defesa, o meu coração balança entre Steve Harkness, Alessandro Escalona e Emmanuel Pesaresi. Mas se me der 5 minutos, talvez encontre pior. Trinco: Michael Thomas, com Marco Freitas, Jamir e Paulo Almeida no banco. Daqui para a frente, seria preciso escolher 5 entre Taument, Glenn Helder, Leónidas, Manduca, Luís Carlos, Luís Gustavo, Clóvis, Uribe, Hassan, Marcelo e Pringle. Uma tarefa difícil.

O que sente ao ver isto [link para o vídeo promocional da Operação Coração, no YouTube]?

Sinto alívio por já não estarmos nessa situação e incredulidade por ter sido possível convencer as pessoas a fazer essas doações. Depois lembro-me do título da Operação Coração que tenho emoldurado na minha secretária e percebo tudo um bocadinho melhor.

E isto [o golo e as lágrimas de Rui Costa depois de marcar ao Benfica enquanto jogador da Fiorentina]?

Eu estava no estádio nesse dia e na bancada também estávamos todos a chorar. Que quer que lhe diga?, os benfiquistas são pessoas sensíveis. Hoje, este episódio continua a emocionar-me, apesar de se ter tornado comum: quando o Inter marcou ao Sporting, Luís Figo também chorou. Chorou a rir, mas chorou.

Não estão em “A Chama Imensa” as crónicas todas. Como fez a selecção?

Excluí as que tinham ainda menos interesse do que as que ficaram. Só fiz ponto de honra em manter todas as que falavam de Rui Moreira. Um homem que é proprietário de um cão que ressuscita merece a distinção. Haja respeito pela Páscoa canina.

Como é ser um dos “dois rafeiros atiçados às canelas” de Miguel Sousa Tavares?

É surpreendente, porque sempre apontei para o lombo. Miguel Sousa Tavares tem uma relação um pouco conflituosa com os factos e uma grande capacidade para ignorar evidências, como certos documentos que temos vindo a ver, ler e ouvir. Ora, como disse a avó de um adepto do Benfica chamada Sophia de Mello Breyner, “vemos, ouvimos e lemos / não podemos ignorar”. Palavras sábias.

Durante o período em que foi cronista de “A Bola”, qual foi o melhor alvo?

Deve ter sido o Pinto da Costa. É quase inevitável, uma vez que se mantém no cargo há décadas e é um homem multifacetado, que ora declama poesia como João Villaret, ora dá indicações de trânsito como um GPS. O facto de estar a cumprir pena de suspensão por tentativa de corrupção activa enquanto se queixa das arbitragens também é divertido.

Qual é para si a equipa mais fácil de caricaturar do nosso campeonato?

É possível que seja o Sporting. Sempre que o Benfica está no fundo, o Sporting tem a gentileza de aparecer para demonstrar que é possível descer um pouco mais. Um dia depois de termos levado 5 do Porto, o Sporting jogou contra o Guimarães. Estava a ganhar 2-0. Nisto, o Vitória reduz. Depois, empata. A seguir, marca o golo da vitória. Até me passou um bocadinho da azia.

Acha que ainda vamos lá este ano?

Claro. Mas eu sou suspeito, uma vez que continuo a acreditar mesmo quando já é matematicamente impossível. »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/95805-acredito-no-benfica-campeao-mesmo-quando-e-matematicamente-impossivel, a 29 de Dezembro de 2010, em Jornal I

RT

Conheça os Herois de Banda Desenhada Mais Comuns e Suas Histórias…

Herois de Banda Desenhada... Fonte: http://www.ionline.pt

Hoje trago um artigo, sobre super heróis, que saiu num diário da nossa praça, passo a transcrever a referida peça jornalística.

« Quarteto Fantástico. E se o seu herói morrer amanhã?

A Marvel foi bem clara: um dos quatro fantásticos vai morrer. O nome da vítima ainda não foi divulgado e os fãs terão de esperar até à edição do número 587 da revista “Quarteto Fantástico”, no próximo mês. Para evitar bisbilhotices, a banda desenhada será vendida dentro de um saco de plástico preto (em Portugal, só em lojas como a BdMania, por exemplo). Entretanto, é melhor começar já a despedir-se da Mulher Invisível, do Senhor Fantástico, do Tocha Humana ou do Coisa e poupar algum sofrimento em Janeiro. Para lhe provar que não é impossível aniquilar super-heróis, escolhemos sete estrelas da BD, estudámos os seus pontos fracos e imaginámos a morte perfeita. Também pode ser usado em vilões

Daredevil

Matthew Michael Murdock perdeu a visão quando ainda era miúdo, ao entrar em contacto com material radiocativo que caiu de um camião. Ao ficar cego, todos os outros sentidos se apuraram de forma sobrehumana. É capaz de sentir a presença de alguém a um metro e meio de distância, através do calor do corpo e de ler com os dedos o relevo da tinta no papel.

Como matá-lo:

Como Daredevil é advogado, poderá enganá-lo com a urgência de conversar com um cliente. Leve-o para uma sala à prova de som, para que também fique privado desse sentido, e liberte um gás mortal.

Lanterna Verde

Não vamos complicar: existem vários Lanternas Verdes. Tantos que esta coluna não chega para contar a história de cada um. Assim, o que importa saber é que a função deste herói – cujos superpoderes vêm de um anel que reflecte, espantem-se, luz verde – é policiar o universo.
Como matá-lo:

Basta tirar-lhe o anel do poder. Aproveite quando ele for lavar as mãos à casa de banho e tirar as luvas (com o anel incluído). É nesse momento que o seduz e troca, sem ele ver, o anel verdadeiro por uma réplica de pechisbeque. Em seguida, crave-lhe um punhal no coração. Ou peça ao anel verdadeiro que o faça.

Capitão América

Chama-se Steve Rogers e era um magricela estudante de artes. Durante a Grande Depressão quis juntar-se ao Exército mas foi dispensado. Pouco depois foi convidado, pelo Exército, para um projecto cujo objectivo era criar o soldado perfeito. Depois de beber o soro “Super Soldado”, tornou-se fisicamente perfeito. Para além de inteligente, é rápido, resistente, ágil e um mestre no combate corpo a corpo. O seu metabolismo transforma a fadiga em energia.
Como matá-lo: Congelá-lo será a melhor solução. Boa sorte.

Batman

Bruce Wayne é um pobre milionário cujos pais foram assassinados à sua frente quando era criança. Desde então jurou vingar-se. Foi assim que se tornou o Cavaleiro das Trevas, não só por ser um herói algo negro e dado à tristeza, mas porque se movimenta de noite e se veste de preto. Ora, Bruce Wayne não tem qualquer poder: tem é muito dinheiro que lhe permite comprar uma série de tecnologia que o torna quase invencível.
Como matá-lo:

Muitos tentaram e falharam. Um tiro certeiro no olho, que além da boca é o único pedaço de corpo exposto, deve chegar. Como é que nunca ninguém se lembrou disto?

The Hulk

Bruce Banner é um físico nuclear, que trabalha para o exército americano. Ao construir uma bomba de raios gama, algo corre mal e o cientista é exposto aos raios. Nasce Hulk, um monstro verde de força sobre-humana no qual Bruce se transforma sempre que se enerva. Hulk é capaz de apagar incêndios batendo com uma mão na outra. Esse choque já foi comparado a tufões e bombas sónicas.
Como matá-lo:

Inteligência não é o forte de Hulk. Atraia-o para um enorme e fundo buraco de areias movediças e veja-o afundar-se. Apesar de ser forte e rápido, é demasiado pesado para evitar ir ao fundo.

Wolverine

Nasceu no Canadá. Era frágil e doente enquanto criança. Numa sucessão de trágicos eventos, perde os pais e é obrigado a fugir. O seu poder é a capacidade de se auto regenerar. Tem também umas garras de osso que saem das mãos. Mais tarde, numa experiência do Exército, o seu esqueleto foi substituído por um metal indestrutível.
Como matá-lo:

Decapitando-o. Faça-se amigo de Magneto (o mutante que controla todos os metais), rapte uma das crianças da escola do Professor X (Wolverine é um X-Men) e obrigue-o a trocar de lugar com ela. Magneto imobiliza-o e é aí que o decapita. É melhor usar uma espada samurai.


Homem de Ferro

Tony Stark é como Bruce Wayne: um herói auto fabricado. Não tem qualquer poder, excepto uma inteligência fora do normal, que lhe valeu uma licenciatura em Engenharia Electrónica aos 19 anos, e a capacidade de criar tecnologia que põe ao seu serviço no combate à guerra e crime.
Como matá-lo:

Além de ser um grande ramboieiro, Tony tem estilhaços de metal alojados perto do coração que lhe colocam a vida em perigo. É o dispositvo que tem cravado no peito que o mantém vivo. Para matá-lo basta embebedá-lo, e, quando estiver a dormir (e bem amarrado), arrancar-lho do peito e esperar.»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/95658-quarteto-fantastico-e-se-o-seu-heroi-morrer-amanha, a 28 de Dezembro de 2010, em Jornal I

RT

Filmes Que Deram Grandes Fiascos…De Bilheteira…

Filme Mother.... Fonte: http://www.ionline.pt

Hoje trago um artigo interessante, e que versa sobre 25 filmes que tinham tudo para dar, mas que não deram pelo menos no que concerne a êxitos de bilheteira.

« Os 25 filmes que tinham tudo para ser reis, mas não de bilheteira

Apresentamos um balanço ao contrário, que conseguiu fugir ao número 10. Passamos a explicar: aqui não estão os reis de bilheteira nem os vários filmes anuais de Leonardo DiCaprio. Pedimos ajuda a críticos de cinema e a um realizador para desenhar uma lista especial. São filmes que estrearam este ano em Portugal e passaram despercebidos. Mas não deviam. Independentes, europeus ou latino-americanos, o cinema faz-se longe de Hollywood. Uma lista para cinéfilos e aprendizes

As escolhas de Alexandre Borges, crítico de cinema do i

“Sem Nome”
De Cary Fukunaga Com Marco Antonio Aguirre Leonardo, Alonso Karla, Cecilia Alvarado
O drama da emigração mexicana nos Estados Unidos retratado através da história de uma jovem das Honduras, Sayra. O IMDB avisa, se gostou de “Babel”, vai gostar deste filme.

“Estômago”
De Marcos Jorge Com João Miguel, Fabiula Nascimento, Babu Santana
Abre o apetite, diverte, choca e surpreende. Um caipira que vai para a cidade, acaba cozinheiro e mais tarde na prisão. A comida é que o vai safar.

“Norte”
De Rune Denstad Langlo Com Anders Baasmo Christiansen, Kyrre Hellum, Marte Aunemo
Depois de uma depressão, Jomar isolou-se, mas quando descobre que tem um filho parte numa viagem de descoberta interior com álcool, acidentes e aventuras. A sua mota de esqui funciona como sidekick, pelo menos por uns tempos.

“Histórias Da Idade De Ouro”
De Cristian Mungiu, entre outros Com Diana Cavallioti, Radu Iacoban, Vlad Ivanov
Aterramos na Roménia, onde viveu um senhor muito simpático chamado Ceausescu. Reza a lenda que os piores anos do regime comunista deste senhor foram afinal muito bons. Pelo menos segundo a propaganda do regime. Mitos cómicos e incríveis desvendados.

“Aquário”
De Andrea Arnold Com Katie Jarvis, Rebecca Griffiths, Carrie-Ann Savill
Adolescente problemática, com mais uns quantos problemas com a mãe e as amigas e, eis se não quando, aparece um misterioso homem.

“A Teta Assustada”
De Claudia Llosa Com Magaly Solier, Susi Sánchez
Urso de Ouro em Berlim e nomeação para o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro. “A Teta Assustada” fala de um mito que surgiu durante a guerra civil peruana: as mulheres violadas passavam o medo aos filhos através do leite.

“Meu Filho, Olha O Que Fizeste”
De Werner Herzog Com Willem Dafoe, Brad Dourif, Chloë Sevigny, Michael Shannon, Michael Peña Um bocadinho de terror para animar esta lista. Inspirado numa história verídica, o filme do alemão Werner Herzog vai com um aviso: prepare-se para acompanhar a loucura de um homem até cometer um homicídio.

“Gigante”
De Adrián Biniez Com Horacio Camandule, Leonor Svarcas, Ignacio Alcuri
Crónicas de um segurança de supermercado, e a sua obsessão pela empregada de limpeza, Julia. O filme uruguaio recebeu o Urso de Prata.

“Lola”
De Brillante Mendoza Com Anita Linda, Rustica Carpio
Para quê mais explicações, o nosso crítico deu-lhe 4 estrelas e escreveu na altura da estreia: “Uma lição de vida arrastada nos passos pesados de duas avós, a que perdeu o neto e a que não quer perder o dela, debaixo duma chuva incessante que nos molha até aos ossos.”

“Irène”
De Alain Cavalier. Com Catherine Deneuve, Vanessa Widhoff
Uma espécie de videodiário, que foge da realidade com a ajuda da imaginação. “Cheguei a 1971 e ao mês de Junho. Tenho a garganta… Restam sete meses de vida de Irène.” Percebeu? Vá ver.

As escolhas de João Salaviza, realizador

“Tony Manero”
De Pablo Larrain. Com Alfredo Castro, Paola Lattus, H. Morales
Raúl Peralta quer ser Tony Manero o rei de “Febre de Sábado à Noite”. Quando o seu sonho está prestes a concretizar-se na pista de um concurso de sósias, rebenta a revolta em Santiago do Chile.

“Ruínas”

De Manuel Mozos
Este documentário português oferece-nos edifícios decrépitos e junta-lhes histórias que falam de um país com uma grande quantidade de misérias e umas quantas grandezas. Uma reflexão poética em tempos de crise. Vencedor de Melhor Longa-Metragem portuguesa noIndie Lisboa 2009, mas só estreou comercialmente em Abril.

“Wendy & Lucy”
De Kelly Reichardt. Com Michelle Williams, D. Koppell, Will Patton
Wendy quer uma vida nova e parte para o Alasca com a sua cadela Lucy. Nada corre como o planeado, o carro avaria na viagem e Wendy separa-se de Lucy. Mas nunca desiste de a encontrar.

“Canino”
De Giorgos Lanthimos.Com Christos Stergioglou, Michele Valley and Aggeliki Papoulia
Mistura comédia e drama e conta a história de um pai e os seus três filhos que vivem numa mansão e receberam sempre uma educação rígida, sem influência do exterior. Só uma pessoa é que entra no seio da família.

“24 City”
De Zhang Ke Jia. Com Jianbin Chen, Joan Chen e Liping Lü
Filme para conhecer a China pós-revolução. Acompanhamos três gerações de trabalhadores de uma fábrica de munições chinesa, que foi transformada num complexo de apartamentos de luxo.

As escolhas de André Santos, crítico de cinema

“Polícia sem lei”
De Werner Herzog. Com Nicolas Cage, Eva Mendes e Val Kilmer
Corrupção, suspense, drogas, Nicolas Cage aos tiros e Eva Mendes com decotes. É um verdadeiro jogo entre o crime e a lei, onde não há um claro vencedor.

“Um Homem Sério”
De Ethan Coen, Joel Coen. Com Michael Stuhlbarg, Richard Kind, Fred Melamed
Todos as obsessões dos Coen estão lá, o acaso, o azar e os judeus. A mensagem do filme é: a nossa impotência face ao acaso e que Deus nos vai arruinar a vida com grande dose de ironia. Há sempre humor e um desespero latente em tudo. A cenografia e o guarda roupa são para apreciar.

“Ruínas”
De Manuel Mozos
Já falamos sobre este filme, ora leia com atenção a coluna ao lado. Obrigada.

“Vão Buscar-me Alecrim”
De Ben e Joshua Safdie. Com Frey Ranaldo e Sage e Ronald Bronstein
Lenny prefere ser amigo do que pai dos dois filhos, dos quais tem a custódia durante duas semanas (e gostava que fossem seis meses). Um retrato de uma família real e uma homenagem dos irmãos Safdie ao seu próprio pai.

“Thirst – Este é o Meu Sangue”
De Chan-wook Park. Com Kang-ho Song, Ok-vin Kim, Hae-sook Kim
Quem tem medo de ir ao médico, não veja este filme. Um padre é submetido a um procedimento médico corriqueiro, mas sai do consultório como um vampiro. Inicia-se uma luta entre o homem de Deus e as forças das trevas.

“Histórias da Idade de Ouro”
De Cristian Mungiu. Com Diana Cavallioti, Radu Iacoban, Vlad Ivanov
Este filme coincide com a escolha do crítico do i. Por favor, direccione o seu olhar para o lado esquerdo e encontrará a descrição desta película.

“The Crazies – Desconfia dos Teus Vizinhos”
De Breck Eisner. Com Timothy Olyphant, Radha Mitchell, Joe Anderson, Danielle Panabaker
Na pacata aldeia de Ogden Marsh, os habitantes começam a ter atitudes estranhas… O problema está na água. A intoxicação do abastecimento de água, transforma os simpáticos americanos em psicopatas.

“Juventude em Revolta”
De Miguel Arteta. Com Michael Cera, Portia Doubleday, Jean Smart, Steve Buscemi, Ray Liotta,

Justin Long
Michael Cera mais uma vez no papel de nerd irresistível, com um twist surrealista. Passamos a explicar. O nosso herói tem duas personalidades, a dele e a outra, a de um francês bont vivant, sem escrúpulos, para seduzir a rapariga dos seus olhos.

“Norte”
De Rune Denstad Langlo. Com Anders Baasmo Christiansen, Kyrre Hellum, Marte Aunemo
Mais uma vez, uma escolha recorrente o que é um óptimo indicativo de qualidade. Leia a sinopse na primeira coluna.

“Mother – Uma Força Única”
De Joon-ho Bong. Com Hye-ja Kim, Bin Won, Ku Jin
A luta de uma mãe solteira para salvar o seu filho que foi acusado de homicídio e fica preso nas malhas da incompetência judicial. É ela que arregaça as mangas e vai à procura do verdadeiro assassino.  »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/95510-os-25-filmes-que-tinham-tudo-ser-reis-mas-nao-bilheteira, a 27 de Dezembro de 2010, em Jornal I

RT

Passou Mais Um Natal…Começaram Os Descontos, Conheça Onde Estão Aqui Os Melhores…

Descontos Após Natal... Fonte: http://www.ionline.pt

Começaram ontem, mas hoje ainda estão em vigor e estarão nos próximos dias, e quiçá nos próximos meses.

«Jesus já nasceu. Podem começar os sald… perdão, as promoções

Lojas e produtos que vão estar em promoção a partir de amanhã. Roupa, electrónica, livros, móveis… tudo com descontos que podem ir até aos 50%

Quando lhe dizem “Não vale a pena comprar agora porque no dia a seguir ao Natal entra tudo em saldos”, estão a induzi-lo em erro. O frenesim que invade as lojas logo depois do Advento deve-se, de facto, às reduções de preços. Mas, para que não haja confusões, essas reduções não são saldos, são antes promoções.

Funcionam de forma igual e servem o mesmo propósito, mas ditam as regras de mercado que tenham definições distintas. A DECO explica: “Os saldos só ocorrem em duas épocas, de 15 de Julho a 15 de Setembro e de 28 de Dezembro a 28 de Fevereiro. Nas restantes alturas, as lojas apenas podem fazer promoções ou liquidações.”

Seja como for, abra já os cordões à bolsa que amanhã começa a festa dos preços baixos. Em todo o lado. Dois dias de descontos agressivos que antecipam os dois meses mais esperados do Inverno. Comece já a deitar contas à vida e siga o nosso roteiro low cost.

El Corte Inglés

Black Friday

Pelo terceiro ano consecutivo, o ECI segue o exemplo americano e lança a Black Friday fora de época. A campanha arranca amanhã às 10h e mantém-se até ao final do dia seguinte, com descontos até 50% em todas as secção da loja. Porque a ideia é estimular as compras entre o período do Natal e a abertura oficial dos saldos (a 28 de Dezembro), durante a campanha são lançadas promoções-surpresa – tipo “happy hour” – em peças seleccionadas no dia. Estas estão limitadas ao stock existente e prometem acabar tão depressa como apareceram. Material tecnológico, acessórios de senhora e artigos de decoração marcaram a preferência dos clientes nas últimas edições. Se andou o ano inteiro a sonhar com algum destes produtos, aproveite agora.

Lisboa

Avenida António Augusto Aguiar.

Telefone: 213 711 700

Porto

Avenida da República, 1435, Vila Nova de Gaia Telefone: 223 781 400

Ikea

Coisas bonitas para a casa

O novo ano vai trazer aquela necessidade de dar uma volta à casa. Seja na compra de móveis novos seja na renovação dos panos de cozinha, um styling decorativo é sempre bem-vindo. Daqui a dois dias começam os saldos (ou Knut, na Suécia), que abrangem a totalidade de produtos da marca, mas até lá está em vigor uma campanha que oferece, até 27 de Dezembro, 20% de desconto em vale Ikea na compra de uma mesa e cadeiras para espaços de refeição. Os membros Ikea Family podem ainda usufruir a partir de dia 26 de 70% de desconto numa gama variada de produtos.

Em Alfragide, Loures e Matosinhos, ou em http://www.ikea.pt

Blanco

Ano novo, roupa nova

A marca de roupa espanhola funciona todo o ano em regime “off-season”. Isto é: não raras vezes a Blanco destina um dos cantinhos da loja aos itens que tiveram pouca procura nas estações respectivas. O escoamento de stock obriga a que os preços desçam para metade até à entrada da colecção seguinte. Não são saldos nem promoções, é apenas uma questão de estratégia. A oferta vai aparecendo ao longo do ano e tem só uma desvantagem: os tamanhos disponíveis variam entre o muito muito pequeno e o muito muito grande. Intermédios não há. Para isso, é preciso esperar pelos saldos.

Centro Comercial Dolce Vita Tejo, loja 1127 Telefone: 214 785 586

Worten

Geek fun

Chama-se “Natal Entretenimento” e é a campanha promocional da Worten para videojogos, consolas, gadgets para consolas, filmes em DVD e álbuns de música seleccionados. Só para ter um exemplo, o kit PS3 com o jogo Assassin”s Creed fica por 349€. Para recuperar a forma depois da festa, pode sempre optar pela Wii Fit+jogo, por 79,90€. Mas se a sua praia for mais jogar à bola (ainda que de forma virtual), o PES 2011 está a 39,90€. Mas só até ao dia 28 de Dezembro.

À venda em todo o país ou em http://www.worten.pt

Bertrand

Ler é o melhor remédio

É uma espécie de mix entre promoção e saldos que cruza ambas as épocas (e de forma generosa). Até ao próximo dia 31 de Dezembro a Bertrand oferece um vale de 5€ por cada encomenda online igual ou superior a 15€. O vale pode começar a ser descontado a partir de 1 de Janeiro e até 28 de Fevereiro (data que assinala o fim dos saldos), em compras que ultrapassem o montante de 25€.

Para aceder à promoção:

http://www.bertrand.pt

Telefone: 707 315 000 »

In : http://www.ionline.pt/conteudo/95328-jesus-ja-nasceu-podem-comecar-os-sald-perdao-as-promocoes, a 26 de Dezembro de 2010, em Jornal I

Aproveitem os Descontos!!

RT

A Receita de Hoje é Arroz Cabidela Alentejana…

Arros Cabidela Alentejana... Fonte: http://saboresalentejo.blogspot.com

Hoje trago uma receita especial, trata-se de Frango de Cabidela à Alentejana…

« Cabidela Alentejana

Ingredientes:

  • 1 galinha ;
  • 1 colher (sopa) de vinagre ;
  • 1 cebola ;
  • 1 ramo de salsa ;
  • 100 gr de banha ;
  • 1 dente de alho
  • 1 folha de louro ;
  • Sal ;
  • Pimenta ;
  • Água.

Confecção:

Mexe-se o sangue da galinha com o vinagre.
Com a banha, a cebola, a salsa, o dente de alho já picado, o louro, o sal e a pimenta faz-se um refogado.
Quando a cebola estiver mole, junta-se a galinha aos bocados, deixando-a alourar.
Cobre-se com água quente.
Cozer com o tacho bem tapado.
Assim que estiver pronta, mistura-se o sangue, levanta fervura e serve-se logo num prato coberto com arroz de manteiga.  »

In: http://www.gastronomias.com/receitas/rec0014.htm, a 23 de Dezembro de 2010

Noites de Natal Fora do Convencional…Conheça os Relatos na 1ª Pessoa…

Noites de Natal Fora do Comum.. Fonte: http://www.ionline.pt

Hoje trago um artigo um pouco diferente do habitual, o mesmo versa sobre noites de consoada fora do comum, passo a transcrever o referido artigo.

« Quando o Natal corre mal. Oito histórias verídicas

Aproxima-se a noite da consoada, o equivalente humano ao choque entre duas placas tectónicas: de um lado a família do pai, do outro a família da mãe, juntas a puxar em direcções diferentes ou a chocar com violência. Os resultados são calamitosos. As tensões acumuladas durante um ano – ou uma geração – explodem como o Vesúvio ou deixam-nos perplexos como a grafia do vulcão islandês. Invisíveis à escala de richter, estes contos de Natal são tão fáceis de encontrar como uma consoante em Eyjafjallajokull

Uma ceia solitária não é uma ceia solidária

Pedro Branco
27 anos
Lisboa

“Durante o Natal a minha família muda-se por três dias para casa dos meus avós no Norte, numa aldeia perto de Fafe. O jantar de Natal é presidido com alguma cerimónia pelo meu avô, um homem muito religioso e austero, que sempre gostou de impor respeito junto de filhos e netos. Antes de começarmos a comer, pediu para dizer uma oração, como sempre, mas desta vez lembrou-se de interrogar os netos um a um sobre a sua fé – ou a sua instrução neste capítulo. Todos sem excepção eram baptizados, mas só alguns fizeram a primeira comunhão ou o crisma. Infelizmente deixei a catequese no primeiro ano, não tenho sequer a primeira comunhão, e ao que parece isso foi suficiente para me mandar ir jantar sozinho para a cozinha. Voltei a juntar-me com a minha família só por altura das sobremesas.”

Morcegos não é só no Halloween

Maria Fernandes
21 anos
Vila Real

“Foi há seis anos. Eu, os meus pais e irmãos tínhamos ido passar o dia de Natal a casa do meu tio, que é numa quinta no meio do nada. Estávamos na sala, já era de noite e estávamos naquelas pausas de conversa, quando se faz um grande silêncio. De repente começámos a ouvir uns gritos de lá do fundo da casa. Também se ouvia o chão a tremer e a fazer barulho (depois percebemos que eram os tacões da minha prima a correr no chão de madeira). Assustámo-nos, não sabíamos o que era. Mas teve muita piada quando ouvimos a minha prima histérica, a contar que tinham entrado pela chaminé uns bichos pretos, muito feios – morcegos. Ela só mexia no cabelo, com impressões no corpo e meia enojada. Os morcegos não lhe chegaram a tocar, mas ela tem muito medo de bichos que voem no geral. Depois foi o meu tio que foi lá resolver a situação e mandar os morcegos fora da janela.”

O anúncio que foi um presente envenenado

Maria Inês Salvador
32 anos
Lisboa
“Com a família finalmente  junta na noite de Natal, a mais velha das minhas quatro irmãs achou que estavam reunidas as condições para anunciar que se ia casar. Entre abraços e lágrimas de alegria o meu pai manteve-se em silêncio, pouco impressionado. Mais tarde, quando toda a gente acalmou, perguntou sem grande interesse: “Vais casar com quem?” Depois da resposta da minha irmã, que iria casar-se com o namorado de há alguns anos, ele remata: ‘Não te pago o casamento com esse tipo.’ E as mulheres foram chorar para a cozinha. Esse Natal acabou naquele momento e nem troca de prendas houve. A minha irmã e o namorado acabaram por se casar no civil num dia de semana, com muito poucos convidados. O copo de água foi servido num restaurante no centro de Lisboa, sem grandes preparos. No final, a conta foi dividida por todos.”

Ceia de Natal pode comer-se do chão

Maria Guimarães
27 anos
Lisboa

“A família estava reunida, cerca de 40 pessoas e a típica azafama das noites de natal. A minha mãe e a minha tia são as responsáveis pela cozinha, mas contam sempre com a ajuda do resto das pessoas. Passo a noite a entrar e a sair da cozinha. Numa das vezes, apercebi-me de que se tinha passado qualquer coisa estranha. Elas estavam com cara de caso, muito suspeitas, mas não me contaram nada. A família comeu o jantar, que estava óptimo. Mais tarde percebi o que se tinha passado. O jantar tinha caído ao chão. Quando elas estavam a levar o prato principal para a mesa, desequilibraram-se e a comida caiu toda. Como não havia outro prato principal e elas estavam sozinhas na cozinha, rasparam as partes mais sujas, arranjaram a carne no tabuleiro, disfarçaram tudo muito bem e serviram a comida. Ninguém soube de nada.”

Uma travessa de couves para o vegan
André Passos
29 anos
Chaves

“Tenho um primo que, quando tinha 16 anos, passou por uma daquelas fases em que os miúdos querem mudar o mundo e tornou-se vegetariano. Não um vegetariano qualquer, mas vegan, a versão mais extrema que mistura a dieta com a defesa dos direitos dos animais. Na mesa de natal não havia nada que não tivesse origem animal para além das couves e uns brócolos, por isso a família jantou em silêncio numa espécie de amuo colectivo – a escolha do rapaz não colheu compreensão nos pais, muito menos nos avós, que culpavam os progenitores por aquele desvio. Lá para o fim o rapaz, de barriga cheia de couves, vingou-se nas sobremesas e foi por pouco que não trincou o muito elogiado pudim abade de priscos [feito com toucinho]. Confesso que estava a torcer para que ninguém o avisasse da origem animal daquela delícia.”

Grelos com borracha também é bom

Ana Guerreiro
29 anos
Leiria
“O Natal da casa da minha tia é uma espécie de ditadura. A família não consegue conversar porque ela está sempre a pôr-nos ao corrente de quem morreu, casou ou está internado no hospital quase a bater o pernil. O jantar atrasa-se sempre e a comida costuma estar fria. Ela é inflexível e acha que neste planeta ninguém faz as coisas tão bem como ela. Resultado, não deixa que a ninguém a ajude. Chega a gritar quando alguém põe os talheres tortos ou corta uma fatia de bolo sem estar milimetricamente direita. Num dos jantares, superou-se. Quando finalmente chegámos à mesa e ela começou a servir a comida, qual é o nosso espanto quando vemos no meio dos grelos a tampa do ralo do lavatório da cozinha. Ela fez que não viu e nós disfarçamos. A família inteira comeu grelos a saber a borracha e não reclamou. Mas ficou com fome.”

Chorar pelos presentes é catarse
Raquel Pereira
31 anos
Lisboa

“Lá em casa ainda se desembrulham os presentes à meia-noite e há um Pai Natal de serviço a entregar prendas. Tão certo quanto existir uma pessoa vestida de vermelho é haver uma choradeira ao estilo da plateia de Oprah Winfrey quando recebe um carro. São normalmente as minhas primas que ficam lavadas em lágrimas, a soluçar. Numa das vezes uma delas recebeu uma Playstation e chorou de tal maneira que a minha avó ficou preocupada porque não percebia o que se tinha passado e dizia: ‘Não podem fazer isso à menina.’ A choradeira alastra-se aos pais que ofereceram os presentes, que elas nunca estão à espera. É vê-los abraçados a chorar. O resto da família não fica constrangida, rimo-nos. Só me apercebi que isto não era comum quando vi que o meu marido ficava espantado e achou aquelas manifestações de emoção curiosas.”

Trânsito e vómitos natalícios

Mariana Moura
35 anos
Lisboa

“O meu Natal são dois dias e quatro festas. Passo o tempo a correr. Faço o almoço de 24 na minha casa com 11 pessoas, depois vou jantar com o meu pai que vive em Sintra. Nodia 25, almoço com a minha mãe e jantamos com a família dela na casa da minha avó. Está tudo contado ao minuto e pelo meio recebo telefonemas a pressionar com as horas. Numa das vezes, fiquei presa no IC19 na noite de 24. Tinha havido um acidente e ficámos parados uma hora. Os miúdos já estavam a dormir e cheguei atrasada. No dia seguinte, passei o Natal com a minha mãe e a noite com 50 pessoas e muitas crianças. Além das correrias, que já incluíram miúdos a partirem vidros, sei que por mais que diga aos meus três filhos (de 7 a 4 anos) que não podem comer aperitivos e chocolates, não vale a pena. É o disparate total, passam o tempo a comer porcarias. É sabido que quando chego a casa um deles vai vomitar.” »

 

In: http://www.ionline.pt/conteudo/94921-quando-o-natal-corre-mal-oito-historias-veridicas, a 22 de Dezembro de 2010, em Jornal I

Esperemos que não se repitam!

RT

Sugestões de Presentes de Natal a Custo Zero…

Sugestão de Presentes a Custo Zero... Fonte: http://www.presentesoriginais.org

Hoje trago mais uma sugestão, desta feita de presentes a custo zero para se oferecer no Natal, vou transcrever a respectiva peça jornalística.

«Ideias para presentes de Natal a custo zero

Damos-lhe sugestões para oferecer serviços úteis e apreciados sem gastar um cêntimo

Se a aborrece o consumismo típico do Natal e prefere fazer ofertas sem valor material mas úteis e de grande valor simbólico, temos algumas sugestões para si. Esta dica também pode ser útil para presentes de niversário.

Uma sugestão que vários especialistas financeiros dão cada vez mais é oferecer serviços ou promessas em vez de objectos.

Dependendo daquilo que é boa a fazer, pode oferecer serviços aos seus amigos e familiares em vez de ir a correr para o centro comercial e comprar qualquer coisa a que, muitas vezes, quem recebe nem liga nada.

Por exemplo, se sabe fazer massagens, essa é uma excelente ideia para a sua cara-metade, em vez de um vale para um spa. Utilize uma cama, disponha algumas velas por perto ou queime óleo ou incenso perfumado e use um creme com um aroma relaxante.

Se, por outro lado, tem jeito para, por exemplo, maquilhar, ou arranjar cabelos, pode oferecer-se para maquilhar ou pentear as suas amigas numa noite especial qualquer. Este serviço num salão profissional pode sair bastante caro e com certeza será um presente apreciado.

Se é uma boa cozinheira, também pode oferecer os seus serviços a quem não tem a mesma sorte e precisa desse dom para realizar um jantar. Além de um pouco de tempo só precisa do seu talento e o feliz contemplado ficará certamente grato.

Se trabalhos deste género não são consigo e é uma pessoa mais prática, também temos sugestões para si. Com certeza tem vários casais amigos, com filhos, que, de vez em quando, dariam tudo por uma noite fora, a sós. Uma babysitter pode custar uma pequena fortuna e nem todos têm a família por perto para ajudar. Ofereça um «vale» para duas ou três noites de babysitting aos seus amigos. É uma «promessa» que poderão cobrar mais tarde e que virá «mesmo a calhar».

Nos dias que correm o tempo é um bem precioso e com certeza conhece muita gente que, de vez em quando, precisava de se dividir e fazer duas coisas ao mesmo tempo. Não lhe pedimos que faça um truque de magia, mas apenas que seja o braço direito de alguém. Ofereça-se para ir às compras por alguém, ou fazer recados, numa semana de maior aperto. Por exemplo, levantar roupa da lavandaria, ir buscar os miúdos à escola ou até tratar de assuntos burocráticos. »

In: http://www.agenciafinanceira.iol.pt/economia/natal-presentes-poupanca-poupar/1220216-1730.html, a 21 de Dezembro de 2010, em Jornal I

Bons Presentes!

RT