Conheça O Novo Carro Que Percorreu 2500 Km Com Apenas 1 Litro de Combustivel…

Maio 31, 2011

Carro Percorre 2500 KM Com 1 Litro Combustível... Fonte: http://www.ionline.pt

Hoje trago um artigo, sobre o carro mais económico, que é de origem Portuguesa.

« Eco veículo da Universidade de Coimbra faz 2.568 quilómetros com um litro de gasolina

Um veículo protótipo da Universidade de Coimbra conseguiu percorrer 2.568 quilómetros com apenas um litro de gasolina, arrebatando o 3.º lugar no Shell Eco-marathon 2011, realizado na Alemanha, e afirmando-se como a melhor equipa portuguesa e ibérica.

A equipa da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), que reuniu alunos de engenharia automóvel e de engenharia mecânica, e teve como piloto a estudante de economia Ana Rita Lopes, melhorou a distância percorrida desde a edição transata, onde percorrera 2.204 quilómetros.

Com apenas um litro de gasolina sem chumbo 95, a uma velocidade média de 30 km/h, o Eco Veículo da FCTUC conquistou o 3.º lugar na categoria (Protótipos de combustão interna) e o 4.º lugar na classificação geral da Shell Eco-marathon Europe 2011, que decorreu nos últimos três dias no Circuito de Lausitz, na Alemanha.

Pedro Carvalheira, docente que coordena esta equipa, referiu que em termos de classificação a sua equipa perdeu um lugar, pois classificara-se em segundo na edição anterior, onde tinha beneficiado da má prova de uma favorita, e da desistência de uma outra candidata aos primeiros lugares.

 

“Melhorámos bastante e aproximámo-nos dos primeiros”, afirmou o docente, referindo que os grandes benefícios introduzidos no protótipo desde há um ano ficaram a dever-se às alterações no aerodinamismo e à introdução de uma nova peça no motor, que transfere calor da cabeça para o cárter.

 

Nesta prova, que reuniu cerca de 250 participantes nas várias categorias, de diversos países do mundo, a vencedora foi uma equipa francesa, que percorreu 3.688 quilómetros com um litro de gasolina. A segunda portuguesa foi a da Universidade do Minho, com 1.273 quilómetros percorridos também com um litro de gasolina.

 

A primeira de Espanha quedou-se pelo 11.º lugar, ao conseguir percorrer 1.455 quilómetros com um litro de gasolina.

 

A equipa do Eco Veículo, da Universidade de Coimbra, participa em provas de economia de combustível desde 1999 e detém o recorde absoluto da Península Ibérica desde o ano de 2001.

Para Pedro Carvalheira, o Eco Veículo é uma forma de os alunos do segundo ciclo desenvolverem trabalho prático todo o ano, e encontrarem nele “um motivo para estudar as coisas”.


*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico *** »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/126660-eco-veiculo-da-universidade-coimbra-faz-2568-quilometros-com-um-litro-gasolina, a 30 de Maio de 2011, em Jornal II

RT


Conheça a Dieta Perfeita…

Março 14, 2011

A Dieta Perfeita... Fonte: http://www.ionline.pt

Hoje e para começar bem a semana, trago a dieta perfeita  que foi descoberta pela ciência..

« Beterraba crua, cavala e massa. A ciência descobriu a dieta perfeita

O maior estudo europeu sobre regimes alimentares para prevenir a obesidade identificou a dieta com melhores resultados

Uma pesquisa por “dieta” na secção de livros da Amazon dá 1668 resultados em português/espanhol e 58 920 se quiser inspirar-se na sabedoria inglesa. Se fizer uma ronda pelas pessoas mais próximas talvez ainda apareçam mais algumas dicas – ultimamente a “dieta dez” é das mais faladas, mas seja qual for a eleita a conversa tende a terminar com um “acredita, resulta”. Investigadores da Universidade de Copenhaga põem esta semana um ponto final na corrida ao regime perfeito para perder peso. A recomendação tem muito pouco de esotérico e na ementa que dão como exemplo talvez só seja preciso substituir a “cavala em tomatada”, decerto mais convidativa na Dinamarca de Thomas Larsen, especialista em nutrição e autor do estudo publicado no “New England Journal of Medicine”.

As chamadas “dietas hype”, diz ao i o investigador, vão continuar a surgir todos os dias. “Umas vão ser boas, outras más.” Mas os resultados obtidos com 772 famílias europeias, que participaram no estudo Diogenes, permitem um conselho robusto e intemporal. Muitas proteínas e alimentos com baixo índice glicémico contribuem para o peso certo, sem ter de passar fome ou contar calorias. O desafio é tão simples como deixar de comer pão branco e aderir à massa integral e, segundo os investigadores, poderá comer até lhe apetecer. Apesar de a amostra ser a maior de sempre, os resultados reflectem apenas seis meses. Era algo já relativamente consensual, explica Larsen, que as dietas que apostavam mais nas proteínas do que nos hidratos de carbono têm mais sucesso. A principal novidade é a importância de alimentos com baixo índice glicémico na fase da manutenção, para muitos a mais difícil.

O estudo O objectivo do estudo desenvolvido pelo grupo de Thomas Larsen era comparar as diferentes recomendações europeias no combate à obesidade com as novidades científicas na área da regulação do apetite. A ideia de envolver famílias tinha dois objectivos: perceber qual o regime que funciona melhor nos adultos (938 no total) e ver qual o impacto nas crianças (827).

Aos adultos foi pedido que seguissem um regime de 800 calorias diárias (o valor normal está entre as 1000 e as 1500). Passadas oito semanas, tinham perdido em média 11 quilos e seguiu-se a fase mais importante: perceber que dieta prolongaria melhor os resultados, tendo pela frente um período de seis meses. O artigo na revista médica mostra que o regime rico em proteínas e baixo índice glicémico (um bom auxiliar pode ser adicionar nos favoritos a tabela de composição de alimentos do Instituto Nacional de Alimentos Dr. Ricardo Jorge) conseguiu não só ser mais eficaz como teve menos desistentes. No final dos seis meses, todos os participantes ganharam em média meio quilo, mas os que se mantiveram em regimes ricos em hidratos de carbono tiveram os piores resultados: recuperaram em média o triplo do peso. Nas crianças, os resultados foram ainda mais visíveis. No início do estudo, 45% tinha excesso de peso. Nas famílias em que se seguiu a dieta perfeita houve um decréscimo de 15% nos casos de excesso de peso. »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/90667-beterraba-crua-cavala-e-massa-ciencia-descobriu-dieta-perfeita, em Jornal I, a 11 de Março de 2011

Boa Dieta!

RT


Conheça O Concurso Com Prémios Para As Melhores Ideias…

Dezembro 7, 2010

Conheça a OSTV Fonte: http://www.ionline.pt

Hoje trago um artigo que pode interessar a muitos criativos, pode ser solução para quem tem uma boa ideia, mas não a consegue concretizar, passo a transcrever a referida peça.

« Indústrias criativas: as boas ideias merecem um prémio

Até ao dia 12 de Dezembro estão abertas as inscrições para um prémio que pode ser o pontapé de saída do seu negócio

Tem uma óptima ideia? Sente que podia iniciar um negócio completamente inovador? Aqui está a oportunidade ideal para dar corpo aos projectos que nunca viu realizados. O Prémio Nacional das Indústrias Criativas é um concurso que ajuda as boas ideias a dar o salto definitivo e a tornarem-se realidade. Ainda é tempo de ver esse projecto louco ganhar vida: as candidaturas já começaram e decorrem até ao dia 12 de Dezembro.

Nascido em 2008, o prémio das indústrias criativas vai já na sua terceira edição. A iniciativa é da Unicer Bebidas, SA em colaboração com a Fundação Serralves e com uma série de parceiros entre a ANJE, BPI, Centro Português da Inovação, ESAD, Fundação da juventude, IAPMEI, LMS Design, Universidade Nova de Lisboa e Universidade do Porto. O vencedor recebe um prémio de 25 000 euros e, claro, todas as ferramentas necessárias para arrancar com o seu projecto.

“Tem de ser um projecto sem empresa criada: pode ser individual ou um grupo de cidadãos e também alargamos a pequeníssimas empresas acabadas de criar, claro, no território português.” Anotou? Estes são os requisitos necessários para se habilitar ao prémio, explicados por Joana Queiroz Ribeiro, directora de comunicação da Unicer.

No ano passado, de 118 candidaturas, foram seleccionados 10 finalistas. E se é verdade que só existe um vencedor, não desanime porque os últimos dez também não ficam a ver navios. Os finalistas têm a oportunidade de apresentar os seus projectos aos restantes participantes perante os olhares atentos da imprensa e de colaboradores, no dia da decisão final. Alguns podem ainda utilizar as incubadoras da fundação Serralves para continuarem a trabalhar nas suas ideias. “Vamos acompanhando e percebendo a evolução dos participantes”, remata Joana Ribeiro.

Entre os 10 finalistas seleccionados na última edição estava desde um projecto de uma casa amiga do ambiente a uma linha de roupa ou ainda uma montra virtual. Todas as ideias são bem-vindas desde que sejam apresentadas com criatividade e empreendedorismo. Ideias que, simultaneamente, sejam uma mais-valia para o país, para o seu desenvolvimento e visibilidade no exterior.

A última ideia vencedora foi o OSTV, um canal de cultura e entretenimento “lowcost“, com especial foco para as novidades em português. O projecto, que vai estar disponível pelo cabo, internet e mobile, apesar de ainda não estar a ser transmitido, está em fase de desenvolvido e deve ver a luz do dia no primeiro trimestre de 2011. Mas houve outro participante a ser distinguido com uma menção honrosa. A ideia que o júri também fez questão de destacar foi “Science Office”, uma plataforma de comunicação que pretende ligar os produtos/produtores de ciência ao público em geral, através de design, publicação e gestão de eventos científicos.

“A ideia é incentivar as pessoas a tornar os seus projectos mais profissionalizados, lado a lado com a rede de parceiros”, explica a directora de comunicação da Unicer, acrescentando que a participação no projecto também ajuda as pessoas a perceberem se “as suas ideias têm pernas para andar”. É verdade, está na hora de arrancar esse projecto louco do armário e dar-lhe uma oportunidade.

Se acha que tem uma boa ideia, vá a http://www.premioindustriascriativas.com e inscreva-se »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/92277-industrias-criativas-as-boas-ideias-merecem-um-premio, a 06 de Dezembro de 2010, em Jornal I

Força Criativos!

RT


Conheça Grandes Invenções Que Aconteceram Por Acaso…

Novembro 12, 2010

Grandes Invenções... Por Acaso... Fonte: http://www.ionline.pt/

Hoje trago uma notícia curiosa, de que as maiores invenções aconteceram por acaso, passo a transcrever a referida peça.

« As melhores Invenções nasceram por acaso

“Invenções Acidentais” não é uma enciclopédia mas é um bom desbloqueador de conversa

O que têm em comum a plasticina, o raio-X e a batata frita pala-pala? À primeira vista, nada. Mas um mergulho mais profundo na origem destas invenções e percebemos que nasceram de um acidente ou por mero acaso. A plasticina, por exemplo, era um produto de limpeza para papel de parede. Foi Joseph McVicker que em 1956 resolveu emprestar um bocado do produto à cunhada que era educadora de infância. Ela viu ali um brinquedo ideal para acalmar miúdos irrequietos. Já a batata frita pala-pala nasceu como forma de vingança em 1853. Depois de um cliente se queixar que as batatas fritas estavam demasiado grossas, George Crum, um cozinheiro amargurado, decidiu cortá-las o mais fino possível, carregá-las de sal e torná-las estaladiças. Ao estilo “toma lá que já almoçaste”. O cliente adorou.

Estas e outras invenções acidentais fazem parte do livro publicado pela Booksmile. Birgit Krols é o autor dos textos de “Invenções Acidentais que Mudaram as Nossas Vidas”. São mais de 60 objectos e substâncias que nos são tão queridos e que se não existissem a nossa vida seria muito diferente. Imagina viver sem sanduíches, microondas ou Coca-Cola?

Qualquer um de nós adorava ter o seu nome neste livro e ver desastres diários transformados em criação genial. Tipo: “Ai, tu queres ver que deixei o sumo no alpendre e ele congelou?” Et voilà, o gelado em pauzinhos e foi o começo de um negócio milionário.

LSD para grávidas?

O LSD foi criado em 1943 para simular as contracções do útero, mas o desastrado químico suíço Albert Hofmann deixou a dietilamida do ácido lisérgico cair-lhe nos dedos e notou qualquer coisa estranha. Três dias depois, ingeriu 0,25 mg e teve a primeira trip de LSD. Hoffman teve alucinações e ataques de pânico. Nascia assim a droga dos anos 60.

Os fósforo do sr. Walker

Queria um novo explosivo à base de sulfureto de antimónio e cloreto de potássio e saiu-lhe um fósforo. Em 1827, o químico inglês John Walker estava em plena labuta quando decidiu sair e deixou na mesa aquelas duas substâncias. Resultado: colaram-se ao misturador. Quando tentou tirá-las, raspou no chão e fez-se chama.

Viagra e a cura da angina de peito

Em 1993, quem sofria de angina de peito ficou mais feliz. Os investigadores da Pfizer estavam a testar um novo medicamento para o tratamento da doença, mas o problema persistia, apesar de uma dose de alegria fora do comum. É que um dos efeitos secundários era uma erecção fácil e duradoura. A Pfizer alterou a investigação e em 1998 lançou o Viagra.

Raios quê?

Em 1895, o físico alemão Wilhelm Conrad Röntgen  estava a fazer experiências com um tubo de electrões, e resolveu envolvê-lo numa cartolina negra. Ao fazê-lo, viu um brilho estranho reflectido na parede. Resolveu então pôr a mão em frente ao feixe de luz e viu os seus ossos projectados na parede. Baptizou a radiação de X porque não sabia o que era.

Gelado com pauzinhos é coisa de criança

As trapalhadas de Frank Epperson eram famosas. A melhor de todas foi aos 11 anos, em 1905. A criança fez um sumo à base de soda em pó e água, mas enquanto mexia a bebida descobriu algo mais. No dia seguinte, foi ao alpendre e o sumo estava congelado. Décadas depois, começou a vender a sua invenção e enriqueceu com os popsicles.

Disco voador ou Frisbee?

A Companhia Panificadora Frisbie dos EUA queria ser famosa pelas suas tartes. Os estudantes acharam mais piada às embalagens de alumínio que voavam vários metros. Em 1871, o pratinho com o nome Frisbie tornou-se na alegria de jovens que gostam de correr e dos seus cães. Mas só em 1948 é que Walter Morrison comercializou o primeiro disco voador.

Coca-cola que é como quem diz xarope

Pemberton’s French Wine Coca, conhece? É o nome de baptismo da Coca-Cola. O Dr. John Pemberton, médico experiente a conceber xaropes para várias maleitas, queria um remédio para as dores de cabeça à base de vinho tinto, folhas de coca e nozes. À segunda vez (1886) usou água gaseificada e nasceu a bebida do Pai Natal.

Fogo-de-artifício ou comida mal temperada

Reza a lenda que em 2000 a.C. um chefe do Exército chinês em vez de usar sal na comida, ao jantar, usou salitre. Ao cair no lume, produziu uma chama azul-púrpura. Do que se lembrou a seguir? De meter salitre, car-vão e enxofre dentro de uma cana de bambu que explodiu. O fogo-de-artifício passou a ser usado para afastar maus espíritos e… em guerras.

Microondas nasceu do chocolate

Percy Spencer passeava com um chocolate no bolso que acabou derretido. A razão era simples passou em frente de um radar. Estávamos em 1942 e Spencer percebeu que a radiação das microondas ditaram o fim do seu chocolate. Começou a fazer experiências e descobriu que as microondas actuam sobre as moléculas de água dos alimentos, provocando calor.

Quero uma igual à do sandwich

O conde de Sandwich, John Montagu, era um viciado em cartas. As ralações de um nobre em 1762 eram poucas, por isso jogava o dia todo. Os criados, preocupados, obrigavam-no a comer. Ele terá dito para porem a carne entre duas fatias de pão. Assim ficava com a outra mão livre para jogar. A moda pegou e começou a pedir-se “o que o Sandwich comeu”.

Invenções Acidentais que Mudaram as Nossas Vidas
de Birgit Krols
Preço: 19,99€ »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/87890-as-melhores-invencoes-nasceram-acaso, a 11 de Novembro de 2010, em Jornal I

Grandes Invenções!

RT

 


Conheça Uma Paródia a Uma Série de Televisão dos Anos 80…

Outubro 8, 2010

Uma Paródia a MacGyver Fonte: http://www.ionline.pt

Hoje trago algo sobre uma estreia, uma paródia a uma série televisiva que passava na RTP, nos anos 80, não vou desvendar o mistério, por isso, toca a ler a transcrição da peça.

« A necessidade é a mãe do engenho. O MacGyver é o pai

“MacGruber – Licença para Estragar” estreia hoje e é uma paródia ao herói dos anos 80, que conseguia tudo apenas com um canivete e um clip. Mac entrou nas nossas vidas há 25 anos e nós testámos as suas engenhocas

“O nome dele é MacGyver. Ele consegue resolver tudo. Com um bocado de fita adesiva e um gancho de cabelo, até põe um computador a funcionar.” Era assim que Pete Thornton (Dana Elcar) descrevia as qualidades do agente da Phoenix Foundation. No ano em que a série faz 25 anos, uma paródia ao herói menos violento da televisão estreia hoje nas salas de cinema. “MacGruber” nasceu num sketch do programa “Saturday Night Live”, inspirado na série “MacGyver” (1985-1992). O anti-herói da comédia está normalmente preso numa sala com uma bomba prestes a explodir. Só que em vez de resolver o problema, distrai-se.

A geração de 80 sabe que com um canivete suíço e um clip é possível fazer quase tudo. MacGyver pôs a criançada a desmontar brinquedos e a sonhar com um canivete. O herói louro, com um corte de cabelo só possível na década dos chumaços, marcou uma época. Basta ver a cara de pasmados com que se fica ao ouvir na “RTP Memória” o “tantantantantantantantan tantantan…”. MacGyver era inteligente e não recorria à violência. Parodiar esta personagem, é quase sacrilégio para os fãs. Pelo menos foi o que pensou o criador da série, Lee Zlotoff. Em Fevereiro, o realizador revelou que ia processar o filme “MacGruber”, mas nada aconteceu.

Em jeito de presente de aniversário, resolvemos testar as técnicas do herói interpretado por Richard Dean Andersen. No programa “Caçadores de Mitos”, do Canal Discovery, Adam Savage e Jamie Hyneman, encheram-se de coragem e em 2008 provaram que Mac sabia o que fazia. Descubra a verdade. Mas não faça isto em casa.

Chocolate trava o ácido Pedro Silva, de 21 anos, é estudante de engenharia electrónica na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, mas não esqueceu a experiência “Projecto MacGyver” com a professora de química no 12º ano. “Grande parte das experiências resultavam, mas, no cinema tudo é exagerado. Uma delas era provar que com barras de chocolate se conseguia selar uma fissura num depósito de ácido sulfúrico. A sacarose em contacto com o ácido sulfúrico origina, através de reacções químicas, uma pasta gomosa mas que segundo o que experienciámos nunca seria capaz de estancar uma fuga de H2SO4 [Ácido Sulfúrico].” Richard Dean Anderson reconheceu que para o fazer não bastavam umas barras de chocolate, mas sim qualquer coisa como 18 quilos.

Carro de pára-quedas Logo na primeira série, MacGyver arma-se em James Bond ao saltar de um avião dentro de um carro, com apenas um pára-quedas. A resposta óbvia seria: magia da televisão. Mas como nos diz o físico José Carlos Fonseca, estudante de doutoramento em cosmologia na Universidade de Portsmouth, pode funcionar. “Só é preciso um pára-quedas suficientemente forte.” Ainda por cima, um criado para grandes cargas aguenta até duas toneladas. Mac e a sua amiga num carro pesavam à volta de 1,4 toneladas. “Teria de ter um pára-quedas gigante. A abertura do mesmo teria de ser controlada pelo Mac”, avisa Moisés Piedade, coordenador do mestrado em Engenharia Electrotécnica, do Instituto Superior Técnico.

Fazer uma bomba de extintor MacGyver trabalha com o que tem à mão. Está dentro de um avião a tentar levantar voo, e a ser perseguido por jipes, quando decide fazer uma bomba de um extintor. Espeta dois ganchos na boca do extintor para retirar o bocal, prende duas cordas e atira-o fora do avião. Quando o jipe passa por cima do extintor, os ganchos furam-no e provocam uma explosão. “O extintor de incêndio, como qualquer recipiente com gás sob pressão, pode explodir. Imagine-se uma lata de cerveja que é agitada e depois aberta: explode numa nuvem de partículas No entanto o material dentro do extintor não é inflamável pelo que a explosão não traria chamas. O factor sorte (ou azar) faria com que a explosão conseguisse fazer o jipe despistar. Quase impossível”, diz o professor Alexandre Bernardino, do Instituto Superior Técnico.

Ultraleve de bamboo O desespero conduz a situações desesperadas. MacGyver não tem como fugir dos inimigos e decide criar o seu próprio ultraleve. Usa apenas traves de bamboo, sacos do lixo, um barril, fita adesiva e um motor de uma betoneira. Faz tudo em quatro horas. “Diria que é peso a mais para conseguir planar apesar do bamboo ter boa resistência”, diz José Carlos Fonseca. Os “Caçadores de Mitos” testaram o ultraleve e concluíram que o motor podia movimentar o avião, mas não aguentava tempo suficiente no ar. »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/82060-a-necessidade-e-mae-do-engenho-o-macgyver-e-o-pai, a 7 de Outubro de 2010, em Jornal I

Grande Série!

RT


Conselho Para Os Mais Pequenos Dissiparem as Energias a Mais…

Outubro 2, 2010

Yoga Ajuda a Gastar Energias... Fonte: http://www.ionline.pt

Hoje e por ser sábado trago uma sugestão que saiu num diário da nossa praça e que versa, sobre um conselho para os filhos que têm muita energia, passo a transcrever a referida reportagem.

« O seu filho tem energia a mais? Inscreva-o no Ioga

Yoga para crianças? Sim e segundo os especialistas quanto mais cedo começar melhor. E não faz bem apenas a miúdos hiperactivos. Conheças as escolas em Portugal

O que têm em comum Madonna, Tiger Woods, Sharon Stone, Sting, Jennifer Lopez, Nicholas Cage, Angelina Jolie, Kelly Slater e Gisele Bündchen? São ricos, famosos e estão em boa forma física. Além disso fazem parte do grupo de celebridades associadas à prática do ioga. Mas atenção, não foi o ioga que lhes trouxe dinheiro ou fama, embora talvez tenha trazido felicidade (ou paz de espírito) e contribuiu de certeza para a sua boa forma. Mas como isto é um espaço dedicado aos mais novos, saiba que esta modalidade é indicada por exemplo para crianças com défice de atenção ou hiper- actividade, mas não só.

ESCOLA DE iOGA PARA CRIANÇAS Evelyne Praxl, directora da Escola de Ioga para Crianças da Foz, disse ao site Educare, em Novembro de 2009, que “a prática regular de exercício físico de forma estruturada ajuda as crianças a aumentar a auto-estima e a autoconfiança, potencia a capacidade de focalização e a rapidez de raciocínio”. No mesmo artigo a responsável acrescenta que a prática do ioga por crianças “aumenta a força, a flexibilidade e a coordenação” e contribui para aumentar a resistência dos jovens à pressão. Nesta escola na Foz do Porto, as aulas são preparadas de acordo com as idades dos praticantes, começando no nível 1 (dos sete aos nove anos) e indo até ao nível 5, para quem já passou a idade do armário e tem mais de 19 anos. Ao sábado de manhã, as aulas estão reservadas para o ioga em família e para os níveis 1 e 2, este último dos 10 aos 12 anos. Saiba mais em http://www.escoladeyoga.pt.

UMA FEDERAÇÃO O ioga está longe de ser um desporto olímpico, mas nem assim deixa de ter direito a uma federação. A Federação Portuguesa de Ioga divide as aulas para crianças em três pontos fundamentais, que fomentam o desenvolvimento da flexibilidade, do equilíbrio e da força; os exercícios respiratórios e, finalmente, a componente de relaxamento. As aulas recorrem a músicas, histórias e analogias que permitam aos alunos assimilar os princípios de forma muito descontraída. A promoção do amor-próprio, da boa postura, da criatividade e da disciplina encontram-se entre os benefícios para as crianças defendidos por esta federação, com associados em todo o país. Só em Lisboa encontra mais de uma dezena de centros de ioga, em Telheiras, Avenidas Novas, Benfica, Amoreiras (no Ginásio Clube Português) e no Pólo Universitário da Ajuda. Descubra todos os locais em http://www.fpyoga.pt.

E UMA CONFEDERAÇÃO Abrimos o site da Confederação Portuguesa do Ioga e vemos uma mulher a tocar com os pés na cabeça, passando as pernas por trás do corpo. Confuso? Um pouco. Sexy? Bem, deixamos ao critério de cada um. Esta confederação segue o caminho do Ioga Sámkhya, que segundo os próprios é o ioga primordial, com mais de 6 mil anos de história. Além de fotografias a mostrarem o nirvana da flexibilidade, a confederação tem uma página dedicada ao ioga para crianças. Para estes responsáveis a prática de ioga ajuda os mais novos a preservar e manter a flexibilidade, a pureza (?!), a imaginação, a criatividade, a capacidade de aprendizagem e a concentração. Se quer deixar o seu filho mais envolvido no cosmos e descobrir que forma criativa é essa de preparar a adolescência. visite http://www.confederacaoportuguesadoyoga.com.pt.

ROSE DOS VENTOS DeRose, um estudioso da filosofia hindu, criou o Instituto Brasileiro de Ioga, em 1964. Uma década depois, em 1975, fundou no Brasil a União Nacional de Ioga. O seu método recorre às técnicas do SwáSthy, que ensina a administrar o stresse, à reeducação respiratória e, claro, ajuda a melhorar a flexibilidade, a concentração mental e o relaxamento. E a fórmula correu bem, já que DeRose tem hoje centenas de centros espalhados pelo mundo. Em Lisboa há unidades no Chiado, no Marquês de Pombal, na 5 de Outubro e junto ao Instituto Superior Técnico. A estas acrescentam-se espaços em Cascais, Amadora, Braga, Faro, Maia, Matosinhos e Porto. As crianças são bem-vindas, ou não estivessem presentes nos cartazes de publicidade dos centros. http://www.yogaportugal.org; www.metododerose.org.»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/81189-o-seu-filho-tem-energia-mais-inscreva-o-no-ioga, a 01 de Outubro de 2010, em Jornal I

Gastem as Energias…

RT


Conheça Um Festival de Verão Ecologico no Nosso País…

Agosto 18, 2010

Festival de Verão Boom... Fonte: http://www.ionline.pt/

Na continuação da saga dos festivais de verão, trago uma peça jornalística que versa sobre um festival quase desconhecido em Portugal, vou transcrever o referida peça, para que se ganhe mais notoriedade.

« Boom. O festival psicadélico mais ecológico do mundo

Começa amanhã o evento português que atrai mais estrangeiros. Não há autoclismos e tudo é reaproveitado

Caro e David casaram-se no fim de Julho e percorreram mais de 2200 km para passar a lua-de-mel no Boom Festival, em Idanha-a-Nova. O casal chegou a Portugal na sexta-feira, mas só ontem reencontrou amigos alemães que os esperavam no aeroporto de Lisboa. “Eles trazem as nossas coisas todas na autocaravana”, diz Cristina, de 39 anos, acabada de aterrar de Düsseldorf.

Na fila para os táxis do aeroporto é fácil perceber quem vai para o Boom Festival, o evento português com maior projecção no estrangeiro, segundo a organização. Calças com padrões psicadélicos, rastas, tatuagens, guitarras e esteiras de campismo tornam a zona das chegadas ainda mais étnica. “Morei em Portugal dez anos, mas só na Alemanha é que ouvi falar do Boom”, conta Cristina. Ao lado, Mika, de 24 anos, prepara shots de Jägermeister, “um licor com 56 ervas”, embora ainda não sejam onze da manhã. “Comprei bilhete para o festival em Janeiro. Já tinha ido em 2008 e é um dos melhores sítios onde estive”, diz. “Até gosto das casas-de-banho.”

O festival de trance nas margens da barragem de Idanha-a-Nova, em Castelo Branco, é um dos mais conceituados da cultura psicadélica, e, segundo a ONU, um dos mais ecológicos do mundo. Este ano, foi convidado pelas Nações Unidas para integrar a “United Nations Music & Environmental Initiative”, um projecto criado para “promover a consciência ambiental através da popularidade da música”. “É um case study junto da ONU”, escreveu Meegan Jones, autora do primeiro livro sobre sustentabilidade em eventos.

Casas-de-banho sem autoclismo, onde os dejectos são fermentados na terra, e chuveiros onde nenhum litro de água é desperdiçado são alguns dos métodos ecológicos desta 8.ª edição do festival que, desde 1998, se realiza de dois em dois anos, sempre na altura da lua cheia.

A organização orgulha-se dos feitos da edição de 2008, que lhe valeu a distinção de mérito do Greener Festival Award – prémio internacional para os 31 eventos com maiores esforços ambientais. Segundo o site do Boom, os geradores de energia foram alimentados com 45 mil litros de óleo vegetal usado e 200 mil litros de água foram evaporados dos chuveiros e reaproveitados pelo sistema de tratamento de água biológico. Até os materiais de construção são sustentáveis: bambú, madeira reciclada, fardos de palha, tecido e estruturas reaproveitadas do Rock in Rio e do Festival Internacional de BD da Amadora.


“Não é fácil encontrar um sítio onde estas coisas são mesmo feitas”, afirma Mika. “No recinto do festival não se vê lixo, as pessoas estão conscientes.”

Conscientes a nível ecológico, mas muitas delas sob o efeito de drogas sintéticas. A pensar no consumo desse tipo de substâncias, associado à música trance, a organização tem uma tenda, a Kosmicare, para quem “se sente perdido na sua experiência psicadélica e emocionalmente vulnerável”, explica no site. A equipa da Kosmicare, constituída por psicólogos (inclusive do Instituto da Droga e da Toxicodependência), homeopatas e psiquiatras, além de ajudar em caso de “bad trip”, tem equipamentos para avaliar a pureza das drogas.

Este ano, o limite de entrada no Boom é de 26 mil pessoas, mas já só estão disponíveis 3 mil bilhetes (a 200€ cada). A organização aconselha os “boomers” – termo para estes festivaleiros – a deixarem o carro em casa. Nas outras edições as filas para entrar no recinto superaram as 20 horas e os bombeiros tiveram de refrescar quem esperava. »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/74069-boom-o-festival-psicadelico-mais-ecologico-do-mundo, a 17 de Agosto de 2010, em Jornal I

Bom Festival

RT