Conheça o Masterchef Português…

MAsterchef em Portugal... Fonte: http://www.ionline.pt

Hoje trago um artigo, sobre o MasterChef na versão Portuguesa.

« A receita do MasterChef

Começa hoje a versão portuguesa de um dos reality shows de maior sucesso: MasterChef na RTP1. O vencedor recebe 25 mil euros e a oportunidade de publicar um livro de culinária. Explicamos-lhe a receita de sucesso e o ponto exacto de cozedura deste programa

 Ingredientes
para uma família
• 3 chefes com currículo respeitável e telegénicos
• 1 apresentadora simpática e bonita
• 14 concorrentes com vontade de fazer muitos e bons pratos e sem medo de meter mãos ao trabalho. Atenção, todos têm de ser amadores
• 1 televisão que transmita o programa em prime-time
• Várias tarefas para executar
• Prémio final

 

Preparação

Primeiro tem de seleccionar os melhores ingredientes, perdão, candidatos. De cem cozinheiros amadores retiram-se os mais aptos. Para os apurar bem, pede-se que apresentem aos três chefes experientes (Chefe Cordeiro, Justa Nobre e Ljubomir Stanisic) as suas especialidades culinárias, que podem ir de um bacalhau à Brás a uma massa carbonara. O nível de exigência é elevado, por isso deve conseguir impressionar os chefes em apenas 60 minutos. Depois de bem peneirados, reserve 30 candidatos à temperatura ambiente. Em seguida, liga-se o grelhador para aumentar a intensidade da selecção. Os candidatos têm de superar outra prova: cortar cebola e preparar um prato com ovo como principal ingrediente. Com esta triagem retira-se o excesso, envolve-se bem e ficam 14 finalistas, todos cozinheiros amadores que ambicionam ser profissionais. Tempere o programa com doses animadas de Sílvia Alberto, que comanda os acontecimentos. Evite a todo o custo grelhar demasiado a paciência dos espectadores com um passo-a-passo exaustivo das receitas e introduza provas originais e arrojadas até encontrar o melhor sabor, ou seja, candidato. Disponha vários testes, como cozinhar para uma centena de camionistas, alimentar 200 militares e um casamento. Estas são boas maneiras de separar cuidadosamente os melhores. Para espremer bem a qualidade dos aprendizes de cozinheiro, o papel do júri é essencial. Não pode haver medo de pôr água quente na fervura. Como se trata de um reality show, escorra bem as emoções e ponha-as num tacho para serem servidas na altura certa. Entre provas, reserve espaço para opiniões pessoais dos concorrentes que têm 50 minutos para confeccionar um prato na Cozinha de Preparação do MasterChef e 10 para empratá-los na Sala do Júri. Finalize com opiniões bem fundamentadas do júri e uma apresentadora compreensiva.

 

Empratamento
Sirva esta receita em horário nobre da RTP1, pelas 21 horas, de um dia agradável como o Sábado. No final de cada episódio, quem passa a prova recebe um avental MasterChef e ao longo dos programas são eliminados concorrentes até chegar ao grande vencedor. Adicione um prémio respeitável de 25 mil euros e a possibilidade de editar um livro de culinária.


A origem
O programa nasceu no Reino Unido e foi inventado pela BBC. A primeira vez que foi para _o ar foi em 1990 e tinha como objectivo reunir cozinheiros amadores e pô-los à prova até encontrar o MasterChef: o chefe mestre. Ao longo dos anos teve várias versões. Existe o Junior MasterChef, o MasterChef  com celebridades e o de profissionais. O formato também foi comprado por vários países, 20 no total, incluindo Portugal. Um  dos mais conhecidos é o MasterChef Austrália, que passa na SIC Mulher. »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/135536-a-receita-do-masterchef, a 11 de Julho de 2011, em Jornal I

RT

Anúncios

Cuidados a Ter Na Compra de Férias Pela Internet…

Cuidados na Compra de Férias... Fonte: http://www.agenciafinanceira.iol.pt

Hoje e por estarmos em época de férias, trago um artigo que li na imprensa diária, e que refere os cuidados que devemos ter ao marcar as nossas férias através da Internet.

«Marca as férias pela Internet? Então isto é para si

Comparar preços e reservar hotéis online é simples e cómodo. Mas pode ser perigoso: os cibercriminosos usam técnicas cada vez mais avançadas. Saiba como se pode proteger

 Escolher destinos, hotéis e comparar preços. Marcar férias pela Internet é mais fácil e já se tornou num sistemas mais utilizados para organizar as férias de milhares de pessoas em todo o mundo.

É mais cómodo, imediato e permite comparar informações e preços, mas para se assegurar que tudo corre como planeado há medidas de segurança que podem certificar o sucesso do merecido descanso. A Kaspersky Lab reúne uma série de conselhos para estar alerta e não ser vítima de esquemas fraudulentos, que acabem por arruinar aquela que deveria ser a melhor altura do ano.

Assim, para fazer compras ou reservas de forma segura é fundamental informar-se bem sobre o que está a comprar e a quem o está a comprar. Em comunicado, esta marca que se dedica a tornar a experiência online mais segura, explica que as técnicas dos ciber-criminosos são cada vez mais avançadas e, entre elas, está mesmo a criação de agências de viagens ou de aluguer de apartamentos virtuais falsas, com o único propósito de obter os dados do cartão de crédito da vítima.

Por isso é fundamental que localize e tome nota dos números de telefone e das moradas físicas dos vendedores, para o caso de vir a ter algum problema com a sua transacção ou com a sua conta. Se estiver a meio de uma compra online e aparecer uma janela de chat pedindo-lhe detalhes do seu cartão de crédito, ignore-a e feche a página Web.

De seguida deve observar com atenção a URL que aparece na barra de endereços do seu browser e assegure-se que começa por https:// e que tem o ícone de um cadeado fechado no lado direito da barra ou na parte inferior da janela da página.

Assegure-se ainda que instala e mantém o seu software anti-malware actualizado.

O mais recomendável é utilizar um só cartão de crédito que disponha de um plafont reduzido para as compras online.

Para os hackers é muito fácil decifrar passwords e sequestrar as suas contas em páginas de comércio electrónico. Por isso, é desejável que utilize diferentes passwords em cada loja online. Se tiver dificuldade em recordá-las, utilize um gestor de passwords, que o fará de forma automática, ou escreva-as e guarde-as num lugar seguro.

O teclado virtual é uma opção que algumas soluções de segurança oferecem e que se utiliza para introduzir nomes de utilizador, passwords e outro tipo de informação identificativa de forma segura quando se utilizam serviços da Internet.

Se pretende fazer alguma consulta ou operação de banca online, introduza o endereço do banco no browser. É desaconselhável que siga links recebidos através de correio electrónico ou outros sistemas, já que podem conduzi-los a websites fraudulentos.

Por fim, guarde uma cópia das suas compras e das páginas de confirmação do pedido, e compare-as com os extractos do seu banco. Se algo não coincidir, investigue-o exaustivamente e informe imediatamente o seu banco. »

In: http://www.agenciafinanceira.iol.pt/media-e-tecnologia/ferias-internet-online-compras-fraude-cibercrime/1263135-2974.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+iol%2Fagenciafinanceira+%28Ag%C3%AAncia+Financeira%29&utm_content=Google+Reader, a 28 de Junho de 2011, em Agência Financeira.

RT

Conheça a Nova Forma de Conhecer Lisboa…A Pedalar….

Conheça o Bike Fit... Fonte: http://www.ionline.pt/

Hoje trago um artigo interessante para quem quer conhecer Lisboa, através de uma forma diferente e com custos reduzidos.

« Bike Fit. Para fugir dos ginásios e conhecer Lisboa

A ideia é manter-se em forma ao ar livre, sem ter de ouvir músicas remixadas aos berros. 60 minutos de pedalada por 3,50€

A ideia era alugar bicicletas para fazer tours por Lisboa. Mas depois a coisa mudou. Os tours mantiveram-se mas nasceu uma nova ideia: alugar bicicletas durante uma hora, no máximo, para fazer exercício. Nuno Leitão, de 25 anos, explica: “A senhora da padaria aqui ao pé, começou a vir cá para alugar uma bicicleta só para fazer exercício, durante meia hora. No dia seguinte veio com o filho e no outro com a sobrinha. O aluguer custava 6 euros e eu achei que era era um roubo declarado. Passámos a alugar por 3,50€ e decidimos fazer aulas.”

A ideia é “fugir dos ginásios e dos hits musicais aos altos berros do Verão passado”, explica Nuno.

Todos os dias, das 19h00 às 20h00 e ao fim de semana, das 10h00 às 11h00, há aulas de bike fit, que duram entre 45 a 60 minutos, com percursos que podem ir até ao Parque das Nações ou até Belém. Não há jóia mensal, nem fidelizações. Basta aparecer, com roupa desportiva, e pagar 3,50€. Quanto mais dias for, menos paga. Cada dia reduz 50 cêntimos. Neste momento, já têm uma “turma” de 5 mulheres. “Os homens não alinham nestas coisas”, diz Nuno. “As mulheres divertem-se mais, são mais abertas”, acrescenta.

Rent a Fun

A ideia é de Nuno que depois de um curso de psicologia, de ter trabalhado no Corte Inglês, na PT e de ter dado explicações, sem grandes resultados, decidiu avançar para um negócio próprio.

Pelo caminho contratou Benjamin, argentino em Portugal há três anos que também trabalha na área da reciclagem, Cloé, francesa, vendedora na Feira da Ladra e a acabar um mestrado em Ecologia Humana e Hélder, responsável pelos arranjos de todas as bicicletas.

Dentro da mãe Rent a Fun, já nasceram alguns filhos. Go Bike, com as bicicletas eléctricas, para escalar as sete colinas de Lisboa como se tivesse alguém a empurrá-lo, e normais, para os amantes do exercício e das barrigas das pernas musculadas. A Bike Clinic, uma oficina de bicicletas de todo o tipo liderada por Hélder (que ensinou aos três a trocar pneus de bicicleta) e a Urban Trekking, uma série de passeios a pé, por Lisboa, divididos em cinco rotas diferentes: a moda, comida e arquitectura da Baixa; Feira da Ladra, Graça e Alfama; restaurantes e vinho; Castelo, Mouraria e Alfama e finalmente Av. da liberdade, Parque Eduardo VII, miradouro São Pedro de Alcântara e Bairro Alto. GoFit, é a mais recente aposta “porque as suas pernas são tudo”.

Mas a oferta da Rent a Fun não acaba aqui, vai mais além com a opção Go Fun: pedalar até Carcavelos e fazer uma aula de surf; ir de miniautocarro até Monsanto, bicicletas incluídas, e explorar a floresta urbana ou apanhar o barco no Cais do Sodré e rumar até à Trafaria para comer peixe grelhado, avançando (de bicicleta) até às praias da Caparica para um mergulho merecido.

Mas o melhor é ir a http://www.rent-a-fun.com e dar uma vista de olhos. Ou no Facebook (é só procurar por Rent a Fun).

Nuno e amigos, estão todos na Rua Cais de Santarém, no número 34, à sua espera. »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/127546-bike-fit-fugir-dos-ginasios-e-conhecer-lisboa, a 2 de Junho de 2011, em Jornal I

RT

Conheça o Novo Nissan Micra…

 

Novo Nissan Micra... Fonte: http://www.carshavelifes.blogspot.com

Hoje para começar vem a semana, trago o detalhe de um automóvel que vi num diário da nossa praça, passo a transcrever a referida peça.

« O novo Nissan Micra promete voltar a criar divisões. Goste-se ou não, é um carro bem equipado e cheio de genica

O Nissan Micra de quarta geração (modelo de 2011, lançado no final do ano passado) está disponível no mercado nacional a preços apetitosos, com uma qualidade de construção apreciável, bem equipado e com toda a genica para ser uma boa opção como carro citadino e, vá lá, até o carro mais ou menos polivalente de quem não tenha uma família grande e não queira andar por aí a acelerar. Disponível com um único bloco de três cilindros de 1,2 litros, mas com dois níveis de potência, 80 e 98 cavalos, para já no nosso país apenas é vendido o menos musculado, devendo o mais potente chegar daqui a pouco tempo.

O novo Micra tem uma distância entre eixos dois centímetros maior do que o antecessor, ganhando em termos de comportamento, dando ideia de que gere melhor a sua aderência à estrada.

No caso do modelo que ensaiámos, o bloco de 80 cv estava acoplado a uma caixa de velocidades CVT (automática de variação contínua), com a particularidade de ter um modo sport, que lhe garante uma condução um pouco mais desportiva, embora isso também contribua para um pequeno aumento de consumo de combustível.

Pareceu-nos que tem uma qualidade de construção muito razoável, sem ruídos parasitas, vivendo-se até um bom ambiente a bordo em termos de insonorização, pese a má fama que têm os motores de três cilindros (desequilibrados ao ralenti e com barulho de máquina de costura a mais altas rotações), mas esses problemas foram bastante bem ultrapassados.

A caixa automática é aconselhada sobretudo para quem faz muito uso do carro em cidade, permitindo um descanso de condução muito interessante. Apetece dizer: “Viva a preguiça de não ter de andar a meter mudanças.”

A unidade que testámos estava bem equipada, incluindo de série espelhos retrovisores eléctricos, vidros de comando eléctrico (à frente), computador de bordo, ar condicionado automático, sistema connect drive (que inclui sistema de navegação com ecrã táctil, ligação bluetooh, rádio CD com seis altifalantes, leitor de MP3 e ficha USB), regulador e alerta de limite de velocidade, sensores de estacionamento traseiros e um sistema interessante de ajuda ao estacionamento, que mede o espaço disponível e diz ao condutor se o carro cabe ou não no espaço, para além dos sistemas de segurança e ajuda à condução, como ABS e EBD e airbags frontais e laterais dianteiros.

Veremos que carreira poderá fazer este Micra, que nas gerações anteriores nunca foi um carro de consensos. Amava- -se ou detestava-se. Foi quase desde o princípio muito dirigido a um público feminino. É verdade que as versões de base têm um preço competitivo, mas a versão CVT Tekna é capaz de assustar porque, pelo preço pedido, um pouco mais de 16 mil euros, há no mercado modelos com mais glamour junto do público-alvo a que este automóvel citadino se dirige. Mesmo assim, por tudo o vimos e sentimos, o Micra 2011 merece uma boa sorte.

A qualidade de construção é razoável, sem ruídos parasitas e com uma boa insonorização

Mesmo a caixa de variação contínua tem um modo sport, para uma condução um pouco mais vigorosa »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/115965-que-viva-preguica—video, a 08 de Abril de 2011, em Jornal I

 

RT

Conheça os Nomeados Para A Corrida dos Óscares…

Corrida Para Óscares... Fonte: http://www.ionline.pt

Hoje trago uma noticia que versa sobre os óscares, desta feita passo a transcrever a referida peça.

« Óscares. Começou a corrida ao ouro

 

Foram ontem reveladas as nomeações para os mais importantes prémios do cinema. Conheça os quatro filmes que lideram a competição: “O Discurso do Rei”, com 12 nomeações. “True Grit – Indomável”, com dez, “A Rede Social” (9), “The Fighter – o Último Round” (7)

 

O Discurso do Rei- De Tom Hooper, com Colin Firth, Helena Bonham- Carter e Geoffrey Rush

O futuro rei da Grã Bretanha, George IV (Colin Firth), tem um problema que o atormenta desde a infância: gaguez. Inconformado com a incapacidade de dizer uma frase de seguida e com a subida eminente ao trono, decide contratar um conceituado terapeuta da fala, Lionel Logue (Geoffrey Rush) para o ajudar.

Nomeações: Melhor Filme, Argumento Original, Realizador, Actor Principal, Actor Secundário, Actriz Secundária, Direcção Artística, Fotografia, Guarda-Roupa, Montagem, Banda Sonora Original, Mistura de Som.

 

True Grit – Indomável- De Joel Coen e Ethan Coen, com Jeff Bridges, Matt Damon

Antes que pergunte: sim, é um western. Rooster Cogburn (Jeff Bridges) é o mais temido (e quase alcóolico) xerife da zona cujos serviços são requisitados por Mattie Ross, uma rapariga de 14 anos cujo pai foi assassinado. Juntamente com o ranger do Texas, LaBoeuf (Glen Campbell), vai tentar apanhar o assassino.

 

Nomeações: Melhor Filme, Argumento Adaptado, Realizador, Actor Principal, Actriz Secundária, Direcção Artística, Fotografia, Guarda-Roupa, Edição de Som, Mistura de Som.
A Rede Social- De David Fincher, com Jesse Einsenberg, Andrew Garfield

A história é verdadeira: Mark Zuckerberg (Jesse Eisenberg), estudante de Harvard, decide criar um programa informático que mais tarde se tornaria no Facebook. Uma história real de pouca consideração pelo melhor amigo, inimigos, oportunistas, dificuldades de relacionamento social e muitos milhões de dólares.

 

Nomeações: Melhor Filme, Realizador, Actor Principal, Fotografia, Edição, Banda Sonora Original, Mistura de Som, Argumento Adaptado.

 

The Fighter – O Último Round – De David O. Russell, com Mark Wahlberg e Christian Bale

Dois irmãos lutam pela realização de um sonho: ser campeões de boxe. No entanto, só um consegue vingar. Micky Ward (Mark Wahlberg) divide-se entre a lealdade ao seu irmão Dicky Eklund (Christian Bale) e a possibilidade de vencer.

 

Nomeações: Melhor Filme, Realizador, Actor Secundário, Actriz Secundária, Actriz Secundária,  Edição, Argumento Original

 

Todas as categorias:

 

Melhor filme:

“O Cisne Negro” – Darren Aronofksy

“The Fighter – Último Round” – David O. Russell

“A Origem” – Christopher Nolan

“Os Miúdos Estão Bem” – Lisa Cholodenko

“O Discurso do Rei” – Tom Hooper

“127 Horas” – Danny Boyle

“A Rede Social” – David Fincher

“Toy Story 3” – Lee Unkrich

“Indomável” – Ethan e Joel Coen

“Winter´s Bone” – Debra Garnik

 

Melhor realização:

Darren Aronofksy – “O Cisne Negro”

David O. Russell – “The Fighter – Último Round”

Tom Hooper – “O Discurso do Rei”

David Fincher – “A Rede Social”

Ethan e Joel Coen – “Indomável”

 

Melhor ator:

Javier Bardem – “Biutiful”

Jeff Bridges – “Indomável”

Jesse Eisenberg – “A Rede Social”

Colin Firth – “O Discurso do Rei”

James Franco – “127 Horas”

 

Melhor ator secundário:

Christian Bale – “The Fighter – Último Round”

John Hawkes – “Winter´s Bone”

Jeremy Renner – “A Cidade”

Mark Rufallo – “Os Miúdos Estão Bem”

Geoffrey Rush – “O Discurso do Rei”

 

Melhor atriz:

Annette Bening – “Os Miúdos Estão Bem”

Nicole Kidman – “Rabitt Hole”

Jennifer Lawrence – “Winter´s Bone”

Natalie Portman – “Cisne Negro”

Michelle Williams – “Blue Valentine – Só Tu e Eu”

 

Melhor atriz secundária:

Amy Adams – “The Fighter – Último Round”

Helena Bohnam Carter – “O Discurso do Rei”

Melissa Leo – “The Fighter – Último Round”

Hailee Steinfeld – “Indomável”

Jacki Weaver – “Animal Kingdom”

 

Melhor argumento adaptado:

“127 Horas”

“A Rede Social”

“Toy Story 3”

“Indomável”

“Winter’s Bone”

 

Melhor argumento original:

“Another Year”

“The Fighter – Último Round”

“A Origem”

“Os Miúdos Estão Bem”

“O Discurso do Rei”

 

Melhor filme de língua não inglesa:

“Biutiful”, Alejandro Gonzalez Iñárritu (México)

“Canino”, Yorgos Lanthimos (Grécia)

“Haevnen”, Susanne Bier (Dinamarca)

“Incendies”, Denis Villeneuve (Canadá)

“Fora da lei”, Rachid Bouchareb (Argélia)

 

Melhor filme de animação:

“Como treinares o teu dragão”

“O mágico”

“Toy Story 3”

 

Melhor documentário:

“Exit Through the Gift Shop”

“Gasland”

“Inside Job”

“Restrepo”

“Waste Land”

 

Melhor documentário em curta-metragem:

“Killing in the Name”

“Poster Girl”

“Strangers No More”

“Sun Come Up”

“The Warriors of Qiugang”

 

Melhor curta-metragem:

“The Confession”

“The Crush”

“God of Love”

“Na Wewe”

“Wish 143”

 

Melhor curta-metragem de animação:

“Day & Night”

“The Gruffalo”

“Let´s Pollute”

“The Lost Thing”

“Madagascar, Carnet de Voyage”

 

Melhor direção artística:

“Alice no País das Maravilhas”

“Harry Potter e os talismãs da morte”

“A Origem”

“O Discurso do Rei”

“Indomável”

 

Melhor fotografia:

“Cisne Negro”

“A Origem”

“O Discurso do Rei”

“A Rede Social”

“Indomável”

 

Melhor montagem:

“Cisne Negro”

“The Fighter – Último Round”

“O Discurso do Rei”

“127 Horas”

“A Rede Social”

 

Melhor caracterização:

“The Way Back”

“O Lobisomem”

 

Melhor guarda-roupa:

“Alice no País das Maravilhas”

“Eu Sou Amor”

“O Discurso do Rei”

“The Tempest”

“Indomável”

 

Melhor banda sonora original:

“Como treinares o teu dragão” – John Powell

“A Origem” – Hans Zimmer

“O Discurso do Rei” – Alexandre Desplat

“127 Horas” – A.R. Rahman

“A Rede Social” – Trent Reznor e Atticus Ross

 

Melhor canção:

“Coming Home” (“Country Strong”) – Tom Douglas, Troy Verges e Hillary Lindsey

“I See the Light” (“Entrelaçados”) – Alan Menken e Glenn Slater

“If I Rise” (“127 Horas”) – A.R. Rahman, Dido e Rollo Armstrong

“We Belong Together” (“Toy Story 3”) – Randy Newman

 

Melhor montagem de som:

“A Origem”

“Toy Story 3”

“Tron: O Legado”

“Indomável”

“Imparável”

 

Melhor mistura de som:

“A Origem”

“O Discurso do Rei”

“Salt”

“A Rede Social”

“Indomável”

 

Melhores efeitos visuais:

“Alice no País das Maravilhas”

“Harry Potter e os Talismãs da morte”

“Hereafter – Outra Vida”

“A Origem”

“Homem-de-Ferro 2” »

 

In: http://www.ionline.pt/conteudo/100563-oscares-comecou-corrida-ao-ouro, a 27 de Janeiro de 2011, em Jornal I

 

RT

 

Conheça Mais Um Grande Grupo de Rock os The Glockenwise…

The Glockenwise... Fonte: http://www.ionline.pt

Mais uma Banda que tem origem na garagem, mas que oferece muito bom som, aliás como é muito peculiar no estilo rock. Desta feita esta tem origem na mítica cidade do Minho, que é Barcelos. Vou transcrever a peça, e indico que o álbum deles sai precisamente no decorrer do dia de hoje.

« The Glockenwise: Rock”n”roll com todos. Bom proveito

Editam o primeiro álbum na segunda-feira. “Building Waves” é meia hora que nasceu na garagem, a querer dar continuidade à lenda de Barcelos, terra de distorção

Olhando para a foto acima e contando, como manda a tradição, da esquerda para a direita, o segundo sentado à mesa é Nuno Rodrigues, o vocalista dos The Glockenwise. Com 20 anos, barcelense sem remédio (“estou demasiado enraizado para ser qualquer outra coisa”, diz-nos), lembra-se dos tempos de escola secundária e dos que, entre pavilhões e intervalos, lhe davam atenção apenas por acidente: “Chamavam-me loser”, conta a história. Agora, os tais The Glockenwise, fãs das coisas do rock”n”roll – o da garagem – que juram que o punk e seus derivados nasceram a norte, preparam um concerto na Casa da Música, no Porto (sábado), e a edição de um primeiro álbum, “Building Waves” (segunda-feira). O júbilo de Nuno Rodrigues, no entanto, não tem nada que ver com vingança social: “A verdade é que vão continuar a chamar-me loser.”

Em verdade se diga, Barcelos tem uma taxa de criatividade roqueira generosa – a fonte oficial que entrevistámos fala em “mais de 60 projectos numa terra pequena”, ou de quando os números impressionam. Mas as notícias sobre a potencial Seattle minhota são manifestamente exageradas. É Nuno Rodrigues quem o diz com convicção semi-religiosa: “Acho piada ao que se tem escrito sobre Barcelos mas a mim parece-me a lenda do Galo no século XXI. Quem vem a Barcelos não encontra concertos nem posters nem bandas a tocar na rua. Nem sequer há sítios para tocar. Há muita gente com vontade e talento, com alguns nomes que vão conquistando espaço, como os Green Machine ou os Black Bombaim. Mas a verdade? Para os tais da escola secundária, estas bandas não existem.”

Segundo toque Ficam os “antigos-colegas-nunca-amigos” sem ouvir “Building Waves” mas, em troca, vai-se conquistando espaço nas vontades de blogues e redes sociais, com canções e fotos cheias de ganga e camisas da (quase) moda. Vai daí, o saldo é claramente positivo para esta banda que brinca ao rock”n”roll há uns anos. “Não aparecemos ontem, julgo que isso faz alguma diferença quando há tantas bandas a tentar a sorte”. Para ser mais exacto, Nuno partilha todo o orgulho que guarda por ter começado “há algum tempo, pelo menos desde os meus 15 anos”. O suficiente para enviar gravações de mau gosto para festivais e concursos sortidos; para ter outras bandas, tal como os restantes elementos dos The Glockenwise, com desventuras através dos mais eclécticos géneros, “do doom aos blues”, e outras expressões afins; e para construir currículo invejável com um roteiro através de locais de ensaio. “Usámos de tudo, de casas de banho a salas de estar”, diz um resignado Nuno Rodrigues, com poucas queixas excepto “não há um espaço para as bandas tocarem em Barcelos, apenas o auditório da biblioteca municipal. Mas nem sempre é bom tocar para uma plateia sentada, pois não?”.

Ouvimos mais uma vez as canções de “Building Waves” antes de responder. Pouco mais de meia-hora e isso é bom. Nove temas escritos e gravados numa sala com posters de Paulo Furtado e Jon Spencer (não o sabemos mas for verdade é a escolha certa), a escutar antigos como os os Stooges ou novos como os Strange Boys. Ou, para fazer a coisa simples, guitarra-baixo-bateria-voz-quatro-acordes-verso-refrão. Tudo distorcido, tudo com as cordas vocais de quem ainda pode tentar a voz que, na verdade, não tem. Ficam-lhes bem o esforço, para quem canta as histórias da rua, as desventuras de beijos e o que se seguiu ou a boleia para escola. Se isso lhes dá o título de banda promessa? “Não, isso já pede a consagração, é um título rasca.” »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/98248-the-glockenwise-rocknroll-com-todos-bom-proveito, a 14 de Janeiro de 2011, em Jornal I

Bom Som!

RT

Que Livros Oferecer Nesta Época de Natal….

Sugestão de Livros de Natal... Fonte: http://www.pppg.ufma.br

Como estamos em época natalícia, deixo aqui uma sugestão de alguns presentes, nomeadamente livros, passo a transcrever a referida peça jornalística.

« Neste Natal: livros aos molhos, para miúdos e graúdos

Está por todo o lado. Não vale a pena tentar fugir, fechar os olhos ou fingir que não é nada consigo. Abrace esta época com determinação e aproveite para pôr a leitura em dia, a sua e a dos outros. Dê livros aos amigos, aos filhos dos amigos, aos pais, avós, tios, irmãos e sobrinhos. Espalhe literatura porque o Natal também é feito de cultura (e rimas, pelos vistos). Imagine dedicatórias amorosas, humorísticas, tradicionais ou simbolistas, em jeito de Camilo Pessanha. E se quiser fugir das lojas, deixe-se estar sentado. Vá a wook.pt, fnac.pt ou bertrand.pt e faça as suas encomendas

Adultos: Ajude amigos e família a passar o tempo nos transportes públicas. Não se esqueça da dedicatória catita

Nome de Código: Leoparda
Ken Follett
Preço: 16,65€
Editora: Casa das Letras
Entre no fantástico mundo dos thrillers pela mão de um autor que sabe como se escreve um best seller. Este livro conta a história de corajosas mulheres feitas agentes secretas durante a II Guerra Mundial, duas semanas antes do dia D.

Sá Carneiro
Miguel Pinheiro
Preço: 28,80€
Editora: Esfera dos Livros
Se um não chegar para ficar a saber tudo sobre o mítico líder do PSD, há mais dois para escolher: “O Meu Sá Carneiro”, de José Miguel Júdice, por 11,66€ e “Camarate – Um caso ainda em Aberto”, de Freitas do Amaral, por 11,25€

O Big Sur e as Laranjas de Jerónimo Bosch
Henry Miller
Preço: 18,45€
Editora: Editorial Presença
Quando regressou aos EUA, Henry Miller escolheu Big Sur, na costa da Califórnia, para viver. Este livro, o primeiro que escreveu a partir daquele local, é composto por textos distintos que retratam a vida e relações do autor.

Alma de Cão
Francisco José Pereira Alves
Preço: 12,51€
Editora: Oficina do Livro
“Um acidente, três homens… e um cão. A mesma vontade de mudar de vida”. Com prefácio de Mário Zambujal. Para oferecer ao amigo bancário cujo sonho é ser cozinheiro, ou para a prima que só fala em mudar-se para o campo.

O Sonho do Celta
Mario Vargas Llosa
Preço: 17,06€
Editora: Quetzal
Não é só por ser um nobel da literatura. “O Sonho do Celta” é sobre Roger Casement, cônsul britânico no Congo belga, que teve a coragem de denunciar as atrocidades do regime de Leopoldo II. Um livro de aventuras reais.

Pack O Reino
Gonçalo M. Tavares
Preço: 20€
Editora: Editorial Caminho
Porquê comprar um livro do vencedor do prémio de Melhor Livro Estrangeiro publicado em França, se pode comprar três? “Jerusalém”, “Aprender a Rezar na Era da Técnica”,  “Um Homem: Klaus Klump” e “A Máquina de Joseph Walser”.

Crianças: São o melhor do mundo, principalmente se estiverem sossegadas. Dê-lhes um livro e transforme-as em anjinhos


O Capuchinho Vermelho, livro pop-up
Louise Rowe
Preço: 13,90€
Editora: Editorial Presença
Livros Pop-Up (pausa para suspiro saudosista). As páginas a abrirem-se, os desenhos a saltarem cá para fora, personagens a três dimensões, e o coração a bater mais depressa. É quase magia. Quer mais argumentos?

Mãe não pises a minha sombra
Ana Esteves
Preço: 12,27€
Editora: Livros Horizonte
Ganhou o prémio literário Maria Rosa Colaço e parte de uma permissa misteriosa: “E se um dia descobrisses que a tua sombra esconde um segredo?”. Com ilustrações de Manuela Bacelar, do rapaz que gostava de ver sombras.

Princesa Poppy: As Melhoras, Avô!
Janey Louise Jones
Preço: 5,84€
Editora: Booksmile
Ajude os seus filhos/sobrinhos/afilhados/primos a perceber a importância dos avós. Com o avô internado no hospital, Poppy fica preocupada e não consegue concentrar-se para o torneio de ginástica.

As Mais Belas Coisas do Mundo
Valter Hugo Mãe
Preço: 13€
Editora: Alfaguara
Valter Hugo Mãe também sabe escrever para os mais pequenos. Neste livro conta a história do menino que, com o avô, procura os mistérios da vida. E quais são as mais belas coisas do mundo? As de verdade, ou as invisíveis?

Vincent Van Gogh e as Cores do Vento
Chiara Lossani Preço: 16,75€
Editora: Livros Horizonte
A história de um dos mais famosos pintores impressionistas escrita para os mais novos. Ilustrações maravilhosas, com tantas cores quantas o pintor usava. Para todos os miúdos com alma de artista.


O Alfabeto do corpo humano
José Jorge Letria
Preço: 13,50€
Editora: Oficina do Livro
É um dois em um: aprende-se o alfabeto e o corpo humano. Quer coisa melhor? Vértebras, glândulas, coração ou fígado. Os mais novos da família vão ser ases da anatomia e fazer um brilharete ao pé dos mais crescidos quando recitarem de cor todos os órgãos vitais.

As Gémeas Voltam ao Colégio
Enid Blyton
Preço: 9,09€
Editora: Oficina do Livro
É um clássico com cara lavada, graças às ilustrações de Patrícia Furtado. Perca a cabeça e ofereça logo o segundo volume “Terceiro Período em Santa Clara”, por 8,19€. Para meninas a partir dos 10 anos.

O Diário de um Vampiro Banana
Tim Collins
Preço: 10,99€
Editora: Booksmile
Os vampiros estão (ainda) na moda e ser totó (ou banana) calha a todos. E há idades em que não há volta a dar: a falta de jeito, nomeadamente com raparigas, é inevitável. Nem os vampiros adolescentes, se safam.

Lenda dos Guardiões – O Resgate
Kathryn Lasky
Preço: 10,71€
Editora: Editorial Presença
Animais que falam, pensam e sentem como gente, são capazes de alegrar qualquer coração pré-adolescente. Estas corajosas corujas até já tiveram direito ao grande écran, em 3D. E há mais dois: “A Viagem” e “A Captura”.  »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/92809-neste-natal-livros-aos-molhos-miudos-e-graudos, a 9 de Dezembro de 2010, em Jornal I

Boas Leituras

RT

Quer Um Vestido Igual ao de Kate Middleton…Veja Aqui Onde o Pode Encontrar…

Saiba Onde Encontrar um Vestido Igual ao de Kate Middleton Fonte: http://www.ionline.pt

Hoje trago um artigo que pode ser interessante para muitas mulheres, especialmente as que querem estar à altura de uma princesa.

« Consiga o “look princesa” de Kate Middleton por 20 euros

Uma semana depois de o príncipe William ter anunciado o noivado com Kate Middleton, eis que nasce novo ícone de moda. A noiva do sucessor ao trono britânico, apareceu no anúncio oficial com um vestido azul conjugado com um anel de safiras e diamantes, escolhido pela princesa Diana em 1981. Até aqui, nada de novo, não fosse o fenómeno comercial que se seguiu à apresentação.
O vestido de Kate, assinado pela marca brasileira Issa London foi, nos dias seguintes, o mais procurado nas lojas britânicas. O modelo original, à venda por 400 euros, esgotou em poucas horas e sem possibilidade de reposição de stock, pelo que muitas clientes foram para casa de saco vazio. Ora, as marcas fashion low-cost apressaram-se a responder à procura com um remake do vestido que não ultrapassa os 20 euros.
E a lista de imitações é infinita: o site Ingenue foi o primeiro a açambarcar o mercado com um modelo azul safira por 100 euros. A ideia foi boa, mas não conseguiu fazer frente à marca F&F, que baixou o preço do mesmo vestido para 20 euros, acabando por esgotar os modelos disponíveis na loja londrina.
Actualmente as réplicas do vestido “Kate Middleton” estão esgotadas, mas as marcas já fizeram saber que estão “em fase de produção e a aceitar encomendas em toda a Europa”. Até há alguns blogs que prometem o “look princesa de Kate” por 100 euros. Com sapatos e réplica do anel incluídos. »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/90051-consiga-o-look-princesa-kate-middleton-20-euros, a 22 de Novembro de 2010, em Jornal I

Aproveitem a Dica

RT

 

Conheça o Mais Recente Estudo Sobre Desemprego Juvenil…

Estudo sobre desemprego Juvenil... Fonte: http://www.joseantoniomodesto.blogspot.com

Hoje trago uma notícia que versa sobre o emprego para os jovens, passo a transcrever a mesma, mas não a vou comentar, pois já muita tinta fiz correr… mas são outros quinhentos.

« Desemprego nos jovens em Portugal atinge os 23%

Os jovens são os mais afectados pelo drama do desemprego em Portugal, mas ter uma licenciatura não parece ser irrelevante.

Segundo o Instituto Nacional de Estatísticas (INE), a taxa de desemprego entre os jovens subiu em Portugal para 23,4% no terceiro trimestre do ano, o que se traduz em 99 mil cidadãos com menos de 25 anos sem trabalho.

O valor representa um agravamento de 4,2 pontos percentuais face aos 19,2% do período homólogo de 2009, segundo os mesmos dados. Os jovens são por isso a camada mais afectada pelo desemprego em Portugal, que atingiu os 10,9% em Setembro. Nos homens a taxa é de 9,6% e nas mulheres um pouco mais elevada, nos 12,4%.

A licenciatura pode, no entanto, facilitar a entrada no mercado de trabalho. Dados do INE mostram que o desemprego entre os licenciados cresceu 6,5% em termos homólogos e que há 68 mil portugueses que frequentaram o ensino universitário nessas condições As subidas são mais expressivas para aqueles que só completaram o ensino secundário (30,5%) e para quem ficou no ensino básico (7,4%). Nestes ‘escalões’ há 122 mil e 419 mil portugueses sem trabalho, respectivamente. »

In: http://economico.sapo.pt/noticias/desemprego-nos-jovens-em-portugal-atinge-os-23_104571.html, a 17 de Novembro de 2010, em Jornal Económico.

Sem Comentário!!

RT

Conheça os Erros Mais Comuns de Gestão de Finanças Num Artigo de Teresa Cotrim…

Conselhos Financeiros de Teresa Cotrim... Fonte: www2.ipece.ce.gov.br

Como estamos na dita semana mundial da poupança, trago hoje e no seguimento do post anterior, uma notícia que versa, sobre erros financeiros que temos presentes nas nossas vidas, vou transcrever a referida peça jornalística.

« Em época de crise todos os conselhos são bem-vindos para que a sua conta bancária não entre no vermelho. Há pequenos truques que o podem ajudar a poupar algum dinheiro.

Antes de mergulhar nos pecados financeiros, convém imaginar que vai passar pelo confessionário. Quando for às compras faça o seguinte exercício perguntando aos seus botões: desejo ou necessito disto?

Ou seja, quando pega na carteira ou no cartão de crédito para comprar algo, questiona se realmente aquele bem lhe faz falta. O importante é ser honesto consigo mesmo. Esta pergunta funcionará como uma consciência financeira que falará ao seu ouvido de cada vez que pensar em adquirir algo. Talvez assim domine o impulso da compra e consiga poupar alguns euros.

É verdade, os apelos são muitos. A publicidade oferece, de bandeja, corpos esbeltos, férias de sonho, automóveis topo de gama, crédito mais barato… A montra de compras não tem fim. Estilo e glamour estão à distância de um simples digitar de código nas máquinas Multibanco, enquanto as dívidas se vão acumulando. É uma bola de neve que, sem controlo, pode transformar-se numa avalanche, levando ao congelamento das suas poupanças.

Alexandre Herculano, historiador do século XIX e difusor do romantismo em Portugal, escreveu: “O desejo mede os obstáculos. A vontade vence-os.” Eis a chave para os seus problemas. Basta ter força de vontade, disciplina espartana e visão de futuro. Isto para chegar à idade da reforma e ter dinheiro para gozar a vida. Lembre-se: nunca terá tanto tempo livre. Uma estratégia que pode utilizar para não sucumbir a tentações é assumir compromissos consigo mesmo. Traçar metas e cumpri-las. A esta altura está a pensar: mas como posso evitar os erros mais comuns no que toca à gestão do meu dinheiro? Veja abaixo:

1. Não aprender com os erros dos outros. Sai muito mais barato aprender com as cabeçadas alheias. O “desfalque” não será na sua conta bancária. Só com esta dica já está a amealhar uns trocos!

2. Gastar mais do que se tem. Há pessoas que, para manter o estatuto social, vivem como o lençol dos pobres: puxam em baixo para tapar em cima, acabando por ficar com os pés de fora. A dura realidade é que este pano é como o ordenado, não estica. Faça contas à vida e organize as suas finanças pessoais.

3. Não controlar o seu dinheiro. Ficar no vermelho porque teve um acidente de percalço não é vergonha para ninguém. O crédito bancário existe para isso. Mas pagar juros no cartão de crédito é um erro que pode custar-lhe caro. Os juros podem chegar aos 30%. Se começar a ficar endividado, assuma o problema. Faça um plano de raiz, ou contacte a Deco (www.deco.pt) que tem um serviço que o ajudará a reequilibrar o orçamento. Até porque utilizar parte do seu rendimento para pagar juros ao banco é baixar o seu padrão de vida.

4. Não ter reservas para as emergências. Nunca fique no fio da navalha. Convém ter de parte pelo menos o montante necessário para sobreviver seis meses sem emprego. Claro que tem de ter em consideração o seu estilo de vida. E esta conta não deve ser misturada com as poupanças de longo prazo. Deve estar aparte. Pode, por exemplo, subscrever um produto em que possa levantar a poupança em qualquer altura. O objectivo é preservar o valor do dinheiro.

5. Não se preocupar com os pequenos gastos. Há quem considere apenas os grandes e esta é uma visão errada. A compra de casa ou de carro estão no topo das preocupações das famílias levando-as a descurar as pequenas despesas, caso das compras no supermercado, factura da luz, água, telefone, roupas e jantaradas fora. Mas já diz o ditado: “Grão a grão enche a galinha o papo.” Preste atenção aos detalhes, pois ficará surpreendido com as poupanças acumuladas.

6. Nunca cumprir os objectivos financeiros a que se propôs. Imagine que decide poupar para comprar casa. No caminho não resiste à tentação de uma promoção com o descapotável dos seus sonhos. Erro crasso. Este deslize pode ser o passe para entrar na lista dos endividados. Só nos devemos desviar quando um percalço sucede na nossa vida, caso de desemprego ou doença súbdita.

7. Nunca ter em conta a inflação, apesar desta indicar o custo de vida. O preço do dinheiro. Só para ter uma ideia: a inflação pode anular parte ou todo o ganho que o investidor acredita estar a obter numa determinada aplicação financeira. Além disso, para amealhar para o futuro terá de fazer contas para ver de quanto precisará daqui a X anos porque o dinheiro será decerto mais caro nessa altura.

8. Não investir em produtos que conhece e não ter em conta o seu perfil de risco. Se não compreender onde está a aplicar o seu dinheiro, é preferível colocá-lo debaixo do colchão. Informe-se sobre as características da aplicação, do rendimento, se pode ou não perder dinheiro. Além disso, veja se está preparado para correr riscos. Há uma regra do mercado financeiro que diz que quanto maior for o risco, maior poderá ser o ganho. Mas a perda também será superior. Estude bem qual o seu perfil de investidor.
Peter L. Bersntein, autor do livro Desafio aos Deuses: A Fascinante História do Risco, garante que a melhor forma de contornar este problema é aprender a gerir o risco em vez de evitá-lo. No dia-a-dia já o faz, de várias maneiras. Por exemplo, tenta não levantar dinheiro à noite num local escuro para evitar a possibilidade de ser assaltado. Certo? Já agora uma dica: nunca coloque todos os ovos no mesmo cesto. Ou seja, diversifique o seu dinheiro, aplicando-o numa conta à ordem, PPR, fundos, acções, pintura, numismática… Assim, caso algo corra mal, uns cobrem os outros.

9. Usar mais a emoção do que a razão na hora de investir pode causar alguns dissabores. Suze Omar, consultora financeira americana diz: “Para se sentir livre em relação ao dinheiro é essencial perder o medo que se tem dele.” O mercado accionista é bom para medir o seu grau de resistência, pois a turbulência das bolsas é uma óptima escola. Claro que imprópria para cardíacos ou pessoas muito conservadoras a investir. Que odeiam arriscar! Se decidir experimentar, faça-o com dinheiro que não lhe faça falta e peça ajuda a especialistas do ramo, sob pena de perder as poupanças.

10.Não aprender a administrar o seu dinheiro, porque tem um gestor de conta. É fundamental começar a entrar na linguagem financeira e transformar-se num verdadeiro Tio Patinhas. Está na hora de aprender o bê-á-bá das finanças pessoais e começar a multiplicar o seu património.

@Teresa Cotrim »

 

In: http://noticias.sapo.pt/info/artigo/1102877.html, a 31 de Outubro de 2010

 

Boas Dicas!

RT