Em Vez de Comprar Uma Louis Vuitton, Alugue-a ou Compre em Segunda Mão…Conheça Aqui os Detalhes…

Abril 29, 2010

Alugue uma Louis Vuitton... Fonte: http://www.momist.com

Hoje trago um conceito engraçado, que pode ser adoptado, pelas senhoras que querem aparentar que são ricas, no entanto, não o são. Ou seja, é algo adequado, a quem quer viver de aparências, passo a transcrever a referida notícia, mas não vou comentar a mesma.

« Não tem dinheiro para comprar uma Louis Vuitton? Alugue

Esqueça as imitações compradas em feiras. Agora há um site português onde pode alugar malas de 5 mil euros por cerca de 25 euros

No filme “Sexo e a Cidade”, a protagonista Carrie Bradshaw fica perplexa quando descobre que a sua assistente tem uma mala Louis Vuitton. Não daquelas que se vendem na feira, com o nome Luís Vítor, mas um exemplar autêntico da marca francesa – o modelo Patchwork Denim Bowly – que custa perto de 1300 euros. “Como é que uma rapariga de St. Louis, a partilhar a casa com três pessoas, consegue comprar uma Louis Vuitton?”, pergunta Carrie. Mistério explicado: “A mala é alugada.” Afinal, é uma das centenas de várias marcas (como Fendi, Moschino ou Yves Saint Laurent) disponíveis para alugar no site norte-americano de sucesso bagborrowsteal.com. Por poucos dólares por dia, alugam-se malas que chegam a custar milhares.

Inspiradas pelo filme, que por sua vez é uma adaptação da série favorita de muitas mulheres, três amigas decidiram trazer o conceito de aluguer de malas para Portugal, já comum em Espanha, França e Inglaterra. “Queríamos ter um negócio nosso e pôr em prática aquilo que criticávamos no negócio dos outros”, conta Ana Paula Rocha, uma das sócias da Glamorous, o nome da empresa.

Apesar de trabalhar como administradora hospitalar, decidiu investir 60 mil euros em malas de marca, com as amigas Lia Monteiro e Rita Tomás. Foram a Madrid e compraram os últimos modelos de Louis Vuitton, Dior, Salvatore Ferragamo ou Prada. Ao todo, cerca de 20 carteiras de dez marcas só acessíveis para quem tem muito dinheiro para as encher. Ou não.

Na passada sexta-feira as três sócias lançaram o site http://www.glamorous.pt, onde por 25 euros se pode alugar uma Louis Vuitton por três dias. “Há malas para todo o tipo de eventos, desde casamentos a reuniões de negócios”, explica Ana Paula. “E são raras as mulheres com capacidade económica para comprar estes modelos.”

Se quer fingir que a crise não chegou a si e pretende impressionar os colegas, alugue uma Birkin, o modelo clássico da Hermés. “Custou-nos 5 mil euros e estivemos um ano à espera que fosse fabricada”, conta Ana Paula. “Mesmo assim nem é das mais caras da marca… há umas que chegam a custar 8 mil euros.”

No site há várias possibilidades de aluguer: por três dias, uma semana ou um mês. “Quem quiser ser nosso sócio pode pagar 65 euros por ano e ter descontos em malas e prioridade na lista de espera para conseguir alugar a preferida.”

Em dois anos, Ana Paula prevê recuperar o investimento, mas acha que o grande sucesso da Glamorous pode ser o negócio de malas usadas, também à venda no site. “No sábado vendemos a nossa primeira carteira, um modelo antigo da Louis Vuitton, por 100 euros.” Os clientes podem pôr as suas preciosidades à venda online, desde que sejam autênticas.

A seguir às carteiras, Ana Paula quer estender o aluguer a relógios de luxo para homens: “Há muitos que gostam de assinar contratos com um relógio novo ou de ir a reuniões com modelos caros e sempre diferentes.”»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/57295-nao-tem-dinheiro-comprar-uma-louis-vuitton-alugue, a 28 de Abril de 2010, em Jornal I

Deixo a Questão: Que pensa de nos dias de hoje se poder viver de aparências?

Tenho Dito

RT


Ficou sem Bateria no Telemóvel na Rua…Brevemente Vai Ter Solução…Conheça-a Aqui…

Fevereiro 4, 2010

Carregador de Telemóvel Publico Fonte: http://www.agenciafinanceira.iol.pt

Hoje trago uma notícia sobre uma curiosidade e uma boa ideia, especialmente quando ficamos sem bateria no telemóvel, sendo que os mais dependentes deste objecto, correm o risco de ficarem paranóicos, passo a transcrever a notícia, no entanto, não vou tecer nenhum comentário a mesma.

« Ficou sem bateria no telemóvel? Compre um carregamento

Carregadores públicos de telemóveis estão a espalhar-se pelo mundo

Quantas vezes já ficou sem bateria no telemóvel numa altura em que estava à espera de uma chamada importante, em que precisava mesmo de ver o número de uma pessoa ou avisar alguém de que estava atrasado? Pois esses dias podem estar perto do fim.

Os carregadores públicos de telemóvel não são novidade. Uma empresa na China desenvolveu o conceito e espalhou-os pelo país mas agora o conceito vai alastrar a outras partes do globo, avança a CNN.

Um jovem empresário norte-americano, Paul King, pensou em desenvolver uma rede de carregadores, semelhante à dos Multibancos, mas descobriu que alguém tivera a ideia antes dele: a chinesa TCN. King decidiu então contactar a empresa chinesa e propor-lhe ser o seu representante exclusivo nos mercados dos EUA, México e Canadá.

O jovem empresário conseguiu: teve de reunir apoios de investidores, e a TCN acrescentou às suas máquinas ecrãs publicitários, onde são exibidos anúncios enquanto as pessoas, que pagam 2 a 5 dólares por carregamento, esperam que as baterias dos telemóveis vão carregando.

O único problema é que os telemóveis hoje em dia são autênticos devoradores de energia. Os modelos são cada vez mais complexos e multifuncionais e as suas baterias não evoluíram ao mesmo ritmo.

A Samsung entrou também nesta corrida e instalou alguns carregadores gratuitos adaptáveis a qualquer modelo. Para já há unidades nos dez maiores aeroportos dos EUA e em 15 Campus universitários. A meta é chegar aos 50 Campus na Primavera.

A Samsung acredita que não demorará muito até que outras empresas de telecomunicações sigam o modelo, para promoverem as suas marcas.

A empresa de Paul King tem apostado noutras localizações: 14 em casinos de Las Vegas, 65 em parques de diversões da Six Flags e 50 em bares e clubes nocturnos. O próximo passo são os centros comerciais. A empresa, que tem apenas nove funcionários, triplicou a receita em 2009 e o jovem empresário acredita atingir os dois milhões de dólares em 2010.

Paul King conseguiu angariar publicidade de alguns gigantes, como a AT&T, Target, Google, Bank of America, GM e Cadillac. Para além disso, a Men’s Wearhouse está a estudar a possibilidade de comprar uma nova geração de carregadores da empresa, na esperança de atrair quem passa nas ruas, a olhar para as suas montras, para o interior das lojas. »

In: http://www.agenciafinanceira.iol.pt/media-e-tecnologia/eua-china-carregador-telemoveis/1135423-2974.html, a 30 de Janeiro de 2010, em Agência Financeira

Boas Ideias

RT


Livros…Conheça os Títulos Mais Badalados Para Oferecer Este Natal…

Dezembro 20, 2009

Por estarmos a poucos dias do natal, e como se aproxima vertiginosamente as ultimas prendas, por falta de sugestões, deixo sempre aqui um presente que agrada sempre a maioria das pessoas, um livro, deixo aqui alguns títulos que saíram na semana passada num diário da nossa praça, aproveitem as sugestões e bons presentes.

«Dez livros para oferecer e fazer boa figura

O ano de 2009 trouxe livros para todos os gostos. Até para os de Cavaco, Soares ou Moura Guedes. Eis a escolha dos nossos críticos

Foi um ano em grande. O terrorismo islâmico chegou à literatura portuguesa e já provocou mais de 100 mil vítimas, maioritariamente civis. O livro de José Rodrigues dos Santos é o melhor do ano, na categoria “revisto por um ex-operacional da Al-Qaeda”. José Saramago também quis despertar a fúria divina mas o melhor que conseguiu foi um debate com o padre Carreira das Neves. António Lobo Antunes publicou o seu centésimo nono romance. Aguarda-se a tradução para português. Se o ano correu bem aos vivos, os mortos também não têm razões de queixa. Stieg Larsson e Roberto Bolaño ocuparam os tops de vendas.

Editores e agentes literários gostam que os escritores recebam prémios, mas alguns desconfiam que é mais vantajoso matá-los. Lá fora, tudo na mesma. Philip Roth lançou mais um romance e não ganhou o Nobel. A academia sueca atribuiu o prémio a Hertha Müller, mantendo a tradição de contrariar as casas de apostas. Terminada a febre dos feiticeiros adolescentes chegou em força a febre dos vampiros adolescentes. Como se os adolescentes não fossem suficientemente estranhos. Que tal uma saga de adolescentes que estudam numa escola para adolescentes e que, em noites de lua cheia, se transformam em adolescentes mas com mais acne? Por fim, o ano ficou marcado pelo regresso de Dan Brown. O mundo sobreviveu.

1. História de Portugal €35,10
De Rui Ramos, Bernardo Vasconcelos
e Sousa, Nuno Gonçalo Monteiro
Bom presente porque: mais de duas dezenas de anos depois é a primeira síntese consistente da nossa história.
Vai fazer boa figura se oferecer este livro: à classe política. O conhecimento do passado é sempre um bom contributo para edificantes e proveitosos debates sobre o estado da nação. Sem inimputáveis palhaçadas.


2. Obra Poética, vol I e II €49,99

De Manuel Alegre
Bom presente porque: Basílio Horta, Freitas do Amaral, Cavaco Silva – nenhum outro candidato derrotado nas presidenciais tem uma obra poética deste quilate.
Vai fazer boa figura se oferecer este livro: a Mário Soares. O Natal é a época ideal para reconciliações.


3. Escritos Secretos €16,11
De Sebastian Barry
Bom presente porque: é um labirinto narrativo baseado nas memórias de uma mulher isolada, turvadas por problemas de stress pós-traumático e circunstâncias dramáticas ligadas à história da Irlanda no século XX.
Vai fazer boa figura se oferecer este livro: a Manuela Moura Guedes. Substitua-se Irlanda por TVI em Portugal no século XXI e tudo o que está acima descrito pode aplicar-se à situação da jornalista.


4. Barroco Tropical €16,65
De José Eduardo Agualusa
Bom presente porque: Agualusa tem duas qualidades essenciais para o sucesso do escritor moderno: escreve bem e não é estrábico. A fotogenia faz do escritor uma figura de estilo.
Vai fazer boa figura se oferecer o livro: à filha de José Eduardo dos Santos.

5. Caim €13,70
De José Saramago
Bom presente porque: os ateus também têm direito a celebrar o nascimento de Cristo. Se o puderem fazer cometendo um sacrilégio, juntam o útil ao agradável.
Vai fazer boa figura se oferecer este livro: a Deus. Como Ele está em todo o lado, poupa em portes de envio.


6. 2666 €23,45
De Roberto Bolaño
Bom presente porque: Roberto Bolaño escreveu-o para assegurar o futuro financeiro dos filhos. Podia ter feito um seguro de vida, mas os latino-americanos têm estas manias.
Vai fazer boa figura se oferecer este livro: a uma empresa de reciclagem de papel (são mais de mil páginas).


7. A Segunda Guerra Mundial €27

De Martin Gilbert
Bom presente porque: no ano em que se comemoram 70 anos sobre o início do conflito, esta obra permite perspectivar o passado e perceber que a História pode repetir-se.
Vai fazer boa figura se oferecer este livro: a Barack Obama. Adequa-se ao homem que mencionou a palavra guerra mais de 40 vezes no discurso de recepção do Prémio Nobel da Paz.


8. Trilogia Millenium €59,50
De Stieg Larsson
Bom presente porque: Os três volumes destes romances policiais vertiginosos e atentos ao espírito dos tempos são verdadeiramente aditivos e constituem um inteligente divertimento.
Você vai fazer boa figura se oferecer este livro: a Cavaco Silva. Em 2004, a hacker Lisbeth Salander violava com facilidade protocolos de segurança informática. Se o Presidente tivesse lido Millenium nunca teria lançado a dúvida: “Será possível alguém do exterior (…) ler os meus emails?”


9. O Tigre Branco €13,49
De Aravind Adiga
Bom presente porque: expõe as entranhas da Índia e destrói todos os mitos românticos em relação ao país.
Vai fazer boa figura se oferecer este livro: a todos os neo-hippies encartados seduzidos pela trilogia exotismo, sabedoria ancestral e espiritualidade. A desintoxicação é garantida.


10. O Símbolo Perdido €22,46
De Dan Brown
Bom presente porque: é de um autor praticamente desconhecido, o que faz dele um candidato ao Nobel. Depois da Opus Dei e da Maçonaria, correm rumores que Dan Brown prepara um livro sobre a ERC.
Vai fazer boa figura se oferecer este livro: a José Rodrigues dos Santos.

E para as crianças…

Predadores
de Lucio & Meera Santoro
Os mais espectaculares e assustadores animais num livro com pop-up a tornarem o cenário mais emocionante. Também tem janelas e tiras com informação adicional, nomeadamente, quais estão em risco de extinção (alô Cimeira de Copenhaga!).

Princesa Poppy – O Aniversário
De Janey Louise Jones
Poppy faz anos, mas ninguém parece lembrar-se, prestes a desesperar é surpreendida. Uma história simples a lembrar que as meninas são muito amadas.

Anjos de Pijama
De Matilde Rosa Araújo (poemas) e Maria Keil (desenhos)
Para reforçar o contacto dos mais novos com a poesia este livro, magnificamente ilustrado, é um bom companheiro . Leiam os poemas em conjunto e deliciem-se com a subtileza das palavras.

Princesas, Príncipes, Fadas e Piratas com Problemas
Vários Autores
Histórias em que os heróis também têm de resolver problemas variados. Pedro Sena-Lino coordenou diversos autores nacionais, alguns deles aqui num registo pouco habitual. As ilustrações são de peso pesados da área.

O Alfabeto dos Países
De José Jorge Letria (texto) e Afonso Cruz (ilustrções) – Oficina do Livro
A partir das letras do alfabeto são explicados em verso os países correspondentes. Por exemplo, A de Austrália ou B de Brasil. A aprendizagem é múltipla – do abecedário e do Mundo – e seguramente divertida.

O Bebé Que Não Queria Ir Para a Cama
De Helen Cooper
Um bebé teimoso resiste ao cansaço e vai desafiando os amigos para o acompanharem, mas no mundo da fantasia todos estão a cair de sono. Maravilhosamente próximo da realidade, com ilustrações belíssimas.

O Pequeno Livro do Ambiente
De Christine Coirault
De pequenino se instalam bons hábitos. Um livro que ensina a ter atenção ao meio ambiente através de bons conselhos como, por exemplo, fechar a torneira da água enquanto se escovam os dentes.»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/37742-dez-livros-oferecer-e-fazer-boa-figura, a 16 de Dezembro de 2009, no Jornal I

Boas Compras e Bom Fim Semana!

RT


Sugestão Para Compras Originais na Cidade do Porto…Aproveitem Este Natal…A Loja 15 em Um…

Dezembro 19, 2009

A Loja 15 em Um, na cidade do Porto Fonte: http://www.ionline.pt

Hoje, e por ser o ultimo fim de semana antes da noite de natal, e como tal, trago a notícia sobre uma loja, na cidade do Porto, onde pode encontrar alguns presentes originais, fica aqui a transcrição de um jornal diário da nossa praça, deixo a dica para boas prendas.

«A loja do Porto que é… 15 em um?

Pode comprar prendas originais. Pode comprar roupa dinamarquesa. Pode comer. Pode ler. A Casa Aberta é uma espécie de casa de bonecas retro onde apetece ficar depois de entrar

A Casa Aberta fica em plena Foz Velha, numa ruazinha tranquila por trás do Hotel Boa-Vista. Entre o restaurante Museu dos Presuntos e a discoteca Pop, mesmo em frente à loja da criadora de moda Anabela Baldaque. Aliás, esta loja acolhedora é dela e do seu filho Diogo, que se encarrega de conduzir o negócio. E ocupa o rés-do-chão do seu ateliê. Para quem vive ou trabalha na Foz, este espaço, aberto em Outubro de 2008, é hoje um sítio de passagem quase obrigatória, nem que seja para tomar um café e dar uma vista de olhos no jornal.

Passado um ano, a Casa Aberta é quase um ponto de encontro de amigos. “As pessoas quase se servem do frigorífico”, graceja Diogo. “Há uma intervenção quase de conjunto entre lojista e cliente.” É que neste clima “bastante informal” se servem refeições ligeiras. Além de sopa do dia, quiches, saladas e sanduíches, há tábuas de queijo, enchidos e vinho a copo. E ainda chás e scones, para o lanche. Ao fim da tarde, chega uma happy hour, com um “pague um, leve dois” aplicado a caipirinhas.

Além disso, neste canto com mesas e jornais, revistas e livros para consulta (e ainda um pequeno pátio exterior, para os dias mais quentes), também se organizam pequenos-almoços ou almoços de grupo/aniversário. “Essa parte está a correr muito bem, mas este espaço não é só isso. Tem à venda uma série de coisas para todos os tipos de prendas, para todas as idades”, garante Diogo, e é verdade. Aqui encontram-se “coisas diferentes do convencional e a partir dos três, quatro, cinco euros”. E lá dentro está tudo à venda. Se quiser comprar a cadeira em que está sentado, pode fazê-lo.

Contudo, o forte da Casa Aberta é mesmo a grande oferta de prendas engraçadas e um pouco retro, a preços simpáticos. De produção original, há artesanato urbano e quadros feitos por Diogo e Anabela. “Além de outros que expõem as suas coisas aqui”, diz. Com a marca Casa Aberta foi lançada uma linha de casa com toalhas, individuais e bases de copo. Depois, nas várias viagens que mãe e filho vão fazendo pelo mundo (Europa, América Latina, Ásia), regressam com uma “recolha de objectos para pôr à venda”. E há tanta coisa! Bijuteria, brinquedos para crianças (maioritariamente de lata, madeira ou cartão, à antiga), brinquedos para adultos (“Para tentar descomprometer o constrangimento de entrar numa sex shop para comprar estas coisas”, explica Diogo), plantas, chinelos gregos, bonecos de cascata/presépio, talhas de Buenos Aires, relógios Casio vintage, louças da ArtLusa e da Bordalo Pinheiro, caixas de música, peões (de madeira e de metal), lousas, jogos de mikado, porta-chaves ou cadeiras de baloiço em cartão, para montar. E também se fazem pins personalizados.

Em casa de ferreiro espeto de pau? Não, é claro que aqui ainda há espaço para a moda, com uma breve selecção das colecções de duas marcas dinamarquesas: Object (para ela) e Jack & Jones (para ele).

As ideias não param por aqui. Diogo Baldaque ainda pretende criar workshops e leitura de contos infantis ao sábado de manhã, para entreter os mais novos e deixar os pais tomar o pequeno-almoço descansados.

Sugestão obrigatória para quem vive no Porto e neste Natal está numa de prendas giras, baratas e fora do vulgar.

Rua Padre Luís Cabral, 1080, Porto
918 557 477

http://casaaberta1080.blogspot.com/
Segunda- -feira, 14h00 às 19h00; terça-feira a sábado, 10h00 às 20h00
Encerra ao domingo»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/38150-a-loja-do-porto-que-e-15-em-um, a 18 de Dezembro de 2009, no Jornal I

Bom Fim Semana

RT


Dicas Para Umas Mini Férias de Natal…

Dezembro 18, 2009

Destinos de Natal... Fonte: http://www.crisanto.jor.b

Hoje começam as férias escolares dos mais pequenos, trago algumas sugestões para umas mini férias de Natal em Família, passo a transcrever o artigo e como se tratam de sugestões transcritas de um diário da nossa praça, não vou tecer nenhum comentário ao mesmo.

«15 ideias para umas férias de Natal em grande

Actividades para os mais novos, de norte a sul e para todos os gostos

O Natal é uma época tão especial que quase se podia dizer às crianças: “Esperem aqui sossegadinhas que o Pai Natal deve estar a chegar.” Ligava-se a televisão e os miúdos ficavam colados ao ecrã durante horas. É certo que estariam protegidos do frio, da chuva e das constipações, mas férias que se prezem não são para ficar em casa.

De norte a sul do país há programas próprios da temporada para todos os gostos e para todas as bolsas. A tarefa difícil é seleccionar apenas 15. Muita coisa ficou de fora, mas foram prioritários os gostos dos miúdos. Deixamos um conselho: escolha as actividades segundo os interesses dos pequenos. De artes plásticas, ciência, culinária, música, teatro, dança e histórias à equitação.

Campo de férias ou em família Não é só no Verão que há campos de férias. É certo que no Natal ninguém está interessado em ir passear para a praia, mas o Campo Aventura, em Óbidos, propõe umas férias com tanta ou mais adrenalina que as da época de calor. Há espeleologia, peddy-papers e para os mais corajosos um acampamento.

Se está de férias nas próximas semanas, sugerimos um programa em família no Gymboree, em Lisboa, Almada e Porto. Aprenda novas brincadeiras para as crianças e junte-se a elas para fazer enfeites de Natal.

Artes Plásticas
Postais de Natal no Museu do Oriente
Os emails tornaram os postais de Natal antiquados e quase peças de museu. Apercebemo-nos disto quando as crianças aprendem a fazê-los numa espécie de aula de história. A partir da exposição “Selos Portugueses do Oriente”, do Museu do Oriente, em Lisboa, os miúdos vão aprender a fazer um velhinho postal à mão.
Preço: €60 (€5,60 almoço)
Horário: Das 10h às 13h e das 14h às 17h
Duração: De 21 a 23 Dez.
Idade: 6-12 anos
Contactos: 213 585 200

Fitas artesanais
Personalizar a árvore de Natal é o desafio desta oficina do Museu Serralves, no Porto. Mas este não é um simples ateliê de artes plásticas. Os miúdos
vão pintar fitas, bolas e utilizar materiais recolhidos nos jardins de Serralves para fazer enfeites amigos do ambiente. O limite é a imaginação.
Quem disse que pedras e galhos não davam uma boa decoração?
Preço: €30
Horário: Das 9h30 às 12h30
e das 14h às 17h
Duração: De 21 a 23 Dez.
Idade: 4-6 anos
Contactos: 226 156 500

Fazer chapéus
É a oficina indicada para os miúdos num nível avançado no corta e cola. São João da Madeira bem podia ser a capitaldos chapéus, e é lá que encontramos um ateliê para crianças onde podem fazer chapéus, com feltro ou pêlo. Antes de porem mãos à obra, os miúdos passam a manhã na biblioteca a ler histórias de Natal, inspiração para fazer
os chapéus.
Preço €20
Horário: Das 9h30 às 12h30
e das 14h às 17h30
Duração: De 21 a 23 e de 28 a 30
Idade: 7-14 anos
Contactos: 256 201 680

Culinária

Biscoitos e salame
Quem disse que a culinária não se dá bem num museu de arte? A oficina de guloseimas natalícias prova que os doces são os companheiros ideais desta quadra. O anúncio é claro: “Miúdos invadam as cozinhas”. Aqui não se aprende apenas a misturar farinha com ovos ou a fazer biscoitos, bolachas e salame de chocolate. Em Serralves vão tornar-se mestres da decoração pasteleira.
Preço €30
Horário: Das 14h às 17h
Duração: 28 e 29 Dez.
Idade: 4-6 anos
Contactos: 226 156 500

Algas e peixe
Não é só de doces que se faz o Natal, por isso o Oceanário, em Lisboa, quer transformar os miúdos em cozinheiros de peixe e algas. Esta oficina de culinária é só de um dia e faz parte do programa Férias debaixo de Água – Natal. São cinco dias temáticos, onde os miúdos resolvem mistérios, aprendem a cozinhar sem usar peixes em vias de extinção e aprendem a conhecer a viola-de-espinhos ou o dragão-marinho.
Preço €150 (4 dias)
Horário: Das 9h às 18h
Duração: De 21 a 31
Idade: 4-12 anos
Contacto: 218 917 002

Minicozinheiros
Até a pizza pode ser natalícia, defende a cozinheira Berenice, que dá cursos de culinária. Durante dois dias, os seus filhos vão descobrir como se faz musse de chocolate com suspiros e morangos e até a deixar no ponto a perna de peru. Antes de cozinharem, vão aprender
a escolher os melhores alimentos no mercado (pormenores online em http://minicozinheiros.blogspot.com/).
Preço €60
Horário: Das 10h às 17h
Idade: 6-10 anos
Duração: 21 e 22 e 30 e 31
Contacto: 919 177 177

Ciência

Animais
Sabia que nesta época os animais têm mais pelos? Se os seus filhos gostam de tudo o que meta bicharada, passar as férias no Parque Biológico de Gaia é o programa ideal. Na segunda semana vão observar os animais do parque a construir abrigos e até ajudá-los. Há bichos para todos os gostos: de esquilos a rãs.
Preço: €20 p/dia
Horário: 9h30 às 17h30
Idade: 6-15 anos
Duração: De 21 a 23
e de 28 a 30
Contactos: 227 878 137


Espaço
Preparem-se. É preciso responsabilidade e concentração para  construir um sistema de aterragem para uma sonda espacial. Mas no Pavilhão do Conhecimento vão encontrar tudo para fazer um egglander, ou seja, uma sonda em versão ovo. Esta e outras experiências são o que vai encontrar no ATL de Natal.
Preço €40 (1 dia);€80 (3 dias)
Horário: Das 9h às 18h
Idade: 6-12 anos
Duração: De 21 a 23 e 28 a 30
Contacto: 218 917 100


Flocos de neve
Embarcar num expedição científica para recolher amostras de flora local ou então produzir flocos de neve: actividades dignas de aprendiz de investigador. No Visionarium, em Santa Maria da Feira, há ainda um dia dedicado à informática e à produção digital de filmes.
Preço €25 p/dia
Horário Das 9h30 às 17h30
Idade: 6-12 anos
Duração: De 21 a 23 e 28 a 30
Contacto: 256 370 605

Artes de Palco

Teatro
A sua consoada inclui teatro infantil? Se a resposta for sim, encontrou aqui a melhor forma de transformar os seus filhos em artistas. O ateliê de expressão dramática da In Impetus, em Lisboa, vai dar-lhe as ferramentas da representação, jogos dramáticos e improvisações.
Preço €25 a €35
Horário: Das 9h às 13h
Idade: 6-16 anos
Duração: De 21 a 23 e 28 a 30
Contacto: 213 157 815


Música
É aquilo a que se chama um dois em um. No programa de Natal da Kindermusik, as crianças aprendem música e inglês. Trata-se de um curso de Iniciação à Música com direito a livros e a um instrumento musical. Os bebés até aos 18 meses vão descobrir ritmos com maracas e guizos. As crianças dos 2 aos 4 anos brincam com tambores.
Preço €40
Horário: 10h (45 minutos)
Duração: De 21 a 23 e 28
Idade: Até 18 meses e 2-4
Contacto: 962 340 218


Dança
Para os fãs de hip-hop esta é a melhor maneira de ocupar as férias. No Museu dos Transportes e Comunicações, no Porto, vão passar três dias ao ritmo do breakdance. Além dos movimentos básicos, como
o top rock, o foot work e o power moves, vão aprender
a história desta dança.
Preço €60
Horário: Das 9h30 às 17h30
Duração: 22, 23 e de 28 a 30
Idade: 6-14
Contacto: 223 403 000

Histórias

Pessoa para miúdos
Durante todo o ano, a Casa Fernando Pessoa tem actividades destinadas aos mais pequenos. Nestas férias, a oficina criativa de Natal vai trabalhar com o poema “Ó sino da minha aldeia”. Os miúdos vão explorar a obra
de Pessoa, brincar com as palavras e visitar a Casa.
Há poucas vagas, mas, se não conseguir marcar lugar, pode optar pelas aulas de piano ou pelos ateliês de arte, poesia e pintura.
Preço: Gratuito
Horário: Das 10h às 12h
Idade: 3-9
Duração: 21 a 23
Contacto: 213 931 270


Inventar fábulas
Durante três dias, os miúdos vão descobrir como se cria uma história e qual a melhor forma de a contar. A ideia da Culturgest, em Lisboa, tem como ponto de partir a obra de dois artistas plásticos belgas, Jos de Gruyter e Harald Thys. Além de inventarem uma história, vão ainda aventurar–se no vídeo.
Preço €28
Horário: 10h-13h
Idade: 6-10
Duração: 21-23
Contacto: 217 619 078

Desporto
Campo de férias com cavalos
Se já perdeu a conta às vezes que os seus filhos lhe pediram para ver cavalos ou para dar um passeio, esta é a altura indicada para responder ao apelo. O Centro Hípico da Quinta da Penha Longa, em Sintra, vai organizar um campo de férias. Já que não lhes pode comprar um pónei, durante estes dias os aprendizes vão sentir-se responsáveis pelos animais
e tratar da higiene dos bichos.
Preço €60 (semana)
Horário: Das 9h às 13h
Idade: 6-10 anos
Duração: De 21 a 24 e 28 a 30
Contacto: 917 267 511»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/37962-15-ideias-umas-ferias-natal-em-grande, a 17 de Dezembro de 2009, no Jornal I

Boas Férias e Boas Festas!

RT


Experimente Uma Visita aos Restaurantes Portugueses com Estrelas Michelin…São 12 Possíveis Escolhas…Bom Apetite!!

Dezembro 13, 2009

Hoje e por ser Domingo, trago uma lista que saiu num diário da nossa praça esta semana, tem como principal sugestão a degustação nos 12 restaurantes que possuem estrelas do famoso guia Michelin, passo a transcrever o artigo e a desejar boas refeições.

«Prove os 12 restaurantes portugueses com estrelas Michelin

Estas estrelas estão para a gastronomia como os Óscares para os filmes. Na cerimónia deste ano foram distinguidos 12 restaurantes em Portugal, a maioria no Algarve. Conheça cada um deles

1. Eleven
Era, até este ano, o único restaurante em Lisboa distinguido pelo guia Michelin. Se dissermos que em Barcelona há cerca de 30… dá que pensar. Joachim Koerper, o chefe do Eleven, sabe o que é preciso para chegar às estrelas. Tem 14 no currículo, desde 2005. Pratica cozinha de mercado, aproveitando o que há disponível em cada época. Este mês há um menu especial de trufas pretas. Vai pagá-las bem, mas a vista sobre a baixa de Lisboa ajuda a digerir os gastos.

Rua Marquês de Fronteira, Jardim Amália Rodrigues, Lisboa. 21 386 2211.

2. Amadeus
Tão austríaco no nome como na cozinha (do chefe Siegfried Danler-Heinneman), o Amadeus juntou-se ao lote de estrelas em 2006. Ajuda ficar em Almancil, vila que tem três restaurantes com a distinção. Neste caso premeia uma cozinha que combina a criatividade do chefe com a qualidade dos produtos da região. Com preços que começam nos 50€ por pessoa. E que podem acabar longe desse valor se abusar na garrafeira.

Escanxinas. Estrada Almancil – Quarteira. 289 399 134.

3. Fortaleza do Guincho
No percurso favorito para o passeio dos tristes de domingo, esconde-se um dos melhores exemplos de alta cozinha em Portugal. O responsável é o francês Antoine Westermann, outro daqueles chefes que por onde passa transforma tudo em estrelas. Neste restaurante (estrelado desde 2001) fá-lo com uma cozinha de luxo franco-portuguesa. As sobremesas justificam o agravamento da conta, que rondará os 60 a 80 euros por pessoa.

Estrada do Guincho, Hotel Fortaleza do Guincho. 214 870 491.

04. Tavares
Resistiu a revoluções, epidemias e crises económicas durante 225 anos para ser este ano premiado com a sua primeira estrela Michelin. Um objectivo assumido desde a renovação, em 2008, que trouxe José Avillez para a cozinha. Avillez combina sabores tradicionais com a experiência adquirida a trabalhar com Ferran Adriá no El Bulli de Barcelona. Experiência que se paga (apesar do Tavares já não ser rico) a 80 euros por cabeça ao jantar, ou metade disso ao almoço.

Rua da Misericórdia 35. 213 421 112

05. Henrique Leis
Outros estrelados de Almancil é o restaurante (homónimo) do chefe brasileiro Henrique Leis. Repete a distinção pelo nono ano consecutivo. A cozinha tem influências francesas, e, nesta época, inclui um menu de degustação à base das famosas trufas de Perigord. Para serem apreciadas na sala de Inverno do restaurante, decorada com pinturas da autoria do próprio Henrique. Os preços andam nos 70€ por pessoa.

Vale Formoso, Almancil. 289 393 438.

06. Il Gallo d’Oro
O restaurante gourmet do Cliff Bay Hotel do Funchal conserva este ano o galardão recebido em 2008. O principal culpado é o chefe Benoît Sinthon que aqui pratica uma cozinha de inspiração italo-mediterrânica, com uns toques tipicamente madeirenses. Não espere encontrar a espetada da terra mas sim uma salada de lavagante ou carré de borrego assado com moussaka de legumes.

Estrada Monumental 147. 291 707 700.

07. Willie’s
Willie Wurger é um daqueles alemães que chegaram ao Algarve no início dos anos 80 e por lá ficaram. Ajudou o restaurante São Gabriel a ganhar a sua primeira estrela Michelin e depois saiu para abraçar um projecto em nome próprio, distinguido em 2006. Onde serve criações como o ravioli de marisco com molho de vermute, ou sela de tamboril frito em molho de mostarda. A refeição fica nos €60 por pessoa.

Rua do Brasil, 2, Vilamoura. 289 380 849.

08. The Ocean
Uma das novidades entre os galardoados deste ano, o The Ocean é um dos oito restaurantes do resort Vila Vita Parc. Na cozinha repete-se a presença austríaca, com o chefe Hans Neuner. A inspiração francesa das receitas está perfeitamente ajustada ao universo Michelin, com uma ementa gourmet (à base de produtos nacionais) que muda todas as semanas. O cenário é bónus: um terraço com jardim de Inverno e vista marítima.

Alporchinhos, Porches. 282 310 100.

09. São Gabriel
Mais uma estrela em Almancil, mais um chefe internacional: Torsten Schulz. O alemão dirige desde o início do ano a cozinha do terceiro estrelado de Almancil. E teve o mérito de não perder a distinção (no restaurante desde 2004) o que costuma acontecer quando há mudanças na chefia dos restaurantes. No menu do chefe é possível provar lagostim norueguês sobre um agridoce de lentilhas pretas ou faisão cozido em vinho tinto com salada de cogumelos Portobello.

Estrada da Quinta do Lago (quilómetro 3,5). 289 394 521.

10. Villa Joya
Se ter uma estrela Michelin é uma honra rara em Portugal, ter duas é privilégio exclusivo do Villa Joya. Segundo os senhores inspectores este é o único restaurante em Portugal que justifica “um desvio à rota planeada”. Na cozinha está Dieter Koschina, um austríaco, mas à mesa não faltam produtos nacionais. Os menus de degustação custam entre 80 e 130 euros. Preços que assustam, mas não pagam uma refeição, antes uma experiência. Com duas estrelas.

Praia da Galé (Guia), Albufeira. 289 591 795.

11. Arcadas da Capela
É no hotel de charme Quinta das Lágrimas e conta com uma dupla de luxo na cozinha: Albano Lourenço é o chefe e Joachim Koerper (do Eleven), o consultor. A regra aqui também é a chamada cozinha de mercado, uma versão requintada da velha máxima “comer o que a terra nos dá”.

Rua António Augusto Gonçalves, Coimbra. 239 802 380.

12. Largo do Paço
O restaurante do hotel de charme Casa da Calçada recuperou o ano passado a estrela Michelin que lhe pertencera nos tempos do chefe José Cordeiro. E este ano manteve-a, mérito do jovem chefe Ricardo Costa e respectiva equipa. A gastronomia é típica do alto Douro, com o refinamento que a Michelin exige.

Largo do Paço, 6. 255 410 830. »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/36973-prove-os-12-restaurantes-portugueses-com-estrelas-michelin, a 11 de Dezembro de 2009, no Jornal i

Boas Refeições!

RT


Ofereça Experiências Neste Natal…Um Presente Cada Vez Mais Valorizado…Vale a Pena Espreitar…

Dezembro 10, 2009

Exemplo de Um Destino Fonte: http://www.presentenamorado.com

No encadeamento que tenho vindo a apresentar nos últimos tempos, e alusivo à época natalícia, trago mais uma sugestão de presentes para oferecer a quem mais gostamos no Natal, como tal, trago uma ideia inovadora, a qual hoje vou tecer um comentário, para poder diluir algumas dúvidas relativamente ao conceito.

«Natal. A nova moda é oferecer experiências em pacote

Mercado liderado por A Vida é Bela disparou em 2009, apesar da crise, e deverá valer mais de 16 milhões de euros

Noites em hotéis de charme, massagens de hora e meia com chocolate, tratamentos de caviar para as mãos, spa para cães, provas de vinho, bungee-jumping. Vale tudo para oferecer uma “experiência” pelo Natal, em vez de comprar um CD, um livro ou o tão famoso pacote com seis pares de meias.

A ideia é dar um presente personalizado e ao mesmo tempo permitir que a pessoa escolha onde, quando e como quer desfrutar da sua oferta. Oferecer serviços em vez de produtos está tão na moda que o mercado disparou em 2009 – só a líder A Vida é Bela vai aumentar a sua facturação dez vezes, passando de 600 mil euros de vendas em 2008 para oito milhões este ano, contabilizando apenas o canal de distribuição. Trata-se de uma moda ou de um novo mercado? António Quina, fundador de A Vida é Bela, acredita que este é um novo segmento. E veio para ficar.

“Os livros e os perfumes não são moda”, considera o responsável, defendendo que também os presentes-experiência não vão desaparecer. “Para dar uma prenda a alguém, precisa de conhecer profundamente a pessoa. Saber o que tem em casa, para não repetir”, frisa António Quina. É por isso que os presentes-experiência descomplicam a tarefa.

O sucesso deste novo segmento reflecte-se no número cada vez maior de players no mercado. Além d’ A Vida é Bela, marca portuguesa que também opera em Espanha e no Brasil, estão presentes a Smartbox (líder mundial), a Pulso, a Odisseias e, mais recentemente, a Lifecooler. O alargamento só prova uma coisa: os portugueses adoram dar experiências em caixas coloridas.

“As pessoas seleccionam cada vez mais os presentes”, indica Francisco Gomes, director de marketing da Lifecooler, “porque não se podem dar ao luxo de comprar coisas que não agradem”. Ou seja, em tempos de crise, os presentes-experiência constituem uma alternativa muito mais procurada – principalmente nas gamas de baixo custo. A Lifecooler, conhecida por ter o portal de turismo e lazer mais popular em Portugal, decidiu lançar o Coolgift, porque percebeu que este é um mercado explosivo. Por já ter chegado tarde, a empresa decidiu abranger segmentos que não estavam a ser cobertos – por exemplo, com a oferta “Quatro patas”, para animais de estimação, com o “pacote sexy”, para casais, e com o “pack júnior”, para crianças dos quatro aos 12 anos. “O preço médio dos nossos pacotes é mais baixo”, indica ainda Francisco Gomes, que estima em 30 milhões de euros o potencial do mercado português em 2010. É bastante menos que as contas d’A Vida é Bela que detém cerca de 70% do mercado e no próximo ano quer já facturar um valor próximo dos 30 milhões, alcançando os 100 milhões no ano seguinte.

Enquanto isso, a tendência é para a diversificação do mercado, com mais ofertas e experiências de nicho. A Pulso, marca da agência de viagens Geotur/Star, nota que o preço está também a ter um papel mais forte, com grande procura das experiências low-cost. “Percebemos que as pessoas procuram oferecer algo que marque a diferença”, indica Ana Silva, gestora de produto da Pulso. Ou seja, em vez de comprar produtos, “oferecer emoções”.»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/36586-natal-nova-moda-e-oferecer-experiencias-em-pacote, a 09 de Dezembro de 2009, no Jornal i

O meu comentário:

Penso que os portugueses estão a sofrer uma mutação de comportamentos, o que já era de se esperar, pois tendencialmente caminhamos para um país onde passados de bens tangíveis para bens intangíveis, ou seja, deixamos de nos centrar apenas em coisas materiais e passamos a usar mais serviços.

A questão das prendas serem tangíveis, torna-se complicado, e como na peça enumera, na medida em que, as pessoas tem que conhecer muito bem a pessoa, e saber tudo que ela tem, para poder oferecer algo, original, e que a pessoa não possua, pois bem, como os estilos mudaram, são bem mais acelerados que à 10 anos, e as pessoas tem posturas diferentes, infelizmente, não passam tanto tempo como no passado juntas, logo o conhecimento tem tendência a desvanecer-se e a tornar-se incipiente, então porque não oferecer experiencias, momentos que a pessoa possa ser apanhada de surpresa, e seja obrigada a concretizar.

A ideia deste tipo de experiencias e consequentemente turismo, na minha óptica tem tendência a crescer, pois as pessoas, são cada vez mais informadas e cultas, e têm cada vez, mais apetência para novas experiencias, para conhecer novos lugares, etc. Como tal, penso seja sempre interessantes presentes deste tipo, pois enriquece a pessoa, espiritualmente e culturalmente, ficando logicamente, mais rica.

Economicamente, penso que ficam a ganhar as empresas enumeradas na peça, mas essencialmente o turismo, e as organizações das áreas onde são alto de servucção.

Penso que seja, uma excelente forma de dar a volta à tão flamejada crise, e como tal, ao fazer com que as pessoas, gostem das experiências, certamente as mesmas, vão querer repetir a compra, ou mesmo, aderir a outra experiência, de tal forma, que até vão recomendar a outras pessoas, ou mesmo, oferecer um presente do género a outra pessoa; sabe-se que um cliente satisfeito, é dos melhores veículos de informação ao serviço do Marketing.

Penso que, estas organizações acima mencionadas na peça, apresentam as ideias bem definidas, e têm tendência para crescer, e para se tornaram eficazes, dando desta forma, um forte contributo, para a intangibilidade dos presentes, o que pode vir a num futuro, não tão remoto, a abrir a possibilidade de podermos oferecer presentes a quem mais gostamos, e apesar de podermos não estar tão presentes na vida das pessoas, basicamente, podemos dar presentes, sem termos que estar com essa pessoa fisicamente, o que se abre aqui, um novo nicho de mercado, a que se puder um dia contribuir na sua exploração, terei muito gosto.

É mais uma ideia para um presente neste Natal, uma ideia que pode servir para elucidar as pessoas no que vão oferecer às pessoas que mais gostam, penso que seja um presente original, e algo, que com certeza vai surpreender muitas pessoas.

Deixo a Questão: Tenciona oferecer «experiências» como presente de Natal ?

Tenho Dito

RT