Como Poupar Nas Compras Lá Para Casa…Veja Onde Neste Momento É Mais Barato…

Onde Comprar Mais Barato.... Fonte: http://www.hunkstreets.com

Hoje trago um artigo interessante, pois pode ajudar nas poupanças mensais, e com grande retorno ao final do ano…

« Pode poupar 500 euros, se escolher o supermercado mais barato

A PROTESTE visitou 578 lojas de todo o país para ajudar a poupar nas compras e revela onde se encontram os preços mais mais baixos na grande distribuição em Portugal. Dos 50 supermercados mais baratos, apenas 12 se encontram no sul do país.

A revista dos consumidores analisou 64 950 preços para 3 cabazes: um com 100 produtos de características definidas, destinado a quem privilegia as marcas do fabricante; outro com 81 produtos, a pensar em quem escolhe o mais barato; e outro com 59 produtos apenas de marca própria das superfícies (marca do distribuidor). Na avaliação global, os preços mais baixos moram nas lojas dos Mosqueteiros e do Continente.

Para encher o carrinho do cabaz 1, há cinco vencedores com o título de cam­peão dos preços mais baixos: quatro do grupo Os Mosqueteiros (Ecomarché, de Vila Pouca de Aguiar, e Intermarché de Ferreiras, Portalegre e Torres Novas) e um Continente Modelo, de Esposende. A 2.ª posição é ocupada por cinco lojas dos Mosqueteiros, acompanhadas por um Continente e outro Continen­te Modelo. Mais três lojas do Intermarché arrebatam a 3.ª posição, acompa­nhadas pelo Jumbo, de Rio Tinto.

Na guerra dos preços baixos, a PROTESTE destaca o domínio do Norte e Cen­tro do País: “dos 50 supermercados mais baratos, apenas 12 moram no Sul”, conclui. Entrar na morada certa vale centenas de euros no seu orçamento. Por exemplo, para uma despesa mensal de € 150 na cidade de Lisboa, quem com­pra no Japão (R. Morais Soares) gasta mais € 404 por ano do que se escolher o Continente Bom Dia (R. Agostinho Neto).

No confronto por cadeias, as várias insígnias do Continente e Ecomarché arrasam a concorrência no cabaz 1. Isolada a liderar no cabaz 2, a cadeia Eco­marché é a melhor opção. Já para o cabaz 3 as marcas próprias das diferentes cadeias pautam-se por não apresentarem uma grande diferença de preços. Ainda assim, Continente e Pingo Doce são os campeões.

Os produtos com a marca do distribuidor permitem, em média, uma pou­pança de 30% face às marcas do fabricante. A poupança atinge 38% na ca­deia Minipreço, mas fica-se pelos 26% nas lojas Supercor.

Veja mais na Proteste

@SAPO

*Este artigo foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico.* »

In: http://noticias.sapo.pt/info/artigo/1188713.html#page=1, a 26 de Setembro de 2011, em Sapo Notícias.

RT

Anúncios

Passou Mais Um Natal…Começaram Os Descontos, Conheça Onde Estão Aqui Os Melhores…

Descontos Após Natal... Fonte: http://www.ionline.pt

Começaram ontem, mas hoje ainda estão em vigor e estarão nos próximos dias, e quiçá nos próximos meses.

«Jesus já nasceu. Podem começar os sald… perdão, as promoções

Lojas e produtos que vão estar em promoção a partir de amanhã. Roupa, electrónica, livros, móveis… tudo com descontos que podem ir até aos 50%

Quando lhe dizem “Não vale a pena comprar agora porque no dia a seguir ao Natal entra tudo em saldos”, estão a induzi-lo em erro. O frenesim que invade as lojas logo depois do Advento deve-se, de facto, às reduções de preços. Mas, para que não haja confusões, essas reduções não são saldos, são antes promoções.

Funcionam de forma igual e servem o mesmo propósito, mas ditam as regras de mercado que tenham definições distintas. A DECO explica: “Os saldos só ocorrem em duas épocas, de 15 de Julho a 15 de Setembro e de 28 de Dezembro a 28 de Fevereiro. Nas restantes alturas, as lojas apenas podem fazer promoções ou liquidações.”

Seja como for, abra já os cordões à bolsa que amanhã começa a festa dos preços baixos. Em todo o lado. Dois dias de descontos agressivos que antecipam os dois meses mais esperados do Inverno. Comece já a deitar contas à vida e siga o nosso roteiro low cost.

El Corte Inglés

Black Friday

Pelo terceiro ano consecutivo, o ECI segue o exemplo americano e lança a Black Friday fora de época. A campanha arranca amanhã às 10h e mantém-se até ao final do dia seguinte, com descontos até 50% em todas as secção da loja. Porque a ideia é estimular as compras entre o período do Natal e a abertura oficial dos saldos (a 28 de Dezembro), durante a campanha são lançadas promoções-surpresa – tipo “happy hour” – em peças seleccionadas no dia. Estas estão limitadas ao stock existente e prometem acabar tão depressa como apareceram. Material tecnológico, acessórios de senhora e artigos de decoração marcaram a preferência dos clientes nas últimas edições. Se andou o ano inteiro a sonhar com algum destes produtos, aproveite agora.

Lisboa

Avenida António Augusto Aguiar.

Telefone: 213 711 700

Porto

Avenida da República, 1435, Vila Nova de Gaia Telefone: 223 781 400

Ikea

Coisas bonitas para a casa

O novo ano vai trazer aquela necessidade de dar uma volta à casa. Seja na compra de móveis novos seja na renovação dos panos de cozinha, um styling decorativo é sempre bem-vindo. Daqui a dois dias começam os saldos (ou Knut, na Suécia), que abrangem a totalidade de produtos da marca, mas até lá está em vigor uma campanha que oferece, até 27 de Dezembro, 20% de desconto em vale Ikea na compra de uma mesa e cadeiras para espaços de refeição. Os membros Ikea Family podem ainda usufruir a partir de dia 26 de 70% de desconto numa gama variada de produtos.

Em Alfragide, Loures e Matosinhos, ou em http://www.ikea.pt

Blanco

Ano novo, roupa nova

A marca de roupa espanhola funciona todo o ano em regime “off-season”. Isto é: não raras vezes a Blanco destina um dos cantinhos da loja aos itens que tiveram pouca procura nas estações respectivas. O escoamento de stock obriga a que os preços desçam para metade até à entrada da colecção seguinte. Não são saldos nem promoções, é apenas uma questão de estratégia. A oferta vai aparecendo ao longo do ano e tem só uma desvantagem: os tamanhos disponíveis variam entre o muito muito pequeno e o muito muito grande. Intermédios não há. Para isso, é preciso esperar pelos saldos.

Centro Comercial Dolce Vita Tejo, loja 1127 Telefone: 214 785 586

Worten

Geek fun

Chama-se “Natal Entretenimento” e é a campanha promocional da Worten para videojogos, consolas, gadgets para consolas, filmes em DVD e álbuns de música seleccionados. Só para ter um exemplo, o kit PS3 com o jogo Assassin”s Creed fica por 349€. Para recuperar a forma depois da festa, pode sempre optar pela Wii Fit+jogo, por 79,90€. Mas se a sua praia for mais jogar à bola (ainda que de forma virtual), o PES 2011 está a 39,90€. Mas só até ao dia 28 de Dezembro.

À venda em todo o país ou em http://www.worten.pt

Bertrand

Ler é o melhor remédio

É uma espécie de mix entre promoção e saldos que cruza ambas as épocas (e de forma generosa). Até ao próximo dia 31 de Dezembro a Bertrand oferece um vale de 5€ por cada encomenda online igual ou superior a 15€. O vale pode começar a ser descontado a partir de 1 de Janeiro e até 28 de Fevereiro (data que assinala o fim dos saldos), em compras que ultrapassem o montante de 25€.

Para aceder à promoção:

http://www.bertrand.pt

Telefone: 707 315 000 »

In : http://www.ionline.pt/conteudo/95328-jesus-ja-nasceu-podem-comecar-os-sald-perdao-as-promocoes, a 26 de Dezembro de 2010, em Jornal I

Aproveitem os Descontos!!

RT

Lojas Exclusivas da Cidade do Porto…Neste Momento São 4…Venha as Conhecer…

Loja Adidas na Cidade do Porto Fonte: http://www.ionline.pt

Hoje e por ser Sábado, trago sugestões de lojas que só existem para já na cidade do Porto, e que são grandes marcas de prestigio, passo a transcrever a peça jornalística, e como se trata de uma publi reportagem, não vou tecer nenhum comentário à mesma.

«Quatro lojas que só existem no Grande Porto

Se alguém lançasse a pergunta “o que é que o Porto tem?”, esta poderia ser uma das respostas: tem espaços que não existem em mais lugar nenhum do país. Propomos-lhe uma viagem exclusiva pela Invicta

1. Adidas Originals

Quando, há quase 90 anos, Adolf Dässler começou a produzir ténis na companhia do irmão Rudolph, dificilmente imaginaria duas coisas. A primeira, que a sociedade não duraria muito tempo. Bastaram 20 anos para os irmãos se zangarem e Rudolph formar a (ainda hoje) rival Puma. A segunda, que em 2010 a sua marca estaria avaliada em quase 4 mil milhões de euros e presente em mais de 200 países. Portugal é um deles, mas com uma particularidade. É que a única loja Adidas Originals, a vertente da marca dedicada às colecções inspiradas no passado, está no Porto. Lá dentro encontram-se os produtos clássicos, os ténis Adicolor, os modelos Superstar ou os casacos inspirados nos fatos-de-treino dos anos 70. Sempre com o famoso trevo que serviu de logótipo até ao início dos anos 90.Rua Rodrigues Sampaio, 176, Porto. Tel: 223 324 253. Segunda a sábado das 11h00 às 20h00.

2. Ach Brito

O nome denuncia a origem alemã, mas a verdade é que os sabonetes Ach Brito nasceram no Porto, em 1887, e daí nunca mais saíram. Hoje nas bocas do mundo – incluindo na de Oprah Winfrey, que não lhes poupou elogios -, os sabonetes da marca estão à venda nas melhores lojas nacionais e internacionais, mas é em Fajozes, Vila do Conde, que eles se podem comprar ainda mais perfumados. Tudo porque é aqui que são fabricados e embrulhados no bonito papel vintage que apetece coleccionar. A loja da fábrica não é amiga de quem trabalha – está aberta das 10h30 às 16h30 e fecha para almoço – mas é uma autêntica montra de todos os produtos da Ach Brito, da recém-adquirida e ex-rival Confiança aos luxuosos sabonetes da Claus Porto. Rua de Castelões Sul, 346, Vila do Conde. Tel: 229 289 821. Segunda a sexta das 10h30 às 12h30 e das 14h30 às 16h30.

3. Café Kitty Sweet

Os individuais nas mesas são a cara da Hello Kitty. As canecas que trazem o café e o chá também. E até as torradas têm a forma da cabeça da gata mais famosa do mundo. O Café Kitty Sweet fica dentro da Boutique Joy – Hello Kitty Luxe Boutique, junto à Casa da Música, e é uma perdição para os fãs da gata japonesa. Decorado em tons de cor-de-rosa e preto e situado num recanto confortável da loja especializada nos produtos da personagem mais famosa da Sanrio, o café tem tudo mas mesmo tudo relacionado com a felina, incluindo os bolos. Tão bom tão bom que até para os anti-Kitty é um sítio recomendável: sempre podem arrancar a cabeça da gata à dentada. Avenida da Boavista, 746, Porto. Tel: 226 053 932. Segunda a sábado das 10h00 às 19h30.

4. Virgin Active

O Império do senhor Virgin ou, se preferir Richard Branson, é vasto. Hotéis, aviões, foguetões, cruzeiros, telecomunicações, associações humanitárias e ginásios. São 170 clubes no mundo inteiro e o Porto é (por enquanto) o detentor do único existente em Portugal. Mas só até Fevereiro, altura em que Vila Nova de Gaia receberá o segundo ginásio Virgin Active do país (e será mega: 4 mil metros divididos por quatro pisos). O motivo do sucesso destes ginásios explica-se com o conceito que envolve toda a marca Virgin: uma óptima relação qualidade-preço, preocupações ambientais e uma cultura positiva.Centro Comercial Porto Gran Plaza, Rua Fernandes Tomás, 506 – 3.º Piso, Porto. Tel: 223 402 060. »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/44260-quatro-lojas-que-so-existem-no-grande-porto, a 29 de Janeiro de 2010, no Jornal I

Boas Compras!

RT

Excelentes Oportunidades Nos Leilões…Como Por Exemplo, Um Apartamento a Apenas 1€…

leiloes

Boas Oportunidades em Leilões.... Fonte: http://www.dutrafer.com.br

Por ser sábado, deixo hoje aqui uma boa sugestão e para aproveitar no dia de hoje, passo a transcrever a notícia, mas não vou tecer nenhum comentário à mesma, pois trata-se somente de uma divulgação.

« Quem quer um apartamento por 1 euro?

Nos leilões Oportunity há de tudo. Carros, casas, jóias, berloques, lençóis de cama e até uma ilha no Tejo. Hoje e amanhã há novas oportunidades. A partir de… um eurito

São mais conhecidos como os leilões de um euro, porque esta é a base de licitação de todos artigos, independentemente de ser um apartamento ou uma jarra de porcelana vinda directamente da casa da avó. Nem todas as licitações se ficam por um dígito, mas fazem-se por ali óptimos negócios. Aliás, para quem está habituado a estas lides dos leilões, a passagem pelos leilões Oportunity é obrigatória de dois em dois meses. A audiência é tão variada como os lotes a leilão, há de tudo: amadores, profissionais e curiosos. Os mais experientes sabem ao que vêm, uns em busca de pechinchas, outros de alguma obra de arte que tenha passado despercebida entre as centenas de lotes e que possa valer um bom dinheiro mais tarde. Há também quem procure móveis antigos como mesas de costura ou rádios antigos para compor um estilo decorativo tão em voga em cafés, restaurantes e lojas modernas. Nos dias de leilão é certo que há casa cheia. Muitas vezes é preciso a presença da polícia, não para acalmar os ânimos, mas para remover viaturas mal estacionadas. Novidades não faltam: assim que termina um leilão, outras tantas peças estão prontas para ocupar o armazém, quase do tamanho de um campo de futebol. “Mais espaço houvesse e mais peças iriam a leilão”, conta Francisco Gallego, responsável da Oportunity que já conta com uma larga experiência neste negócio. “Já o meu avô fazia leilões”, diz. No top das vendas estão o ouro, a prata e quadros de artistas consagrados. Já foram vendidos cerca de cinco Cargaleiros autênticos. “Tudo se vende, com crise ou sem ela”, refere o leiloeiro. Normalmente os lotes que atingem valores mais elevados são os imóveis, mas há quem vá para casa sem gastar mais do que dois euros. As peças que aparecem em leilão têm proveniências distintas. A maioria é entregue por pessoas que as querem vender, mas há também um trabalho da equipa Oportunity que anda na rua a falar com empresas e outros potenciais interessados. No leilão que se realiza hoje e amanhã há muitos bons motivos para fazer uma visita à sede da Oportunity em Odivelas. No topo da lista estão dois apartamentos no Algarve, um em Portimão e outro na Praia da Rocha, seguidos de um José Malhoa original de 1903, mas o diamante de cerca de 3,5 quilates e a barra de ouro fino também têm o seu interesse. Noutro campeonato, encontram-se revistas de coleccionador, um serviço SPAL de café, um lote de mesas de jantar estilo império ou um livro de Jorge Amado autografado pelo próprio. Se algum destes lotes lhe despertou o interesse, registe-se neste site, passe os olhos pela listagem interminável e dirija-se aos leilões com a sua melhor oferta, hoje e amanhã a partir das 14h00. Rua Heróis de Chaimite, 7 R/C, Odivelas. Tel: 219 388 262 »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/31487-quem-quer-um-apartamento-1-euro, a 06 de Novembro de 2009, no Jornal I

Votos de Bom Fim Semana

RT

Marcas Brancas Atingem Todos as Famílias Portuguesas….

Marcas de Insignia

Marcas de Insignia

Trago hoje uma notícia sobre as marcas de insígnia, passo a transcrever a referida notícia, seguida de um comentário:

«Marcas próprias estão em 100% dos lares

Todas as famílias portuguesas têm pelo menos um produto de marca própria dos supermercados nacionais. Em cada 100 euros gastos pelos portugueses, 33 são em artigos de marca branca

Os produtos de marca própria já chegam a todos os lares portugueses. Ou seja, segundo a TNS Worldpanel, empresa de estudos de mercado, todas as famílias compram pelo menos um artigo deste tipo. No entanto, a quota de mercado destes produtos é de 33%. Isto significa que em cada 100 euros de compras 33 são gastos em artigos com a marca dos supermercados.

Quanto à penetração das marcas brancas de cada supermercado, os produtos do Lidl são os mais presentes nos lares portugueses. Segundo os dados da Worldpanel, que analisa uma amostra de três mil lares nacionais, a cadeia de supermercados alemã tem uma taxa de penetração de 67,8% nos primeiros nove meses de 2009, ou seja, os seus artigos marcam presença na maioria dos lares nacionais.

O Pingo Doce, supermercado da Jerónimo Martins que tem apostado bastante em marcas próprias – produtos com preços mais baixos que os dos fabricantes -, está praticamente ao mesmo nível, com 64,9%. Em terceiro lugar estão os artigos do Continente, com 55,9%, e em quarto o Minipreço, que está presente em 53,6% dos lares nacionais com a marca própria Dia.

O Modelo, rede de supermercados da Sonae, tem uma penetração de 45,2%, seguido pelo Intermarché, com 41,6%, e do Jumbo, com 29,5%, segundo dados da Worldpanel.

O grande crescimento dos produtos dos supermercados ocorreu nos últimos dois anos, com as marcas próprias a subirem 6,2 pontos percentuais no primeiro semestre de 2009, quando comparado com o mesmo período de 2007. Apesar de serem os discounts – supermercados como o Lidl ou o Minipreço – os responsáveis pela maioria das vendas destes artigos, com 59,8% no primeiro semestre, o grande crescimento ocorreu nos hiper e super – como o Continente ou o Pingo Doce -, com 30,2 e 27%, respectivamente. No mesmo período de 2007, estas cadeias registavam 20,5 e 18,4%.

O crescimento destes artigos ocorreu maioritariamente devido à crise económica, com os portugueses a reduzirem as suas despesas fora de casa e a concentrarem os seus gastos em alimentação. Com a retoma da economia é expectável que o aumento do consumo destes produtos desacelere.»

In: http://dn.sapo.pt/inicio/economia/interior.aspx?content_id=1391958, a 18 de Outubro de 2009, no Diário de Notícias

O meu comentário:

Estes produtos são tecnicamente denominados de produtos de marca de insígnia, são produtos fabricados por produtores de outro produto, no entanto, colocam a insígnia do hipermercado, o hipermercado como compra em grandes quantidades, tem preço mais baixo, e como, tem custos reduzidos, o preço nas prateleiras é inferior ao das marcas.

Este tipo de produtos, funcionam nos supermercados e hipermercados, como sendo um produto isco, ou seja, tem como missão de atrair clientes para o supermercado, chamando, essencialmente, com o apontar para a variável preço.

Não me espanta, que pelo menos em casa de cada família, existam um produto de marca de insígnia, pois são produtos, geralmente com qualidade muito semelhante a produtos de marca, no entanto, como têm menores custos inerentes ao fabrico e armazenagem do produto, conseguem ter um preço bastante mais competitivo na prateleira da cadeia comercial.

Ultimamente, tem sido feito analogia com este tipo de produtos, mas aplicados às empresas revendedoras de combustíveis, onde a guerra de gasolineiras estão ao rubro, sendo que as marcas de insígnia, são as que possuem em preços competitivos, pois segundo estudo de uma entidade nacional, as marcas de insígnia vendem o combustível, a menos 10 cêntimos que as gasolineiras de marca.

Embora, digam que a qualidade destes produtos é inferior, a verdade é que na maior parte das vezes, a qualidade é igual aos produtos de marca, tem é somente um rotulo por fora diferente, e caso, assim não fosse, teríamos de pensar, as marcas a produzir, não possuem linhas de produção de 1ª, nem linhas de produção de 2ª, e caso tivessem, era muito dispendioso, manter essas duas linhas de produção, e mesmo, a grande superfície comercial, pode mesmo querer mudar de fornecedor.

Penso que, muito se tem corrido em especulação, no sector alimentar, existe bastante, e existem também, margens de lucro muito grandes, em muitos casos acima dos 100%, para o preço unitário de fabricação.

A Alimentação, sendo um bem essencial à vida, é para onde têm que ser obrigatoriamente, canalizado, grande parte dos orçamentos familiares, e como tal, muitos dos portugueses, descobriram que algumas marcas de insígnia, têm qualidade e comparam os mesmos, com produtos de marca, chegando mesmo, em alguns casos a descobrir a marca que fabricou o produto para a cadeia de distribuição.

Com a subida do nível de vida, vai ser um desafio para as cadeias de distribuição para conseguirem manter as vendas dos produtos de insígnia, e fidelizar os consumidores.

Na minha opinião, penso que as vendas dos produtos de insígnia, com o afastamento da crise, vão decrescer um pouco as vendas, no entanto, vai manter algum publico fiel, pois podem desta forma poupar alguns recursos financeiros, e aproveitar essa mesma poupança, para a canalizar em bens mais duradouros, como a compra de electrodomésticos, automóveis, etc, essencialmente fazerem miminhos a si próprios.

Espero que as famílias essencialmente, tenham aprendido com a crise que nos assolou, e como tal, tentem ter um meio-termo, na maneira de como é gerido o orçamento familiar, e que saibam escolher as coisas, com peso e medida.

Deixo a Questão: Que Opinião tem Sobre as Marcas de Insígnia?

Tenho Dito

RT

Como Fazer Boas Compras nos Saldos…

Saldos

Porque Hoje é Domingo, um óptimo dia para se ir aos centros comerciais em busca de pechinchas, deixo um bónus, um manual de orientação para os saldos, estes começaram no dia 15 do corrente e vão nos acompanhar até dia 15 de Setembro de 2009, deixo também um comentário ao respectivo manual

« Manual de orientação para os saldos

Mesmo sendo tudo mais barato, pode acabar por gastar fortunas em artigos que não precisa. O período de saldos de Verão arranca oficialmente esta quarta-feira, 15 de Julho, e termina a 15 de Setembro. As promoções já começaram há muito em algumas lojas, e com descontos agressivos, mas outras cumprem escrupulosamente a lei e só esta semana vão reduzir os preços.

Antes de iniciar esta longa «viagem» por dezenas de lojas à procura dos melhores artigos, leve consigo uma mão-cheia de bom-senso e siga algumas recomendações que aqui lhe deixamos.

Antes de mais, lembre-se que comprar nos saldos significa adquirir mais barato, mas continua a gastar dinheiro, por isso, «visite» os armários lá de casa com dias de antecedência, veja o que é preciso, faça uma lista e estabeleça um limite do que pode ou está disposta a gastar por cada peça.

Já que está a inspeccionar os armários, ponha de parte o que não usa e dê a quem precisa. Há uma boa regra que pode seguir: se não usa há mais de três anos, há poucas probabilidades de usar no futuro. Se mantém o 34 no armário e agora usa o 38, lembre-se que é pouco provável que o tempo volte tanto atrás e, se isso acontecer, certamente essas peças já não serão do seu gosto. Outra hipótese é reciclar e tornar a roupa antiga de novo usável antes de comprar mais do mesmo.

Descobriu peças que comprou em saldos anteriores e nunca usou? É natural. Mais uma razão para seguir a lista e comprar apenas o que precisa. Esta pode ser também uma boa altura para comprar um vestido para um casamento que vai ter dentro de alguns meses. Ponha na lista.

Atenção à publicidade nas montras. O facto de dizer «até menos 60%» (ou outro valor) pode ser muito enganador e haver apenas um ou dois artigos com esse desconto. Confira o preço anterior com o preço actual para ver quanto poupa.

Outro alerta: experimente. Pode ser muito giro, mas ficar-lhe muito mal. Além disso, as trocas não são obrigatórias em época de saldos, apesar de normalmente as lojas o fazerem por cortesia.

Mas saldos não significa só de roupa, calçado e acessórios, também há saldos de têxteis-lar, mobiliário e até electrodomésticos.

90% das queixas estão relacionadas com trocas

A DECO recebe cerca de duas ou três dezenas de reclamações por ano, muito menos do que há uns anos atrás, e cerca de 90 por cento estão relacionadas com trocas. «Normalmente o comerciante não quer trocar. E se o produto não tiver defeito, não é obrigado, mas nós defendemos que se a loja habitualmente troca, devia fazê-lo sempre», explica Graça Cabral, desta associação de consumidores.

Esta responsável lamenta ainda que muitas pessoas fechem os olhos e não se queixem. A melhor forma de acabar com estes abusos, diz, é denunciar e fazer valer os seus direitos.»

In: http://www.agenciafinanceira.iol.pt/noticia.php?id=1072859&div_id=1730, em agência Financeira, a 15 de Julho de 2009

O meu comentário:

Penso que se perde muito facilmente a cabeça, em tempos de saldos, muito por sabermos que os bens estão mais baratos, mas especialmente pelas belas campanhas originadas pelo Marketing. Esta sim, é o grande responsável pelas percas de cabeça das pessoas, não só pelas apelativas campanhas comunicacionais, vulgarmente denominadas de publicidade, mas pelos preços, que já estariam estipulados serem praticados, após termos atingido o break even point.

Deixemos os tecnicismos de lado, e analisemos que este manual, deve ser entendido, como basicamente, um planeamento do que realmente se necessita, e desta forma, fazer as denominadas compras racionais, ou seja, comprar estritamente o que se necessita, a bons preços.

Podemos também se necessitarmos antecipar necessidades, tais como comprar um fato para uma cerimónia, ou mesmo para usar daqui a uns meses, sendo que é um exemplo, bem conseguido de uma compra racional.

Deve-se também estar atentos, às campanhas das lojas, pois pode acontecer que a redução, não seja bem na percentagem que esta a ser divulgada, é conveniente, verificar mesmo se a mesma está bem colocada, ou então, verificar se os produtos não foram inflacionados, anteriormente, e depois colocados em saldos, que são autênticas falsidades, de forma a iludir os clientes mais incautos.

Em caso, de ser detectada alguma irregularidade, devemos reclamar diante das autoridades competentes, pode não servir de nada para nós, mas pode ajudar outros clientes, e um dia se outros, em outros casos, fizerem o mesmo, nós vamos ganhar com isso.

Penso que os saldos, são óptimos para escoar as roupas das colecções transactas, no entanto, caso não existissem, poderíamos dizer que se continuaria a comprar a preços altos, ou seja, de pré maturidade do produto, e como tal, iria ser originado um lucro acima do previsto; devemos ter a noção que apesar de ser saldo, os artigos vendidos neste época, ainda libertam lucro, na mesma proporção que quando foram colocados à venda, ou mesmo, publicitados, pois com o atingir da maturidade, e com o começo do declínio do mesmo, os custos baixam, e como tal, o lucro para ser constante, tem que obrigar o preço a baixar também, dando origem aos saldos. Relembramos, que os saldos são aplicáveis a produtos geralmente da moda, ou seja, que tem uma sazonalidade própria, consoante sãs estações do ano, agrupadas em 2 tipos Outono-Inverno, e Primavera-Verão, por serem 2 grupos bastante heterogéneos entre si, dão origem à sazonalidade e consequentemente aos saldos.

O meu conselho é, bom planeamento ajuda bastante, compras racionais e tentar encontrar o melhor preço para a qualidade, o ideal é não comprar ao primeiro impulso, mas pesquisar as lojas mais habituais e ver os diferentes preços, e as peças comuns ou sucedâneas, e as que ficam melhor ou mais gostamos, e posteriormente, realizar então a compra denominada de racional.

Boas Compras e Bons Negócios!

Tenho Dito

RT