Feliz Dia de Natal…

Desejo um Feliz Natal, agora que estamos no dia 25 de Dezembro, num clima de paz e em família, já todos sabemos as nossas prendinhas, um excelente dia de Natal…

Natal 2009

RT

Anúncios

Musica Para Oferecer Este Natal…Existe Para Todos os Gostos…Espreitem…

A menos de 48 Horas da Grande Noite de Natal, trago, a sugestão em termos de música, para este Natal, passo a transcrever o artigo, e como é obvio não vou tecer nenhum comentário. Boas Escutas e Boas Compras

« Cheque disco, cheque-mate: Dez presentes para o Natal

Compre à vontade e não peça talão. Estes ninguém troca. O i escolheu dez dos melhores exemplares da colheita discográfica de 2009. Porque não há nada mais impessoal que oferecer um cheque-disco, aqui fica uma lista de escolhas seguras – como os certificados de aforro, antigamente

01. Animal Collective – Merriweather Post Pavilion Já era um dos discos do ano e a primeira audição de “My Girls” ainda não tinha terminado. O primeiro single de “Merriweather Post Pavilion” era suficiente para garantir aos Animal Collective um lugar em qualquer lista. Mais um exemplo de música incatalogável e universal.

Oferecer a: A música dos Animal Collective é como os Lego: toda a gente quer e gosta de brincar com ela.

02. The xx – xx Estes garotos londrinos fizeram um dos discos mais maduros do ano. Canções que encaixam na prateleira “adult – alternative” e que surgem comparados aos The Cure, Portishead ou Interpol. Conquistaram as ondas de rádio mais alternativas e o coração de gerações distintas.

Oferecer a: Aquele tio que diz “nos anos 80 o Bairro Alto é que era” e a todos os que estão a vencer a puberdade.

03. Grizzly Bear – Veckatimest A banda americana abusou nas consoantes ao escolher o nome de uma ilha minúscula em Cape Cod, EUA, para baptizar o seu mais recente trabalho. Mas enquanto o título complica, a música descomplicou-se. “Veckatimest” tem canções mais acessíveis mas a profundidade de sempre.

Oferecer a: Quem conheça a discografia dos Radiohead e todos os que os imitam há mais de 10 anos.

04. B Fachada – s/t “Tempo para Cantar” é provavelmente a melhor canção portuguesa da década que menos gente vai ouvir. Um belíssimo cartão-de-visita ao trabalho do cantautor lisboeta, homem de verbo fácil e barba hirsuta que toda a vida quebrou corações junto a caloiras de ciências sociais. O disco consegue junta humor e inteligência em versos bem construídos e música à medida.

Oferecer a: O disco de B Fachada é a escolha certa para dizer umas verdades à colega de carteira através de versos alheios.

05. Dirty Projectors – Bitte Orca Nada nos preparou para “Bitte Orca”: um disco de canções aos pedaços, melodias feitas num oito e a familiaridade que encontramos em tudo o que é canção popular dos últimos 50 anos. A Dave Longstreth, líder da banda, já chamaram de “novo Beethoven” e “Stillness is The Move”, um dos singles, parece uma variação sobre um tema de Mariah Carey. Confusos? Ainda bem.

Oferecer a: Quem goste de usar a palavra “avant” antes de um nome ou substantivo comum.

06. The Beatles Todos os anos deveríamos receber uma prenda assim. Recheada com o essencial para perceber parte substancial da evolução da música popular. A discografia completa dos Beatles, revista no conteúdo (som em stereo e remasterizado) e na forma, tudo para fazer inveja a melómanos.

Oferecer a: A qualquer pessoa. Se há coisa fundamental nas lojas de discos é esta.

07. Dan Auerbach – Keep it Hid Fez-se homem longe das plantações de algodão e do delta do Mississippi. Ainda assim, é um dos mais perfeitos herdeiros da tradição musical americana. Estreou-se este ano fora dos Black Keys como multi-instrumentista sobredotado. Tudo é gospel e soul negra movida a seis cordas, irrepetível.

Oferecer a: amantes da linhagem Muddy Waters-Led Zeppelin com guitarras em casa.

08. Micachu & The Shapes – Jewellery Mica Levi quis ser adulta antes que fosse tarde mas sem deixar de ser adolescente. A combinação mágica deixou-a fazer da música um brinquedo. Qualquer coisa pode ser pop, desde que captada nas ruas de sotaque britânico: do grime ao garage, todas as etiquetas servem os propósitos desta gente. Uma espécie de hip hop disfuncional tocada a cavaquinho, mas com açúcar por toda a parte.

Oferecer a: aos futuros campeões de um trivia sobre pop contemporânea.

09. Jay Z – Blueprint 3 Está aí “Empire State of Mind”, novo single de Jay Z retirado de “Blueprint 3”, mesmo a tempo do Natal. Jay Z é o artista em nome individual que mais discos levou até ao número um nos EUA: por dez vezes passou por lá. Mais, só os Beatles. “Blueprint 3” é o terceiro disco de Jay Z desde que anunciou que não ia gravar mais discos. O rapper mentiu, e ainda bem.

Oferecer a: A quem queira saber o que é isso do hip-hop e àqueles que insistem em não querer gostar deste estilo.

10. José Mário Branco, Sérgio Godinho e Fausto Bordalo Dias – Três Cantos Foi o acontecimento do ano em palcos portugueses: os três grandes da canção popular juntos em quatro noites. Para aplausos, palavras de ordem e um olhar pela a obra feita sem querer ficar preso à nostalgia. As trovas de uns e outros numa desgarrada urbana.

Oferecer a: Para recordar a quem foi e para revelações junto dos outros. »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/38715-cheque-disco-cheque-mate-dez-presentes-o-natal, a 22 de Dezembro de 2009, no Jornal I

Boas Prendas

RT

O Que Oferecer a Uma Mulher Neste Natal…Este Elas Vão Querer…

Hoje trago uma transcrição de uma denominada publi-reportagem, de um presente óptimo para oferecer às nossas mulheres, passo a transcrever a dita reportagem, e não vou tecer nenhum comentário, mas desejo de boas compras e bons presentes.

«Lingerie: chega o Natal e acabam os preconceitos

Para quem são as campanhas publicitárias de lingerie, para eles ou para elas? O i falou com responsáveis pelos anúncios e representantes das marcas e descobriu as respostas

Já lá vai o tempo em que o Natal era a época de paz, amor e união entre os povos. Hoje, Natal é sinónimo de lingerie. Leu bem, não precisa de voltar atrás. Nesta altura do ano os homens portugueses perdem a vergonha e entram nas lojas de roupa interior para comprar peças atrevidas, com rendas, cintos de ligas e tudo a que têm direito. Para oferecer às mulheres e namoradas, claro.

O processo é o seguinte: o homem português vai de carro e passa pelo outdoor da Helena Coelho, Rainha do Natal, em lingerie vermelha, cinto de ligas e estrelas douradas. O homem português trava, arregala os olhos, decora a marca publicitada pela rapariga seminua e imagina a sua mulher/namorada/amante/companheira na mesma pose.

Ou: o homem português está na paragem à espera do autocarro e de olhos postos no mupi estrategicamente colocado do seu lado direito. O homem português perde três autocarros porque não desvia os olhos da menina da Intimissimi, numa lingerie romântica e ar provocador. Chega atrasado ao trabalho mas com uma decisão tomada: comprar uma daquelas (lingerie, não uma menina da Intimissimi) e dar de presente à mulher/namorada/amante/companheira.

Nuno Martins, guionista de 33 anos, confere: “A ideia de oferecer lingerie não é a de oferecer roupa interior para usar no dia-a-dia, isso não tem piada. Nenhum homem no seu perfeito juízo vai a uma loja de lingerie e pede um pack de três cuecas brancas, daquelas basicazinhas. Deve oferecer-se lingerie que a mulher não está habituada a usar, ou por ser demasiado ousada, ou demasiado cara, ou de muito boa qualidade, mas ao mesmo tempo sexy.”

Clara Tehrani, uma publicitária de 28 anos, concorda: “Podre de sexy, daquelas que eu nunca compraria, porque tenho uma maneira de gastar dinheiro demasiado prática, mas que adoro e fico sempre triste por não ter mais.”

Para ela, lingerie “é um presente que não mente”. “Se o meu namorado me der lingerie sexy, a relação está bem e recomenda-se. Se der uns boxers de algodão é melhor ligar o alarme porque não deve faltar muito para ser ele a fingir dores de cabeça.”

A verdade é que a publicidade da Triumph, principalmente na época natalícia, é concebida a pensar no sexo masculino. Madalena Moniz Pereira, responsável pelo marketing e publicidade da marca, explica: “Nesta altura fazemos sempre a colecção de Natal com uma vertente mais sensual, que resulta numa maior procura por parte do sexo masculino.” O número de vendas no mês de Dezembro, pasme-se, sobe 135% comparado com Novembro.

Sofia, funcionária de uma das lojas da marca, confirma a afluência de homens nesta altura do ano e denuncia as preferências masculinas: “Normalmente pedem corpetes, fio dental, cintos de ligas e sempre em vermelho ou preto. Na maioria das vezes pedem os conjuntos que estão na montra, todos completos.”

Na Intimissimi, uma marca italiana de roupa interior, lançada pela Calzedonia, os outdoors com belas mulheres em roupa interior também têm sucesso, segundo as empregadas de uma das lojas: “As peças que aparecem nas publicidades de rua esgotam logo. São procuradas maioritariamente por homens ou por casais.”

Na La Perla, uma marca de lingerie mais sofisticada, são “as montras que falam primeiro”, já que atraem o sexo masculino para o interior das lojas. Também aqui a afluência do sexo masculino aumenta nesta altura: “normalmente vêm mesmo na véspera do Natal, à procura de lingerie mais sexy e arrojada”, conta Carla, funcionária da loja La Perla da Rua Castilho, em Lisboa. Segundo Manuela Saldanha, responsável pelo marketing da marca, “em relação ao resto do ano, em Dezembro as vendas sobem 50%.”

Quando chega à altura de perguntar o tamanho é que a coisa descamba. Há de tudo um pouco, desde etiquetas furtivamente cortadas de outras lingeries lá de casa a tamanhos apontados à pressa em papéis guardados nos bolsos, até à clássica observação do peito da empregada como termo de comparação. Apesar destes métodos infalíveis, as trocas são incontornáveis: “No dia a seguir ao Natal as nossas lojas recebem imensas mulheres a trocar peças com os tamanhos errados”, conta Madalena Moniz Pereira.

Na La Perla, o problema não são tanto os tamanhos mas as escolhas demasiado arrojadas de alguns maridos: “No dia a seguir ao Natal recebemos muitas clientes a trocar peças ousadas por outras mais simples.”

Mas os tamanhos podem mesmo ser uma valente dor de cabeça e até Nuno Martins, habitué deste tipo de presentes, se vê aflito: “Confesso que ainda não percebi muito bem aquela coisa da copa B e copa C. Era bem mais simples se fosse apenas 32, 34, 36, 38, 40. Bom, se fosse sempre 38, 40 era ainda melhor.”

A mulher Triumph
A ideia de eleger uma mulher representante da marca começou no final de 2002, com o objectivo de repromover a marca instalada há mais de 45 anos em Portugal. Marisa Cruz foi a primeira. Mas não aparecia quilómetro sim, quilómetro não nas cidades. Dava o corpo ao manifesto em catálogos e desfiles.

A senhora que se seguiu foi Isabel Figueira, cara e corpo da Triumph durante um ano. Mas a grande explosão da publicidade à lingerie deu-se com Cláudia Vieira, ex-“Morangos com Açúcar” e actual apresentadora do “Ídolos”. Ela foi Rainha de Copas, Rainha da Festa, Rainha do Pólo Norte, Mulher Triumph eleita em 2007, destronada dois anos depois por Helena Coelho, que já vai a caminho do segundo ano de reinado.

Não basta ser mulher para poder ser fotografada dentro de uma lingerie Triumph e exposta por esse país fora. Uma mulher Triumph “tem de ser activa, com um papel na sociedade, uma mulher trabalhadora, com missões e maturidade e com quem as portuguesas se identifiquem.” “Podem ser simpáticas e acessíveis, como era o caso de Cláudia Vieira, ou mulheres simples, com filhos e preocupações práticas, como levar a criança à escola, como a Helena Coelho.”

E, claro, ser dona e senhora de uma copa C, a atirar para o D, também ajuda. »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/38542-lingerie-chega-o-natal-e-acabam-os-preconceitos, a 21 de Dezembro de 2009, no Jornal I

Boas Compras!

RT

Livros…Conheça os Títulos Mais Badalados Para Oferecer Este Natal…

Por estarmos a poucos dias do natal, e como se aproxima vertiginosamente as ultimas prendas, por falta de sugestões, deixo sempre aqui um presente que agrada sempre a maioria das pessoas, um livro, deixo aqui alguns títulos que saíram na semana passada num diário da nossa praça, aproveitem as sugestões e bons presentes.

«Dez livros para oferecer e fazer boa figura

O ano de 2009 trouxe livros para todos os gostos. Até para os de Cavaco, Soares ou Moura Guedes. Eis a escolha dos nossos críticos

Foi um ano em grande. O terrorismo islâmico chegou à literatura portuguesa e já provocou mais de 100 mil vítimas, maioritariamente civis. O livro de José Rodrigues dos Santos é o melhor do ano, na categoria “revisto por um ex-operacional da Al-Qaeda”. José Saramago também quis despertar a fúria divina mas o melhor que conseguiu foi um debate com o padre Carreira das Neves. António Lobo Antunes publicou o seu centésimo nono romance. Aguarda-se a tradução para português. Se o ano correu bem aos vivos, os mortos também não têm razões de queixa. Stieg Larsson e Roberto Bolaño ocuparam os tops de vendas.

Editores e agentes literários gostam que os escritores recebam prémios, mas alguns desconfiam que é mais vantajoso matá-los. Lá fora, tudo na mesma. Philip Roth lançou mais um romance e não ganhou o Nobel. A academia sueca atribuiu o prémio a Hertha Müller, mantendo a tradição de contrariar as casas de apostas. Terminada a febre dos feiticeiros adolescentes chegou em força a febre dos vampiros adolescentes. Como se os adolescentes não fossem suficientemente estranhos. Que tal uma saga de adolescentes que estudam numa escola para adolescentes e que, em noites de lua cheia, se transformam em adolescentes mas com mais acne? Por fim, o ano ficou marcado pelo regresso de Dan Brown. O mundo sobreviveu.

1. História de Portugal €35,10
De Rui Ramos, Bernardo Vasconcelos
e Sousa, Nuno Gonçalo Monteiro
Bom presente porque: mais de duas dezenas de anos depois é a primeira síntese consistente da nossa história.
Vai fazer boa figura se oferecer este livro: à classe política. O conhecimento do passado é sempre um bom contributo para edificantes e proveitosos debates sobre o estado da nação. Sem inimputáveis palhaçadas.


2. Obra Poética, vol I e II €49,99

De Manuel Alegre
Bom presente porque: Basílio Horta, Freitas do Amaral, Cavaco Silva – nenhum outro candidato derrotado nas presidenciais tem uma obra poética deste quilate.
Vai fazer boa figura se oferecer este livro: a Mário Soares. O Natal é a época ideal para reconciliações.


3. Escritos Secretos €16,11
De Sebastian Barry
Bom presente porque: é um labirinto narrativo baseado nas memórias de uma mulher isolada, turvadas por problemas de stress pós-traumático e circunstâncias dramáticas ligadas à história da Irlanda no século XX.
Vai fazer boa figura se oferecer este livro: a Manuela Moura Guedes. Substitua-se Irlanda por TVI em Portugal no século XXI e tudo o que está acima descrito pode aplicar-se à situação da jornalista.


4. Barroco Tropical €16,65
De José Eduardo Agualusa
Bom presente porque: Agualusa tem duas qualidades essenciais para o sucesso do escritor moderno: escreve bem e não é estrábico. A fotogenia faz do escritor uma figura de estilo.
Vai fazer boa figura se oferecer o livro: à filha de José Eduardo dos Santos.

5. Caim €13,70
De José Saramago
Bom presente porque: os ateus também têm direito a celebrar o nascimento de Cristo. Se o puderem fazer cometendo um sacrilégio, juntam o útil ao agradável.
Vai fazer boa figura se oferecer este livro: a Deus. Como Ele está em todo o lado, poupa em portes de envio.


6. 2666 €23,45
De Roberto Bolaño
Bom presente porque: Roberto Bolaño escreveu-o para assegurar o futuro financeiro dos filhos. Podia ter feito um seguro de vida, mas os latino-americanos têm estas manias.
Vai fazer boa figura se oferecer este livro: a uma empresa de reciclagem de papel (são mais de mil páginas).


7. A Segunda Guerra Mundial €27

De Martin Gilbert
Bom presente porque: no ano em que se comemoram 70 anos sobre o início do conflito, esta obra permite perspectivar o passado e perceber que a História pode repetir-se.
Vai fazer boa figura se oferecer este livro: a Barack Obama. Adequa-se ao homem que mencionou a palavra guerra mais de 40 vezes no discurso de recepção do Prémio Nobel da Paz.


8. Trilogia Millenium €59,50
De Stieg Larsson
Bom presente porque: Os três volumes destes romances policiais vertiginosos e atentos ao espírito dos tempos são verdadeiramente aditivos e constituem um inteligente divertimento.
Você vai fazer boa figura se oferecer este livro: a Cavaco Silva. Em 2004, a hacker Lisbeth Salander violava com facilidade protocolos de segurança informática. Se o Presidente tivesse lido Millenium nunca teria lançado a dúvida: “Será possível alguém do exterior (…) ler os meus emails?”


9. O Tigre Branco €13,49
De Aravind Adiga
Bom presente porque: expõe as entranhas da Índia e destrói todos os mitos românticos em relação ao país.
Vai fazer boa figura se oferecer este livro: a todos os neo-hippies encartados seduzidos pela trilogia exotismo, sabedoria ancestral e espiritualidade. A desintoxicação é garantida.


10. O Símbolo Perdido €22,46
De Dan Brown
Bom presente porque: é de um autor praticamente desconhecido, o que faz dele um candidato ao Nobel. Depois da Opus Dei e da Maçonaria, correm rumores que Dan Brown prepara um livro sobre a ERC.
Vai fazer boa figura se oferecer este livro: a José Rodrigues dos Santos.

E para as crianças…

Predadores
de Lucio & Meera Santoro
Os mais espectaculares e assustadores animais num livro com pop-up a tornarem o cenário mais emocionante. Também tem janelas e tiras com informação adicional, nomeadamente, quais estão em risco de extinção (alô Cimeira de Copenhaga!).

Princesa Poppy – O Aniversário
De Janey Louise Jones
Poppy faz anos, mas ninguém parece lembrar-se, prestes a desesperar é surpreendida. Uma história simples a lembrar que as meninas são muito amadas.

Anjos de Pijama
De Matilde Rosa Araújo (poemas) e Maria Keil (desenhos)
Para reforçar o contacto dos mais novos com a poesia este livro, magnificamente ilustrado, é um bom companheiro . Leiam os poemas em conjunto e deliciem-se com a subtileza das palavras.

Princesas, Príncipes, Fadas e Piratas com Problemas
Vários Autores
Histórias em que os heróis também têm de resolver problemas variados. Pedro Sena-Lino coordenou diversos autores nacionais, alguns deles aqui num registo pouco habitual. As ilustrações são de peso pesados da área.

O Alfabeto dos Países
De José Jorge Letria (texto) e Afonso Cruz (ilustrções) – Oficina do Livro
A partir das letras do alfabeto são explicados em verso os países correspondentes. Por exemplo, A de Austrália ou B de Brasil. A aprendizagem é múltipla – do abecedário e do Mundo – e seguramente divertida.

O Bebé Que Não Queria Ir Para a Cama
De Helen Cooper
Um bebé teimoso resiste ao cansaço e vai desafiando os amigos para o acompanharem, mas no mundo da fantasia todos estão a cair de sono. Maravilhosamente próximo da realidade, com ilustrações belíssimas.

O Pequeno Livro do Ambiente
De Christine Coirault
De pequenino se instalam bons hábitos. Um livro que ensina a ter atenção ao meio ambiente através de bons conselhos como, por exemplo, fechar a torneira da água enquanto se escovam os dentes.»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/37742-dez-livros-oferecer-e-fazer-boa-figura, a 16 de Dezembro de 2009, no Jornal I

Boas Compras e Bom Fim Semana!

RT

Sugestão Para Compras Originais na Cidade do Porto…Aproveitem Este Natal…A Loja 15 em Um…

A Loja 15 em Um, na cidade do Porto Fonte: http://www.ionline.pt

Hoje, e por ser o ultimo fim de semana antes da noite de natal, e como tal, trago a notícia sobre uma loja, na cidade do Porto, onde pode encontrar alguns presentes originais, fica aqui a transcrição de um jornal diário da nossa praça, deixo a dica para boas prendas.

«A loja do Porto que é… 15 em um?

Pode comprar prendas originais. Pode comprar roupa dinamarquesa. Pode comer. Pode ler. A Casa Aberta é uma espécie de casa de bonecas retro onde apetece ficar depois de entrar

A Casa Aberta fica em plena Foz Velha, numa ruazinha tranquila por trás do Hotel Boa-Vista. Entre o restaurante Museu dos Presuntos e a discoteca Pop, mesmo em frente à loja da criadora de moda Anabela Baldaque. Aliás, esta loja acolhedora é dela e do seu filho Diogo, que se encarrega de conduzir o negócio. E ocupa o rés-do-chão do seu ateliê. Para quem vive ou trabalha na Foz, este espaço, aberto em Outubro de 2008, é hoje um sítio de passagem quase obrigatória, nem que seja para tomar um café e dar uma vista de olhos no jornal.

Passado um ano, a Casa Aberta é quase um ponto de encontro de amigos. “As pessoas quase se servem do frigorífico”, graceja Diogo. “Há uma intervenção quase de conjunto entre lojista e cliente.” É que neste clima “bastante informal” se servem refeições ligeiras. Além de sopa do dia, quiches, saladas e sanduíches, há tábuas de queijo, enchidos e vinho a copo. E ainda chás e scones, para o lanche. Ao fim da tarde, chega uma happy hour, com um “pague um, leve dois” aplicado a caipirinhas.

Além disso, neste canto com mesas e jornais, revistas e livros para consulta (e ainda um pequeno pátio exterior, para os dias mais quentes), também se organizam pequenos-almoços ou almoços de grupo/aniversário. “Essa parte está a correr muito bem, mas este espaço não é só isso. Tem à venda uma série de coisas para todos os tipos de prendas, para todas as idades”, garante Diogo, e é verdade. Aqui encontram-se “coisas diferentes do convencional e a partir dos três, quatro, cinco euros”. E lá dentro está tudo à venda. Se quiser comprar a cadeira em que está sentado, pode fazê-lo.

Contudo, o forte da Casa Aberta é mesmo a grande oferta de prendas engraçadas e um pouco retro, a preços simpáticos. De produção original, há artesanato urbano e quadros feitos por Diogo e Anabela. “Além de outros que expõem as suas coisas aqui”, diz. Com a marca Casa Aberta foi lançada uma linha de casa com toalhas, individuais e bases de copo. Depois, nas várias viagens que mãe e filho vão fazendo pelo mundo (Europa, América Latina, Ásia), regressam com uma “recolha de objectos para pôr à venda”. E há tanta coisa! Bijuteria, brinquedos para crianças (maioritariamente de lata, madeira ou cartão, à antiga), brinquedos para adultos (“Para tentar descomprometer o constrangimento de entrar numa sex shop para comprar estas coisas”, explica Diogo), plantas, chinelos gregos, bonecos de cascata/presépio, talhas de Buenos Aires, relógios Casio vintage, louças da ArtLusa e da Bordalo Pinheiro, caixas de música, peões (de madeira e de metal), lousas, jogos de mikado, porta-chaves ou cadeiras de baloiço em cartão, para montar. E também se fazem pins personalizados.

Em casa de ferreiro espeto de pau? Não, é claro que aqui ainda há espaço para a moda, com uma breve selecção das colecções de duas marcas dinamarquesas: Object (para ela) e Jack & Jones (para ele).

As ideias não param por aqui. Diogo Baldaque ainda pretende criar workshops e leitura de contos infantis ao sábado de manhã, para entreter os mais novos e deixar os pais tomar o pequeno-almoço descansados.

Sugestão obrigatória para quem vive no Porto e neste Natal está numa de prendas giras, baratas e fora do vulgar.

Rua Padre Luís Cabral, 1080, Porto
918 557 477

http://casaaberta1080.blogspot.com/
Segunda- -feira, 14h00 às 19h00; terça-feira a sábado, 10h00 às 20h00
Encerra ao domingo»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/38150-a-loja-do-porto-que-e-15-em-um, a 18 de Dezembro de 2009, no Jornal I

Bom Fim Semana

RT

Dicas Para Umas Mini Férias de Natal…

Destinos de Natal... Fonte: http://www.crisanto.jor.b

Hoje começam as férias escolares dos mais pequenos, trago algumas sugestões para umas mini férias de Natal em Família, passo a transcrever o artigo e como se tratam de sugestões transcritas de um diário da nossa praça, não vou tecer nenhum comentário ao mesmo.

«15 ideias para umas férias de Natal em grande

Actividades para os mais novos, de norte a sul e para todos os gostos

O Natal é uma época tão especial que quase se podia dizer às crianças: “Esperem aqui sossegadinhas que o Pai Natal deve estar a chegar.” Ligava-se a televisão e os miúdos ficavam colados ao ecrã durante horas. É certo que estariam protegidos do frio, da chuva e das constipações, mas férias que se prezem não são para ficar em casa.

De norte a sul do país há programas próprios da temporada para todos os gostos e para todas as bolsas. A tarefa difícil é seleccionar apenas 15. Muita coisa ficou de fora, mas foram prioritários os gostos dos miúdos. Deixamos um conselho: escolha as actividades segundo os interesses dos pequenos. De artes plásticas, ciência, culinária, música, teatro, dança e histórias à equitação.

Campo de férias ou em família Não é só no Verão que há campos de férias. É certo que no Natal ninguém está interessado em ir passear para a praia, mas o Campo Aventura, em Óbidos, propõe umas férias com tanta ou mais adrenalina que as da época de calor. Há espeleologia, peddy-papers e para os mais corajosos um acampamento.

Se está de férias nas próximas semanas, sugerimos um programa em família no Gymboree, em Lisboa, Almada e Porto. Aprenda novas brincadeiras para as crianças e junte-se a elas para fazer enfeites de Natal.

Artes Plásticas
Postais de Natal no Museu do Oriente
Os emails tornaram os postais de Natal antiquados e quase peças de museu. Apercebemo-nos disto quando as crianças aprendem a fazê-los numa espécie de aula de história. A partir da exposição “Selos Portugueses do Oriente”, do Museu do Oriente, em Lisboa, os miúdos vão aprender a fazer um velhinho postal à mão.
Preço: €60 (€5,60 almoço)
Horário: Das 10h às 13h e das 14h às 17h
Duração: De 21 a 23 Dez.
Idade: 6-12 anos
Contactos: 213 585 200

Fitas artesanais
Personalizar a árvore de Natal é o desafio desta oficina do Museu Serralves, no Porto. Mas este não é um simples ateliê de artes plásticas. Os miúdos
vão pintar fitas, bolas e utilizar materiais recolhidos nos jardins de Serralves para fazer enfeites amigos do ambiente. O limite é a imaginação.
Quem disse que pedras e galhos não davam uma boa decoração?
Preço: €30
Horário: Das 9h30 às 12h30
e das 14h às 17h
Duração: De 21 a 23 Dez.
Idade: 4-6 anos
Contactos: 226 156 500

Fazer chapéus
É a oficina indicada para os miúdos num nível avançado no corta e cola. São João da Madeira bem podia ser a capitaldos chapéus, e é lá que encontramos um ateliê para crianças onde podem fazer chapéus, com feltro ou pêlo. Antes de porem mãos à obra, os miúdos passam a manhã na biblioteca a ler histórias de Natal, inspiração para fazer
os chapéus.
Preço €20
Horário: Das 9h30 às 12h30
e das 14h às 17h30
Duração: De 21 a 23 e de 28 a 30
Idade: 7-14 anos
Contactos: 256 201 680

Culinária

Biscoitos e salame
Quem disse que a culinária não se dá bem num museu de arte? A oficina de guloseimas natalícias prova que os doces são os companheiros ideais desta quadra. O anúncio é claro: “Miúdos invadam as cozinhas”. Aqui não se aprende apenas a misturar farinha com ovos ou a fazer biscoitos, bolachas e salame de chocolate. Em Serralves vão tornar-se mestres da decoração pasteleira.
Preço €30
Horário: Das 14h às 17h
Duração: 28 e 29 Dez.
Idade: 4-6 anos
Contactos: 226 156 500

Algas e peixe
Não é só de doces que se faz o Natal, por isso o Oceanário, em Lisboa, quer transformar os miúdos em cozinheiros de peixe e algas. Esta oficina de culinária é só de um dia e faz parte do programa Férias debaixo de Água – Natal. São cinco dias temáticos, onde os miúdos resolvem mistérios, aprendem a cozinhar sem usar peixes em vias de extinção e aprendem a conhecer a viola-de-espinhos ou o dragão-marinho.
Preço €150 (4 dias)
Horário: Das 9h às 18h
Duração: De 21 a 31
Idade: 4-12 anos
Contacto: 218 917 002

Minicozinheiros
Até a pizza pode ser natalícia, defende a cozinheira Berenice, que dá cursos de culinária. Durante dois dias, os seus filhos vão descobrir como se faz musse de chocolate com suspiros e morangos e até a deixar no ponto a perna de peru. Antes de cozinharem, vão aprender
a escolher os melhores alimentos no mercado (pormenores online em http://minicozinheiros.blogspot.com/).
Preço €60
Horário: Das 10h às 17h
Idade: 6-10 anos
Duração: 21 e 22 e 30 e 31
Contacto: 919 177 177

Ciência

Animais
Sabia que nesta época os animais têm mais pelos? Se os seus filhos gostam de tudo o que meta bicharada, passar as férias no Parque Biológico de Gaia é o programa ideal. Na segunda semana vão observar os animais do parque a construir abrigos e até ajudá-los. Há bichos para todos os gostos: de esquilos a rãs.
Preço: €20 p/dia
Horário: 9h30 às 17h30
Idade: 6-15 anos
Duração: De 21 a 23
e de 28 a 30
Contactos: 227 878 137


Espaço
Preparem-se. É preciso responsabilidade e concentração para  construir um sistema de aterragem para uma sonda espacial. Mas no Pavilhão do Conhecimento vão encontrar tudo para fazer um egglander, ou seja, uma sonda em versão ovo. Esta e outras experiências são o que vai encontrar no ATL de Natal.
Preço €40 (1 dia);€80 (3 dias)
Horário: Das 9h às 18h
Idade: 6-12 anos
Duração: De 21 a 23 e 28 a 30
Contacto: 218 917 100


Flocos de neve
Embarcar num expedição científica para recolher amostras de flora local ou então produzir flocos de neve: actividades dignas de aprendiz de investigador. No Visionarium, em Santa Maria da Feira, há ainda um dia dedicado à informática e à produção digital de filmes.
Preço €25 p/dia
Horário Das 9h30 às 17h30
Idade: 6-12 anos
Duração: De 21 a 23 e 28 a 30
Contacto: 256 370 605

Artes de Palco

Teatro
A sua consoada inclui teatro infantil? Se a resposta for sim, encontrou aqui a melhor forma de transformar os seus filhos em artistas. O ateliê de expressão dramática da In Impetus, em Lisboa, vai dar-lhe as ferramentas da representação, jogos dramáticos e improvisações.
Preço €25 a €35
Horário: Das 9h às 13h
Idade: 6-16 anos
Duração: De 21 a 23 e 28 a 30
Contacto: 213 157 815


Música
É aquilo a que se chama um dois em um. No programa de Natal da Kindermusik, as crianças aprendem música e inglês. Trata-se de um curso de Iniciação à Música com direito a livros e a um instrumento musical. Os bebés até aos 18 meses vão descobrir ritmos com maracas e guizos. As crianças dos 2 aos 4 anos brincam com tambores.
Preço €40
Horário: 10h (45 minutos)
Duração: De 21 a 23 e 28
Idade: Até 18 meses e 2-4
Contacto: 962 340 218


Dança
Para os fãs de hip-hop esta é a melhor maneira de ocupar as férias. No Museu dos Transportes e Comunicações, no Porto, vão passar três dias ao ritmo do breakdance. Além dos movimentos básicos, como
o top rock, o foot work e o power moves, vão aprender
a história desta dança.
Preço €60
Horário: Das 9h30 às 17h30
Duração: 22, 23 e de 28 a 30
Idade: 6-14
Contacto: 223 403 000

Histórias

Pessoa para miúdos
Durante todo o ano, a Casa Fernando Pessoa tem actividades destinadas aos mais pequenos. Nestas férias, a oficina criativa de Natal vai trabalhar com o poema “Ó sino da minha aldeia”. Os miúdos vão explorar a obra
de Pessoa, brincar com as palavras e visitar a Casa.
Há poucas vagas, mas, se não conseguir marcar lugar, pode optar pelas aulas de piano ou pelos ateliês de arte, poesia e pintura.
Preço: Gratuito
Horário: Das 10h às 12h
Idade: 3-9
Duração: 21 a 23
Contacto: 213 931 270


Inventar fábulas
Durante três dias, os miúdos vão descobrir como se cria uma história e qual a melhor forma de a contar. A ideia da Culturgest, em Lisboa, tem como ponto de partir a obra de dois artistas plásticos belgas, Jos de Gruyter e Harald Thys. Além de inventarem uma história, vão ainda aventurar–se no vídeo.
Preço €28
Horário: 10h-13h
Idade: 6-10
Duração: 21-23
Contacto: 217 619 078

Desporto
Campo de férias com cavalos
Se já perdeu a conta às vezes que os seus filhos lhe pediram para ver cavalos ou para dar um passeio, esta é a altura indicada para responder ao apelo. O Centro Hípico da Quinta da Penha Longa, em Sintra, vai organizar um campo de férias. Já que não lhes pode comprar um pónei, durante estes dias os aprendizes vão sentir-se responsáveis pelos animais
e tratar da higiene dos bichos.
Preço €60 (semana)
Horário: Das 9h às 13h
Idade: 6-10 anos
Duração: De 21 a 24 e 28 a 30
Contacto: 917 267 511»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/37962-15-ideias-umas-ferias-natal-em-grande, a 17 de Dezembro de 2009, no Jornal I

Boas Férias e Boas Festas!

RT

Soluções Para Se Poupar Com o Subsídio de Natal…

Hoje e por ser dia de receber o subsidio de Natal, trago uma notícia onde podem ter algumas dicas se pretenderem poupar alguma parte do mesmo, passo a transcrever a notícia, sem efectuar algum comentário, pois são simplesmente algumas dicas.

«Subsídio de Natal. Não gaste. Aplique e ganhe dinheiro

Para quem não se quer deixar levar pela febre do consumo neste Natal de crise, há várias opções para fazer render o subsídio. Saiba quais

Dia 15 de Dezembro é já amanhã e com ele chega também o tão desejado subsídio de Natal. Para alguns, a liquidez suplementar é crucial para pagar as dívidas que se foram acumulando nos últimos meses, para outros é simplesmente um extra que vem bem a calhar para comprar um presente de Natal mais caro. Qualquer que seja a situação, muitas famílias nem sempre sabem o que fazer com ele. Se também ainda não decidiu que destino dar ao seu subsídio de Natal, o i apresenta-lhe algumas soluções sobre como utilizar esse dinheiro.

Em média, o subsídio de Natal dos portugueses é de 894 euros, um montante mais que suficiente para justificar que reserve parte desse valor para uma poupança adaptada à sua realidade financeira. Como qualquer decisão sobre onde aplicar dinheiro, a solução escolhida deve reflectir o seu perfil de investidor e consumidor. Entre os vários os destinos possíveis para esse dinheiro – isto para quem não quiser deixar-se levar pela época festiva e gastar todo o dinheiro – o i analisou três opções de poupança: amortizar o crédito da casa, abrir um depósito a prazo, investir num PPR e assumir um investimento com pouco risco.

“A escolha da tipologia de produto deve estar de acordo com o perfil de investidor de cada pessoa. Deve levar-se em linha de conta variáveis fundamentais como o objectivo desse investimento, o prazo pelo qual se pretende investir e o tipo de retorno potencial desejado”, explica a direcção de investimentos do Banco Best, uma instituição especializada em aconselhamento financeiro.

Numa situação de crise económica, amortizar o crédito é sempre uma boa opção. Alivia o endividamento das famílias, muitas vezes sufocadas por múltiplos créditos. “Em teoria, amortizar dívidas é sempre uma boa alternativa e, neste momento de crise económica e financeira, dificilmente há uma alternativa melhor”, defende João Fernandes, economista da DECO. “É preciso ter muita atenção aos custos da amortização mas, dependendo sempre da situação financeira das famílias, é sempre bom diminuir a dívida.”

Considerando um crédito à habitação de 100 mil euros a pagar em 30 anos, uma amortização de dois mil euros representa uma poupança anual de 100 euros (ver caixa). A amortização é especialmente recomendada em casos de taxas de juros elevadas, como muitas vezes têm os cartões de crédito, em que podem ultrapassar os 30%. No entanto, não é esta a realidade actual, uma vez que as taxas de juro estão nos valores mais baixos de sempre.

No caso de estar mais interessado em contribuir para uma poupança a médio prazo, os depósitos são sempre das opções mais procuradas pela sua simplicidade e facilidade de acesso, apesar da rentabilidade baixa. Já num horizonte bastante mais alargado, pode optar também por um Plano Poupança Reforma (PPR), que visa complementar a pensão de reforma da Segurança Social e que tem a vantagem adicional de ter benefício fiscal.

A direcção de investimentos do Banco Best recomenda a constituição de um pé-de-meia para fazer face a alguma emergência. “Na nossa vida surgem, por vezes, situações inesperadas, algumas delas com repercussões financeiras associadas, que passam pela perda de rendimentos ou pela necessidade de fazer face a despesas inesperadas. O recomendado habitualmente é que qualquer pessoa detenha um fundo de emergência que possa fazer face a seis meses de despesas fixas do seu agregado familiar. O subsídio de Natal pode ser uma boa forma de iniciar esta poupança”, segundo o Best.

Se o seu perfil de investimento não for tão conservador, pode optar por investir o dinheiro com um nível de risco baixo. Os fundos de obrigações são uma hipótese com rentabilidades interessantes, apesar de não terem capital garantido. Nos últimos 12 meses tiveram ganhos médios de 5,6%, segundo a associação do sector (APFIPP). »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/37373-subsidio-natal-nao-gaste-aplique-e-ganhe-dinheiro, a 14 de Novembro de 2009, no Jornal I

Boas Compras!

RT

Ofereça Experiências Neste Natal…Um Presente Cada Vez Mais Valorizado…Vale a Pena Espreitar…

Exemplo de Um Destino Fonte: http://www.presentenamorado.com

No encadeamento que tenho vindo a apresentar nos últimos tempos, e alusivo à época natalícia, trago mais uma sugestão de presentes para oferecer a quem mais gostamos no Natal, como tal, trago uma ideia inovadora, a qual hoje vou tecer um comentário, para poder diluir algumas dúvidas relativamente ao conceito.

«Natal. A nova moda é oferecer experiências em pacote

Mercado liderado por A Vida é Bela disparou em 2009, apesar da crise, e deverá valer mais de 16 milhões de euros

Noites em hotéis de charme, massagens de hora e meia com chocolate, tratamentos de caviar para as mãos, spa para cães, provas de vinho, bungee-jumping. Vale tudo para oferecer uma “experiência” pelo Natal, em vez de comprar um CD, um livro ou o tão famoso pacote com seis pares de meias.

A ideia é dar um presente personalizado e ao mesmo tempo permitir que a pessoa escolha onde, quando e como quer desfrutar da sua oferta. Oferecer serviços em vez de produtos está tão na moda que o mercado disparou em 2009 – só a líder A Vida é Bela vai aumentar a sua facturação dez vezes, passando de 600 mil euros de vendas em 2008 para oito milhões este ano, contabilizando apenas o canal de distribuição. Trata-se de uma moda ou de um novo mercado? António Quina, fundador de A Vida é Bela, acredita que este é um novo segmento. E veio para ficar.

“Os livros e os perfumes não são moda”, considera o responsável, defendendo que também os presentes-experiência não vão desaparecer. “Para dar uma prenda a alguém, precisa de conhecer profundamente a pessoa. Saber o que tem em casa, para não repetir”, frisa António Quina. É por isso que os presentes-experiência descomplicam a tarefa.

O sucesso deste novo segmento reflecte-se no número cada vez maior de players no mercado. Além d’ A Vida é Bela, marca portuguesa que também opera em Espanha e no Brasil, estão presentes a Smartbox (líder mundial), a Pulso, a Odisseias e, mais recentemente, a Lifecooler. O alargamento só prova uma coisa: os portugueses adoram dar experiências em caixas coloridas.

“As pessoas seleccionam cada vez mais os presentes”, indica Francisco Gomes, director de marketing da Lifecooler, “porque não se podem dar ao luxo de comprar coisas que não agradem”. Ou seja, em tempos de crise, os presentes-experiência constituem uma alternativa muito mais procurada – principalmente nas gamas de baixo custo. A Lifecooler, conhecida por ter o portal de turismo e lazer mais popular em Portugal, decidiu lançar o Coolgift, porque percebeu que este é um mercado explosivo. Por já ter chegado tarde, a empresa decidiu abranger segmentos que não estavam a ser cobertos – por exemplo, com a oferta “Quatro patas”, para animais de estimação, com o “pacote sexy”, para casais, e com o “pack júnior”, para crianças dos quatro aos 12 anos. “O preço médio dos nossos pacotes é mais baixo”, indica ainda Francisco Gomes, que estima em 30 milhões de euros o potencial do mercado português em 2010. É bastante menos que as contas d’A Vida é Bela que detém cerca de 70% do mercado e no próximo ano quer já facturar um valor próximo dos 30 milhões, alcançando os 100 milhões no ano seguinte.

Enquanto isso, a tendência é para a diversificação do mercado, com mais ofertas e experiências de nicho. A Pulso, marca da agência de viagens Geotur/Star, nota que o preço está também a ter um papel mais forte, com grande procura das experiências low-cost. “Percebemos que as pessoas procuram oferecer algo que marque a diferença”, indica Ana Silva, gestora de produto da Pulso. Ou seja, em vez de comprar produtos, “oferecer emoções”.»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/36586-natal-nova-moda-e-oferecer-experiencias-em-pacote, a 09 de Dezembro de 2009, no Jornal i

O meu comentário:

Penso que os portugueses estão a sofrer uma mutação de comportamentos, o que já era de se esperar, pois tendencialmente caminhamos para um país onde passados de bens tangíveis para bens intangíveis, ou seja, deixamos de nos centrar apenas em coisas materiais e passamos a usar mais serviços.

A questão das prendas serem tangíveis, torna-se complicado, e como na peça enumera, na medida em que, as pessoas tem que conhecer muito bem a pessoa, e saber tudo que ela tem, para poder oferecer algo, original, e que a pessoa não possua, pois bem, como os estilos mudaram, são bem mais acelerados que à 10 anos, e as pessoas tem posturas diferentes, infelizmente, não passam tanto tempo como no passado juntas, logo o conhecimento tem tendência a desvanecer-se e a tornar-se incipiente, então porque não oferecer experiencias, momentos que a pessoa possa ser apanhada de surpresa, e seja obrigada a concretizar.

A ideia deste tipo de experiencias e consequentemente turismo, na minha óptica tem tendência a crescer, pois as pessoas, são cada vez mais informadas e cultas, e têm cada vez, mais apetência para novas experiencias, para conhecer novos lugares, etc. Como tal, penso seja sempre interessantes presentes deste tipo, pois enriquece a pessoa, espiritualmente e culturalmente, ficando logicamente, mais rica.

Economicamente, penso que ficam a ganhar as empresas enumeradas na peça, mas essencialmente o turismo, e as organizações das áreas onde são alto de servucção.

Penso que seja, uma excelente forma de dar a volta à tão flamejada crise, e como tal, ao fazer com que as pessoas, gostem das experiências, certamente as mesmas, vão querer repetir a compra, ou mesmo, aderir a outra experiência, de tal forma, que até vão recomendar a outras pessoas, ou mesmo, oferecer um presente do género a outra pessoa; sabe-se que um cliente satisfeito, é dos melhores veículos de informação ao serviço do Marketing.

Penso que, estas organizações acima mencionadas na peça, apresentam as ideias bem definidas, e têm tendência para crescer, e para se tornaram eficazes, dando desta forma, um forte contributo, para a intangibilidade dos presentes, o que pode vir a num futuro, não tão remoto, a abrir a possibilidade de podermos oferecer presentes a quem mais gostamos, e apesar de podermos não estar tão presentes na vida das pessoas, basicamente, podemos dar presentes, sem termos que estar com essa pessoa fisicamente, o que se abre aqui, um novo nicho de mercado, a que se puder um dia contribuir na sua exploração, terei muito gosto.

É mais uma ideia para um presente neste Natal, uma ideia que pode servir para elucidar as pessoas no que vão oferecer às pessoas que mais gostam, penso que seja um presente original, e algo, que com certeza vai surpreender muitas pessoas.

Deixo a Questão: Tenciona oferecer «experiências» como presente de Natal ?

Tenho Dito

RT

Como Fazer Boas Compras On Line Este Natal…

Compras On Line Este Natal....Bons Descontos Fonte:www.imotion.com.b

Basta um click para fazermos as compras de natal, deixo aqui transcrito os conselhos do jornal i, para realizar compras on line com segurança.

« Na rua ou online. Onde comprar para poupar neste Natal?

O i foi às compras e mostra-lhe como conseguiu poupar 160 euros. Descubra as vantagens e os cuidados a ter nas compras online

Só precisa de um computador. E de dinheiro, claro, mas menos do que no comércio tradicional. Em todo o mundo, os produtos são mais baratos quando comprados através da Internet e, na União Europeia, são mesmo os portugueses quem tem mais a ganhar nas compras online. Segundo os dados da Comissão Europeia, perto de 85% dos produtos são mais baratos e, na maioria dos casos, a diferença de preço é superior a 10%. No seu cabaz de Natal, o i conseguiu poupar 21,5%, quase 167 euros.

As vantagens aumentam com a precipitação consumista desta época. Em Dezembro, muitos sites reduzem os preços e oferecem entrega gratuita. Este ano, 19% de portugueses devem ligar-se à rede e gastar em média 83 euros em livros, CD e DVD de um orçamento médio de 588 euros, revela um estudo da Deloitte. O mesmo documento explica que a maior vantagem é evitar a confusão dos centros comerciais e sobretudo poupar dinheiro. Neste contexto, a fraude é o maior receio dos portugueses.

Existem estratégias para se proteger. Primeiro: deve certificar-se de que está a aceder a um site seguro. Todos os anos os hackers aproveitam esta época para brincar ao carnaval e vestir a capa do serviço de clientes do eBay ou da Amazon. Os sinais que deve procurar são o ícone do cadeado ou um URL que se inicie com https://. Confirmada a autenticidade do site, há outra estratégia: um número de conta virtual. O serviço é oferecido pela maioria das empresas de crédito e cria um número aleatório de cartão de crédito que torna virtualmente impossível o seu roubo. O número é válido por um curto período de tempo, apenas o suficiente para processar a compra, que será debitada no cartão de crédito real. Outro receio dos portugueses tem a ver com a dificuldade das encomendas internacionais chegarem a bom porto. Acreditando nos dados da Comissão Europeia, 60% das compras falham quando envolvem países diferentes. Em Portugal, a percentagem é de 58%.

Ultrapassadas as dificuldades, como saber se está a fazer o melhor negócio? É preciso ter atenção às taxas de câmbio, aos portes de envio e ainda à concorrência. Neste último desafio, pode contar com a ajuda de sites como o PriceGrabber que compara preços em várias lojas online. O consumidor não só recebe essa informação, como tem direito a uma crítica oficial do produto e a outras dos clientes – como o melhor funcionário de uma loja. Quem pode não gostar de todo este entusiasmo é o patrão. Um estudo recente conclui que, este Natal, 32% dos americanos farão as compras durante o horário de trabalho.»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/36332-na-rua-ou-online-onde-comprar-poupar-neste-natal, a 07 de Dezembro de 2009, no Jornal I

Boas Compras

RT