Alguns Esclarecimentos No Que Concerne Aos Carros Electricos…

Carro Electrico... Fonte: http://www.ecotretas.blogspot.com

Hoje trago um artigo, que visam os mais ecológicos e que pretendem fazer protecção ao meio ambiente, desta feita, falo do que deve saber sobre carros eléctricos.

« O que precisa saber antes de comprar um carro eléctrico

Custo pelo uso da electricidade e a autonomia das baterias estão entre os temas menos claros desta tecnologia.

O veículo eléctrico constitui a melhor solução de mobilidade para responder às questões actuais do aquecimento global, da qualidade do ar que respiramos e da dependência que existe dos combustíveis fosséis. Se ainda tem dúvidas sobre os carros eléctricos, o Económico esclarece aqui algumas.

Posso levar um choque ao carregar a bateria de um carro?
Não. As fabricantes incluíram diversos sistemas de segurança para que as baterias sejam desligadas/isoladas, caso algo de errado aconteça, como um acidente. Mas, se por acaso, mexer nas baterias, poderá sofrer um grande choque.

As baterias precisam de estar descarregadas para serem carregadas de novo?
Não. Estas baterias não sofrem nenhuma perda de armazenamento se resolver recarregá-las, mesmo que ainda tenham metade da carga.

Onde é que as baterias podem ser recarregadas?
Está previsto que a rede Mobi.e coloque postos de abastecimento em parques de estacionameno de centros comerciais e zonas públicas centrais. Segundo a Nissan, cada posto pode carregar dois carros em simultâneo. Também pode carregar o seu carro em casa através de uma tomada específica para o abastecimento eléctrico.

Quanto custa o carregamento?
De acordo com as contas feitas pela japonesa Nissan, o carregamento das baterias a 100% poderá ficar em cerca de dois euros, mas este preço dependerá do operador que fornece a energia. Actualmente, carregar na rede portuguesa Mobi.e é gratuito.

Quanto tempo demora a fazer uma viagem de Lisboa ao Porto?
Ir de Lisboa ao Porto irá demorar sensivelmente três horas, o mesmo tempo que demoraria num carro dito tradicional. No entanto, como a autonomia do carro eléctrico é de 160 quilómetros é preciso efectuar uma paragem de 30 minutos que permitirá carregar a bateria a 100%.

Os carros eléctricos podem ajudar a equilibrar os consumos na rede eléctrica?
Sim. Neste momento, o equilíbrio é mantido pelas barragens e por centrais. A médio/longo prazo, com milhares de veículos eléctricos ligados à rede na maior parte do tempo, poderá ser possível usar as suas baterias como fonte de armazenamento de energia distríbuída. Isto porque grande parte das pessoas com veículos eléctricos opta por fazer o carregamento total durante a noite, numa altura em que há menos consumo de energia eléctrica. »

In: http://economico.sapo.pt/noticias/o-que-precisa-saber-antes-de-comprar-um-carro-electrico_123541.html, a 01 de Agosto em Diário Económico

RT

Conheça o Novo Honda Jazz…

Novo Honda Jazz... Fonte: http://www.ionline.pt

Hoje e para começar bem a semana, trago um artigo relacionado com o mundo automóvel, desta feita, a tecnologia híbrida chegou aos utilitários.

« A tecnologia híbrida chegou aos utilitários e melhorou os resultados

Este Jazz é o híbrido mais barato do mercado. Com 98 cv, tem emissões de CO2 de 104 g/km

Até agora era quase um exclusivo das berlinas, mas a tecnologia dos híbridos deixou os carros de aspecto familiar para chegar onde poderá fazer mais falta: aos utilitários. A Honda lançou este mês em Portugal o Jazz Hybrid, com um motor de 1.3 a gasolina, de 98 cavalos, já incluindo os 14 do motor eléctrico, o mesmo que a Honda já utiliza em modelos como o Insight ou o desportivo CR-Z. Tudo, uma vez mais, a pensar nos consumos e no ambiente.

Este Jazz Hybrid é o híbrido mais barato à venda em Portugal e será o primeiro carro com esta tecnologia a conseguir baixar os consumos de forma mais significativa: no ensaio que o i fez, a uma velocidade moderada, mas sem deixar de experimentar os vários modos de condução, incluindo o Sport, o Jazz apresentou uma média final de 5,5 litros aos 100 km. Um valor que apenas em percurso citadino chega aos 6,5, mas tem uma referência de 4,6 indicada pela marca. É neste cenário que o Jazz verde (não só pela cor) se mostra mais à vontade, apesar de perder um pouco nos arranques para a versão apenas a gasolina, devido ao peso extra do motor eléctrico e das baterias. Por outro lado, a caixa automática CVT, que também tem patilhas no volante, permite uma condução muito confortável e com excelentes recuperações. Na condução há três modos de condução: o Drive, o Sport e o ECON. Carregando-se num grande botão verde reduz-se a potência 4%, aumenta-se a recuperação de energia nas travagens e chega-se mesmo a desligar o ar condicionado quando o carro pára. O sistema Start&Stop não poderia deixar de estar incluído. O principal inimigo, as emissões de CO2, ficam nos 104 g/km

O Hybrid vem com um design renovado, com uma nova grelha mais aerodinâmica, e com novas cores, duas delas em exclusivo. No interior, o habitual painel que muda de cor consoante o tipo de condução. A nível de equipamento, inclui airbags duplos, de cabeça, de cortina e laterais, alarme, ar condicionado automático, controlo de estabilidade, faróis de nevoeiro, sensor de luz e de chuva e jantes de 15″, equipadas com pneus de baixo atrito. O banco traseiro mantém toda a flexibilidade do modelo, mas o espaço da mala cai dos 344 litros para os 223, devido ao espaço para as baterias.

No fim, temos um carro muito agradável de guiar, muito bem equipado e com uma estética mais moderna. Este Jazz consegue baixar os consumos em relação a um carro a gasolina, mas ainda não é uma alternativa indiscutível aos pequenos diesel, que têm preços semelhantes. O Jazz Hybrid está à venda a partir dos 19 250 euros para a versão Confort e 20 850 para a Elegance. »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/111268-a-tecnologia-hibrida-chegou-aos-utilitarios-e-melhorou-os-resultados–video, a 18 de Março de 2011, em Jornal I

RT

Portugal Vai Originar Cortes de Internet Aos Piratas Informáticos…Quais as Vantagens e Desvantagens…

Hoje trago, um tema que vai gerar muita polémica, e que na minha óptica vai originar problemas de liberdades, direitos e garantias dos utilizadores da internet, e vai levantar problemas que desde o 25 de Abril de 1974 não eram notados, como a espionagem, e a perseguição de pessoas. Vão colocar em causa as empresas que Internet, e vai originar desemprego, pois muitas delas vão ter que mandar os clientes embora, e como tal, vão ter prejuízos e vão ter que despedir pessoas, passo a transcrever a notícia e de seguida faço um breve comentário:

«Pirataria na internet: Portugal vai poder cortar acesso a quem for apanhado a piratear

A União Europeia vai aprovar directiva, mas impõe restrições ao corte, que só pode ser feito após um processo “justo e imparcial”

A votação está marcada para o final de Novembro e deverá fazer aprovar uma das leis mais polémicas da era digital: os países europeus vão poder cortar o acesso à internet a quem for apanhado a piratear. Se tudo correr como previsto, o novo enquadramento europeu para as comunicações electrónicas – telecoms package – estará pronto ainda este ano e terá de ser transposto para a legislação dos 27 estados-membros. Isto, obviamente, inclui Portugal.

Embora o executivo de José Sócrates tenha alguma margem de manobra na transposição da directiva, o facto é que a interrupção do acesso a quem for considerado culpado de partilha ilegal de ficheiros passará a ser possível. E isso faz antever a eclosão de uma guerra entre os fornecedores de internet, os detentores de direitos e os próprios consumidores portugueses. Até agora nenhuma empresa de internet quis pronunciar–se sobre esta medida, sendo já conhecido o apoio de organismos como o MAPiNET – Movimento Cívico Anti-Pirataria na Internet, bem como as críticas dos defensores dos direitos dos consumidores.

No entanto, o acordo histórico conseguido na quarta-feira à noite no Parlamento Europeu impõe várias limitações a este procedimento. É que o pacote legislativo já tinha sido aprovado em Maio, mas um diferendo entre o Parlamento Europeu e o Conselho de Ministros obrigou à suspensão da aprovação. Em causa estava uma emenda segundo a qual o corte só poderia ser feito com autorização judicial, algo com que o Conselho não concordava.

Após uma noite intensa de conciliação, ambas as partes acabaram por ceder e foi decidido que o corte ou a restrição só poderão ser feitos se forem “apropriados, proporcionais e necessários no quadro de uma sociedade democrática”, com “respeito pelo princípio da presunção de inocência e do direito à privacidade” e ainda como “resultado de um processo prévio justo e imparcial”, que garanta “o direito do consumidor a ser ouvido” e a uma “revisão judicial” em tempo útil. É este o texto que será votado entre 23 e 26 de Novembro.

No entanto, não ficou claro que forma terá o “processo justo e imparcial” a que Parlamento e Conselho se referem. Certo é que esta directiva irá chocar com as leis já aprovadas em França e no Reino Unido.

“Não me choca que haja um juiz a decretar o corte. O que me choca é que se tenha de esperar não sei quantos meses para a sua concretização”, afirma ao i Manuel Cerqueira, presidente da Associação Portuguesa de Software (Assoft), um dos principais defensores da criação de um tribunal específico para as questões da pirataria informática. O responsável frisa que uma ordem de corte de acesso à internet “deve ter a mesma acção que uma providência cautelar”. Ou seja, efeito imediato.

Todavia, só quando a directiva for transposta para a legislação portuguesa se perceberá a que órgão vai caber o papel de fiscalizar estes pedidos de interrupção de serviços de acesso à internet. Ao i, a Autoridade Nacional de Comunicações – Anacom, explicou que a decisão cabe ao governo e que não tem necessariamente de recair sobre um organismo específico.

Além disso, o pacote legislativo é muito mais abrangente que esta questão. Vai criar, por exemplo, um novo organismo europeu denominado BEREC para melhorar a cooperação entre os reguladores de telecomunicações dentro da União Europeia. Também inclui uma directiva de reforço dos direitos dos consumidores – que, entre outros, vai exigir consentimento prévio para que os sites instalem cookies nos computadores – e permitir a transferência do número de telemóvel de uma operadora para outra em apenas um dia útil.»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/31518-pirataria-na-internet-portugal-vai-poder-cortar-acesso-quem-for-apanhado-piratear, a 06 de Novembro de 2009, no Jornal I

O meu comentário:

Na passada sexta feira, saiu a notícia acima transcrita, uma lei que vem colocar em causa, valores tão importantes, e conquistados a 25 de Abril de 1974, onde as pessoas, ganham a liberdade, e se termina com a repressão, e ter uma polícia, como era a PIDE.

Pois bem, eu não sou o denominado pirata, não tenho hábito de retirar coisas da internet, no entanto, penso que devem atirar a primeira pedra, quem nunca descarregou nada de ilegal da Internet…penso que ninguém, utilizador da internet a nível médio, deve conseguir atirar a primeira pedra.

Outra questão, que se levanta, é a definição de pirataria, pois a mesma, não se encontra bem definida, pois pirataria para muitos e retirar conteúdos como filmes, jogos, software, álbuns, e com estes conteúdos, fazer dinheiro, ou seja, vender, e para outros é simplesmente, retirar esses mesmos conteúdos, mas para uso próprio. Pessoalmente, penso que a primeira, é a verdadeira pirataria, pois antigamente, os barcos de piratas, saqueavam para depois fazer dinheiro com tal.

Convenhamos, que os downloads, foram o motor de busca, para a mumificação da internet, e a constante aumento das velocidades oferecidas pelos ISP, bem como, em muitos casos à abolição dos limites de tráfego.

Penso que muito do que fazem downloads, para seu uso próprio, ou seja, não usam para venda, ou para enriquecimento próprio, devem se poder «defender», como sendo para seu uso, e que estão incluídos no preço do serviço de internet.

A lei a ser aprovada, na minha óptica, vai dar origem a diversos problemas, os cidadãos vão ter a sensação de estarem a ser espiados constantemente, o que torna um país um pouco retrogado, e que parece estamos em meados do século passado; outro dos problemas, é que os ISP, vão perder clientes, e vão ter uma concorrência entre si, um pouco injusta, senão reparemos, um ISP tem que desligar um serviço a um cliente, no entanto, esse cliente ao ser deparado com uma empresa, a quem contrata um serviço, e a mesma, não o quer prestar, é forçado a mudar para outro ISP, que responda às suas necessidades, desejos e motivações e que lhe preste um serviço, com qualidade e sem interrupções. Perante esta situação, eu não queria estar no papel de ISP, pois é muito chato, ter que cortar o serviço, a quem me paga, ou seja, a quem me sustenta, digo mesmo, que é ridículo, só comparável, como ir a um hipermercado, mas os mesmos não me venderem nada, pois não podem… Levanta-se a questão, quem vai indemnizar os ISP, por serem forçados a perder clientes? E já agora, com que verbas? Devem ser as verbas dos impostos, como sempre.

Na minha opinião, e mais uma vez ressalvo, não utilizo a internet para esse tipo de situações, mas penso que, quem o faz para seu uso privado, não deve ser prejudicado, pois ao fim ao cabo, pagou a mensalidade do serviço para o fazer, e em muitos locais, não tem nenhum aviso, ou indicação, que o que vai efectuar em alguns países é ilegal; no entanto, vai gerar conflitos entre clientes, ISP’s, autoridades…etc, exemplo disso, foi os conflitos originados em alguns países europeus.

Uma solução para isto, era por exemplo, os ISP, criaram um serviço, onde o cliente pagaria uma mensalidade de por exemplo, 10€ ou 15€, e que poderia ter acesso a conteúdos para poder descarregar de uma forma legal, e o ISP, poder até mesmo conseguir entrar em acordo com o autor, e pagar os direitos, penso que ganharia o autor, o ISP, e o cliente, além de todos, terem a noção que quem hoje não está no mundo da internet, está deslocado da realidade.

Trata-se de uma questão polémica, a qual não vou tomar nenhum partido, não costumo usar a internet para isso, alias, ainda sou dos que tem em casa, um acesso à internet muito baixo e com limites baixos, apesar de me tentarem fazer mudar para acesso de preço superior, mas com velocidades superiores, a minha resposta é a mesma, para consultas normais de sites, e-mail, chega perfeitamente, logo, não estou interessado.

Deixo a Questão: Que pensa desta lei que pode desligar a internet, a quem efectuar downloads de forma ilegal da internet?

Tenho Dito

RT

O Futuro do GPS….Venha Conhecer as Novas Tendências…

O Futuro do GPS...

Hoje trago uma novidade tecnológica, isto porque achei a mesma ideia bastante interessante, ou seja, as tendências do futuro do GPS, passo a transcrever a mesma, mas não vou tecer nenhum comentário à mesma.

« TomTom: o futuro está no GPS para andar a pé e prever o trânsito em tempo real

Mercado dos navegadores GPS está ao rubro, com Google e Nokia a tentar ocupar espaço nos telemóveis

«Há toda uma indústria de mapas em papel que será seriamente ameaçada nos próximos anos, quando os consumidores começarem a levar um GPS no bolso, ao lado do telemóvel e do iPod. Andar a pé em cidades desconhecidas será tão fácil como descobrir qual a exposição que inagura naquela galeria ou a peça que está em exibição naquele teatro.

E com as novas tecnologias de previsão de trânsito em tempo real, trazer um mapa no porta-luvas para descobrir estradas alternativas durante um engarrafamento será tão do século passado que o melhor é pôr o mapa de papel na caixa de recordações. Porque o caminho mais provável é o da extinção. “O mundo da navegação mudou”, afirma Harold Goddijn, CEO da líder europeia em navegadores portáteis TomTom, que falou com o i na sede da empresa, em Amsterdão. “A nova geração já não sabe usar mapas de papel”, reconhece o responsável da empresa, que foi pioneira no mercado e divide a liderança mundial com a Garmin. Nos próximos anos, vamos assistir a uma luta interessante entre os especialistas e os novos players, Google e Nokia, que querem o mercado dos mapas para telemóveis. Afinal, porquê comprar um navegador GPS se é possível ter a aplicação gratuita no telemóvel? A TomTom acha que sabe a resposta.

Trânsito em tempo real Quem já demorou duas horas a percorrer 15 quilómetros entre a A1 e a 2ª Circular pagaria, de bom grado, por um GPS que avisasse com antecedência o que se iria passar à frente. Mas como pode o navegador encaixado no pára-brisas receber essa informação a tempo de o redireccionar antes de chegar à cauda da fila?

“Usamos os telemóveis em funcionamento e vemos como é que se estão a mover nas estradas. Não precisam de ter GPS; o simples facto de estarem a mudar de torre de telemóvel para torre de telemóvel permite calcular a velocidade a que os donos do carros que estão a usar o telemóvel conduzem”, explica Harold Goddijn. Parece improvável, mas é assim que funcionam os navegadores da Tom-Tom com HD Traffic (trânsito em tempo real). A empresa junta os dados da triangulação dos telemóveis com a informação vinda dos carros com navegadores TomTom e adiciona informações oficiais (por exemplo, aviso da polícia de corte de estrada devido a manifestação). O resultado é, segundo o CEO, “um nível de precisão muito elevado”.

Apesar de ainda não haver concorrência nesta tecnologia, Goddijn acredita que outras empresas vão investir em soluções semelhantes. Em Portugal, a TomTom lançou o HD Traffic em parceria com a Vodafone. Não há dados sobre a adesão, visto que é um serviço pago, mas o objectivo inicial é conseguir que 30% dos clientes com navegadores capazes do serviço (isto é, com o módulo GPRS) se tornem assinantes.

GPS para peões Não é uma novidade nos navegadores para automóvel, que já incluem um “modo pedestre” há anos. Mas a ideia de comprar um navegador só para andar a pé é recente. Trata-se de um equipamento mais leve e pequeno que os tradicionais, fácil de trazer no bolso e com indicações que só interessam aos peões – lojas, empresas, pontos de interesse, ruas onde os carros não podem circular. “Vamos assistir a um maior investimento em conteúdos que permitem às pessoas andar na cidade com um equipamento de navegação. São aplicações mais baratas, é uma tendência”, garante Goddijn. A TomTom, ao contrário da Garmin, não lançou nenhum PND (portable navigation device) exclusivo para pedestres, embora esteja a investir em software. É aqui que os telemóveis podem fazer a diferença.

Telemóvel ou navegador Prever complicações no trânsito é um dos trunfos que a TomTom tem sobre as aplicações gratuitas, como as que a Nokia e a Google lançaram. Mas não é o único.

“Estamos literalmente a mexer com a vida das pessoas, a mandá-las para a esquerda ou para a direita. Influenciamos o seu comportamento de forma real, por isso é preciso sermos muito bons no que fazemos”, avisa Goddijn. Ciente da ameaça da Google, nota que “a qualidade não é boa o suficiente, excepto para uso ocasional”, já que os mapas são desenhados para ver e não para interagir. Goddijn espera que a qualidade melhore, mas vai dizendo: “As pessoas confiam nos PND, na forma como funcionam, na velocidade e precisão. Os PND vão fazer o que é preciso, os telemóveis nem sempre. O ecrã, o teclado e o sistema operativo não foram desenhados para a navegação. E se o telemóvel toca? Pára a navegação. É um tipo de utilização diferente, mais casual”, completa. O telemóvel será mais apropriado para a navegação pedestre e não para a automóvel. Ou seja, o melhor é ter os dois…»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/44633-tomtom-o-futuro-esta-no-gps-andar-pe-e-prever-o-transito-em-tempo-real—video, a 01 de Fevereiro de 2010

Boas Navegações

RT

Fumadores Vão Passar a Ter Mais Dificuldade em Reparar os Seus Computadores…Já é Uma Realidade nos Estados Unidos…

Hoje trago, algo bastante insólito que a ser verdade é muito grave já, que pensei que as pessoas teriam a regra do bom senso, e não atingiriam este limite, passo a transcrever a notícia e de seguida faço um comentário à mesma.

«Fumar não faz bem à saúde nem aos computadores da Apple

Lojas da Apple nos Estados Unidos recusaram-se a accionar garantias a aparelhos comprados por fumadores e negaram o arranjo das máquinas para não exporem os seus técnicos à “contaminação”.

A situação foi denunciada num site americano dedicado à defesa do consumidor chamado The Consumerist que diz que já houve dois casos de pessoas que se foram queixar aos serviços centrais da Apple, que acabaram por assumir a mesma postura das lojas.

De acordo com o The Consumerist, a Apple recusou accionar a garantia ao dono de um Macbook porque estava “contaminado” por fumo de cigarro.

Este caso seguiu-se a um outro caso reportado de recusa da Apple em arranjar um iMac devido a “riscos para a saúde devido a fumo”.

De acordo com as lojas procuradas pelos clientes, a contaminação por nicotina está numa lista de substâncias consideradas perigosas e isso impede a manipulação de aparelhos danificados pelos técnicos, por razões sanitárias.

No primeiro caso, registado com um iMac, a proprietária aclarou que a sua garantia não se pronuncia sobre casos em que o dono é fumador. Efectivamente, este elemento não consta como excepção nos termos da garantia. A empresa cita, porém, a cláusula que fala em “danos causados pelo ambiente externo” para justificar a recusa em dar apoio técnico.

A Apple ainda não se pronunciou oficialmente acerca deste caso.»

In: http://www.publico.pt/Tecnologia/fumar-nao-faz-bem-a-saude-nem-aos-computadores-da-apple_1411193, a 25 de Novembro de 2009, no Jornal Publico

O meu comentário:

Penso que esta medida é no mínimo ridícula e pode ser mesmo considerada um verdadeiro tiro no pé.

Eu não sou fumador, no entanto, penso que existe uma igualdade de direitos na sociedade, e como tal, existem pessoas que têm direito a serem fumadoras, como me assiste o direito de não ser fumador.

O que se assiste por este fabricante de computadores, é algo que não está consagrado nas garantias, nem no que concerne, à lei da garantia em vigor em toda a união Europeia, pois não podemos distinguir pessoas pelas suas culturas, raças, idades, etnias, etc, logo, também não podemos distinguir pessoas pelos seus hábitos.

A justificação dada pelo fabricante, é que os computadores de fumadores, dão cabo da saúde de quem os repara, pois bem, vou apontar algumas situações que podem prevenir esta situação.

  • O operador pode estar munido de luvas e mesmo de máscara, de modo a que não fique afectado com determinada situação;
  • O fumador, pode até ser fumador, e não fumar quando está ao computador, ou mesmo dentro de casa, nesse caso, o computador é afectado por o dono fumar ou não?
  • Os médicos e enfermeiros, vão deixar de atender pessoas fumadoras, pois podem também adoecer, em virtude dessa mesma prestação de cuidados de saúde;
  • Não está provado, que o computador de um fumador se estrague mais rapidamente, face ao de um não fumador;

 

Estas são algumas das questões que aqui rapidamente levantei, no entanto, muitas mais vão com certeza existir, pois penso que o fabricante, se o fizer em Portugal, está a violar a constituição da republica portuguesa, entre outras situações, sendo que a referida situação, no caso, portugueses não vem contemplada nas garantias dos equipamentos.

Esta medida, serve sim, caso o fabricante de computadores, pretenda só ter clientes saudáveis, ou seja, que não fumem, mas isso, é tentar direccionar-se para um nicho de mercado, de todos aqueles que não fumam, nesse caso, pode sempre optar por vender computadores somente a pessoas que não fumem, mas nada vai impedir, de as pessoas que não fumem os vendam mais tarde ou posteriormente a fumadores, gerando-se aqui um mercado de segunda mão e mesmo paralelo.

Na minha opinião, a questão não tem pés nem cabeça, penso que seja, uma medida mais comunicacional de partilhar com o público, que é uma marca que não está interessada em pessoas que fumem, além de ser uma boa maneira de fazer publicidade à marca de forma barata.

Deixo a Questão: Que pensa de um fabricante de computadores se recusar a reparar um computador só porque o dono é fumador?

Tenho Dito

RT

Semana de Descontos Antes do Natal em Lojas OnLine em Portugal…

Semana de Descontos em Lojas OnLine em Portugal. Fonte: http://www.publicidadinternet.files.wordpress.com

Hoje trago algo que penso que vai fascinar os cibernautas, e o publico português, uma semana de descontos nas compras das lojas Online, passo a transcrever a referida notícia e de seguida faço um comentário à mesma.

«Lojas online fazem uma semana de descontos loucos

Conceito é importado dos EUA, com uma diferença: promoções que lá duram apenas uma segunda-feira, aqui são válidas toda a semana

Na próxima segunda-feira, mais de cem lojas online em Portugal vão importar pela primeira vez o fenómeno norte-americano conhecido por “Cyber Monday“. É um dia de descontos significativos para os produtos comprados online, que marca o arranque da época natalícia para os retalhistas da internet.

Mas na versão portuguesa não será apenas um dia, será uma semana. As marcas associadas à primeira Cyber Monday são de vários sectores, incluíndo a LG, Apple, Staples Office Center, La Redoute ou PIXmania, e os descontos poderão ultrapassar os 40%, sendo que ainda não estão fechados todos os acordos. A iniciativa é trazida para Portugal pelo portal KuantoKusta, que vai seleccionar as melhores promoções das lojas aderentes e disponibilizá-las em exclusivo no endereço www.cybermonday.pt até 6 de Dezembro. A lista definitiva das lojas será divulgada na sexta-feira.

“É um incentivo ao comércio electrónico, queremos que as pessoas associem os sites online às compras de Natal”, explica ao i Pedro Pimenta, consultor de marketing do KuantoKusta. O responsável adianta que o momento de crise é propício ao sector, já que os consumidores estão dispostos a procurar alternativas mais baratas. E com a melhoria da logística no sector, o receio de que os presentes não cheguem a tempo da noite de Natal estão postos de lado.

Na PIXmania.com, uma das participantes na Cyber Monday portuguesa, serão oferecidos dez euros por cada 150 euros de compras – uma das promoções mais agressivas que a marca alguma vez realizou em Portugal. Esta é a época mais forte para a empresa, que na quadra natalícia regista um incremento de 60% no tráfego. Segundo Rui David Alves, responsável pelo desenvolvimento dos negócios da PIXmania no sul da Europa, os produtos mais procurados são televisões, vídeo, informática e fotografia. A expectativa é de que as vendas disparem algo como 40%, ajudadas pelas promoções da Cyber Monday, que incluirão uma lista de produtos com o preço mais baixo da concorrência.

O motivo pelo qual a iniciativa dura uma semana, ao contrário da segunda–feira original, é o facto de os portugueses ainda não estarem muito confortáveis com as compras online. Pedro Pimenta refere que a iniciativa foi testada noutros mercados semelhantes e percebeu-se que um dia não era suficiente. Por isso, decidiram prolongar as promoções até 6 de Dezembro. No final desta semana arranca a campanha de marketing da iniciativa que por enquanto foi divulgada apenas nalguns meios especializados.

A Cyber Monday deverá dar um impulso precioso ao comércio electrónico português, que registou alguma estagnação no primeiro semestre. De acordo com os dados do estudo ACEPI/Netsonda, no segundo trimestre de 2009 um terço das lojas online inquiridas sofreu um decréscimo das vendas, enquanto 36% registaram um aumento residual. Ou seja, os últimos dois meses do ano serão fundamentais para as contas de muitos retalhistas online.

Como surgiu O fenómeno da Cyber Monday foi nomeado pela primeira vez há quatro anos nos Estados Unidos, pelo site Shop.org, quando se percebeu que os consumidores usavam a banda larga dos locais de emprego para aproveitar os saldos a seguir à “Black Friday” – a sexta-feira depois do Dia de Acção de Graças em que as lojas tradicionais fazem grandes descontos durante 24 horas. A Black Friday é conhecida pelas longas filas e lojas entupidas por clientes ansiosos para aproveitar as pechinchas nas compras de Natal. Quando se identificou o acréscimo substancial de consumidores nas lojas online na segunda-feira seguinte, os retalhistas virtuais perceberam que tinham arranjado uma versão digital da Black Friday.

O fenómeno é muito popular nos Estados Unidos e Reino Unido, embora alguns analistas questionem se faz sentido ou se está a ser fabricado. É que os consumidores têm cada vez mais acesso à internet de banda larga em casa e no portátil, não sendo já necessário que esperem até segunda-feira para fazerem compras com a internet do escritório.»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/34416-lojas-online-fazem-uma-semana-descontos-loucos, a 24 de Novembro de 2009, no Jornal I

O meu comentário:

Penso que com estas iniciativas podemos dar finalmente o enraizamento da cultura do comércio electrónico na vida dos portugueses.

Muito se tem feito nos últimos anos, para tentar mudar os hábitos dos portugueses no que concerne à utilização da internet e mais concretamente o comércio electrónico, no entanto, os portugueses, são muito receosos, no que respeita a transacções monetárias na internet.

Penso que os portugueses são por etapas, o multibanco foi entrando nas vidas das pessoas, penso que foi mais fácil, muito também pelos horários dos bancos ser reduzido, e por as transacções serem mais baratas pelo MB, e ser um pouco tangível a operação com o MB, pois damos o cartão para levantar, ou efectuar a compra; no caso da internet, as pessoas têm receio, pois colocam o número de cartão crédito e depois vão la retirar o valor da compra, o que causa a ideia aos portugueses que o seu dinheiro anda a circular na internet.

No que concerne à ideia dos descontos nas lojas online, vem no seguimento das mesmas políticas seguidas pelas lojas físicas, onde por vezes, para se promoverem, para poderem escoar produtos especiais ou que estão a atingir a data de validade, é comum se praticarem descontos.

No entanto, a adesão a esta semana de descontos, para as lojas, também é uma maneira de ficarem com mais notoriedade, e de serem futuramente catalogadas como sendo lojas, de confiança e onde é seguro efectuar compras, além de que muitos, portugueses que recorrem à internet para conhecer produtos, possam «espreitar» o preço nestas lojas, no seguimento de promoções que fizeram anteriormente, e desta forma possam engrossar o número de clientes de comércio electrónico, e destas lojas.

Penso que, a iniciativa praticada nos EUA, num dia, e que não me recordo que tenha sido aplicada, às lojas físicas aqui em Portugal, passou para o comércio online nacional, e ainda por cima com marcas enraizadas neste tipo de comércio, estão de parabéns, pela antecipação de tendências, penso mesmo que a «semana dos descontos», vai ser um sucesso, pois vai ajudar a antever algumas prendas de natal, e desta forma, e aos poucos, mudar os hábitos dos portugueses.

Neste caso, ficam a ganhar os portugueses que podem comprar a qualquer hora, e ainda por cima mais barato, e as lojas dão preços mais baixos, pois apesar de ser um desconto para ser conhecido, o custo de manter uma loja Online é bem mais baixo que uma loja fixa.

Desejo Boas Vendas aos Comerciantes, e Boas Compras aos Clientes.

Deixo a Questão: Que pensa da semana dos descontos praticadas pelas lojas Online?

Tenho Dito

RT

Poker, Já Começa a Ser Considerado Profissão em Portugal…

Poker em Portugal Fonte:www.poker-for-me.com

Hoje trago, um fenómeno que tem vindo a crescer na sociedade Portuguesa, penso que em muito deve-se à Crise, passo a transcrever o artigo e de seguida dou o meu comentário ao mesmo.

«’Poker’ é profissão a tempo inteiro para 50 portugueses

A vida de quatro portugueses que trocaram carreiras estáveis noutras áreas para se dedicarem em exclusivo à vertigem do jogo. Incorrem em crime, mas os milhares que ganham dá para quase tudo.

Henrique Pinho partilha com mais dois amigos um escritório, na zona do Grande Porto, onde o poker é a ocupação principal. São todos profissionais da área e dedicam ao jogo o mesmo tempo e atenção que qualquer outro profissional ao seu trabalho. “Esta é a minha profissão”, atira, antes que se criem quaisquer dúvidas. Como ele, serão em Portugal cerca de 50 os jogadores que se dedicam exclusivamente à modalidade. Muitos estiveram no European Poker Tour (EPT), que termina hoje em Vilamoura.

Em Portugal, o número de jogadores de torneios em casa, entre amigos, ou nas salas de poker online, a dinheiro ou a feijões, cresce freneticamente. Estima-se que actualmente joguem em rede entre 100 a 150 mil, a maioria entre os 18 e os 30 anos, e outros ainda menores de idade. Há três anos, eram apenas poucas centenas.

O jogo rende milhares de euros todos os meses, sobretudo na sua vertente online. No entanto, tirar rendimentos do poker online é crime. A garantia foi dada ao DN pelo Serviço de Inspecção de Jogos via e-mail: “A exploração e a prática de jogos de fortuna ou azar através de meios electrónicos em território nacional constitui crime”. A infracção, refere ainda a entidade, estende-se tanto aos exploradores das plataformas online como aos jogadores. O jogo é apenas legal, adianta, nos casinos, actualmente palco de sucessivos torneios ao vivo, inclusive internacionais. A polémica não é de agora, e os empresários do ramo queixam-se de a Lei ser muito restritiva, além de não concordarem com a definição de “jogo de fortuna ou azar”. Mas os problemas não se ficam por aqui. Há um vazio legal quanto à obrigatoriedade de pagar impostos sobre os montantes amealhados. Nenhum jogador profissional de poker declara às Finanças quanto ganha por mês.

À chegada ao escritório de Henrique, a recepção e o ambiente é de total informalidade e descontracção. Na garagem improvisada de uma vivenda com três pisos não podia faltar uma mesa de jogo, fichas, cartas e computadores com dois ecrãs. “É mais fácil para jogar em várias mesas (partidas) ao mesmo tempo”, justifica. Mais a um canto há dois sofás, um grande plasma e uma Playstation III, para descomprimir: “Neste jogo ora se está em euforia, ora se entra em pequenas depressões, conforme se ganha ou perde”. Não falta sequer uma mesa de pingue-pongue nem minibar “para receber os amigos”.

Aos 28 anos, Henrique dedicou os últimos dois ao poker profissional. Formado em Gestão de Empresas, trocou um emprego fixo numa empresa de lacticínios, onde tirava um salário “normal de um português”, pela competição. É patrão de si próprio e faz os seus próprios horários.

O dia de trabalho começa por volta das 15h00. Regressa a casa três horas depois, a 10 minutos de carro, para jantar e “passar algum tempo com a namorada”. Às 23h00 está de volta ao escritório, para mais cinco horas de labuta. Trabalhar madrugada dentro é comum, diz, porque “é a altura em que estão mais jogadores em rede”. O fim-de-semana normalmente é sagrado: “aproveito para estar com a família e amigos”.

Henrique, ou “Policy10”, virtualmente falando, é patrocinado pela PokerStars, um gigante do poker mundial que detém uma das maiores salas online da World Wide Web, com mais de 23 milhões de jogadores registados. O patrocínio materializa-se no pagamento dos buy-in (valor monetário) necessário para entrar nos torneios e nas deslocações. Sobre os valores que amealha, não gosta de falar. Mas deixa escapar que a conta bancária engrossou perto de 100 mil em quatro anos.

Os apaixonados pelo poker começam incentivados pelos amigos ou por assistirem a torneios na televisão. Depois, o gosto pelo jogo e a recompensa financeira levam muitos a abandonar os empregos e a universidade para tirarem daqui a sua única fonte de rendimento. A maioria começa a jogar online, onde se conhecem todos pelos nick.

Roberto Machado, de 31 anos, é o “Oversleep”. Joga poker profissional há um ano e meio, desde que é patrocinado pela empresa Betfair. “Já era um jogador ganhador. O grau de confiança e segurança em que estava permitiu-me dar este passo”.

Deixou uma carreira promissora como programador informático numa empresa de software por uma conta mais choruda ao final do mês. O maior prémio que já ganhou foi em Londres no World Séries of Poker Europa, onde ficou em 27.º lugar, que lhe rendeu 32 mil euros. No ranking nacional de prémios amealhados ao vivo (uma tabela publicada numa revista da especialidade) aparece em sexto lugar, com perto de 60 mil euros. Em casa, tenta ter um horário laboral em frente ao computador. “Mas não passo o tempo todo a jogar. Estudo o jogo, participo em fóruns e escrevo artigos, com o objectivo de evoluir”, sublinha.

Considera-se um apaixonado pela modalidade e garante que nos próximos anos não tenciona mudar de profissão. “É uma actividade que me preenche. Será difícil algum dia deixar de jogar, porque gosto mesmo disto”.

O amigo Tomé Moreira, de 32 anos, não pensa da mesma forma. Há alguns meses sem exercer a profissão de informático, tenciona regressar a curto prazo. Para já, é ao poker que dedica o tempo. Ao jogo e à filha de um ano que funciona como “bola anti-stress”. Gere o dia-a-dia de forma a evoluir no poker e de acordo com as necessidades familiares. “É maravilhoso, porque se desse aulas não podia dedicar-me tanto à minha filha”, diz sorridente.

“Tcmoreira” é um jogador calmo, moderado, ardiloso. A matemática que aprendeu na faculdade permite-lhe agora delinear bem cada jogada. “O poker obriga a muita estratégia e competência. Em termos de cálculo mental, a minha área deu-me tudo o que eu precisava”. Talvez seja essa a razão do seu sucesso. Sobre valores, não lhe arrancamos palavra. Mas os 75 mil euros conquistados nos torneios ao vivo em Portugal, colocam-no em quinto no ranking nacional. Também com a camisola da Equipa Betfair Poker, Tomé atingiu o melhor resultado de sempre de um jogador português no Main Event das World Series of Poker, em Las Vegas: 336ª posição e um prémio de 30 mil dólares.

“O melhor de tudo é que estou sempre a viajar. Divirto-me imenso”, conta Renato Almeida, o “Leguito”, de 21 anos, que nasceu em Vila Nova de Gaia. Las Vegas, Barcelona, Londres, Mónaco e Praga, são apenas alguns das cidades mais vezes visitadas por estes jogadores. Também tem um escritório alugado com um amigo, onde o dia de trabalho só começa às 18 horas. No total, entre partidas online e torneios ao vivo, já arrecadou mais de 10 mil euros. “Serviu para comprar um carro a pronto”, gaba-se o ex-estudante de Engenharia de Computadores e Telemática.

“As possibilidades que temos com apenas duas cartas são imensas”, conclui Henrique Pinho. »

In: http://dn.sapo.pt/desporto/outrasmodalidades/interior.aspx?content_id=1427539, a 22 de Novembro de 2009, no Diário de Notícias

O meu comentário:

Penso que é uma forma de viver, e pelo desemprego que tem tido uma alta expressividade, e está cada vez mais acentuada, só deveríamos esperar recorrer a formas, não digo fáceis, mas formas de dar um pontapé na crise de uma vez por todas.

As pessoas que tendencialmente jogam, são pessoas novas, muitas delas com cursos superiores, o que, e como tenho vindo a chamar à atenção aqui, é que os jovens licenciados não tendo soluções, relativamente à empregabilidade, têm que sobreviver, e ganhar dinheiro para que consigam viver, e pelos vistos, muitos deles encontram no Poker essa mesma solução.

Mais uma vez, pelos vistos o jogo do Poker fora dos casinos, é contra a lei, e como, tal quem o jogo, está a prevaricar, já para não falar, do problema que o estado tem ao não conseguir tributar os ganhos destas pessoas.

Pois bem, o Estado, parece estar a perder em diversas vertentes, ao não ouvir os recém licenciados que não possuem emprego, e que  como tal, são pessoas não gratas e colocadas de ao lado da sociedade, e sentem-se fora da mesma, e então tem vivencias e maneiras de viver cada vez mais distantes da sociedade actual, denote-se, que estes não são «criminosos» por escolha deles, mas por as denominadas circunstancias da vida, que levam a ter que se desenrascar.

Penso que o jogo, não tem muito de mal, é pena, é que tenham pessoas menores e pessoas, muito novas a jogar o mesmo, e a auferir muito dinheiro com tal, dando a sensação de que a vida não custa, basta jogar para se ganhar, não se investe, em estudos ou em projectos sustentáveis, pois é mais fácil ser patrão do próprio e ter as suas horas, é pena, que a lei da lei Portuguesa, este jogo e quem o joga seja ilegal fora dos casinos.»

Deixo a Questão: Que Pensa do fenómeno do Poker estar a crescer em Portugal

Tenho Dito!

RT

Sugestões de Programas de Televisão Com Alguma Qualidade…

Bons Programas na Televisão em Portugal...

Hoje trago um apanhado interessante que o Jornal I publicou no dia de ontem, ou seja, a escolha de programas que tenham conteúdo, como tal passo a transcrever o mesmo, e deixo ao livre arbítrio de cada um o comentário.

«Surpresas dentro da caixa: Andar pelo mundo sem sair do sofá

Viagem por algumas das pérolas menos evidentes da televisão por cabo em Portugal

A televisão é tudo: informação, entretenimento, cultura e selvajaria, necessidade e inutilidade. Tanta coisa, tantas coisas, que é impossível ver tudo. A sobrecarga de informação pode electrocutar os neurónios. É preciso escolher.

Quem tem quatro canais não tem opção; passam as mesmas coisas às mesmas horas, e as coisas que passam formam um círculo fechado. Mas quem tem essa orgia televisiva que é o cabo (ou o satélite) mal sabe para onde se virar.

O pacote básico da ZON tem 65 canais, o funtastic 110 e há ainda os canais que se podem assinar; o catálogo lista um total de 265 (no Meo são 130 canais). A volta ao mundo por 50 euros.

No meio da profusão, escolhemos uns poucos de programas que têm algum valor acrescentado. Não é uma escolha nem abrangente nem definitiva; é apenas uma opinião.

 

CIVILIZAÇÃO

Cidades debaixo da terra
Don Wildman começou por explorar os subterrâneos mais óbvios: a Berlim nazi, os cofres de Las Vegas, as rotas de fuga na Sicília. Depois passou às grandes cidades, como Roma, Paris e Londres, e a seguir a cidades menos universais com subterrâneos interessantes, como Lisboa. As cidades enterradas debaixo das actuais têm milhares de anos e traços de muitos sucessos e desgraças. É uma lição de história e também um visão do avanço, do secretismo e da efemeridade das civilizações.
Canal de História, esta semana: quinta, 18h00, sexta, 10h00 (a partir de Dezembro, nova série, quinta, 22h00)

Ice Road truckers
Nas franjas do conforto ainda há aventura. Esta série relata ao mínimo pormenor a vida e os desafios dos camionistas que abastecem os postos mais avançados do Alasca, a 400 quilómetros do Círculo Polar Árctico. As perigosas estradas de gelo compactado têm de ser refeitas todos os anos e os camionistas são uma mistura de cowboys e exploradores. Tudo sustentado pelo petróleo, cada vez mais longe e mais escasso.
Canal de História, sexta 22h00 (muda todas as semanas)

Grandes Batalhas da História
A guerra é estúpida, mas são as guerras que geram o nexo da história e eram as batalhas que determinavam o resultado das guerras (parece que já não há batalhas, a arte da guerra está sempre a evoluir). Um confronto armado é uma combinação da melhor tecnologia da época, de engenho, coragem, loucura e brutalidade. Esta série, que combina documentação histórica com a encenação de certos pormenores, dá uma ideia minimalista e abrangente dos grandes momentos de violência, que refazem os mapas políticos.
Discovery, dias e horários variáveis (esta semana não passa)

Grandes Livros
A lista de livros fundamentais é extensa, felizmente. De Galileu a Victor Hugo, de Edgar Allan Poe a George Orwell, esta série, que poderia durar eternamente, vai descrevendo os livros que mudaram alguma coisa, localizando-os no contexto histórico. Ficamos a saber quem era o autor, o que o movia e o impacto da sua obra. Numa época em que há cada vez menos apetência por ler (embora se leia mais que nunca), é uma boa maneira de conhecer as circunstâncias e as pessoas de algumas obras de ficção e ensaio que deveriam estar sempre em catálogo.
Discovery Civilization, quarta, 00h12, quinta 9h48, 19h24

 

TECNOLOGIA

 

Click
Os avanços na electrónica, cibernética, internética, nanotecnologia, robótica e similares são diários e impressionantes. Este programa, feito com humor e uma linguagem que qualquer avozinha percebe, dá as últimas tendências e a “novidades” de hoje, assim como uma visão de como será amanhã. Também faz uma listagem de alguns sites, entre os milhões à disposição. A variedade é sobrepujante, uns bites bem escolhidos ajudam sempre.
BBC Internacional, dias e horários variáveis

Mega Construções
Há vários programas de engenharia pesada, mas este tem a graça especial de Danny, um totó igual a todos nós, que fica de boca aberta com a magnitude destas obras que desafiam a imaginação. Numa linguagem que qualquer poeta percebe, Danny mostra-nos como encaixam peças metálicas do tamanho dum edifício de dez andares, hélices maiores do que um cacilheiro e pontes que voam por cima de estreitos. No conforto do lar, não nos apercebemos das infra-estruturas cada vez mais faraónicas que sustentam esse conforto.
Discovery, terça, 21h15, quinta, 10h40, sábado, 17h35

 

Dirty Jobs
Mike Rowe apresenta-nos os trabalhos mais sujos, desagradáveis e perigosos que a civilização exige diariamente. Desde limpeza de pocilgas industriais e inseminação de vacas a tratamento do lixo e colheita de ostras em pântanos imundos, não há limite para os trabalhos miseráveis e indispensáveis para que o resto das pessoas tenha vidas agradáveis de mãos limpas. Mike faz questão de executar as tarefas e mantém um humor inacreditável em funções que parece que nenhum dinheiro compensa.
Discovery, 3 vezes por dia, horário variável

 

NATUREZA

 

Entre insectos e outras feras
Talvez nós, humanos, sejamos indesculpáveis, mas não somos, nem de longe, a espécie mais violenta da criação. Esse recorde vai sem dúvida para os insectos, não só pelos instrumentos de tortura e morte que possuem naturalmente (entre pinças e venenos) como pelo modo impiedoso com que matam e comem vivos. Só um maluco como Phil DeVries para pegar num escaravelho que mata um homem em 24 horas, ou numa raia com um arpão mortal e achar muito engraçado.
National Geographic, dias e horários variáveis (esta semana não passa)

 

Hooked
Não são só os insectos que metem medo. No mundo aquático existe uma grande quantidade de monstros de aspecto aterrador e armamento poderoso — ainda hoje se descobrem novas espécies, à medida que se explora a maiores profundidades. Zeb Hogan não hesita em ver, tocar e mexer em animais aquáticos que parecem tirados dum filme de terror. Só fica satisfeito quando nos coloca umas goelas fatais em frente do nariz — e não são as tais gárgulas das profundezas; piranhas de rio, peixes-gato do delta, raias do mar, estão todos à distância de um mergulho estival.
National Geographic, dias e horários variáveis (esta semana não passa)

 

CRIANÇAS

 

Lazytown
O talento, tal como a intriga, podem vir dos lados mais inesperados. Este programa vem da Islândia e foi inventado por um instrutor de ginástica. Mistura pessoas reais que parecem bonecos, com bonecos reais que parecem pessoas reais, e muita pós-produção; o resultado é um mundo solarengo de plasticina muito colorida. O vilão quer que as crianças comam junkfood e fiquem em casa a ver televisão, o bom quer que comam legumes e tenham uma vida ao ar livre.
RTP2, diário, 7h16 e Panda, diário, 9h30, 19h30

 

Phineas e Furb
Os criadores, dois americanos que se conheceram a trabalhar n’“Os Simpsons”, tiveram dificuldade em vender a ideia porque as histórias pareciam complicadas de mais para caber em 11 minutos. Dois irmãos inventam máquinas e actividades inacreditáveis que a irmã mais velha, Candance, tenta denunciar aos pais, sem sucesso. Têm um ornitorrinco (isso mesmo, um ornitorrinco) que é agente secreto e desaparece para enfrentar um cientista maluco. Também há muita música divertidíssima.
Disney Channel, diário, 8h10, 18h30

 

A nova escola do Imperador
O argumento é surrealista: um imperador Inca tem de ir para a escola mas é preguiçoso e arrogante, embora simpático. No original tem as vozes de Eartha Kit (a cantora), John Goodman e Miley Cyrus. Mas o mais fantástico é a estética, entre o art-decô e o inca, e o traço geométrico e expressionista. Izma, a malvada é uma figura particularmente bem conseguida.
Disney Channel, diário, 8h35, 19h00»

 

In: http://www.ionline.pt/conteudo/33463-surpresas-dentro-da-caixa-andar-pelo-mundo-sem-sair-do-sofa, a 18 de Novembro de 2009, no Jornal I

Boa Sugestão!

RT

Quanto Pensam os Portugueses Gastar Com o Natal…

prendas

Prendas de Natal Fonte:www.carcavelossurfschool.com

Estamos a pouco mais de um mês do Natal, trago aqui um estudo realizado, sobre o valor que os portugueses pensam em gastar em compras de Natal, passo a transcrever o mesmo, seguido de um comentário:

« Natal: portugueses pensam gastar 390 euros

Livros estão no top 3 das prendas de natal

A pouco mais de um mês do Natal, os portugueses estimam gastar em média 390 euros em presentes – 30 euros por prenda para uma média de 15 presentes – ligeiramente menos do que os gastos previstos no ano passado (405 euros), uma queda de 3,7%, revela um estudo da Deloitte sobre as intenções de compra dos europeus na última época festiva do ano.

A subida da confiança dos portugueses acontece em linha com a Europa, mas a sensação de que a economia continua em recessão ainda afecta 59% dos cidadãos nacionais.

Quando a hora das compras chegar, segundo o estudo, a tendência de 83% dos portugueses vai ser para oferecer produtos úteis, um critério que irá ser mais persuasivo que os preços, que irão ser o guia de 56% das pessoas. Ainda assim, e apesar de o preço por presente não ter baixado, o estudo conclui que pelo menos duas pessoas vão ser «riscadas» da lista de prendas, ficando assim a média em 13 presentes.

De toda a Europa, apenas a Europa de Leste (com excepção da República Checa) planeia gastar mais em prendas no Natal de 2009.
Confira a lista de compras dos portugueses

Os livros estão no topo das escolhas dos portugueses: 63% admite comprar livros para oferecer aos adultos. Em segundo lugar estão a roupa e os sapatos (45%) , os CD (43%), os perfumes (43%) e os chocolates (30%) continuam no topo das escolhas.

Para os mais novos, 53% dos adultos quer comprar jogos educativos, 52% vai optar pelos livros e 41% vai oferecer roupa e sapatos aos mais pequenos. As bonecas vão chegar pela mão de 17% dos pais e 9% dos adultos vai dar dinheiro aos filhos.

Quanto aos locais favoritos para as compras, 70% admite recorrer aos hipermercados e 67% irá ao comércio tradicional.

E se a tendência de usar a internet como meio para encontrar o presente com melhor relação qualidade/preço ganha cada vez mais adeptos europeus, em Portugal a resistência é de 43%. Em relação a presentes em segunda-mão, são 11% os jovens portugueses que admitem recorrer à internet e a lojas especializadas para gastar menos dinheiro.»

In: http://www.agenciafinanceira.iol.pt/noticia.php?id=1102707&div_id=1730, a 12 de Novembro de 2009, em Agência Financeira

O meu comentário:

Estamos a pouco mais de um mês para a festa de Natal, e já se vê algumas superfícies comerciais, especialmente as do canal mais moderno, até com produtos relacionados com o natal, essencialmente produtos decorativos.

Muitos dos nossos shoopings começam a ser enfeitados, e a maioria deles, até já tem programação para a quadra natalícia que se avizinha, mas as lojas dos mesmos, ainda não possuem alusões na sua maioria ao natal, penso mesmo que muitas delas estão, a «queimar», as ultimas promoções de Outono, com alguns descontos, para depois sim entrar na verdadeira época natalícia.

Verdade seja dita, muitas pessoas, indicam que pretendem realizar um planeamento das compras, e do que vão oferecer, e os canais a que vão recorrer para conseguirem melhores preços à qualidade desejada. No entanto, penso que muitas das pessoas, especialmente nos últimos 15 dias antes do grande dia, vai começar a perder a cabeça, e vai fazer algumas compras de ultima hora, e são essas, que não são as pensadas, que podem fazer a diferença, e trazer os dissabores de que as pessoas ficaram endividadas para o ano que vem, mas são acontecimentos que se sucedem ano após ano.

No entanto, caso o estudo esteja correcto, podemos assistir a uma mutação nos comportamentos e motivações dos cidadãos nacionais, onde olham para o Natal como sendo uma época festiva, e onde se gasta algum dinheiro, na compra de presentes, no entanto, as compras devem ser tendencialmente o mais racionais possível, coisa que não tem acontecido de alguns anos para cá.

Esperemos que se cumpra e a lei do consumismo exacerbado não ganhe, não que eu não gostes de oferecer boas prendas, mas mediante o contexto de crise, penso que alguma racionalização nas compras, deve ser tida em conta, no entanto, sou obrigado a admitir que o contrário, também é bastante benéfico para o contornar a crise em que nos encontramos inseridos, pois o consumo, serve de alavanca para saída da crise, através do incremento do consumo privado, no entanto, o mês de Dezembro, que é o mês de Natal, pode ser um bom mês, através do incremento do consumo privado, o problema é que o dito consumo, não percussão nos meses seguintes, pois os valores gastos pelas famílias em Dezembro, não espelham os ordenados dos outros meses transactos, o que podemos concluir, embora penso que não seja viável, se todas as pessoas auferissem o que auferem no mês de Dezembro, à muito que não haveria crise, é obvio que não seria assim, pois outros valores se levantavam, mas que muitas famílias iram gostar, iam sim.

Deixo a Questão: Quanto pensa gastar em Compras de Natal este ano?

Tenho Dito

RT

Natal: portugueses pensam gastar 390 euros

Site Onde Podemos Partilhar Momentos Únicos – I Just Made Love… Vale a Pena Visitar…

just_made_love

I Just Made Love!

Hoje trago uma notícia um pouco diferente do comum, para não enumerarem que este blog, aposta em críticas e fala essencialmente de coisas menos boas, deparei me hoje com uma notícia num diário da nossa praça, que era diferente do comum, e como tal, vou transcrever a mesma, mas mais uma vez hoje não vou comentar a notícia, pois vou deixar que a imaginação de cada um pense e teça uma comentário sobre a mesma.

Passo a transcrever a referida notícia, que publicita um site que surgiu na internet, com a ideia focalizada de troca de experiências.

«”Acabei de fazer amor”

Já existe um site em que pode partilhar as suas experiências sexuais.
“Maravilhosamente maravilhoso foi como foi!!!!” Uma mulher, que vive perto da Figueira da Foz, descreve assim a sua primeira relação sexual com um homem. Diz-nos ainda que foi na posição de missionário, usou preservativo e fê-lo dentro de casa.
Em ijustmadelove.com qualquer pessoa pode partilhar com todos a sua última experiência sexual, recorrendo ao Google Maps (para se ver o local onde os internautas tiveram relações) e dando pormenores sobre o sítio onde teve sexo (casa, carro, barco, ao ar livre), como o fez (missionário, de pé, etc) e se usou preservativo ou não. Pode ainda adicionar comentários e fotos ao relato da experiência.
Um internauta de Peniche informa que fez sexo em seis posições distintas, incluindo sexo oral, e que a experiência foi “especial e única”.
O site “I Just Made Love” tem milhares de relatos, centenas deles vindos de Portugal nas últimas semanas.
O site tem ainda uma conta Twitter, onde dá conta das últimas actualizações.

Se gosta de se gabar dos seus dotes sexuais, ou espreitar pela fechadura do vizinho, este site é o ideal para si. Se prefere a privacidade, o mais provável é que venha a odiá-lo. »

 

In: http://www.ionline.pt/conteudo/32211-acabei-fazer-amor, a 10 de Novembro de 2009, no Jornal I

Boas Navegações

RT