Entrevista a Sérgio Godinho…

Sérgio Godinho... Fonte:www. wook.pt

« Sérgio Godinho “Na rádio parece que só tenho duas canções. Caramba, fiz tantas!”

40 anos após a estreia em álbum. Dos “Sobreviventes”, de 71, para 2011, ao ritmo do novo “Mútuo Consentimento”, a editar dia 12, e dos temas que sobreviveram às épocas

Seria da mãe que se esmerava nas quadras que oferecia aos amigos. Ou da avó que declamava poesia na rádio. Ou do tio que punha a família a dançar bebop. Não é certo de onde veio o combustível para os versos, mas tantos anos depois eles ainda queimam nos ouvidos.

Há 40 anos , ao lançar “Sobreviventes”, não passaria um dia inteiro de volta de entrevistas. O que é que mudou mais ao longo deste tempo?

Para já, há 40 não estava cá, porque nos meus dois primeiros discos não podia sequer estar neste país. O “Sobreviventes” e o “Pré-Histórias” foram gravados em Paris, embora no segundo disco já não vivesse em Paris, estava em Amesterdão, depois Canadá, Brasil, etc. Mas as coisas mudam sempre. Assim em que sentido?

Começando pela máquina de propaganda de um álbum, e não só.

Ui, mudou muita coisa. Para lá da máquina de promoção, que é uma coisa necessária, procuro apenas ser selectivo no sentido de não ter que abranger publicações ou programas que não me interessam, mas isso também tem a ver com o bom senso da editora. Agora, ao nível das condições musicais e de trabalho muita coisa mudou, para melhor e para pior. Mas o melhor é podermos praticar a nossa música. Quando voltei para Portugal houve aquele período do PREC em que as condições eram precárias e muitas vezes não correspondiam ao que se fazia em disco. Foi um período tão excepcional que se calhar isso também foi necessário, mas também rapidamente todos sentimos que era preciso solidificar os projectos, fazer espectáculos ao vivo.

Faziam-se poucos?

Fiz uma tournée em 78, a que chamei “Sete anos de Canções”, imagine agora que estamos nos 40, e que foi pioneira, porque não havia esse hábito de apresentar os espectáculos noutras cidades com princípio, meio e fim. Nos princípios dos anos 80, os grupos rock deram um grande impulso a isso, puseram a música na estrada, que sempre gostei.

Continua a gostar?

Sou um bocado saltimbanco. E sempre achei que nos palcos está a última e mais nobre função da música, no caso das canções. As canções têm várias vidas. Primeiro uma criativa, solitária, depois com os músicos; e depois têm a transformação que vai acontecendo quando continuam a pulsar e a viver e a ir para os palcos, com o sentido de risco que há em cada espectáculo. Gosto muito das artes performativas e ao longo dos anos fiz vários trabalhos como actor. Há esse lado do inevitável. Uma vez que começamos aquilo tem que ir até ao fim, a não ser que aconteça uma catástrofe. Até há aquela velha coisa, salvo seja que já bati aqui na madeira [bate mesmo], do actor que gostaria de morrer no palco, o velho cliché.

Não tem esse gosto particular.

Não, não tenho esse gosto. Gosto de viver no palco. É aí que a canção ganha essa imprevisibilidade dentro do que está trabalhado, mais as suas próprias interpretações. Uma canção pode ter, e as minhas tiveram muitas vezes, mesmo por mim, várias vidas. Tive canções que cantei já de maneiras muito diferentes. O âmago continua o mesmo mas mudamos o feeling. Noutras não é preciso. Há canções que canto… por exemplo, o “Espalhem a Notícia”. Continuo a cantar muitas vezes e o arranjo não levou grandes alterações, talvez uma cor um pouco diferente.

Como é que se garante a longevidade de canções como essa?

Bem, mas eu não as canto todas. Podiam ser quarenta anos, como 30 ou vinte. Acho que certas canções sobrevivem e outras não, vão-se embora de morte natural. Como se garante? Não há garantia. Posso cansar-me, ou sentir que até era uma boa canção mas deixou de fazer sentido. Não é uma questão de renegar, é uma questão de as deixar numa prateleira qualquer para ganhar o seu pó natural.

Há canções que já não canta por esse motivo?

Há. Nomeadamente do “À Queima Roupa “, um disco com um conteúdo político mais expresso, ou para-político, social-político. É curioso porque continuo a cantar, e ainda recentemente gravei no disco “Nove e Meia no Maria Matos” [2008], a canção “Liberdade”, que acho que continua a fazer sentido. Não ficou datada e no entanto há canções como “Os Pontos nos Is”, que falava da reforma agrária, que de facto teve a sua função na altura mas as circunstâncias mudaram e temos que falar de outras coisas.

Sente-se ainda um cantor de intervenção?

Nunca fui um cantor de intervenção nem deixei de ser. Não gosto muito dessa palavra, nem eu nem o Zé Mário Branco. Acho que não define nada. Tenho canções que têm esse conteúdo, mais político ou de uma certa crítica social, mas é extremamente redutor que aqueles ou outros sejam os cantores de intervenção. Mesmo em relação à obra do Zeca, que tem tantas cores, onde o popular irrompe de uma maneira luminosa. De facto, as minhas canções que foram ficando, se pensarmos desde “A Noite Passada” ao “Brilhozinho nos Olhos” ou “Lisboa que Amanhece”, falam da vida, também dos amores. Da vida de uma maneira que às vezes até são interrogações filosóficas, sem que seja pretensioso.

A filosofia está em todo o lado.

É, a gente é que não repara. Mas tenho muitas interrogações nas canções. “O Primeiro Dia” é um percurso de uma ruptura, das dúvidas da reconciliação com o melhor de si. Isso é que me interessa. Não consigo sequer definir o que é que eu sou. Intervimos em tudo. Há uma coisa que me dá grande satisfação e que respeito muito, nunca faria troça disso. As pessoas vêm-me falar muitas vezes na rua de como uma frase de uma canção em dado momento fez alguma coisa às suas vidas. Não as transformou, não foram para um convento, mas fez qualquer coisa. Isso é também intervir.

E neste novo álbum não intervém só sobre o amor.

Sim, por exemplo o “Acesso Bloqueado” é de perfeita crítica a esse presente em que o acesso é bloqueado. Adivinhar o presente é mais complicado. Adivinhar o futuro é muito duro, adivinhar o passado é mais seguro embora às vezes também saia errado. E falo mesmo de coisas práticas, do crédito mal “aparado”… Depois há outras coisas que me apetece desenvolver. O contraponto dessa canção podia ser o “Em Dias Consecutivos”, que fiz com o Sassetti. Há muito tempo que queríamos fazer uma canção. É também um bocadinho o retrato do Portugal de hoje, com o seu lado mais depressivo. Digamos que é o lado meio fantasmagórico. Uns de nós ainda mortos, uns de nós ainda vivos.

Volta a rodear-se de uma série de nomes. Já disse em entrevista que não é pelo desejo vampiresco de se rodear de sangue novo.

É engraçado, devo dizer que mais de 50% dessas colaborações foram suscitadas pelos outros. Desde os Clã, com quem trabalho há mais de dez anos, foi sempre acontecendo. O próprio Nuno Rafael e os que vieram dos Despe e Siga disseram que gostavam de tocar comigo. Nunca vou obsessivamente à procura desse tal sangue novo, entre aspas.

Costuma estar receptivo a estas colaborações?

Sim, isso sim. Neste disco, para lá do nosso núcleo duro, Os Assessores, que são responsáveis por mais de metade dos arranjos, há outras sugestões. Umas minhas, no caso do Sassetti ou da Francisca Cortesão. Fiz uma letra para a música dela. Mas outros foram sugestão do Nuno, também produtor musical. Ele sentiu que certas canções precisavam de outro tratamento. Se calhar porque sentiu nalgumas delas o tal acesso bloqueado. Veio o Noiserv e a Roda de Choro, casar-se com um tom que era já um bocadinho de bolero.

Nota-se muito o toque destas pessoas em cada faixa.

Claro, mesmo no tema que abre, arriscado, porque não é uma canção; é um spoken word, uma série de definições poéticas sobre o que é a música, que não define nada. Define só em termos de imaginário. Aí o Hélder Gonçalves fez a cama sonora para esse poema dito. Achámos que era bom começar o disco com isso, é quase como uma declaração de intenções. Tem seis minutos muito envolventes e nós começámos já os espectáculos de final de rascunho , que fiz na Culturgest e na Casa da Música, com isso.

Abre com seis minutos e por diante tem um “Mutuo Consentimento” que parece um beijo muito breve mas muito intenso.

É, acho que é uma boa definição. Sim, é um encontro, um amor de um momento em que ninguém está a cobrar nada ao outro. Aconteceu. Não fugiste nem eu te fugi. Não te pedi nada nem me pediste nada e resultou algo desse momento. Colamo-la a outra canção, “Eu Vou a Jogo”, que é também um mútuo consentimento. Um homem e uma mulher que se conheceram no passado e que se encontram por acaso e contam coisas sem contar muito. E as suas vidas saíram um bocadinho mais enriquecidas. Ambos voltaram à eterna casa de partida, que esteve à venda tão barato, como se diz no fim. É também a minha atitude em relação a este disco e se calhar à vida: “Eu Vou a Jogo”.

No sentido de apostar.

De apostar e de ousar. Acho que tenho muito essa atitude.

Tem rituais de escrita?

Desgraçadamente não. Tenho que me lamentar porque às vezes, por muito que queira, não consigo ser disciplinado. Evidente que quando há pressão, quando marcamos prazos, e eu próprio instigo isso, tens que te haver com isso, sabes que tens que cumprir até certo dia e que as coisas devem estar bem. E eu quando não estou a compor não sou sistemático mas sou obstinado; quero que as coisas saiam bem, que fiquem até onde sei que posso chegar. Às vezes até nos transcendemos um bocadinho sem dar por ela, mas não é isso. Nesse aspecto quero que saia mesmo bem, quero gostar delas sem ser condescendente. E isso é perigoso, porque há um momento em que achamos que já está bem e voltamos no dia seguinte e dizemos “hum”…

Corrige-se muito?

Ah, sim, claro. A gente vê que ainda não é aquilo e julgava que era. Até porque as alturas do dia… Se estivermos a trabalhar à noite já temos certas coisas em cima. Já comemos, já bebemos, já fumámos. Digamos que esses apports nos transformam também na maneira como deixamos a criatividade trabalhar.

Para melhor ou pior?

Uma pessoa pode ter a tendência de achar que está genial e que é muito bom e depois vai ver no dia seguinte…

Foi obra da noite anterior.

É, estive-me a enganar a mim próprio. É um pouco como os sonhos, onde temos ideias geniais. O Hitchcock falava disso. Uma vez teve uma ideia bestial para um filme e meio a dormir apontou num caderno e no dia seguinte era algo do género: um homem e um mulher encontram-se numa gare de comboio e vão tomar um café. Mais ou menos isto. De facto o que ele tinha pensado era outra coisa.

Recorda-se de tirar ideias de sonhos?

Costumo recordar muitos sonhos, mas não acho muito aproveitável, não. Às vezes há mecanismos meio inconscientes, quando as coisas aparecem num repente e de facto já tiveram trabalho antes, mas já é outra coisa. Estamos a absorver sem ter noção disso. Tenho canções onde reconheço coisas de livros que li, filmes, situações que são extramusicais e também de muita música que ouvi.

Canta uma “Linhagem Feminina”. É verdade que a sua avó paterna tinha um programa de rádio onde declamava poesia?

Era, era. Recordo-me de ouvir, no Porto. Tinha uma voz muito bem timbrada, muito bonita, mas em minha casa sempre se gostou muito de literatura e de poesia, muito presentes, como a música. A minha mãe tocava muito bem piano e o meu pai também gostava de música. A minha avó, sim, ouvia-a, e sendo uma coisa oral agradava-me. Eu até nem gostava tanto dessa avó, gostava mais da outra, mas dessas coisas gostava.

A outra não declamava poesia.

Não, mas contava outras histórias, muito saborosas. Também me ensinou muito. Mas nisso gostava da outra, sim, era muito inteligente.

Também daí o gosto pelas letras?

Não, isso sempre existiu em minha casa. A minha mãe tinha um jeito para fazer versos que era uma coisa… Os amigos por exemplo iam lá a casa jantar e ela fazia uma quadra para cada um, mas assim muito bem feito.

Já escrevia nessa altura?

Gostava muito de ouvir música, de todo o género, da clássica que ela tocava ao piano, como os discos do meu pai, brasileira, americana, jazz. O meu tio, irmão da minha mãe, também tocava bebop, música a abrir, para ensinar a dançar, como dizia o meu pai. Sempre cresci com isso, mais os livros.

Um privilégio para a época.

Era um privilégio, com outra coisa importante: uma certa consciência política, porque sobretudo o meu pai era mesmo contra o regime salazarista. Sempre fui comendo dessa colher de sopa, mas fazia-me sentido também. Ainda parti de Portugal legalmente mas nunca me passou pela cabeça ir para a guerra em África. Inclusivamente a nível das colónias, até antes de eclodir a guerra, o meu pai dizia que as devíamos deixar, como os outros países. Já tinha essa influência, embora não tivesse tido uma actividade política. Saí aos vinte anos e para dizer a verdade nunca fiz parte de nenhum partido. Mas tinha ideias contra o regime, claro.

Acompanha a política?

Sim, acompanho. Temos que acompanhar, além do mais ela entra-nos pela casa dentro e pelo bolso, mesmo que não queiramos. Mas sim, sigo de perto.

Tem estado a proteger a garganta. Já a pensar no concerto de sábado [hoje] no Avante?

Não, ando há três dias a acordar meio apanhado, mas sim vou actuar no auditório 1º de Maio. Já lá cantei muitas vezes e gosto. As pessoas estão muito próximas e querem mesmo estar ali por nossa causa. Só cantaremos duas do disco novo, mas a meio do mês vamos estar no Olga Cadaval e no Theatro Circo e cantaremos mais. Mas também teremos canções mais antigas, até porque há esta efeméride dos 40 anos.

Mesmo sem efeméride há sempre o pedido implícito por canções antigas. Constrange-o, tendo álbum novo para apresentar?

Não é constrangimento. Mas quando há álbum novo têm que levar com ele. Agora, acho que as minhas canções têm muitas vezes isso. Há um tempo de apreensão relativamente longo. É-me dito recorrentemente, até por colegas seus, que a primeira vez que ouvem estranham e só depois é que se entranha. Mas gosto que seja assim. É pior quando entra à primeira e depois uma pessoa já está farta.

Gosta de se ouvir por aí, na rádio, por exemplo?

Na rádio não passo muito. Há rádios que não me passam, vamos lá ver se este disco passa, não s ei, mas não quero falar muito disso. Se estiver no carro, onde só ouço rádio, não desligo, excepto quando passam sempre a mesma canção, que me irrita. Parece que só tenho duas ou três, como “O Primeira Dia” e o “Brilhozinho nos Olhos”. Caramba, fiz tantas canções! Parece que há uma certa preguiça. “Ah, embora pôr aquela.”

A sua voz não mudou muito nestes 40 anos.

Não acho que tenha mudado radicalmente, não. Engrossou um bocadinho com a idade, o que é natural. Ganha graves, mas não perdi muito nos agudos.

Terminando por onde devíamos ter começado, parabéns atrasados.

É verdade, foi ontem [quarta-feira]. O ano passado como foi número redondo foi uma grande festa; este ano foi muito tranquilo, só mesmo família, filhos e netos.

66?

66. Route 66. Já estou a atravessá-la. »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/146887-sergio-godinho-na-radio-parece-que-so-tenho-duas-cancoes-caramba-fiz-tantas, a 4 de Setembro de 2011, em Jornal I

RT

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: