Conheça O Novo Carro Que Percorreu 2500 Km Com Apenas 1 Litro de Combustivel…

Maio 31, 2011

Carro Percorre 2500 KM Com 1 Litro Combustível... Fonte: http://www.ionline.pt

Hoje trago um artigo, sobre o carro mais económico, que é de origem Portuguesa.

« Eco veículo da Universidade de Coimbra faz 2.568 quilómetros com um litro de gasolina

Um veículo protótipo da Universidade de Coimbra conseguiu percorrer 2.568 quilómetros com apenas um litro de gasolina, arrebatando o 3.º lugar no Shell Eco-marathon 2011, realizado na Alemanha, e afirmando-se como a melhor equipa portuguesa e ibérica.

A equipa da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), que reuniu alunos de engenharia automóvel e de engenharia mecânica, e teve como piloto a estudante de economia Ana Rita Lopes, melhorou a distância percorrida desde a edição transata, onde percorrera 2.204 quilómetros.

Com apenas um litro de gasolina sem chumbo 95, a uma velocidade média de 30 km/h, o Eco Veículo da FCTUC conquistou o 3.º lugar na categoria (Protótipos de combustão interna) e o 4.º lugar na classificação geral da Shell Eco-marathon Europe 2011, que decorreu nos últimos três dias no Circuito de Lausitz, na Alemanha.

Pedro Carvalheira, docente que coordena esta equipa, referiu que em termos de classificação a sua equipa perdeu um lugar, pois classificara-se em segundo na edição anterior, onde tinha beneficiado da má prova de uma favorita, e da desistência de uma outra candidata aos primeiros lugares.

 

“Melhorámos bastante e aproximámo-nos dos primeiros”, afirmou o docente, referindo que os grandes benefícios introduzidos no protótipo desde há um ano ficaram a dever-se às alterações no aerodinamismo e à introdução de uma nova peça no motor, que transfere calor da cabeça para o cárter.

 

Nesta prova, que reuniu cerca de 250 participantes nas várias categorias, de diversos países do mundo, a vencedora foi uma equipa francesa, que percorreu 3.688 quilómetros com um litro de gasolina. A segunda portuguesa foi a da Universidade do Minho, com 1.273 quilómetros percorridos também com um litro de gasolina.

 

A primeira de Espanha quedou-se pelo 11.º lugar, ao conseguir percorrer 1.455 quilómetros com um litro de gasolina.

 

A equipa do Eco Veículo, da Universidade de Coimbra, participa em provas de economia de combustível desde 1999 e detém o recorde absoluto da Península Ibérica desde o ano de 2001.

Para Pedro Carvalheira, o Eco Veículo é uma forma de os alunos do segundo ciclo desenvolverem trabalho prático todo o ano, e encontrarem nele “um motivo para estudar as coisas”.


*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico *** »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/126660-eco-veiculo-da-universidade-coimbra-faz-2568-quilometros-com-um-litro-gasolina, a 30 de Maio de 2011, em Jornal II

RT


Conheça o X 35i da BMW…

Maio 30, 2011

BMW X3... Fonte: http://www.ionline.pt

Hoje e para começar bem a semana, trago um artigo sobre o novo BMW 35i.

« Um automóvel para quem pode e não para quem quer

O BMW X3 com o motor 35i a gasolina tem um comportamento de arrasar, mas para o ter é preciso não ter preocupações quando se vai à bomba abastecer

A BMW lançou no início do ano o X3 revisto e aumentado. Cresceu exteriormente em dimensões, melhorou a habitabilidade e subiu também a capacidade da mala. A qualidade de construção e o conforto subiram também proporcionalmente, tornando-o a referência do segmento, em comparação com os seus mais directos concorrentes desta distinta família premium: Audi Q5, Mercedes GLK e Volvo XC 60 (poderíamos acrescentar ainda Porsche Cayenne e VW Touareg, que são perfeitamente comparáveis, quer em termos de prestações quer de preços, ainda que em termos psicológicos sejamos levados a considerá- -los num sector à parte).

O X3, um SUV com tracção às quatro rodas, é portanto uma boa escolha para quem precisa de um automóvel capaz de transportar a família, a bagagem, apresentar níveis de conforto comparáveis com os de uma belina e ainda estar apto para fazer incursões fora de estrada, quase só limitadas pelo tipo de pneus que o carro montar, porque de resto as suas competências são mais que muitas.

Na Europa, e particularmente em Portugal, a maior parte das vendas recai na motorização 2.0d, equilibrada, com prestações bastante boas, consumo médio módico (inferior a 7 litros/100km) e um preço menos inacessível.

Essa será a escolha lógica. No entanto, o nosso teste recai numa outra versão, com uma motorização a gasolina mais alambazada e que, como escrevemos em título, só se adequa a quem não tenha o mínimo de preocupações com o que paga cada vez que vai à bomba atestar o depósito de 67 litros.

Durante o teste fizemos uma viagem Lisboa-Porto e volta, com mais uns desviozinhos pelo meio, e gastámos cerca de 140 euros de combustível. Felizmente nas portagens o X3 paga classe 1.

Equipado com o motor de 3 litros de cilindrada, seis cilindros em linha e 306 cavalos de potência, o BMW X3 xDrive 35i é um brutamontes muito simpático. É capaz de circular em cidade da forma mais suave possível, para se transformar num diabo, capaz de ir dos 0 aos 100 km/h em menos de 6 segundos, pese embora o seu avantajado peso de 1,8 toneladas.

Claro que isso se paga na bomba, com consumos que vão dos 13 litros aos 100 km numa condução muito, mas mesmo muito ajuizada, cumprindo todos os limites do Código da Estrada, até aos 17 litros se se fizer muito percurso em cidade e auto-estrada a pisar o risco aqui e ali, e sobretudo se se recorrer muitas vezes ao kick- down para fazer ultrapassagens atrevidas. A fundo, conte com cerca de 20 litros aos 100 km. Uma barbaridade!

Mas esquecendo essa história dos consumos, a verdade é que o BMW xDrive 35i consegue dar um prazer de condução que não está ao alcance de muitos outros carros deste tipo.

Para isso muito contribuem todos os aperfeiçoamentos electrónicos, como a possibilidade de regulação do modo em que se quer conduzir (normal, sport ou sport+), já testados noutros modelos BMW e que alteram o comportamento da suspensão, do regime de caixa, motor e direcção.

A caixa de velocidades automática (também de funcionamento sequencial) de 8 relações faz milagres e é responsável por mal se sentirem quebras de rotação na evolução da marcha.

O sistema xDrive é responsável por haver sempre potência em ambos os eixos, conforme as necessidades de aderência e falta dela em cada uma das rodas. Em situações normais, o sistema reparte 40% da potência pelo eixo dianteiro e 60% pelo traseiro. Consoante as necessidades, essa repartição pode ir até à transferência de toda a potência para o eixo traseiro.

No modo mais radical, todas as ajudas ao condutor (controlo de tracção ou controlo de estabilidade são reduzidas ao mínimo, ou mesmo desligadas, permitindo tirar o máximo prazer de uma condução desportiva).

Referir os interiores para quê? Estão ao melhor nível que a marca alemã nos habituou. Bons materiais, equipamento supercompleto, tudo bem desenhado e organizado de uma forma muito sensata e intuitiva.

O X3, que já é um automóvel que custa bastante dinheiro, mesmo com motorizações menos espampanantes, com este motor é um automóvel que será comprado por um pequeno nicho de automobilistas na Europa. Já na América é uma versão absolutamente normal, tão normal que é a única que sai da fábrica que a BMW tem nos Estados Unidos.

Uma boa escolha para quem a puder fazer. Afinal não é um carro para quem quer, mas para quem pode. »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/126158-um-automovel-quem-pode-e-nao-quem-quer, a 27 de Maio de 2011, em Jornal I

RT


Saiba Como Fazer Uma Boa Francesinha….

Maio 29, 2011

Receita de Francesinha... Fonte: http://www.receitasdadina.com

Hoje e para ser um Domingo Diferente, trago uma receita de como fazer francesinha…

« Ingredientes para duas pessoas
– 4 fatias de pão de forma bem torrados (podem ser de pão rico)
– 2 bifes de vaca temperados com sal e pimenta (tb fica mt bom bifes de perú)
– 2 salsichas
– 2 linguiças
– 4 fatias de mortadela (por acaso não usei)
– 4 fatias de fiambre
– 10 fatias de queijo flamengo
– 1 cebola bem picadinha
– 2 dentes de alho bem picadinhos
– 40g de manteiga
– azeite qb
– 1 folha de louro
– Corato de bacon
– 4 colheres de sopa de polpa de tomate
– 2 dl de vinho branco
– 0.5 l de cerveja (ponho uma cerveja e o resto água)
– 2 dl de água quente com um caldo de carne misturado
– 4 colheres de sopa de farinha maizena própria para molhos
– 0,5 dl de vinho tinto
– 0,5 dl de brandy
– Piri-piri (costumo colocar cerca de 15 gotas)

Numa panela média, levar ao lume a manteiga, a cebola, os alhos, o louro e o corato de bacon. Deixar refogar bem.
Depois juntar a polpa de tomate e o vinho branco. Quando começar a ferver, juntar a cerveja e deixar cozinhar em lume baixo, mais ou menos 20 minutos.
Juntar 2 colheres de farinha maizena e a água com o caldo de carne. Deixar ferver.
Quando começar a ferver, retirar o corato de bacon e o louro. Passar muito bem com a varinha mágica até ficar tudo bem triturado.
Levar novamente ao lume e juntar o brandy e o vinho tinto. Temperar com piri-piri e deixar ferver mais um pouco.
Colocar mais 2 colheres de sopa de farinha maizena. Mexer bem e apagar o lume.
Numa frigideira, aquecer o azeite. Quando este estiver bem quente, colocar os bifes.
Grelhar as salsichas e as linguiças (tirar a pele), ambas cortadas ao meio.
Depois de grelhadas, cortar as salsichas e as linguiças em quatro partes.
Num prato de ir ao forno, colocar uma fatia de pão torrado no fundo e, seguidamente, o bife, a linguiça, 2 fatias de mortadela, 1 salsicha, 2 fatias de fiambre, 1 fatia de pão torrado. Cobrir com 5 fatias de queijo flamengo.

(no meu caso não coloco mortadela pk nao gosto, assim, coloco o pão, o bife, a linguiça, a fiambre, a salsicha e o pão)

Levar ao forno nos 200º (já deve estar pré-aquecido). Quando o queijo começar a fazer bolhinhas, deve-se retirar.
Cobrir com o molho as francesinhas.

O molho, se sobrar, pode ser congelado. Depois basta aquece-lo novamente.
Bom apetite! »

In: http://anossavida.pt/forum/minha-receita-francesinha, a 27 de Maio de 2011

RT


Conheça Serralves em Festa…

Maio 28, 2011

Festa em Serralves... Fonte: http://www.ionline.pt

Hoje trago uma notícia que versa sobre um programa para este fim semana, desta feita em Serralves.

« 40 horas sem parar: Serralves está em festa

 Esta é a oitava edição da iniciativa da fundação portuense. Chicks on Speed e Ana Deus fazem parte da programação

Não é uma festa qualquer: são 240 eventos durante 40 horas consecutivas, o que faz desta iniciativa o maior festival de expressão artística do país. Começa amanhã pela fresquinha, às 8h00, e termina domingo com as doze badaladas. Nada tema, ninguém se vai transformar em abóbora. E o melhor de tudo é que a entrada para todos os eventos é livre.

Os espectáculos não vão ficar confinados ao espaço da fundação. O Aeroporto Francisco Sá Carneiro e a Baixa do Porto também vão ter direito a animação. Há actividades para todas as idades e todos os gostos, para que ninguém fique de fora. Há performances, música, dança, teatro, cinema, exposições e até circo, com muitas acrobacias à mistura.

Destaques da programação Comecemos com a dança. Nilo Gallego, Theo Kooijman e Ludovic Rivière interpretam uma peça concebida por Martine Pisani, coreógrafa francesa. “As Far as the Eye Can Hear” mistura-se com a paisagem e acontece sábado e domingo às 13h30 e às 19h30 no Bosque de Serralves.

Ainda ao ar livre, na Clareira das Bétulas, a companhia Erva Daninha mostra o espectáculo “Desaguisado”, de novo circo, com acrobacias e muito humor à mistura. Às 11h30 e às 16h30.

“Cabaret on Strings” é um espectáculo de marionetas com música. Há step afro-americano, rock dançado por esqueletos, música cigana e mexicana. Às 12h30, 16h30 e 18h00, no Bosque.

À meia-noite de sábado (que tecnicamente já é domingo) é a vez das Chicks on Speed subirem ao palco. Alex Murray-Leslie e Melissa Logan trazem electropop, electro-clash com punk à mistura ao Prado, em Serralves.

Às 3h00 a Praça dos Coveiros, na Baixa do Porto, recebe os mexicanos Ritmia Periférica.

Domingo, às 18h30 e novamente às 22h00, Ana Deus e Alexandre Soares, a dupla Osso Vaidoso, e Paulo Anciães Monteiro trazem Leitura Furiosa, “uma oficina de leitura em que os escritores escrevem, graças à escuta mútua, em parceria com pessoas excluídas do mundo da escrita”. Se não consegue escolher, tem bom remédio: prepare-se para passar o fim-de-semana em Serralves.  »

IN: http://www.ionline.pt/conteudo/126126-40-horas-sem-parar-serralves-esta-em-festa, a 27 de Maio de 2011

RT


Conheça o LX Factory…

Maio 27, 2011

LX Factory... Fonte: http://www.ionline.pt/

Hoje trago um artigo, que versa sobre LX Factory Open, passo a transcrever o referido artigo.

« Lx Factory Open Day. Venha conhecer a linha de montagem mais criativa de Lisboa

 A antiga Companhia de Fiação e Tecidos Lisbonense é desde 2007 uma ilha de criatividade e bom senso plantada no coração de Alcântara. Uma referência a geografia, botânica e anatomia em apenas uma frase mostra as várias maneiras com que se pode definir um espaço onde as empresas, agências, ateliers e galerias parecem surgir que nem cogumelos. Daí que não seja descabido, por exemplo, chamar-lhe uma estufa micológica a céu aberto. Amanhã a LX Factory está de portas (e braços) abertos das 10h às 4h

 Instalação

Mais um convite para visitar os trabalhos de Joana Bastos, Sara e André, Jorge Maciel, entre muitos outros, em Instalações Sanitárias, um projecto ArtBuilding comissariado por Puppenhaus.
A partir das 10h00

View With (Out) View, de Pedro Seixo Rodrigues, ou “o que fazer quando, ao anoitecer, a bela vista do exterior desaparece, passando a reflectir apenas o branco do espaço interior?!”
A partir das 21h00

 

Livros

Obras antigas para descobrir e redescobrir a preço de amigo e volumes acabados de nascer. O edifício H recebe a Feira do Livro Novo e Usado.
Das 12h00 às 2h00

Pensava que a crise faltava à festa? Desengane-se. José Adelino Maltez e Eurico Figueiredo apresentam na Ler Devagar a obra “Portugal em crise: Pela reforma global do sistema político e das políticas públicas”, de Fernando dos Reis Condesso.
A partir das 19h00

 

Música

Suba ao quarto piso e escute A Música Portuguesa a Gostar dela Própria. São miniconcertos de meia hora distribuídos por espaços pouco convencionais.
As actuações estão a cargo de Joana Machado, Joana Guerra, Memória de Peixe, Azevedo Silva, Cão de Morte e Filho da Mãe, com vídeo de Tiago Pereira.
Das 13h30 às 21h30

Na livraria Ler Devagar há concerto de jazz com Marta Hugon e Filipe Melo.
A partir das 23h00

 

Teatro

Animação na rua principal da fábrica mais agitada de Lisboa. Em “Troiando”, o cavalo de Tróia mostra a “Odisseia” com uma trupe experimental de performers que contará histórias pela companhia de teatro itinerante Os Criadores de Imagens.
A partir das 15h00

Será ou não será? “Art Isn’t True, is Just Something That We Do”. Tire a teima nesta performance marcada para o terceiro piso.
A partir das 21h00

 

Provas

O supermercado Brio lança um desafio aos visitantes: colorir uma parede ilustrada. Enfim, há mais. No interior conte com degustação de alimentos provenientes de agricultura biológica, com a presença dos respectivos produtores.
Das 16h00 às 22h00

A revolução começa no estômago. “And What About Revolutionary People?” O conceito Gourmet Lisboa chega à LX Factory com  selecção de produtos.

 

Estilo

Maquilhar a crise é uma proposta ambiciosa, a par com as tentativas do Estado de massajar os números do défice. Mas o que vai acontecer na LX Factory não tem nada a ver com folhas Excel e balancetes duvidosos. A Organii vai ensinar mulheres a maquilhar-se para o trabalho ou entrevistas de emprego.
Das 17h00 às 18h45

India That Wears You é um encontro com uma personal stylist, Vivi Harle, que diz quais os trapinhos que deve usar.

 

Miúdos

A editora infantil (porque tem poucos anos de vida e esse mesmo público-alvo) Planeta Tangerina apresenta o seu último livro, “Praia Mar” com um workshop do ilustrador Bernardo Carvalho.
Das 18h00 às 21h00, Edifício H

Para miúdos e graúdos, isto é, pais e filhos, vai haver um espaço onde as famílias poderão tirar um retrato, à antiga, antes de se zangarem. Vai acontecer durante todo o dia no Fórum Dança.

 

Experiência

À entrada da LXFactory vai estar uma câmara e alguém para fazer uma pergunta surpresa. Os resultados vão ser enviados por email aos participantes.
Das 21h00 às 22h00

Na rua principal da fábrica vai estar montado um set de filmagem para quem quiser sentir o calor dos holofotes. Uma pequena cena de ficção levada a cabo pela Act que será filmada e posteriormente projectada nas paredes do edifício.

 

Cinema

Na livraria Ler Devagar será apresentado “Pietro, um Artista Cinemático”, filme de François Manceaux sobre um escultor.
Às 20h30

O cinema experimental de Paola Stella Minni, italiana a viver em Lisboa, vai ser exibido no Edifício Fórum Dança e Rumo de Fumo. Três curtas, uma delas dedicada a um agitadíssimo jardim em Alcântara e as suas “pequenas cerimónias”. A saber: “fumar e jogar às cartas”.
A partir das 22h00

 

Festa

Chama-se “Os Santos na Fábrica” e é um baile popular aos melhor estilo das festas da sardinha e do manjerico que se aproximam. A animação fica nas mãos da Fanfarra Móvel e alguns DJ, e não vai faltar uma banca com o habitual “esmerado serviço de bar”.
A partir das 14h00

“Contra a crise, dançar, dançar…” é o lema desta festa em que os protagonistas são os DJ Guerreiro Galante, no Edifício Fórum Dança.
A partir das 23h00 »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/125791-lx-factory-open-day-venha-conhecer-linha-montagem-mais-criativa-lisboa, a 26 de Maio de 2011, em Jornal I

RT


Saiba se Podem Alterar o Spread do Seu Crédito Habitação…

Maio 26, 2011

Saiba se o seu Spread Vai Ser Alterado... Fonte: http://economico.sapo.pt

Hoje  trago um artigo que considero interessante, pelo menos neste tempo de crise, e que passa por a possibilidade de se poder alterar os spreads, de forma unilateral.

« Fique a saber se o seu banco pode subir o ‘spread’

O BdP publicou um código de conduta que os bancos devem ter em conta na alteração unilateral dos juros dos empréstimos.

Um conjunto de boas práticas dirigido aos bancos, publicado na semana passada pelo Banco de Portugal (BdP), fez voltar “à luz da ribalta” a cláusula polémica dos contratos de crédito que permite (em determinadas situações) às instituições financeiras fazerem alterações de forma unilateral dos juros dos empréstimos. O tema é sensível, especialmente, tendo em conta que muitas famílias vivem já com os seus orçamentos esticados ao máximo e receiam que um aumento dos encargos com os empréstimos ponha em causa a sua capacidade para fazer face aos seus compromissos. O Diário Económico explica-lhe em cinco questões o que está em causa nesta matéria.

1.Todos os contratos de crédito à habitação estão sujeitos a que os bancos alterarem, de forma unilateral, os juros do empréstimo?
Não. Segundo o Banco de Portugal, apenas os empréstimos que tenham nos seus contratos a cláusula contratual que permite a alteração unilateral da taxa de juro com base “em razão atendível” ou em “variações de mercado” poderão ser afectados. Ou seja, se o seu contrato não inclui esta cláusula, então o banco não pode alterar de forma unilateral o valor do ‘spread’ praticado no crédito.

2. A cláusula polémica que permite aos bancos alterarem de forma unilateral os juros dos empréstimos é legal?
Sim, é legal. Os bancos podem incluir nos seus contratos de crédito este tipo de cláusulas, já que essa permissão deriva da transposição de uma directiva europeia. Num comunicado divulgado esta semana pelo Banco de Portugal é possível verificar que a inclusão deste tipo de cláusulas não é proibida. “De acordo com o disposto no referido diploma legal, que transpôs para o ordenamento jurídico nacional a Directiva n.º 93/13/CEE, do Conselho, de 5 de Abril, a inclusão deste tipo de cláusulas – ditas de “jus variandi” – em contratos de crédito celebrados com consumidores não é proibida, desde que seja respeitado o princípio da boa fé e os requisitos legais assinalados”, refere o regulador. Apesar disso, a associação de defesa dos consumidores considera que estas cláusulas são abusivas e penalizam os consumidores. Por esta razão, a Deco admite em última instância recorrer aos tribunais para pedir a nulidade da cláusula.

3. Em que situações é que o banco pode subir o ‘spread’ do credito à habitação?
Os bancos podem accionar esta cláusula quando existem “razões atendíveis” ou “variações de mercado” que justifiquem a alteração unilateral da taxa de juro ou de outros encargos dos empréstimos. E é aqui que reside a polémica da questão, visto que não está especificado ou definido aquilo que pode ser invocado como uma “razão atendível” ou “variação de mercado”. Ainda assim, o Banco de Portugal no comunicado elaborado esta semana defende que os bancos devem “concretizar com detalhe suficiente” as razões e os motivos que levam a instituição a alterar, de forma unilateral, os juros dos empréstimos. O regulador defende ainda que os factos que motivam os bancos a fazerem essa alteração devem ser ” externos ou alheios à instituição de crédito (….); ser relevantes, excepcionais e ter subjacente um motivo ponderoso fundado em juízo ou critério objectivo”.

4. Qual é o objectivo do código de conduta publicado esta semana pelo Banco de Portugal?
Há vários anos que é possível incluir nos contratos de crédito a cláusula que permite a alteração unilateral da taxa de juro ou de outros encargos. Mas até agora, a sua utilização não estava sujeita a qualquer tipo de orientações ou de recomendações. O caso mudou de figura quando no ano passado vários consumidores alertaram a Deco para o facto de vários bancos estarem a incluir a cláusula do tipo ‘jus variandi’ nos seus contratos de crédito. A situação gerou tal polémica junto da opinião pública que obrigou à intervenção do Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor. Fernando Serasqueiro chamou até si vários responsáveis de bancos portugueses e, no final destes encontros, as instituições financeiras aceitaram deixar de incluir a cláusula nos seus contratos. Na mesma altura, o Banco de Portugal, anunciou que estaria a “preparar um conjunto de orientações sobre as boas práticas a serem seguidas pelas instituições de crédito, sempre que decidissem incluir este tipo de cláusulas em contratos de crédito”. O resultado desse compromisso assumido pelo Banco de Portugal foi divulgado esta semana, com o regulador a enviar aos bancos uma carta circular em que define um código de conduta a ter em conta nestas situações. Apesar deste código de boas práticas ter reacendido a polémica , a verdade é que o Banco de Portugal quis com as novas regras fazer “um reforço da protecção do cliente bancário”, tendo como objectivo “garantir a transparência, a objectividade e a proporcionalidade das instituições de crédito na sua relação com os cliente na matéria em causa”.

5. De que forma este novo código de conduta vem proteger mais os consumidores?
O código de conduta elaborado pelo Banco de Portugal recomenda aos bancos que utilizarem a cláusula que especifiquem e detalhem os motivos que os levam a accionar a cláusula. Além disso, as instituições devem ainda informar por escrito os consumidores das alterações, dando um prazo de 90 dias para que as pessoas analisem as alterações introduzidas nos contratos, para decidirem se querem ou não exercer o direito de resolução de contrato. A carta dirigida aos clientes deverá conter a seguinte informação: os motivos subjacentes à decisão de alterar o contrato; a nova taxa de juro, o prazo e a forma de exercício do direito de resolução e a data de produção dos efeitos de alteração. Mais: se o cliente optar pela resolução do contrato, o banco não pode exigir comissões de reembolso antecipado. Outra novidade que o código de conduta do Banco de Portugal introduz tem a ver com o facto da cláusula dever ser reversível. Ou seja, o banco deverá fazer a reversão das alterações nas taxas de juro, quando “os factos que as tenham justificado deixem de verificar”.

Spreads em rota ascendente
Os ‘spreads’ praticados pela banca em Portugal não param de subir. Desde o pedido oficial de ajuda externa, no início de Abril, oito bancos já aumentaram os ‘spreads’ cobrados na habitação. Em Maio, BPI, Banco Popular, Deutsche Bank e Caixa Galicia aumentaram os ‘spreads’. Em Abril, já o BCP, Santander, Banif e BBVA haviam revisto em alta o custo do crédito. Os maiores aumentos são sentidos nos ‘spreads’ máximos- aplicados aos clientes com um perfil de risco mais elevado. Nestes casos, os ‘spreads’ máximos chegam a a atingir os 5,95% (no caso do BBVA). Já no que se refere aos spreads mínimos, o banco que apresenta o valor mais baixo é a Caixa Galicia, com um ‘spread’ mínimo de 1,1%. »

In: http://economico.sapo.pt/noticias/fique-a-saber-se-o-seu-banco-pode-subir-o-spread_118529.html, a 25 de Maio de 2011, em Diário Económico.

RT


Veja Onde Pode Ver Uma Exposição de Marilyn Monroe…Nua…

Maio 25, 2011

Marilyn Monroe... Fonte: http://www.ionline.pt/

Hoje trago um artigo que pode interessar, pelo menos aos mais aficionados por Marilyn Monroe…

« Marilyn Monroe. Despida para a última sessão fotográfica

As fotografias de Bert Stern, o último homem a fotografá-la, uns dias antes da morte da actriz, vão estar em Cascais a partir de dia 5. O livro com as imagens sai dia 3

“Apanhar Marilyn Monroe sozinha num quarto, sem mais ninguém por ali, e tirar-lhe a roupa toda.”

Não nós, mas Bert Stern, fotógrafo americano. E conseguiu. Em 1962, ano em que a diva morreu de uma overdose de barbitúricos. Stern foi o último homem a fotografá-la. Foram precisas várias garrafas de champanhe Dom Perignon de 1953, muita paciência, três dias e três noites de trabalho para que Marilyn se despisse na suite 261 do Hotel Bel-Air, em Los Angeles. Ao todo, o fotógrafo captou 2571 imagens da actriz. Desses milhares, Stern escolheu 60 para uma exposição: “Marilyn Monroe – A última sessão”, inaugurada em 2006 em Paris e que dia 5 de Junho vai estar aberta ao público no Centro Cultural de Cascais, numa iniciativa da Fundação D. Luís I. A exposição, patente até 17 de Julho, já esteve em Paris, Rio de Janeiro, São Paulo, Nova Iorque, Seul e Londres.

Os negativos da maioria das imagens ficaram guardados a sete chaves pelo fotógrafo – com excepção das utilizadas pela revista “Vogue”, que patrocinou a sessão – que só as revelou ao mundo em 1982, 20 anos mais tarde.

Segundo Salvato teles de Menezes, administrador Delegado da Fundação D. Luís I, que viu a exposição em Paris e nunca mais a esqueceu, “o que distingue estas fotografias de todas as outras que foram tiradas à actriz, é que nestas há já naquele rosto marcas de uma infelicidade que não é recente”. “Nestas fotografias, Marilyn exibe-se ainda mais do que no célebre calendário [de 1949 com fotos de Tom Kelley] e essas marcas tornam-se mais fortes, mais evidentes”, continua Salvato.

A acompanhar a exposição há um catálogo com as 60 imagens e com um texto do próprio fotógrafo que acompanha as fotografias e que descreve toda a sessão.

A sessão

Diz Bert Stern que o desejo de a fotografar “tinha começado há muito tempo”. No entanto, foi preciso criar confiança e respeito por si próprio, profissionalmente, antes de se aventurar numa sessão com Marilyn.

Pediu à assistente que ligasse para a agente de Monroe, para que ela pousasse para ele, para sair na Vogue. O sim – de Marilyn e da “Vogue”, que nunca tinha publicado fotos da diva – chegou rapidamente.

A única condição da actriz era que a sessão fosse feita em Los Angeles. E assim foi. Com cinco horas de atraso, uma das manias da actriz, Marilyn apareceu no hotel Bel-Air, pronta para ser fotografada.

Bert Stern, nasceu em 1929 em Brooklyn. Começou por ser moço de recados numa revista. Passou por algumas publicações, foi enviado para o Japão durante a Guerra da Coreia e tornou-se num dos fotógrafos mais bem pagos do mundo com a campanha que fez para a Smirnoff, a marca de vodka.

A diva Não se espante se der por si a admirar as fotografias de Stern e a parar no estômago descoberto de Marilyn, de sobrolho franzido. É só uma cicatriz, de uma remoção da vesícula que a actriz tinha feito seis semanas antes da sessão. A promessa de que seria retocada perdeu-se com o tempo e a verdade é que a ideia de Stern era fotografá-la “em estado puro”.

Muitas das fotografias foram, inclusivamente, tiradas sem maquilhagem, apenas batom e sombra dos olhos. Marilyn não precisava de artefactos.

Norma Jeane Mortenson, rapidamente rebaptizada pela mãe como Norma Jeane Baker, faria este ano 85 anos.

Teve uma infância difícil, feita de sucessivas casas de acolhimento, misturada com episódios traumatizantes protagonizados pela sua mãe que sofria de graves distúrbios psicológicos.

Marilyn foi casada três vezes, e três vezes se divorciou, com James Dougherty, Joe DiMaggio e Arthur Miller. Teve uma longa lista de amantes e de psicólogos. Foi encontrada morta, aos 36 anos, pelo seu último psiquiatra, no dia 5 de Agosto de 1962. A causa provável terá sido suicídio, mas há outras teorias. »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/125243-marilyn-monroe-despida-ultima-sessao-fotografica, a 24 de Maio de 2011, em Jornal I

RT