Portugal Vai Originar Cortes de Internet Aos Piratas Informáticos…Quais as Vantagens e Desvantagens…

Hoje trago, um tema que vai gerar muita polémica, e que na minha óptica vai originar problemas de liberdades, direitos e garantias dos utilizadores da internet, e vai levantar problemas que desde o 25 de Abril de 1974 não eram notados, como a espionagem, e a perseguição de pessoas. Vão colocar em causa as empresas que Internet, e vai originar desemprego, pois muitas delas vão ter que mandar os clientes embora, e como tal, vão ter prejuízos e vão ter que despedir pessoas, passo a transcrever a notícia e de seguida faço um breve comentário:

«Pirataria na internet: Portugal vai poder cortar acesso a quem for apanhado a piratear

A União Europeia vai aprovar directiva, mas impõe restrições ao corte, que só pode ser feito após um processo “justo e imparcial”

A votação está marcada para o final de Novembro e deverá fazer aprovar uma das leis mais polémicas da era digital: os países europeus vão poder cortar o acesso à internet a quem for apanhado a piratear. Se tudo correr como previsto, o novo enquadramento europeu para as comunicações electrónicas – telecoms package – estará pronto ainda este ano e terá de ser transposto para a legislação dos 27 estados-membros. Isto, obviamente, inclui Portugal.

Embora o executivo de José Sócrates tenha alguma margem de manobra na transposição da directiva, o facto é que a interrupção do acesso a quem for considerado culpado de partilha ilegal de ficheiros passará a ser possível. E isso faz antever a eclosão de uma guerra entre os fornecedores de internet, os detentores de direitos e os próprios consumidores portugueses. Até agora nenhuma empresa de internet quis pronunciar–se sobre esta medida, sendo já conhecido o apoio de organismos como o MAPiNET – Movimento Cívico Anti-Pirataria na Internet, bem como as críticas dos defensores dos direitos dos consumidores.

No entanto, o acordo histórico conseguido na quarta-feira à noite no Parlamento Europeu impõe várias limitações a este procedimento. É que o pacote legislativo já tinha sido aprovado em Maio, mas um diferendo entre o Parlamento Europeu e o Conselho de Ministros obrigou à suspensão da aprovação. Em causa estava uma emenda segundo a qual o corte só poderia ser feito com autorização judicial, algo com que o Conselho não concordava.

Após uma noite intensa de conciliação, ambas as partes acabaram por ceder e foi decidido que o corte ou a restrição só poderão ser feitos se forem “apropriados, proporcionais e necessários no quadro de uma sociedade democrática”, com “respeito pelo princípio da presunção de inocência e do direito à privacidade” e ainda como “resultado de um processo prévio justo e imparcial”, que garanta “o direito do consumidor a ser ouvido” e a uma “revisão judicial” em tempo útil. É este o texto que será votado entre 23 e 26 de Novembro.

No entanto, não ficou claro que forma terá o “processo justo e imparcial” a que Parlamento e Conselho se referem. Certo é que esta directiva irá chocar com as leis já aprovadas em França e no Reino Unido.

“Não me choca que haja um juiz a decretar o corte. O que me choca é que se tenha de esperar não sei quantos meses para a sua concretização”, afirma ao i Manuel Cerqueira, presidente da Associação Portuguesa de Software (Assoft), um dos principais defensores da criação de um tribunal específico para as questões da pirataria informática. O responsável frisa que uma ordem de corte de acesso à internet “deve ter a mesma acção que uma providência cautelar”. Ou seja, efeito imediato.

Todavia, só quando a directiva for transposta para a legislação portuguesa se perceberá a que órgão vai caber o papel de fiscalizar estes pedidos de interrupção de serviços de acesso à internet. Ao i, a Autoridade Nacional de Comunicações – Anacom, explicou que a decisão cabe ao governo e que não tem necessariamente de recair sobre um organismo específico.

Além disso, o pacote legislativo é muito mais abrangente que esta questão. Vai criar, por exemplo, um novo organismo europeu denominado BEREC para melhorar a cooperação entre os reguladores de telecomunicações dentro da União Europeia. Também inclui uma directiva de reforço dos direitos dos consumidores – que, entre outros, vai exigir consentimento prévio para que os sites instalem cookies nos computadores – e permitir a transferência do número de telemóvel de uma operadora para outra em apenas um dia útil.»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/31518-pirataria-na-internet-portugal-vai-poder-cortar-acesso-quem-for-apanhado-piratear, a 06 de Novembro de 2009, no Jornal I

O meu comentário:

Na passada sexta feira, saiu a notícia acima transcrita, uma lei que vem colocar em causa, valores tão importantes, e conquistados a 25 de Abril de 1974, onde as pessoas, ganham a liberdade, e se termina com a repressão, e ter uma polícia, como era a PIDE.

Pois bem, eu não sou o denominado pirata, não tenho hábito de retirar coisas da internet, no entanto, penso que devem atirar a primeira pedra, quem nunca descarregou nada de ilegal da Internet…penso que ninguém, utilizador da internet a nível médio, deve conseguir atirar a primeira pedra.

Outra questão, que se levanta, é a definição de pirataria, pois a mesma, não se encontra bem definida, pois pirataria para muitos e retirar conteúdos como filmes, jogos, software, álbuns, e com estes conteúdos, fazer dinheiro, ou seja, vender, e para outros é simplesmente, retirar esses mesmos conteúdos, mas para uso próprio. Pessoalmente, penso que a primeira, é a verdadeira pirataria, pois antigamente, os barcos de piratas, saqueavam para depois fazer dinheiro com tal.

Convenhamos, que os downloads, foram o motor de busca, para a mumificação da internet, e a constante aumento das velocidades oferecidas pelos ISP, bem como, em muitos casos à abolição dos limites de tráfego.

Penso que muito do que fazem downloads, para seu uso próprio, ou seja, não usam para venda, ou para enriquecimento próprio, devem se poder «defender», como sendo para seu uso, e que estão incluídos no preço do serviço de internet.

A lei a ser aprovada, na minha óptica, vai dar origem a diversos problemas, os cidadãos vão ter a sensação de estarem a ser espiados constantemente, o que torna um país um pouco retrogado, e que parece estamos em meados do século passado; outro dos problemas, é que os ISP, vão perder clientes, e vão ter uma concorrência entre si, um pouco injusta, senão reparemos, um ISP tem que desligar um serviço a um cliente, no entanto, esse cliente ao ser deparado com uma empresa, a quem contrata um serviço, e a mesma, não o quer prestar, é forçado a mudar para outro ISP, que responda às suas necessidades, desejos e motivações e que lhe preste um serviço, com qualidade e sem interrupções. Perante esta situação, eu não queria estar no papel de ISP, pois é muito chato, ter que cortar o serviço, a quem me paga, ou seja, a quem me sustenta, digo mesmo, que é ridículo, só comparável, como ir a um hipermercado, mas os mesmos não me venderem nada, pois não podem… Levanta-se a questão, quem vai indemnizar os ISP, por serem forçados a perder clientes? E já agora, com que verbas? Devem ser as verbas dos impostos, como sempre.

Na minha opinião, e mais uma vez ressalvo, não utilizo a internet para esse tipo de situações, mas penso que, quem o faz para seu uso privado, não deve ser prejudicado, pois ao fim ao cabo, pagou a mensalidade do serviço para o fazer, e em muitos locais, não tem nenhum aviso, ou indicação, que o que vai efectuar em alguns países é ilegal; no entanto, vai gerar conflitos entre clientes, ISP’s, autoridades…etc, exemplo disso, foi os conflitos originados em alguns países europeus.

Uma solução para isto, era por exemplo, os ISP, criaram um serviço, onde o cliente pagaria uma mensalidade de por exemplo, 10€ ou 15€, e que poderia ter acesso a conteúdos para poder descarregar de uma forma legal, e o ISP, poder até mesmo conseguir entrar em acordo com o autor, e pagar os direitos, penso que ganharia o autor, o ISP, e o cliente, além de todos, terem a noção que quem hoje não está no mundo da internet, está deslocado da realidade.

Trata-se de uma questão polémica, a qual não vou tomar nenhum partido, não costumo usar a internet para isso, alias, ainda sou dos que tem em casa, um acesso à internet muito baixo e com limites baixos, apesar de me tentarem fazer mudar para acesso de preço superior, mas com velocidades superiores, a minha resposta é a mesma, para consultas normais de sites, e-mail, chega perfeitamente, logo, não estou interessado.

Deixo a Questão: Que pensa desta lei que pode desligar a internet, a quem efectuar downloads de forma ilegal da internet?

Tenho Dito

RT

Anúncios

Conheça as Fraudes Mais Comuns da Internet…

As Fraudes mais Comuns da Internet... Fonte: http://www.academictech.doit.wisc.edu

Hoje por ser inicio da semana, trago um artigo que li sobre as fraudes mais comuns que acontecem na internet, vou transcrever a respectiva notícia.

« Conheça as fraudes mais comuns na Internet

As burlas ‘online’ mais eficazes continuam a inspirar-se em velhos esquemas criados há 10 anos. Descubra as 7 fraudes mais comuns.

Da Rússia com amor.” É título de filme e podia ser o remate de um e-mail enviado por qualquer jovem russa, apaixonada pelo seu destinatário português e pedindo ajuda financeira para comprar o bilhete de avião que lhe permita encontrarem-se.

Podia ser o início de uma grande história de amor, mas é só mais uma fraude pela internet.

À semelhança do “esquema nigeriano”, a burla mais conhecida feita através de e-mail – “o esquema das namoradas” – pode apelar ao coração, mas o objectivo é o mesmo: “enganar os utilizadores, roubando-lhes quantias que podem chegar aos milhares de euros”, conta Francisco Leitão, da Panda Security, ao Diário Económico. A empresa reuniu as dez maiores ciber-fraudes dos últimos dez anos (ver caixas) e concluiu que o ‘modus operandi’ é sempre igual. “O contacto inicial é realizado por e-mail ou através de redes sociais e a potencial vítima é tentada a responder por e-mail, telefone ou fax. Ao conseguirem captar este interesse, os criminosos tentam ganhar a confiança da vítima para depois solicitar determinada quantia sob os mais variados pretextos”, explica Francisco Leitão.

Questionado sobre que cuidados ter para não ser vítima destas fraudes, Francisco Leitão aponta três regras básicas: ter um bom anti-vírus, manter o senso comum e não confiar cegamente na internet. “Muitas destas mensagens são eliminadas e classificadas como indesejadas pelas soluções de segurança com anti-spam; é igualmente importante encriptar a informação contida no seu disco rígido”. Acima de tudo, “o senso comum é sempre o seu melhor aliado contra este tipo de fraude. Ninguém dá nada sem algo em troca e o amor à primeira vista na internet é uma possibilidade muito remota”, sublinha o responsável da Panda. Além disso, e mesmo que tenha a tentação de ceder à proposta de negócio, o utilizador deve sempre fazer um contacto no “mundo real”.

Caso se veja envolvido numa fraude pela internet, a melhor solução é mesmo contactar as autoridades. “Mesmo que a resolução deste tipo de crimes seja complexa, as autoridades legais estão cada vez mais preparadas para lidar com cibercrimes”, conclui Francisco Leitão.

Também Timóteo Menezes, responsável pela área de segurança da Symantec, aponta vários exemplos (ver caixa) para os utilizadores se protegerem das burlas cibernéticas. Mas, uma vez mais, o senso comum deve prevalecer. “Não divulgar ‘passwords’ ou dar informação pessoal desnecessariamente, não abrir anexos ou ‘links’ de destinatários desconhecidos ou não solicitados e manter informações financeiras e confidenciais em segurança”, reforça.

Caso seja apanhado por um esquema destes, além de contactar de imediato as autoridades, o responsável aponta que os utilizadores não se devem esquecer de alertar a entidade afectada, “como o banco, por exemplo, se a fraude for financeira e tiver a ver com um cartão de crédito emitido por essa entidade”. Mais: deve mudar ‘passwords’, “limpar” o computador para eliminar potenciais vírus e instalar um anti-vírus.

Famosos fraudulentos
Se costuma procurar informação sobre os seus actores preferidos é melhor pensar duas vezes. Um estudo da McAfee também seleccionou os dez famosos associados a páginas de internet com vírus perigosos.

A actriz Cameron Diaz é a rainha do ‘malware’ (um software destinado a infiltrar-se num PC alheio), mas Brad Pitt ou a modelo Heidi Klum não lhe ficam atrás. O sistema é simples: são enviadas imagens por e-mail que, uma vez abertas, permitem o acesso a ‘passwords’ de computador e correio electrónico, a redes sociais e, nalguns casos, até de a contas bancárias.

Os esquemas de ‘phishing’ (fraude caracterizada por tentativas de adquirir informações sigilosas), em que os piratas informáticos “pescam” (‘phish’) os dados dos utilizadores, são cada vez mais comuns. A Caixa e o Montepio Geral, por exemplo, tem sido alvo de uma destas manobras e já colocaram os clientes de sobreaviso. O Paypal, o eBay, o HSBC e o Facebook são os “reis” do ‘phishing’, segundo um relatório da BitDefender. Sem surpresa, as instituições bancárias são os alvos preferidos dos piratas informáticos, representando cerca de 70% das mensagens de ‘phishing’.


As 7 fraudes mais populares:

Esquema nigeriano
É uma das mais antigas fraudes utilizadas pela internet. O utilizador recebe um e-mail de alguém de fora do país – normalmente da Nigéria, daí o nome do esquema -, que necessita de transferir uma soma avultada de dinheiro e garante uma recompensa financeira significativa pela ajuda no processo. Pede apenas um adiantamento para ajudar a pagar as taxas bancárias. Após o envio deste valor, em torno dos mil euros, o contacto desaparece para sempre e, escusado será dizer, não se recebe qualquer compensação financeira pela “ajuda” prestada.

Namoradas
Uma jovem, normalmente da Rússia, “descobre” o endereço de e-mail do utilizador e demonstra interesse em conhecê-lo. A Panda diz que são sempre jovens e mostram-se desejosas para visitar o país do destinatário da mensagem e conhecê-lo pessoalmente, após declarar uma paixão por este. Depois de alguns e-mails trocados, pede para visitá-lo no seu país com o objectivo de o conhecer. Posteriormente, pede algum dinheiro para bilhetes, vistos e burocracias, cerca de mil euros. Caso o utilizador “caia” neste esquema, o dinheiro desaparece e a rapariga russa também.

Ofertas de emprego
Uma mensagem proveniente de uma empresa estrangeira está a recrutar agentes financeiros. O trabalho é simples e possível de ser realizado a partir de casa, com promessas de três mil euros em troca de apenas três a quatro horas de trabalho/dia. Ao aceitar as condições, são solicitados dados bancários do utilizador, que estará a receber dinheiro roubado de outras contas bancárias por parte dos cibercriminosos. O dinheiro é transferido para a conta do utilizador burlado, a quem é pedido que transfira o dinheiro recebido. Em caso de investigação, este utilizador será considerado cúmplice.

Lotarias falsas
Esta fraude é em tudo muito semelhante ao esquema nigeriano (de que falámos na primeira caixa). É recebido um e-mail indicando que o utilizador foi vencedor da lotaria. Nesse mesmo e-mail são solicitados os seus dados pessoais para se realizar a transferência do valor do prémio. Tal como no esquema nigeriano, os burlões pedem o envio de um adiantamento para cobrir as despesas bancárias, de cerca de mil euros. Claro que o valor da suposta lotaria nunca chega à conta bancária do utilizador burlado.

Facebook/Hotmail
Tem-se tornado cada vez mais popular nos últimos anos. Os criminosos conseguem os dados necessários para acederem a contas do Facebook, Hotmail, ou outras redes sociais. Modificam as ‘passwords’ para impedir o utilizador legítimo de aceder à sua conta, e enviam uma mensagem a todos os contactos em nome do utilizador a informar que se encontra de férias (Londres é um destino escolhido com frequência pelos burlões) e que foi roubado. Como tal, pede ajuda aos contactos para que lhe transfiram
entre 500 e mil euros para poder pagar o hotel.

Compensações
Este é um pretexto mais recente que tem origem no esquema nigeriano, a base de muitas fraudes desenvolvidas posteriormente. O e-mail refere que foi constituído um fundo para compensar vítimas da fraude nigeriana e que o endereço do utilizador se encontra listado entre os possíveis afectados. É oferecida uma compensação (por vezes chega a um milhão de euros) mas, tal como no esquema original, é necessário pagar adiantamento de cerca de mil euros para a cobertura das taxas bancárias para se realizar este pagamento.

Enganos
Muito popular nos últimos tempos devido à crise financeira. O contacto é realizado com alguém que tenha publicado, em classificados, a venda de uma casa, automóvel ou qualquer outro bem. Os burlões contactam o responsável pelo anúncio e concordam em comprar esse bem, enviando rapidamente um cheque, sempre com um valor superior ao acordado. Em seguida solicitam ao vendedor a devolução da diferença, mas o cheque não tem cobertura, o bem permanece por vender e a vítima perde o dinheiro devolvido. »

In: http://economico.sapo.pt/noticias/conheca-as-fraudes-mais-comuns-na-internet_99198.html, a 17 de Setembro de 2010, em Diário Económico.

Muito Cuidado!

RT

Cuidados Que Se Deve Ter Com o Facebook…

Cuidados com o Fecebook... Fonte:www.info.abril.com.br

Hoje trago uma reportagem que saiu num diário da nossa praça e que versa sobre os ataques informáticos, nomeadamente às redes sociais, vou transcrever a referida reportagem.

« Tem Facebook? Cuidado com os ataques de phishing

O Facebook é o quarto site mais afectado com ataques de phishing logo a seguir ao PayPal, eBay e HSBC, segundo o relatório da empresa de segurança BitDefender para a primeira metade de 2010.

Segundo a empresa, assistiu-se a um aumento considerável de “malware” (software malicioso), com o Mundial de Futebol e com as inundações da Guatemala, uma vez que, estes foram os principais alvos para lançar os ataques.

O Trojan.AutorunINF.Gen (11%) foi considerado o vírus mais activo, neste primeiro semestre, já que se espalha rapidamente e de forma muito eficaz através dos discos e dispositivos de armazenamento removíveis, executando ficheiros maliciosos.

De acordo com os mesmos dados, o  spam, (mensagens não solicitadas “enganosas”) também sofreu um aumento, representando cerca de 86% de todas as ameaças, devido sobretudo ao spam farmacêutico que aumentou de 51% para 66%.

A Rússia e a China estão no topo da lista dos países que albergam mais software malicioso com 22% e 31% respectivamente.

O relatório concluiu ainda que o Facebook – a superar os 400 milhões de utilizadores – irá ser alvo de mais ataques, já que a maioria dos autores de malware irá seguramente centrar-se nas plataformas de redes sociais para lançar as suas novas criações. »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/76125-tem-facebook-cuidado-com-os-ataques-phishing, a 31 de Agosto de 2010, em Jornal I

Muito Cuidado!

RT

Google Muda a Imagem… Veja Aqui os Detalhes…

Google Muda de Imagem... Fonte: http://tecnocratadigital.files.wordpress.com

Hoje e para começar bem o fim semana, trago uma sugestão de cariz informático, passo a transcrever uma noticia que saiu num diário da nossa praça, e que fala nas mudanças que estão a acontecer no mais famoso motor de Busca , neste caso, o Google.

« Google mudou. Os resultados da busca nunca mais serão os mesmos

O aspecto das páginas do Google Search está diferente e até o logotipo perdeu a sombra e ficou mais brilhante

Se gosta do aspecto que as páginas do Google têm quando faz uma busca online, prepare-se para se despedir dele. O Google Search está a sofrer alterações significativas desde ontem e nunca mais terá o mesmo aspecto. Abra uma página de busca da Google e olhe para o logotipo da empresa que todos usam e em que aprenderam a confiar: nota alguma coisa de diferente? Sim. O sombreado desapareceu, o corpo das letras “emagreceu” e está mais brilhante. Porquê? Apeteceu-lhes. A Google gosta de refrescar a sua imagem de tempos a tempos e decidiu polir o seu logo.

“Nós compreendemos que as mudanças são difíceis e que uma parte dos nossos utilizadores vai ser mais resistente à diferença”, admitiu Nundu Janakiram, gestor de produto das buscas da Google, durante uma conferência telefónica. Mas mesmo assim, a empresa decidiu que não será possível voltar a usar as páginas como foram até agora. E quais são as diferenças? Tudo se passa na parte esquerda do ecrã.

Estas foram palavras que Nandu Janakiram usou várias vezes para caracterizar a nova página de resultados da Google. A ideia é que o painel do lado esquerdo que vai aparecer sempre que se fizer uma busca (semelhante àquele que já aparece na parte de notícias) apresente ferramentas úteis e simples para facilitar o trabalho do utilizador. O interessante é que estas ferramentas mudam conforme o tipo de pesquisa que o cibernauta estiver a fazer.

Alguns exemplos são a triagem por data: é possível encontrar informações sobre o concerto da Madonna em Portugal em 2008, mas excluindo resultados anteriores a esse ano. Ou se estiver a pesquisar sobre um apresentador que também é autor poderá aceder à ferramenta “Livros” que se encontrará do lado esquerdo.

Outra novidade é a possibilidade de marcar resultados favoritos, tal como o “boomark” de um site. E ainda um quadrado com resultados semelhantes relacionados – bandas que surgiram na mesma altura dos Rolling Stones, por exemplo.

É possível que algumas pessoas não gostem do “ruído” visual, mas Nandu garante que este é “o próximo passo” na evolução da busca. As reacções dos utilizadores dirão se ele tem razão. »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/58577-google-mudou-os-resultados-da-busca-nunca-mais-serao-os-mesmos, a 06 de Maio de 2010, em Jornal I

Boas Pesquisas!!

RT

Conheça os Saldos de Vestuário Presentes na Internet

Boas Compras de Vestuário.... Fonte: http://baikong.files.wordpress.com

Trago hoje uma solução, bastante útil e que li no dia de ontem num diário da nossa praça, trata-se de compra e venda de artigos de vestuário com recurso à Internet, quer seja, por sites de lá de fora, ou mesmo cá dentro, venha conhecer como pode poupar uns Euros…

« Saldos online: na moda sem sair do sofá

Novo ou em 2ª mão? Na internet o comércio de roupa é negócio certo: quem vende enche os bolsos, quem compra não os esvazia

António Aguilar é o típico jogador de râguebi: mede 1,96m, calça o 46 e raramente consegue encontrar roupa à sua medida nas lojas convencionais. Há 10 anos, quando foi jogar para França, conheceu um neozelandês com o mesmo problema. A solução? Comprar no eBay, o conhecido site de leilões com lojas virtuais espalhadas pelo mundo inteiro.

Recuemos no tempo. Quem não se lembra dos serões passados em família a tirar medidas para encomendar roupa na “La Redoute”? Hoje, a revista francesa adaptou-se à era digital. Mas a concorrência também cresceu, sobretudo desde o aparecimento do eBay. As vantagens de comprar online são óbvias: lojas abertas 24 horas por dia, variedade de modelos e cores e, na maior parte dos casos, a preços mais baixos.

Casos como o de António são, por isso, cada vez mais frequentes em Portugal. Um crescimento que se explica, em parte, pela generalização de sites como eBay ou Amazon e pelo reforço da segurança nas transacções. Mas para o jogador de râguebi as razões são outras: “Quando entrava numa loja portuguesa, acabava sempre a discutir com o gerente. Em Portugal ainda existe a ideia de que as pessoas são baixas, por isso as encomendas de tamanho XL são mínimas.”

O problema resolveu-se quando António passou a investir no comércio digital. Hoje, as lojas tradicionais servem-lhe apenas para tirar medidas: “Às vezes vou experimentar roupa ou calçado só para saber se me serve. Depois mando vir pelo eBay”. Por mês, gasta uma média de 150€ em compras no gigante americano. E investe principalmente em roupas de marca: “Dolce Gabana, Hugo Boss a preços bastante abaixo do mercado. Normalmente a metade”, garante.

Vestido de noiva

Ténis, botas, vestidos, mas também relógios, produtos de cosmética e decoração. Todas as semanas, Marisa Costa, 30 anos, recebe uma encomenda vinda de um qualquer país europeu. É assim desde 2007, altura em que descobriu as vantagens de comprar no eBay. Para reduzir as taxas, esta professora de artes encomenda exclusivamente produtos da União Europeia. “Já tive uma experiência negativa: um relógio da Nike, €80 mais barato, que foi aberto na alfândega”. Resultado: ficou ao preço da loja. “Serviu para aprender.”

Uma das formas utilizadas pelos vendedores para contornar as taxas é escrever “gift” no embrulho, evitando que o produto não seja aberto. A técnica já resultou com Maria Antónia Carreira, que descobriu no eBay aquilo que não encontrava em mais lado nenhum. Nos Açores, onde vivia, “a oferta sempre foi limitada”. Embora seja uma “adepta dos produtos nacionais”, esta escriturária de 49 anos não teve outra solução senão passar comprar roupa no site de leilões. “Compro muitos vestidos de cerimónia, é um produto com grande oferta no eBay.” Não poder experimentar também não é um problema. “Basta tirar bem as medidas e ver as fotografias com atenção.”

Maria Antónia tornou-se uma “compradora compulsiva” do mercado electrónico: hoje vive em Lisboa mas é raro o dia em que entra numa loja. “Compro quase tudo online; roupas, sapatos, malas, adereços, tudo.” O contacto diário com o comércio digital permitiu-lhe, por outro lado, dedicar-se a um novo negócio: compra e venda de vestidos de noiva. “Nas lojas pode chegar aos mil ou 1200 euros. No eBay, o mesmo vestido custa 200 ou 300 euros”. A diferença é tal que mesmo com as taxas aplicadas na alfândega compensa. “Só se paga a partir dos €25. Quando são embalagens pequenas, a guarda nem os abre”, garante. “Um vestido de noiva, por exemplo, vem num envelope A4, em vácuo. A primeira vez que vi nem acreditei.”

Fazer negócio no blogue

Antes de entrar numa loja para comprar um artigo, Susana Pires, 26 anos, procura-o sempre na internet. Sobretudo vestuário de bebé: “80 por cento da roupa do meu filho é comprada online. E costumo arranjar a preços mais baratos.” Além de comprar, Susana vende num blogue todo o tipo de vestuário infantil. “Torna-se um ciclo: a roupa de criança rapidamente deixa de servir e muitas mamãs acabam por fotografar e vender as peças em blogues.”

Não é bem o caso de Sandra Campos, publicitária, que começou por vender roupa na net no dia em que quis ganhar espaço no guarda-vestidos. “Só coisas novas ou muito bem estimadas”. Transmitir confiança é essencial para quem vende artigos tão pessoais no mercado global. Apesar de tudo, vender online é uma tarefa dura, de acompanhamento diário. Sandra até teve sorte de principiante: “A primeira vez que coloquei um artigo à venda ganhei logo €100.” Mas nem tudo é negócio: na semana passada decidiu inaugurar, no blogue, a colecção de Primavera. Todas as peças que sobraram foram oferecidas às vítimas da Madeira. “Fui aos correios e enchi 13 caixas com roupa.” »

In: http://www.ionline.pt/conteudo/49294-saldos-online-na-moda-sem-sair-do-sofa, a 3 de Março de 2010, em Jornal I

Boas Compras

RT

Quanto Pensam os Portugueses Gastar Com o Natal…

prendas

Prendas de Natal Fonte:www.carcavelossurfschool.com

Estamos a pouco mais de um mês do Natal, trago aqui um estudo realizado, sobre o valor que os portugueses pensam em gastar em compras de Natal, passo a transcrever o mesmo, seguido de um comentário:

« Natal: portugueses pensam gastar 390 euros

Livros estão no top 3 das prendas de natal

A pouco mais de um mês do Natal, os portugueses estimam gastar em média 390 euros em presentes – 30 euros por prenda para uma média de 15 presentes – ligeiramente menos do que os gastos previstos no ano passado (405 euros), uma queda de 3,7%, revela um estudo da Deloitte sobre as intenções de compra dos europeus na última época festiva do ano.

A subida da confiança dos portugueses acontece em linha com a Europa, mas a sensação de que a economia continua em recessão ainda afecta 59% dos cidadãos nacionais.

Quando a hora das compras chegar, segundo o estudo, a tendência de 83% dos portugueses vai ser para oferecer produtos úteis, um critério que irá ser mais persuasivo que os preços, que irão ser o guia de 56% das pessoas. Ainda assim, e apesar de o preço por presente não ter baixado, o estudo conclui que pelo menos duas pessoas vão ser «riscadas» da lista de prendas, ficando assim a média em 13 presentes.

De toda a Europa, apenas a Europa de Leste (com excepção da República Checa) planeia gastar mais em prendas no Natal de 2009.
Confira a lista de compras dos portugueses

Os livros estão no topo das escolhas dos portugueses: 63% admite comprar livros para oferecer aos adultos. Em segundo lugar estão a roupa e os sapatos (45%) , os CD (43%), os perfumes (43%) e os chocolates (30%) continuam no topo das escolhas.

Para os mais novos, 53% dos adultos quer comprar jogos educativos, 52% vai optar pelos livros e 41% vai oferecer roupa e sapatos aos mais pequenos. As bonecas vão chegar pela mão de 17% dos pais e 9% dos adultos vai dar dinheiro aos filhos.

Quanto aos locais favoritos para as compras, 70% admite recorrer aos hipermercados e 67% irá ao comércio tradicional.

E se a tendência de usar a internet como meio para encontrar o presente com melhor relação qualidade/preço ganha cada vez mais adeptos europeus, em Portugal a resistência é de 43%. Em relação a presentes em segunda-mão, são 11% os jovens portugueses que admitem recorrer à internet e a lojas especializadas para gastar menos dinheiro.»

In: http://www.agenciafinanceira.iol.pt/noticia.php?id=1102707&div_id=1730, a 12 de Novembro de 2009, em Agência Financeira

O meu comentário:

Estamos a pouco mais de um mês para a festa de Natal, e já se vê algumas superfícies comerciais, especialmente as do canal mais moderno, até com produtos relacionados com o natal, essencialmente produtos decorativos.

Muitos dos nossos shoopings começam a ser enfeitados, e a maioria deles, até já tem programação para a quadra natalícia que se avizinha, mas as lojas dos mesmos, ainda não possuem alusões na sua maioria ao natal, penso mesmo que muitas delas estão, a «queimar», as ultimas promoções de Outono, com alguns descontos, para depois sim entrar na verdadeira época natalícia.

Verdade seja dita, muitas pessoas, indicam que pretendem realizar um planeamento das compras, e do que vão oferecer, e os canais a que vão recorrer para conseguirem melhores preços à qualidade desejada. No entanto, penso que muitas das pessoas, especialmente nos últimos 15 dias antes do grande dia, vai começar a perder a cabeça, e vai fazer algumas compras de ultima hora, e são essas, que não são as pensadas, que podem fazer a diferença, e trazer os dissabores de que as pessoas ficaram endividadas para o ano que vem, mas são acontecimentos que se sucedem ano após ano.

No entanto, caso o estudo esteja correcto, podemos assistir a uma mutação nos comportamentos e motivações dos cidadãos nacionais, onde olham para o Natal como sendo uma época festiva, e onde se gasta algum dinheiro, na compra de presentes, no entanto, as compras devem ser tendencialmente o mais racionais possível, coisa que não tem acontecido de alguns anos para cá.

Esperemos que se cumpra e a lei do consumismo exacerbado não ganhe, não que eu não gostes de oferecer boas prendas, mas mediante o contexto de crise, penso que alguma racionalização nas compras, deve ser tida em conta, no entanto, sou obrigado a admitir que o contrário, também é bastante benéfico para o contornar a crise em que nos encontramos inseridos, pois o consumo, serve de alavanca para saída da crise, através do incremento do consumo privado, no entanto, o mês de Dezembro, que é o mês de Natal, pode ser um bom mês, através do incremento do consumo privado, o problema é que o dito consumo, não percussão nos meses seguintes, pois os valores gastos pelas famílias em Dezembro, não espelham os ordenados dos outros meses transactos, o que podemos concluir, embora penso que não seja viável, se todas as pessoas auferissem o que auferem no mês de Dezembro, à muito que não haveria crise, é obvio que não seria assim, pois outros valores se levantavam, mas que muitas famílias iram gostar, iam sim.

Deixo a Questão: Quanto pensa gastar em Compras de Natal este ano?

Tenho Dito

RT

Natal: portugueses pensam gastar 390 euros

Cotações de Automóveis Usados na Internet…Para Maior Transparência…

Cotações On Line de Automóveis Usados...

O tema que vou abordar hoje, é mais uma vez no uso das novas tecnologias para que se crie mais transparência nas pessoas, neste caso, concretamente nos negócios de automóveis usados, e os preços dos mesmos, praticados pelos mais diversos vendedores deste país, passo a transcrever a notícia e de seguida faço o meu comentário:

« Carros usados vão ter bolsa de cotações online

Preços médios por marca, modelo, ano e quilometragem estarão disponíveis no Standvirtual.com

Desde que a crise começou, os carros usados com menor cilindrada e menos cavalos ficaram mais caros, enquanto os de maior potência desvalorizaram rapidamente. Motivo: os veículos mais modestos gastam menos e a procura disparou de tal forma que o preço subiu. Sabe quanto vale o seu carro usado se o quiser vender? Em breve poderá descobri-lo, na bolsa de cotações que o Standvirtual.com vai lançar na internet.

“Temos a maior base de dados de carros usados do país e podemos fazer pesquisa para sabermos valores históricos”, explica ao i o administrador do portal, Miguel Mascarenhas. A ideia de lançar uma bolsa de cotações surgiu para colmatar uma falha do mercado de usados, em que não é fácil saber ao certo quanto vale um carro em determinado momento. Há tantas variáveis que o proprietário pode facilmente errar no valor que pede, dificultando o sucesso do negócio: o ano de fabrico, a marca, a cilindrada, o número de quilómetros, o tipo de estofos, se já esteve envolvido em acidentes, os extras (como GPS ou computador de bordo), etc. A verdade é que, por exemplo, um Fiat novo pode ser mais caro que um Mercedes usado. “Num Aston Martin, dez mil quilómetros já é muito”, exemplifica o administrador.

“Vamos mostrar os valores médios da marca, modelo, ano, e quilometragem”, adianta Miguel Mascarenhas, sublinhando ainda que este era um pedido frequente por parte dos utilizadores do site. “A vantagem é que a amostra é real, não são valores extrapolados, e permite-nos guardar o histórico e perceber qual a variação em relação ao mês anterior”, completa o responsável. No lançamento, a bolsa de cotações será mensal para prevenir fraudes. “Podia-se dar o caso de alguém colocar dez carros a um valor muito alto, por exemplo”, frisa o mesmo responsável.

Além dos preços, também é possível fazer um retrato do mercado de usados através das estatísticas geradas no site. Uma breve pesquisa revela que a marca mais vendida é a Renault, mas a mais procurada é a BMW. Há quase uma centena de carros que custam entre 100 e 500 mil euros, entre os quais estão vários Ferraris e Lambourghinis. E a tendência é para ter melhores descontos que nos anúncios de jornal: os particulares acabam por baixar cerca de 3% e os stands reduzem 5%. Dos 62 mil anúncios actualmente disponíveis, metade são de particulares e a outra metade de stands. Nenhum anúncio fica no site por mais de quatro semanas, sendo que o tempo normal de concretização do negócio é de 90 dias. É por isso que este e outros portais do género não param de crescer: anunciar na internet é muito eficaz.

sem comissões O segredo para o sucesso do Standvirtual, que tem 70 mil utilizadores únicos todos os dias, é o facto de ser gratuito. A casa-mãe, FixeAds (que usa um peixe como símbolo fazendo o trocadilho com o calão), não cobra qualquer comissão pela colocação dos anúncios nem pelas transacções bem sucedidas. Vive exclusivamente da publicidade e dos anúncios em destaque, um modelo que já provou ser lucrativo. Tanto que a empresa fundada por três jovens com menos de trinta anos também é dona do Leiloes.net – líder do mercado, à frente do Miau.pt – e do Coisas.com, estreado há quatro meses.»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/30183-carros-usados-vao-ter-bolsa-cotacoes-online, a 29 de Outubro de 2009, no Jornal I

O meu comentário:

De facto penso que é uma óptima ideia, termos um guião, onde podemos ter acesso ao preço de um determinado veículo, que queiramos vender o nosso carro, quer queiramos comprar um carro.

Conhecemos as típicas revistas da imprensa escrita, onde tem lá o preço médio dos automóveis, no entanto, penso que quer vender o seu veículo, não vai se conduzir por aí, até porque muito do calor que se pede por um veiculo que pretendemos vender, depende muitas vezes do valor que achamos que ele vale, o que não é por vezes o valor que efectivamente vale; a mesma linha de raciocínio, deve ser aplicada, quando queremos comprar, no entanto, tem um senão, é que quando somos compradores, queremos sempre o comprar, se possível abaixo do valor de mercado.

Muitos são os stands que existem por esse país fora, já foram mais, a crise limpou muitos, esperemos que tenham ido, os que estavam a minar o mercado, os denominados de vendedores da «banha da cobra», é pena, que penso que não os levou, ou seja, continuam a existir, vendedores que querem ter uma margem de lucro na venda de um automóvel fabulosa, e inflacionam os preços, depois não nos admiremos que vão descendo, como é o caso, da peça jornalística transcrita, onde diz que os stands em média descem 10%, pois bem, é como em tudo, quando queremos vender algo, temos que o saber vender bem, devemos sempre, pedir um preço ligeiramente acima, ao que pretendemos vender, de forma, a termos margem para irmos descendo, e façamos desta forma um bom negócio para nós, e pareça para o comprador, um bom negócio também para ele. Isto são técnicas, que quem não as usar, está simplesmente a perder dinheiro e tempo no mercado, cabe ao comprador tentar esmiuçar o mais possível, para o vendedor descer.

Pois bem, o que se passa nestes stands de estrada, a que também denomino muitos deles de stands de vão de escada, é que os mesmos, além de inflacionaram demasiado os preços dos automóveis, são muito inflexíveis na descida do preço, pois defendem-se essencialmente, que o veiculo está em perfeito estado de conservação, que era de uma senhora ou de um idoso, e ao fim de contas, vamos a ver e o carro está em muito mau estado, sendo que a maior parte destes stands, manda para o gualheiro a garantia obrigatória.

Esta publicação, anunciada na peça, vem tentar terminar com estes, «vendedores de banha da cobra», e dar mais transparência a um mercado, que sempre, teve muito «Chico-espertismo» â mistura, e como tal, muitas pessoas, ficavam de pé atrás quando se falava de compra de automóveis usados.

Penso que tudo que seja, em favor de uma maior transparência entre compradores e vendedores é benéfico, e em ambas os sentidos, pois, é bom para os vendedores, pois conseguem estabelecer redes de vendas duradouras e que são expansivas no longo prazo, e é bom para os clientes, que sentem confiança no vendedor, e mais tarde vão o tomar, não como vendedor, mas como um consultor ao ser serviço, nas suas necessidades, desejos e motivações.

Parabéns aos autores da ideia, penso que vamos ficar todos a ganhar com a mesma.

Deixo a Questão: Que pensa da publicação dos preços aconselhados para venda de automóveis usados na Internet?

Tenho Dito

RT

Banca Portuguesa Estuda Como Taxar Utilização do Multibanco…

Como Cobrar O Serviço Multibanco?

Como Cobrar O Serviço Multibanco?

Hoje trago uma notícia que pode vir a gerar muita polémica, trata-se da aplicação de uma taxa de utilização do MB, passo a transcrever a mesma notícia e passo a fazer o meu comentário:

« Só portugueses ainda não pagam operações de multibanco

Depois de uma primeira tentativa falhada, alguns bancos continuam a defender que as operações de multibanco deveriam ser pagas. No resto da Europa já é cobrada uma taxa. Mas a Deco diz que bancos não avançarão enquanto a medida “não for politicamente aceite”.

Os portugueses já são os úni- cos consumidores europeus que não pagam qualquer taxa por levantar dinheiro com cartão multibanco em caixas automáticas, as conhecidas ATM, revela a Unicre, empresa que gere a principal rede de aceitação de cartões de débito e crédito em Portugal.

A Áustria foi o último país a introduzir este custo no seu sistema bancário. Apesar de não haver dados concretos sobre o valor da receita com estas comissões, os bancos austríacos cobram aos clientes que levantam dinheiro nas caixas de outros bancos, mantendo a taxa zero para quem utilizar a rede do banco emissor do cartão.

Em Portugal, “o assunto não está a ser equacionado”, garante Faria de Oliveira, o actual presidente da CGD. Em 2001, o BCP tentou implementar a “taxa multibanco” nos levantamentos efectuados com os seus cartões nas caixas dos outros bancos. Perante a polémica suscitada, acabou por recuar. O presidente do BES, Ricardo Salgado, também já defendeu publicamente a adopção da comissão sobre levantamentos em ATM. Mas ninguém avançou, devido à oposição da CGD, então presidida por António de Sousa.

“A introdução de uma taxa nas operações de multibanco terá de ser uma decisão conjunta de toda a banca”, defende Faria de Oliveira, em declarações ao DN.

“Enquanto não for politicamente aceite, julgo que os bancos não avançarão”, assegurou, por seu lado, ao DN João Fernandes, economista da Associação de Defesa dos Consumidores (Deco). Para este especialista em assuntos financeiros, “não é tolerável” que os bancos passem a cobrar por um serviço “que só lhes traz ganhos”.

Esta decisão terá mesmo dificuldade em obter o consenso dos bancos mais pequenos. Com redes próprias de caixas automáticas, os clientes destas instituições terão menos hipóteses de efectuar levantamentos gratuitos, se estes passarem a ser só possíveis nos ATM da marca.

Segundo os dados da Unicre, Portugal tem não só a melhor rede de ATM a Europa (pelas funcionalidades que disponibiliza) como a mais barata. O custo médio cobrado por este serviço na União Europeia é de 1,14 euros. E enquanto em Portugal existem 1589 caixas automáticas por cada mil habitantes, na UE a média é de 855 por mil.

Segundo informação recolhida pelo DN, a maior parte dos países dá isenção de comissão por levantamento quando este é feito na sua rede de ATM, cobrando comissão quando a operação é feita na rede de outra instituição. Outros ainda limitam a um determinado número por mês as operações gratuitas, passando a taxar as que excedem esse número.

De acordo com os últimos dados disponíveis, relativos a 2005, no Luxemburgo, por exemplo, a comissão das operações de multibanco variava entre os 0,75 e os três euros, enquanto na Grécia era de 1% sobre cada levantamento, com um mínimo de 0,84 e um máximo de 2,94 euros. Na Alemanha oscilava entre taxa zero e 4,25 euros. »

In: http://dn.sapo.pt/bolsa/interior.aspx?content_id=1394763, a 19 de Outubro de 2009, no Diário de Notícias

O meu comentário:

Penso relativamente a esta situação, que Portugal para poder implementar uma medida deste calibre, tem que ser socialmente aceito, e actualmente a banca em Portugal, está muito mal vista, por comissões obscuras e não indicadas aos clientes, por mau atendimento em algumas instituições bancárias, por terem a fama de terem lucros enormes à custa de comissões que vão surripiando aos clientes.

Pois bem, tenho um conhecimento muito bom da banca, posso afirmar que esta taxa, é possível ser colocada, e penso que os portugueses, não se importariam de pagar, caso, os seus ordenados fossem justos, para as despesas que possuem no dia-a-dia; caso os bancos com o valor das comissões contratassem mais pessoal para os quadros, de forma a ter um atendimento mais eficaz aos seus clientes, e mesmo antecipar as necessidades, desejos e motivações dos clientes, sendo seus conselheiros, e não considerados inimigos dos clientes; os Bancos disponibilizarem em cada freguesia portuguesa uma caixa MB da sua rede; os bancos deveriam deixar de cobrar a anuidade do cartão MB; entre outras medidas mais relevantes.

A Banca, nos últimos anos têm vindo a regredir na contratação de pessoal para os seus quadros, e tem tentado encaminhar as pessoas para a utilização dos meios automáticos, de forma a poder reduzir custos, especialmente em custos humanos.

Mas um exemplo, que a taxa é um pouco absurda, é que por exemplo, quando um cliente de banco X, se dirige ao seu banco, para depositar um cheque que recebeu do banco Y, e vai ao balcão, utiliza os funcionários da agência, ou seja, faz com que seja, mais dispendioso que depositar o mesmo no MB, e não lhe é cobrado nenhuma taxa, o mesmo se passa, tendencialmente os pedidos feitos pelos clientes em caixas MB ou mesmo com recurso à Internet, são mais baratos que os pedidos na agência, o que de certa forma, até concordo, pois não gasta espaço físico, não utiliza pessoal, agora ter que se pagar por usar o MB ou a internet, vai levar as pessoas a irem para as agências de novo, como acontecia antes de 1985, época em que o serviço MB, surgiu em Portugal.

A questão, penso que se a taxa fosse para algo útil, como por exemplo, criar mais emprego nos bancos, criação de melhores serviços, apoio de clientes, criação de mais caixas ATM em todas as freguesias nacionais, ou mesmo, encaminhar o valor das taxas, para algo útil, como ajudar os que mais necessitam, ai penso, que a medida publicamente, deveria ser bem aceite, o problema é que actualmente a banca possui má fama entre os portugueses, no geral, e penso que para inverter a mesma, têm que efectuar um compasso de espera, e tentar mudar a imagens que os portugueses têm da banca

Trata-se de uma medida, que penso que vai ser difícil de vingar em Portugal, mesmo em consenso da própria banca, pois os bancos pequenos, geralmente não têm uma rede de MB eficaz, e pretendem ganhar cota de mercado, o que só mesmo com algumas «ofertas», é possível contornar. Em caso, de a taxa seja aplicada, penso que é melhor os bancos contratarem mais pessoa, para os seus quadros, pois os portugueses vão voltar às agências, e penso que o horário praticados pelos bancos actualmente, não é exequível, e que as pessoas vão entrar antes das 15H, e vão lá ficar até à ultima pessoa, e os bancários não vão ter tempo para outras tarefas, caso não tenham mais agências e mais recursos humanos disponíveis.

Deixo a Questão: Que Pensa da Implementação de Uma Taxa por Utilização do MB?

Tenho Dito

RT

10 Sites Que Deve Sempre Ter à Mão….

Sites Uteis

Sites Uteis

Hoje por ser Domingo, e sei que muitos cibernautas têm mais tempo, para navegarem por sites diferentes da sua rotina habitual, hoje não vou tecer nenhum comentário, vou simplesmente, transcrever uma notícia que saiu num jornal diário, no decorrer da semana, que ontem nos abandonou, passo a transcrever a noticia e desejar votos de boas navegações:


« Dez sites úteis para guardar

Viver sem internet é como ir a um jardim e não ver flores, comer um cozido sem farinheira, sair de casa sem sapatos. O i fez uma lista de sites a não perder para adicionar aos seus favoritos. Para consultar sempre que tiver coisas mais importantes para fazer.

Agenda de concertos
epilepsiaemocional.org
Está farto de viver da casa para o trabalho e do trabalho para casa? Gostava de quebrar a rotina e assistir a um concerto de vez em quando mas não faz ideia do que se passa na cena musical do país? Não se preocupe. Este site tem todos os concertos de todas as bandas em todo o país. Datas, locais, horas, não falta nada. Se não conhecer nenhuma das bandas, tem um problema sério. O remédio é googlar e descobrir.

Praias
www.beachcam.pt
Descubra tudo o que há para saber sobre as praias portuguesas dadas aos desportos marítimos. Vento, ondas, temperatura do mar, condições meteorológicas e notícias de surf. Mesmo que seja um leigo nestas andanças, pode sempre dar uma espreitadela às câmaras que o site tem espalhadas pelas praias e imaginar que está à beira-mar, sentado na areia, em vez de trancado no escritório.

Dicionário
www.priberam.pt
Um
dicionário é daquelas coisas obrigatórias. Seja para verificar a ortografia de uma palavra ou para descobrir o significado de outra. Longe vão os tempos dos calhamaços encadernados a capa dura, verdadeiras armas de arremesso e distracção para os menos focados. Quantas vezes deu por si a rir enquanto descobria novas palavras de entoação cómica mas perfeitamente inúteis e a esquecer-se daquela que realmente interessava? Com o dicionário online basta escrever a palavra e pronto. A internet faz o resto.

Jornais e Revistas
www.noticias.sapo.pt
Que não tenha tempo para comprar jornais, que não haja um quiosque num raio de 500 metros no percurso para o trabalho, que nunca tenha trocos disponíveis, está muito bem, mas isso já não é desculpa para não andar informado. Nesta página encontra as capas de toda a imprensa portuguesa, bem como os links para os respectivos sites. Comece no ionline.pt e depois vá por aí fora descobrir o mundo.

Gadgets e tecnologia
gadgetsetecnologia.com
Este é daqueles sites que dão muito jeito na altura do Natal ou dos aniversários dos mais chegados. Ou então para descobrir o mais recente apoio de GPS para moto, ou a nova pen com 3452 mil gigas de memória e rádio incorporado. Perca-se por novos portáteis, PC, GPS e fique a saber as novidades relacionadas com a internet e afins. Óptimo para se distrair de tempos a tempos durante o horário de expediente.

Receitas
www.vaqueiro.pt
Nem toda a gente tem alma de Maria de Lourdes Modesto, Jamie Oliver, Sá Pessoa ou Julia Child. Ou melhor, alma até pode ter, dom para os tachos é que já é outra história. Não se deixe assustar por palavras como confitar ou bechamel. Não desista de ser dono e senhor da sua cozinha. O site da Vaqueiro pode ser a salvação, é que além de ser fácil de usar, tem toda uma panóplia de receitas divididas por tipo de carne ou peixe. É só escolher, seguir os passos e fazer um brilharete entre amigos, família ou a cara-metade.

Viagens
www.skyscanner.pt
Este site é uma verdadeira pérola da pesquisa. A partir daqui pode conhecer todos os voos low cost que saem de Portugal. Não adie mais a escapadela romântica ou aquela semana de férias que tinha planeado num qualquer país europeu ou numa das nossas ilhas. E também lhe mostra as viagens mais baratas a partir de outros países.

Moda e tendências
www.tendenciasonline.com
Não é preciso ser especialista para andar na moda. Nem sequer é preciso saber os nomes de todas as cores que existem, variações incluídas, de todos os tecidos ou peças de roupa. Se não sabe o que é uma clutch, um bolero nem percebe qual a utilidade das mangas a três quartos num casaco de Inverno, não faz mal, a sério. Este site tira-lhe as dúvidas, explica-lhe que tipo de roupa usar em todas as ocasiões e até lhe mostra as tendências actuais quer de roupa quer de cabelos. Sim, porque na moda, tudo conta.

Cinema
www.cinema.ptgate.pt
Não quer ser daquelas pessoas que ocupam as filas das bilheteiras durante minutos intermináveis enquanto decide que filme quer ver, pois não? Não quer ser alvo da ira do casal atrás de si que quer ver a comédia romântica prestes a começar e cujo início vão perder graças à sua indecisão? Saiba que filmes estão em cartaz em Portugal, que outros se vão estrear, em que cinemas, a que horas, tudo explicadinho tim-tim por tim-tim. E como bónus até pode pesquisar em que outras películas entrou aquele actor cuja cara não lhe é nada estranha e que gosta muito de ver trabalhar.

Utilidades
www.indeks.pt
Este site tem o dom de reunir uma quantidade de links úteis para o dia-a-dia. Bancos, automóveis, imobiliárias, notícias, saúde, lazer, cultura, entre muitas outras coisas. Pode aceder à página da Segurança Social tão rapidamente como à dos recordes do Guinness para logo a seguir se perder no site do seu clube de eleição. É a verdadeira loucura.»

In: http://www.ionline.pt/conteudo/28682-dez-sites-uteis-guardar, a 20 de Outubro de 2009, no Jornal I

Votos de Bom Domingo !!!

Tenho Dito

RT